O SAT, sigla para “Scholastic Assessment Test” é o teste para entrada na faculdade (College) nos EUA. O propósito e perfil do teste é bem parecido com o ENEM, aliás, os Brasileiros literalmente copiaram a ideia do SAT para criar o ENEM, exceto que nos EUA não é possível se candidatar à universidade sem ter feito o SAT, enquanto no Brasil, o ENEM ainda é opcional.

O SAT é basicamente um teste de QI misturado com o conteúdo que o aluno aprendeu em sua vida escolar até então, assim como é o ENEM e os testes vestibulares aplicados individualmente por cada universidade. O aluno que já está estudando para o vestibular e ENEM brasileiros não deve ter maiores dificuldades para estudar para o SAT, já que o conteúdo é basicamente o mesmo, com a única diferença que o teste é aplicado em inglês.

O SAT, nos EUA, é aplicado sete vezes ao ano e no exterior, 6 vezes, então o aluno tem bastante flexibilidade para escolher a data em que deseja prestar o exame.

A primeira parte do exame é constituída de um teste de redação, matemática e pensamento crítico, testado principalmente através de questões com interpretação de texto. A capacidade de se expressar muito bem de forma escrita é uma das características mais valorizadas pelas universidades Norte Americanas. O Brasileiro que sonha em estudar nos EUA deve se focar intensamente no aprendizado da língua inglesa e treinar a escrita. Enfatizamos esse ponto, pois no Brasil as escolas dão menos ênfase para a expressão escrita e muitos estudantes chegam a entrar na faculdade sem saber escrever bem em Português. Nos EUA sem saber se comunicar bem em Inglês no papel, o aluno não é aceito em uma boa escola.

Cada seção tem uma grade de pontuação na escala de 200 a 800.

A segunda parte do SAT é facultativa para algumas instituições e constitui-se de testes específicos para a área de enfoque que o aluno escolher. Os testes de matérias do SAT são oferecidos em matemática, ciências, línguas estrangeiras, literatura e história. Se solicitado, geralmente não é permitido que o aluno escolha como língua estrangeira, Inglês ou sua língua natal, no nosso caso, Português.

Hoje em dia, há uma grande vantagem em ser Brasileiro tentando entrar em alguma instituição de curso superior nos EUA. A maioria das escolas, querendo ser politicamente corretas, adotam uma série de cotas que devem ser preenchidas anualmente. Algumas escolas possuem cotas para negros, estrangeiros, asiáticos, mulheres, latinos e assim por diante. Todas as grandes universidades possuem cotas, pois estas ajudam a escola a obter financiamento do governo, entidades particulares e doações de grupos étnicos, entre outros.

Você, como Brasileiro, não será avaliado em comparação com o grupo todo de estudantes que estão tentando entrar na mesma universidade, mas sim com os demais que ocupam a mesma cota, geralmente a cota para latinos, mas podendo também englobar uma cota generalista para estrangeiros em geral e ainda se você for mulher ou negro, podendo somar com mais cotas.

É importante manter em mente que as faculdades Norte Americanas exercem muito preconceito contra idade, mesmo que isso seja negado pelas próprias instituições. A preferência para aceitação, principalmente nas melhores escolas como Harvard, Yale, Princeton, Columbia ou Stanford, é para alunos bem novos (17 a 19 anos). Os Americanos tem muito de não querer “misturar” as “crianças” de 17, 18 anos com “adultos” de mais 24, 25 anos. Se você já passou da “idade” e não fez nenhuma faculdade ainda, o ideal é fazer esse “primeiro” curso no Brasil mesmo e depois vir para os EUA estudar em um curso universitário propriamente dito. Como explicamos em diversos artigos aqui neste site, cursos como medicina, direito, arquitetura, odontologia, entre outros, não são cursos que estão disponíveis para alunos que nunca fizeram uma faculdade, como os jovens de 17, 18 anos recém saídos do colegial.

O SAT se aplica somente para a entrada no que os Americanos chamam de “College”, um curso de 4 anos bem genérico, em que o aluno pode começar mesmo sem saber “o que quer ser quando crescer”. Nos últimos 2 anos do College o aluno começa a escolher matérias mais específicas para moldar seu “major”, ou foco. Nem todas as especialidades que temos nas faculdades Brasileiras estão disponíveis como foco no College. Contudo, essa formação, pelo menos nos EUA, não confere ao aluno nenhuma profissão de fato, com exceção de engenharia, cujos cursos são mais específicos. É possível, entretanto, voltar para o Brasil com um diploma de College e de fato ter uma “profissão” devido à forma como esse tipo de diploma é encarado no país. Por exemplo, é possível fazer College e terminar com um major em psicologia. Nos EUA, esse formando não é um psicólogo, mas no Brasil pode ser, já que tudo o que é preciso para ser psicólogo no Brasil é obter um diploma de uma faculdade de psicologia, que geralmente leva 5 anos no Brasil. Nos EUA, para ser de fato psicólogo e “estar autorizado” para clinicar, por exemplo, é preciso além dos 4 anos de College, obter um doutorado em psicologia.

Para ser médico, por exemplo, é preciso fazer um College de 4 anos (ou fazer um curso que os Americanos chamam de “premedical”) e só depois é que o aluno, já com 21, 22 anos pode se candidatar à faculdade de medicina. Não é possível fazer um College com “foco” em medicina. Para Brasileiros que querem estudar medicina nos EUA, é necessário já ter um curso superior, em qualquer área, mas de preferência em algo que seja, mesmo que remotamente, ligado à saúde ou medicina, como biologia, psicologia, química, bioquímica, farmácia, etc. Se você já tem um curso superior, mas em uma área completamente não relacionada à medicina, você precisará argumentar com a banca de admissão porque quer mudar de profissão.

Voltando ao SAT, o teste básico (primeira fase) tem duração de 3:45, então você realmente precisa estar preparado – é pouco tempo para dar conta de escrever sua própria redação e ainda fazer o teste de matemática e interpretação de texto em uma língua que não é a sua.

Para saber se você precisa também prestar os testes específicos, verifique com as escolas em que você pretende se candidatar. Geralmente as escolas de maior nome como Harvard e MIT exigem 2 ou mais matérias nesse teste específico, mas é preciso verificar no site de cada escola, pois elas mudam os requerimentos o tempo todo!

Você pode obter mais informações sobre esse teste neste site: http://sat.collegeboard.org

Inscrições podem ser feitas também neste site.

Para se preparar para o SAT, há milhares de livros já publicados, inclusive em formato digital (mais fácil para quem está no Brasil adquirir). Você pode comprar esses livros na Amazon.com, em formato impresso ou digital (Kindle). Em cidades grandes Brasileiras, também é possível encontrar alguns livros nas próprias livrarias e em lojas mais especializadas em livros estrangeiros. Há sites na internet também que se dedicam a dar dicas para quem vai prestar o SAT e testes simulados que podem ser feitos no computador. Não vamos indicar nenhum site específico aqui, pois tudo o que é necessário para encontrá-los é uma busca no Google ou Bing. Esses sites aparecem e desaparecem com a natural mudança de interesse dos seus criadores que passam da fase do SAT e deixam de atualizar ou manter o site, então é sempre bom gerar uma lista “fresca” de sites procurando diretamente no mecanismo de busca de sua preferência.



Palavras-chave: ACT, SAT