Ao longo dos anos em que venho trabalhando nessa área de desenvolvimento pessoal, tanto na esfera pessoal, quando na empresarial, observo que uma qualidade, aliada à perspicácia (tema para outro artigo!), é que é a verdadeira razão que justifica o sucesso de alguns, enquanto a falta dela é a razão do fracasso de outros.

Falamos muito em autoajuda que tudo tem uma solução, pra tudo se dá um jeito. O problema é que esse “jeito” é a própria pessoa que tem que encontrar. Muitas pessoas esperam guias completos, passo-a-passo de como fazer para ter sucesso na vida, o que obviamente não existe. Cada situação requer uma atitude e um grupo de ações diferentes. Aprender como fazer algo é só parte do quebra cabeças, principalmente porque as coisas nem sempre dão certo ou ocorrem exatamente como previsto no “passo-a-passo”. Montar um negócio é um bom exemplo. Todos os livros, faculdades e cursos de administração e negócios não conseguem ensinar uma pessoa que não é “engenhosa” a criar um negócio bem sucedido. Ela pode até aprender “o que fazer” em termos de direcionamento – faça isso, depois faça aquilo, depois…”, mas em frente ao primeiro obstáculo a pessoa irá travar e ali ela permanecerá, incapaz de encontrar uma solução, pois ninguém disse pra ela como resolver aquele problema específico.

Em um dos meus sites (Empreendedorismo Online) ensino como montar um negócio na internet, pois acredito que esse modelo de negócios seja a soluça perfeita para providenciar liberdade e renda suficiente para viver de acordo com as filosofias que defendo em meus sites (resumindo: viajar pelo mundo, trabalhar quando quiser, como quiser, de onde quiser, ser absolutamente livre e dono da própria vida). Ter um negócio na internet na realidade é simples e direto e algo que qualquer um pode tentar já que não é necessário praticamente nenhum investimento além do próprio tempo. Uma pessoa que não tem engenhosidade, porém, jamais conseguirá vingar com um negócio online, independente de quão “fácil” seja o processo. Por quê? Problemas e ocorrências inesperadas ocorrem com tecnologia com muito mais frequência do que qualquer outra coisa “no mundo real”. Ou seja, em um negócio na internet, as coisas dão errado o tempo todo por todos os motivos possíveis, de falhas técnicas a erros humanos. É preciso uma pessoa altamente perspicaz e engenhosa para ser capaz de rapidamente diagnosticar os problemas, descobrir uma solução e implantá-la em tempo hábil.

Perdi as contas de quantas vezes, na época em que ainda administrava meus sites pessoalmente, me vi diante de problemas absurdos e inesperados como: meus sites de repente saíam do ar. Não sabia qual era o problema ou como consertar, ninguém também sabia e ninguém podia me ajudar. Passei noites em claro tentando diagnosticar problemas e encontrar soluções sem ter conhecimento técnico sobre como as coisas na internet “realmente” funcionam nos bastidores. Encontrava soluções inusitadas, criativas ou finalmente aprendia algo importante na marra. Em 99.9% das situações eu fazia tudo sozinha sem ajuda, afinal de contas, eu estava sozinha em meu negócio, não havia ninguém pra me ajudar! Isso era algo que eu não pensava na época, mas hoje eu me dou conta de que meu nível de engenhosidade teve um papel fundamental no meu sucesso. Sem essa capacidade eu teria desistido, pegado um emprego qualquer com meu recém adquirido diploma de administração de empresas e provavelmente você não estaria lendo esse artigo hoje e esse site não existiria.

Estou contando essa história para ilustrar como a engenhosidade faz diferença nos resultados que obtemos na vida, independente de qualquer outro fator, como sorte, ajuda de terceiros, autoconfiança, autoestima, conhecimento, educação, coragem, etc.

Um dos componentes centrais da engenhosidade é o simples e pouco valorizado bom senso. Muita gente deixa de solucionar problemas simples ou seguir em frente com seus planos pois se deixa empatar por obstáculos que seriam resolvidos se a pessoa parasse para pensar e abrisse espaço para a lógica e a criatividade.

Centrais de suporte técnico são famosas por acumularem histórias engraçadas de pessoas que ligam com as mais diversas dúvidas e problemas cuja solução seria óbvia… se ao menos a pessoa tivesse parado para pensar! Um dos casos mais comuns em centrais de atendimento técnico é o caso do consumidor que não liga seu aparelho na corrente elétrica (não põe na tomada!), como um computador ou uma impressora, e liga para o suporte dizendo que o aparelho não funciona!

A primeira característica altamente notável em uma pessoa engenhosa é a capacidade dela raciocinar com clareza, lógica e bom senso, sendo capaz de resolver problemas simples, mas que os outros não conseguem, talvez por pura preguiça de pensar. No mundo em que vivemos as pessoas não se preocupam em melhorar nesse aspecto, pois é tão admissível usar a desculpa de que se tem dificuldade com tal coisa, tecnologia sendo a mais comum. Um problema como um computador não estar ligado na tomada, contudo, não é uma questão de ter familiaridade com tecnologia ou não, mas de simples bom senso – quem é que não sabe que um computador precisa de energia para funcionar? Não é preciso “saber de computadores” para colocar um fio na tomada! Muitos problemas que atormentam as pessoas podem ser resolvidos com simples bom senso.

A pessoa engenhosa não se desespera e não sai correndo para pedir ajuda para os outros, se sentindo incapaz de resolver o problema sozinha. Não, ela simplesmente pensa. Nessa ela faz uma lista mentalmente de todas as possíveis causas do problema e passa a testar uma por uma, até conseguir encontrar a solução. Se ela não sabe nada sobre o problema, ela vai procurar – hoje em dia a internet é uma benção para nos ajudar a encontrar possíveis causas para problemas comuns e sugestões de soluções.

Num problema corriqueiro e simples como uma impressora que não imprime, a pessoa não engenhosa fica irritada, brava, sai pedindo para alguém resolver o problema. A pessoa engenhosa, por outro lado, pensa: quais são todas as possiblidades que poderiam fazer com que uma impressora (que antes funcionava) simplesmente parasse de imprimir sem causa aparente? Ela então, começa a listar mentalmente essas possibilidades:

1. Energia: a impressora está ligada na tomada?
2. Conexão com o computador: o cabo da impressora está ligado no computador?
3. O computador reconhece a impressora? Por vias das dúvidas, reinicia o computador e a impressora.
4. A impressora está “offline”?
5. Se a impressora for conectada a outro computador, ela imprime?
6. A impressora tem tinta e não apresenta aviso de troca de tinta?

Agora, é importante reconhecer que mesmo um problema como o descrito acima não exige que a pessoa tenha conhecimentos de informática. Qualquer um hoje em dia usa computadores e periféricos diariamente. Não é preciso nenhum nível, mesmo básico, de conhecimento para ser capaz de elaborar as hipóteses acima para uma impressora que não imprime. É preciso apenas bom senso, pois a lista acima foi populada com pura lógica, não conhecimentos técnicos. Nós, que usamos tecnologia todo dia, sabemos naturalmente que uma impressora precisa estar ligada na tomada e no computador para funcionar, e além disso, a impressora sem tinta não imprime e problemas no computador podem indicar que reiniciar os aparelhos seja necessário para resolver o problema.

Esse, na verdade, é um simples teste de engenhosidade. A pessoa que já começa a me atacar e dizer “ah, mas nem todo mundo tem facilidade com informática” e coisas assim para justificar a incapacidade de consertar uma “impressora que não imprime” tende a ser mais reativa do que proativa e nesse movimento, ela perde a chance de ser engenhosa e passa para o grupo dos que pedem ajuda para os outros ou desistem.

Nem tudo na vida, os obstáculos a que nos deparamos, as dificuldades que enfrentamos, são coisas que temos qualquer tipo de familiaridade. Na maioria das vezes, não há ninguém para nos ajudar pelo simples fato de que estamos tentando fazer algo por nós mesmos, uma meta pessoal ou uma vantagem competitiva profissional. Ao caminharmos para frente, é natural começarmos a pisar em terreno desconhecido e sermos obrigados a lidar com coisas as quais não temos a menor familiaridade e pior, podemos até ter dificuldades, como a própria tecnologia ou exposição pública, como a pessoa que se vê na necessidade de dar palestras ou conduzir reuniões, morrendo de medo de falar em público.

O maior segredo para aprender a ser engenhoso é mudar de perspectiva e parar de acreditar que ter dificuldade com alguma coisa é desculpa para não tentar resolver o problema ou ultrapassar o obstáculo, mesmo que seja a coisa mais banal do mundo como uma impressora que não imprime. Independente de qualquer conhecimento específico sobre a natureza do problema que se está tentando solucionar, como nesse caso, informática, a maioria das coisas pode ser resolvida com puro bom senso. Basta PARAR E RACIOCINAR! Use sua massa cinzenta e você verá que consegue encontrar soluções com base em pura lógica, mesmo sem saber absoltamente nada sobre o assunto que você está lidando.

Quando o assunto é o progresso com metas pessoais (incluindo metas profissionais), a pessoa engenhosa é criativa e ousada, tendo ideias para ultrapassar obstáculos ou dar novos passos. Ela levanta recursos e os administra eficazmente a fim de atingir seus objetivos.

Um ponto muito importante a ser compreendido é que a engenhosidade é uma postura mental, é uma forma de raciocinar, de pensar. A pessoa engenhosa encontra soluções simplesmente porque ela parte do pressuposto de que ela é capaz de encontrar essas soluções sozinha. Veja a sutileza: a pessoa que não é engenhosa não faz esse movimento mental! Ela parte do pressuposto de alguém precisa ajudá-la e nesse momento ela para de tentar encontrar soluções por si mesma e cruza os braços, passando a pedir ajuda para os outros ou desiste. Vê a sutil diferença que já começa nas presunções que a pessoa faz já no começo do processo?

Mas uma impressora que não imprime, é claro, é um probleminha elementar, corriqueiro (se não formos entrar na postura mental de não conseguir resolver um problema simples…). Para solucionar problemas mais complexos, contudo, a engenhosidade tem um papel fundamental. Qualquer que seja o “tipo” de sucesso que você está tentando alcançar, resolver problemas e superar obstáculos é algo que faz parte. Se você é “limitado” em sua habilidade de levantar e usar recursos, sejam habilidades pessoais, conhecimentos, apetrechos, dinheiro, contatos, etc., você naturalmente será deixado para trás, você escolherá ficar parado por medo de seguir em frente. Se quanto mais adiante você segue, mais a vida exige de você e você não é capaz de mostrar resultados, você se encolhe em posições que oferecem conforto levando em conta suas limitações. E tudo isso começa na forma como você pensa. Quanto mais lógica e linear for sua forma de pensar, mais fácil será descobrir soluções criativas e inusitadas para os mais diversos problemas e é assim que você dá passos em direção ao sucesso.

De uma forma resumida, você progride na vida encontrando soluções para obstáculos e formas de conseguir o que você quer. Você só consegue fazer isso, contudo, se mentalmente você se permite admitir que tem condições de encontrar respostas e soluções de forma independente – sem precisar de ajuda. Não que ajuda não seja bem vinda ou você não possa lançar mão do auxílio de outras pessoas, pode. Contudo, a pessoa que não pensa de forma independente se torna dependente dos outros. Há uma diferença entre ser independente e aceitar ajuda dos outros quando convém e ser dependente da ajuda dos outros, nunca sendo capaz de solucionar nada sozinho ou ter ideias criativas de como conseguir o que se quer. Isso se aplica para tudo na vida, das coisas mais banais como resolver problemas com a tecnologia que nos rodeia até superar uma dificuldade íntima pessoal como falar em público ou montar um negócio e ser um empresário bem sucedido.

De um funcionário pequeno em uma grande empresa até um corretor de imóveis, passando por um pequeno empresário e um profissional liberal, todos os caminhos podem levar a um sucesso estrondoso, assim como podem acabar em becos sem saída, confortáveis e seguros, mas… limitados. Mais do que autoconfiança, autoestima e tudo o mais que abordamos nessa área de desenvolvimento pessoal, a engenhosidade é ainda mais essencial para superar os obstáculos que separam as multidões do sucesso, digamos assim. Há pessoas muito bem sucedidas que sofrem de baixa autoestima, não confiam em si mesmas, mas é muito difícil ver alguém que venceu na vida sozinho que não tenha engenhosidade. Talvez essa habilidade perca apenas para a perspicácia, que é outra habilidade que podemos discutir em outro artigo. Porém, tenho a impressão de que na maioria dos casos, ambas andam juntas. A perspicácia “provoca” engenhosidade e ninguém consegue ser totalmente engenhoso sem ser primeiro perspicaz!



Palavras-chave: Engenhosidade, Proatividade, Resourcefulness