Compartilhe!

Diversos campos da física tentam explicar as interconexões entre eventos que nossos olhos e mentes não conseguem captar. Teoria do caos, física quântica, teoria das cordas, entre outras especialidades buscam uma fórmula que “feche” matematicamente explicando o universo como um todo. Ainda não chegamos lá, mas é impossível ignorar que há mais entre o céu e terra que nossa mente é capaz de perceber.

Coincidências significativas, também chamadas de sincronicidades, nos deixam boquiabertos frente a acontecimentos aparentemente não relacionados, mas cujo significado e impacto nos deixam com a pulga atrás da orelha nos perguntando “como é que isto pode ter acontecido desta forma”. Desde algo simples como estar pensando numa pessoa no exato momento em que ela o telefona até escapar de um acidente por um motivo que não tem outra explicação senão uma “coincidência do acaso”.

Muitas oportunidades são descritas como “estar no lugar certo, na hora certa”, muitos encontros e desencontros na vida, de amigos, familiares, casais, não encontram explicação na lógica. A filosofia, a física e a religião tentam explicar estas coincidências mágicas, mas o fato é que saber a explicação não faz com que você possa provocá-las ou saiba tirar melhor proveito delas!

Carpedinianos usam o princípio do fluxo a seu favor, prestando atenção no movimento da vida e não tentando controlar a si mesmo e ao futuro. Esta postura os permite tirar maior vantagem do próprio poder da vida ao invés de lutar contra ela, como faz a maior parte da humanidade.

Esta postura porém, só é possível quando há um bom domínio das emoções e maturidade suficiente. Pessoas imaturas emocionalmente se desesperam quando a vida lhes pega de surpresa, tentar manipular o futuro, querem que as coisas aconteçam exatamente como desejam, pois do contrário estarão em terreno desconhecido, fora de sua zona de conforto.



Palavras-chave: flow, sincronicidade, teoria do caos

Compartilhe!