Compartilhe!

Muitas pessoas falham na vida porque desconhecem as regras do jogo. Não sabem como ter carreiras bem sucedidas, não sabem como fazer dinheiro, não sabem como montar seus próprios negócios, enfim, as pessoas ignoram detalhes e informações importantes e essenciais para conquistar aquilo que desejam e terminam por fracassar sem saber o que deu errado.

As pessoas não têm informações, não vão atrás delas ou não sabem como estruturá-las e utilizá-las principalmente porque em nossa fase de aprendizado, não aprendemos como fazê-lo.

Não aprendemos como fazer as perguntas certas para descobrir o que não sabemos, não aprendemos como raciocinar de forma crítica e descortinar as evidências, descobrindo como fazer as coisas na vida assim como o detetive revela os segredos de um crime aparentemente sem solução.

Não, pelo contrário! Aprendemos na escola a decorar um grupo de informações imposto por outrem e a sermos “bonzinhos”.

Quanto maior nossa capacidade de obedecer a ordens (fazer a lição de casa, comportar-se) e memorizar informações (para tirar notas boas nos testes), mais apreciados nós somos.

Se somos bons alunos, nossos pais e professores ficam orgulhosos de nós, nos fazem elogios. Do contrário, ficamos de castigo, perdemos regalias.

Ao crescermos, mantemos o mesmo perfil. Agradamos nossos chefes, procurando fazer nosso trabalho bem direitinho para que possamos ser apreciados e, quem sabe, agraciados com aquela promoção ou aquele bônus de final de ano que usaremos para comprar aquela TV de 50 polegadas que estamos namorando já há algum tempo. Ouvimos histórias de milionários e de pessoas que vivem um estilo de vida invejável e desejamos o mesmo destino, mas não fazemos a menor ideia de como o fulano chegou lá.

Temos nossas suposições, mas elas são imprecisas, confusas e não garantem que, se arriscarmos, também teremos o mesmo destino.

No final das contas, concluímos que essas pessoas tiveram sorte ou algo a que não temos acesso – uma informação secreta, uma ajuda de alguém. Não temos tempo para investigar mais a fundo, estamos ocupados demais sendo bons funcionários para ganharmos o tal bônus que nos permitirá comprar a “TVzona” que tanto queremos. Admiramos quem chegou lá, mas não nos consideramos capazes de nos juntar a eles, ou simplesmente não sabemos como fazer, e ficamos por isso mesmo.

Um traço comum às pessoas altamente bem sucedidas é uma certa rebeldia. O histórico desses indivíduos geralmente é cheio de notas vermelhas na escola e problemas com autoridade. Por não aceitarem a imposição de ideias e a autoridade, eles cresceram sem desenvolver o hábito que corrompe e destrói os sonhos daqueles que preferem ser “bonzinhos”.

O certinho ou bonzinho desenvolveu um hábito muito nocivo: o hábito de aceitar passivamente ordens, ideias, sonhos e destinos.

Quando se aceita algo passivamente, não se questiona os porquês, simplesmente se aceita. Se você cresceu com pais que lhe davam respostas do tipo “Porque sim” ou “Porque não” ao invés de argumentos claros e lógicos, é possível que você tenha desenvolvido o hábito de aceitar as coisas facilmente sem questionar, principalmente se elas vierem de uma fonte percebida como autoridade.

Para desenvolver as habilidades necessárias para que você possa descobrir como conquistar seus objetivos, será preciso um movimento grande e determinado de sua parte para abrir mão desse hábito nocivo e aprender como pensar de forma crítica e lógica. Isso o levará a começar buscar informações sólidas sobre “como fazer” as coisas que você sonha, sem adotar suposições frouxas com base em todas as coisas que você já ouviu falar, opinião dos outros ou simples percepções pessoais e conclusões precipitadas.

O “segredo”, se é que podemos usar esse termo, para o sucesso é descobrir as “regras do jogo” que ditam o caminho para chegar onde você quer. Seja lá o que você quer alcançar na vida, provavelmente muitas outras pessoas já alcançaram antes de você (a não ser que você queira ser o primeiro ser humano a pisar em marte!). Se outras pessoas já obtiveram sucesso fazendo o que você quer fazer, existem registros de como chegar lá.

Talvez o termo mais apropriado para denominar o que abordaremos aqui não seja exatamente “regras”, mas, sim, “estratégias”. Para tudo o que se faz na vida, há uma forma fácil, uma difícil
e outra “adivinhativa”, ou seja, o indivíduo começa sem saber o mínimo necessário para conseguir o que deseja, pensa que será fácil, porém, devido à sua total ignorância, ele segue por um
caminho tortuoso como uma cobra cega, tentando adivinhar o caminho à sua frente ou o que fazer em seguida.

Veja que não estamos falando aqui em “prever” o futuro ou conhecer de antemão as consequências de nossas ações – o que, se você é tão normal quanto eu, é impossível! Estamos falando em conhecer caminhos para chegar a destinos conhecidos, como os exemplos abaixo:

– Escrever e publicar um livro;

– Construir um negócio bem sucedido;

– Aprender um novo idioma;

– Perder peso;

– Desenvolver uma habilidade pessoal;

– Comunicar-se com eficiência;

– Construir uma carreira bem sucedida;

– Investir em ações.

Todos os itens mencionados – de perder peso a se comunicar melhor – são processos que requerem ações encadeadas e uma compreensão específica do terreno em que se está jogando.

Vamos ver a questão da perda de peso, por exemplo. Quantas pessoas repetem indefinidamente que já tentaram a dieta X ou Y e estas não funcionaram para elas? A realidade é que todas as dietas funcionam! É claro que poderíamos desconsiderar certas aberrações da área que mais prejudicam a saúde do que ajudam a alcançar o efeito desejado, porém, em sua maior parte, as dietas sérias disponíveis funcionam perfeitamente. O problema está, como sempre, nas pessoas!

Problemas que afetam o objetivo da perda de peso vão desde o autoengano da pessoa que come um bolinho aqui, uma bolachinha ali e, no final das contas, finge que essas escapadas “não contam”
até a falta de controle e falta de disciplina para seguir uma rotina definida. O principal motivo pelo qual as pessoas falham na busca pelo corpo perfeito, contudo, é a falta de conhecimento de como o corpo humano funciona e sobre a dieta em si.

Em uma pesquisa que realizei ao longo de dois anos entrevistando pessoas que buscavam perder peso, descobri que 96% delas jamais tinham lido um livro sequer sobre o assunto e 89% não conheciam
detalhes de nenhuma dieta específica. Elas estavam somente fazendo o que “supunham” ser o necessário para perder peso, seguindo informações de senso comum, mitos e “achismos” em geral.

Somente 2% dos entrevistados tinham se engajado em estudar o processo de emagrecimento, escolhido uma dieta específica para ser aplicada e traçado um plano para perder peso gradualmente. Esses 2% atingiram seus objetivos dentro dos dois anos em que estive em contato.

30% atingiram o objetivo dentro do período de estudo através de tentativa e erro ou através de medidas radicais, como cirurgias e greves de fome por períodos longos e repetitivos.

Contudo, a grande e esmagadora maioria não conseguiu perder peso algum, muitos tendo, inclusive, ganho peso dentro dos dois anos. O padrão desse grupo se caracterizava por reclamação, frustração e confusão. Frequentemente, eu recebia aquela resposta que revela impotência e desconhecimento: “Eu não sei o que deu errado, fiz tudo o que devia fazer, mas nada nunca dá certo pra mim.”

As pessoas que me davam essa resposta estavam plenamente convencidas de que elas fizeram a coisa certa, mas por algum motivo que elas desconheciam, algo que está além de sua compreensão e de seu poder, elas falharam.

Um dos grandes erros dos que não alcançam o que desejam é assumir que sabem as regras do jogo, ou seja, que sabem o que devem fazer baseando-se somente em seu próprio “achismo”, no que ouviram falar ou em mitos sem base alguma.

Quando tudo dá errado, eles ficam desconcertados – “Mas como???” -, com aquela sensação de impotência, como se algo externo, sobre o qual não se tem controle algum, estivesse em atuação – quando, na maioria das vezes, esse não é o caso.

No caso do emagrecimento, muitas pessoas mantêm na cabeça mitos, ideias ultrapassadas ou mesmo completamente erradas sobre o efeito dos alimentos, exercícios e a forma de funcionamento do próprio corpo.

Assim como a perda de peso, outra meta tão almejada e igualmente mal compreendida é a meta da riqueza. Muita gente quer ficar rica, mas pouquíssimos sabem como!

Agora, esse, ao contrário do que a maioria pensa, não é um segredo guardado a sete chaves. Milhares de livros – literalmente – já foram publicados sobre a construção de riquezas ou sobre como
construir um negócio ou outra condição que leva à riqueza, porém, como é de se esperar, os que mais reclamam nunca chegaram perto de um desses livros, apesar de livros e informação em geral estarem entre as coisas mais acessíveis nos dias de hoje.

Se você frequentou uma escola regular, você deve ter aprendido a resolver equações quando estava lá pela sexta série. Antes que um professor o ensinasse ou que você estudasse em um livro qual o
procedimento para resolver equações, tal frase matemática era um completo mistério em sua mente.

Se você der uma equação nas mãos de uma criança de quinta série que ainda não tenha aprendido a resolver equações, a probabilidade de que ela resolva a mais simples equação com sucesso é muito pequena. É claro que vemos geniozinhos aqui e ali, mas o aluno comum simplesmente não conseguiria ter sucesso nesse objetivo (para sua frustração e confusão) até que você lhe explicasse que o motivo pelo qual ele não conseguiu resolver o problema é porque lhe falta o conhecimento de como fazê-lo, a técnica ou o procedimento específico de como resolver equações.

Se você conhece matemática, você sabe que qualquer problema pode ser resolvido via formas alternativas e até sem fórmulas. Porém, o indivíduo comum, sem nenhuma genialidade, precisa de procedimentos – do contrário, ele não consegue compreender o problema e resolvê-lo. Além disso, através de procedimentos, atingir um resultado é muito mais fácil, mesmo que o resultado possa ser alcançado através de tentativa e erro ou através de simples adivinhação.

As pessoas também perdem peso ou ficam ricas através de simples tentativa e erro ou pura sorte. Contudo, fazê-lo seguindo procedimentos é muito mais rápido, certeiro e garantido. Isso vale para qualquer coisa na vida que seja objetiva e mensurável. É claro que certas limitações precisam ser compreendidas e limitadas, não há regras ou estratégias para se “encontrar sua alma gêmea” ou para “ser feliz”, por exemplo, ao contrário do que alegam muitos autores que prometem resultados que, no fundo, estão além do poder pessoal de cada um.

Desenvolver habilidades pessoais, gerar riquezas, publicar um livro, emagrecer ouconstruir um negócio bem sucedido, por outro lado, dependem apenas do seu poder pessoal e de procedimentos e estratégias específicas.

O fato de que você não os conhece pode fazer com que você pense como a criança de quinta série frente a uma equação – parece não ter solução, parece difícil, até mesmo impossível, porém uma vez que o procedimento seja ensinado para a criança, tudo se torna mais claro e ela resolve a equação, antes incompreensível, em alguns segundos.

O mesmo ocorre quando você conhece os procedimentos e as estratégias específicas para se atingir um determinado objetivo. O que antes, por falta de conhecimento, você acreditava se tratar de uma questão “sorte” ou ficava frustrado e confuso sem saber o que fez de errado, torna-se límpido e claro como compreender como se resolve um problema usando uma fórmula ao invés de quebrar a cabeça tentando dar uma de gênio.

É claro que informação apenas não basta, isso é evidente! Colocar em prática é um problema para muita gente, mas vamos começar nosso trabalho aqui abordando o primeiro elemento desse quebra-cabeça.

Informação, apesar de óbvio, é um elemento frequentemente ignorado, mesmo por quem segue em frente com a iniciativa prática. Quantos empresários começam empresas sem obterem primeiro conhecimento sobre como se administra um negócio?

Teoria sem prática não funciona, mas o inverso também não – a prática sem a teoria é uma roleta russa em que a sorte pode fazer com que tudo funcione, mas se tudo der errado, você jamais saberá o que foi que o atingiu!


Compartilhe!