Quando dizemos que a postura mental é um dos principais fatores em jogo para uma vida equilibrada, bem sucedida em todos os sentidos, muita gente não compreende exatamente o que queremos dizer com isso. “Postura mental” é um termo de difícil explicação compreensão, mas uma vez que caia a ficha de quão importante é essa questão e o que isso realmente significa, você pode literalmente mudar sua vida da água pro vinho.

Postura mental, de uma forma bem simples, é uma perspectiva, um ponto de vista que define as ações e reações que tomaremos com relação a cada situação em nossas vidas.

Para explicar melhor, vou resumir aqui um trecho do livro de Phillip McGraw que relata sua experiência com um famoso processo movido por pecuaristas norte-americanos contra a apresentadora de TV Oprah Winfrey:

Em 16 de abril de 1996, o programa de TV Oprah Winfrey pôs no ar uma transmissão de interesse geral alertando o público americano sobre a doença da vaca louca, que, na época, já atingia o gado em países como a Inglaterra. Em resposta a essas preocupações a respeito dos hábitos alimentares, Oprah fez um comentário no ar: “Não me façam comer mais nenhum hambúrguer. Eu parei!”.

Em seguida à transmissão, certos grupos de pecuaristas queixaram-se de que Oprah, injustamente, emitira uma opinião parcial na matéria editada e nos comentários feitos diante dos telespectadores. Dois meses depois, Oprah e sua empresa foram processadas por alguns dos grandes nomes da pecuária norte-americana.

Em resumo, o processo dos pecuaristas alegava que Oprah caracterizara falsamente os perigos aos consumidores de carne e, assim agindo, ela caluniara e difamara os queixosos, levando seus produtos ao descrédito. Eles alegaram, ainda, que haviam sofrido prejuízos de dezenas de milhões de dólares devido à queda no preço do boi e no mercado futuro de commodities. Os pecuaristas exigiam de Oprah 100 milhões de dólares!

Durante boa parte das seis semanas que o processo consumiu, a equipe de defesa esteve temerosa de que Oprah poderia perder o processo. Sua postura mental era de que essa situação era absurda, injusta, mentirosa, logo ela não tinha que fazer muito esforço para lidar com a situação, pois o júri “obviamente” veria a verdade e ela seria inocentada.

Phillip McGraw, na época responsável pela parte estratégica da defesa, teve um papel fundamental na mudança que levou Oprah a ganhar o processo. McGraw convenceu Oprah de que se ela não mudasse sua postura mental, deixando de evitar a situação só porque ela era injusta, absurda e mentirosa e passasse a encarar os fatos como eles estavam sendo colocados, ela terminaria por perder o caso.

Evidentemente, Oprah venceu os pecuaristas, mas a vitória não se deu porque o júri “percebeu a verdade ou o absurdo da situação”. Oprah venceu porque quando chegou a hora de testemunhar ela já tinha mudado sua postura mental de vítima de uma injustiça absurda para a de lutadora autoconfiante que ela sempre foi.

Essa é uma situação em que vejo muita gente se enterrar. Focando-nos na injustiças do que ocorre conosco, no absurdo ou até mesmo na imoralidade, nós nos colocamos no papel de vítima e ficamos sem forças para lutar. A forma como você vê o que ocorre com você é a sua postura mental.

Uma forma bem clara de compreender esse assunto é se imaginar dentro de uma sala onde há uma bomba que está para explodir em menos de um minuto. A pessoa com foco na injustiça se desespera, começa a pensar no porquê de isso estar acontecendo com ela, fica com raiva de quem foi responsável pelo que está acontecendo, mas, no final das contas, não faz nada e a bomba explode. A pessoa com foco em resultados, foco em fazer o que dá certo, nem chega a pensar nos porquês de estar ali com uma bomba prestes a explodir, ela simplesmente AGE em termos de desarmar a bomba ou escapar da sala a tempo.

Encaramos “bombas” em nossas vidas diárias o tempo todo. A pessoa que tem a postura mental errada acaba deixando essas bombas explodirem e afetarem negativamente suas vidas, enquanto as pessoas que têm a postura mental correta, simplesmente resolvem o problema, sem drama, sem choradeira, sem se concentrar em quem é o culpado ou em quão absurda ou injusta é a situação.

Solução de problemas é somente uma das questões em nossas vidas diretamente afetadas pela nossa postura mental, ou seja, pela perspectiva que adotamos e como interpretamos o que está acontecendo e que, no final das contas, define como vamos lidar com a situação. A postura mental, porém, afeta tudo à nossa volta: nossos relacionamentos, nossa carreira, nossas finanças, etc. A cada escolha que precisamos fazer, o que escolhemos falar ou não falar, os lugares a que escolhemos ir, as atividades a que escolhemos nos dedicar, tudo isso passa pelo pente fino de nosso julgamento pessoal e julgamos as coisas e situações com base em como as interpretamos, com base nas perspectivas que adotamos com relação a elas.

A moral da história é que se você não está conseguindo resultados em sua vida, se as coisas parecem estar dando sempre errado, procure parar de julgar a situação em si, classificando-a como injusta, absurda ou triste, pare de tentar encontrar culpados, mesmo que o culpado seja você mesmo e você admita. Isso não importa! O que importa é fazer o que tem que ser feito para solucionar o problema, resolver a situação ou seguir em frente.



Palavras-chave: atitude, mentalidade, mindset, postura pessoal