Você vive no passado? Aproveita cada dia? O que tem na agenda para novembro de 2020? Mudar a sua orientação do tempo pode ser a chave para assumir e aproveitar uma vida ocupada.

A não ser que você seja uma mosquinha que não para de zanzar, você sabe em que zona temporal está. O que você pode não perceber é onde seus pensamentos e suas fantasias residem: no passado, no presente ou no futuro.

Apesar de poucas pessoas viverem exclusivamente em um desses territórios abstratos, nossa zona temporal mental influencia fortemente a maneira como tomamos decisões e passamos nossos dias.

Cada zona temporal mental tem seus prós e contras – o que se foca totalmente no presente adora a faculdade mas não consegue se formar; os futuristas extremos têm sucesso no trabalho mas vivem vidas vazias e sem significado, pois não souberam aproveitar o sucesso e as pessoas amadas em um nível momentâneo; os obcecados pelo passado valorizam experiências anteriores mas não crescem nem mudam.

Sua orientação temporal está ligada à cultura e à personalidade, tornando-a mais ou menos estável. Mesmo assim, ela pode ser melhorada com consciência e um pouco de prática. Além disso, existe uma zona temporal equilibrada ideal para a felicidade otimizada. Pense em chegar lá como um equivalente emocional de umas férias estendidas durante as quais você está menos estressado e mais contente e focado do que o normal.

“Para se conscientizar de sua orientação temporal natural, teste como você se relaciona com as características das três zonas temporais e algumas de suas subcategorias”, aconselha o psicólogo Philip Zimbardo, coautor (juntamente com John Boyd) de The Time Paradox: The New Psychology of Time That Will Change Your Life (O Paradoxo do Tempo: A Nova Psicologia do Tempo que Vai Mudar Sua Vida).

Uma orientação negativa do passado leva as pessoas a viverem com base nas coisas ruins que acontecem a elas. Elas têm os pés presos na lama de sua infância e adolescência. Uma orientação positiva do passado leva a muitas divagações calorosas e nostálgicas dos tempos passados. Não se engane pela palavra “positiva”: estar preso a memórias bonita ainda significa que você está preso.

A orientação “hedonista do presente” foca as pessoas nos prazeres e nas oportunidades momentâneas que se apresentam a elas. Parece um sonho budista, mas fique tempo demais lá e você se tornará suscetível a festas demais e limpezas e pagamentos de contas de menos. Uma mente “presente-fatalista” faz com que a pessoa não aproveite muito o momento, pois o aceita passivamente. Pessoas nessa zona temporal não acreditam que nada do que façam possa afetar significativamente seu bem-estar; como resultado, ficam simplesmente por aí, passivamente.

Então, qual a lente mágica pela qual devemos ver o tempo? Pessoas que têm uma orientação positiva do passado alta, moderadamente alta do futuro, moderadamente alta no presente hedonista, baixa negativa do passado e baixa presente-fatalista são mais felizes, mais saudáveis e mais bem sucedidas do que outras pessoas com outras perspectivas do tempo.

Por outro lado, pessoas com um orientação alta do passado negativo e do presente fatalista costumam ser mais deprimidas e ter mais pensamentos suicidas.

Aqueles com uma mistura de perspectivas têm esperança para o futuro, sentem-se seguramente enraizados ao passado e são energéticos e alegres quanto a estar vivo no presente.

Uma obsessão disseminada por aí de terminar as coisas pode ter bagunçado o sentido de percepção do tempo das pessoas. “Toda a nossa sociedade está nos empurrando para ter uma orientação futurista”, observa Zimbardo. 69% das pessoas que se consideram “ocupadas” ou “muito ocupadas” tendem a ver o tempo como um inimigo. Como resultado, “podemos ficar chateados e bravos com as coisas que nos fazem perder tempo, como o trânsito ou uma internet lenta”. Desse modo, nosso nível de estresse aumenta e o tempo que temos para as atividades de que gostamos fica prejudicado por nosso senso de pressa.

A proliferação de livros de gerenciamento do tempo faz Zimbardo estremecer, não apenas porque é um empurrão cultural emblemático para o pensamento futurista. Ele suspeita que as únicas pessoas que compram esses livros são as que têm uma altíssima orientação futurista – que deveriam estar trabalhando em melhorar suas tendência do presente hedonista ao invés disso.

A orientação futurista descontrolada também não é boa para casais. Faz com que eles se tornem automatizados e chatos, diz Zimbardo, e pode até ser uma causa da infidelidade. “Um ou outro começa a procurar por alguém que tenha coisas novas e interessantes a oferecer”, alguém diferente de seu parceiro megaocupado. É claro que os casais que são pais não podem eliminar suas obrigações e responsabilidades com uma varinha mágica. Mas Zimbardo insiste que pequenas mudanças fazem uma grande diferença na busca pelo equilíbrio ideal da orientação temporal. Se você está sendo consumido por tarefas futuras, tire cinco minutos para rir com um amigo ao telefone, ou vinte para tomar um café e ler o jornal. Uma das qualidades paradoxais do tempo é que fazer mais coisas do que cabe em sua agenda faz você perceber que ela está expandindo, não se fechando sobre você. Candidate-se a um projeto de voluntariado semanal e você não apenas se sentirá melhor consigo mesmo, mas também terá insights e experiências para compartilhar com seus entes queridos.

Considerar como as outras pessoas da sua vida são afetadas por suas próprias zonas temporais pode ajudá-lo a se tornar mais compreensivo e menos irritado. Seu irmão hedonista do presente não está atrasado para o jantar porque ele não respeita você – ele está atrasado porque algo chamou sua atenção no meio do caminho. Ele escolheu apreciar a experiência, algo que você pode querer tentar na próxima vez que estiver correndo contra o tempo.

Mude sua perspectiva do tempo

Se você raramente viaja para uma zona temporal em específico, aqui vão algumas dicas para equilibrar sua mente:

Se você precisa de uma orientação mais Positiva do Passado:

• Faça um diário de memórias, incluindo fotos, cartas e outros papéis. Escreva suas reflexões sobre cada estágio de sua vida.

• Lembre seus pais, seus avós, seus parentes especiais e seus amigos próximos de sua gratidão pelo que eles fizerem a você, por carta ou e-mail.

• Vá a eventos relevantes para seus descendentes ou ancestrais.

Se você precisa de uma orientação mais Presente-Hedonista:

• Planeje períodos de espontaneidade – pegue um dia do fim de semana e só decida o que fazer quando chegar a hora.

• Diga “sim” para a maioria dos convites.

• Não use relógio.

Se você precisa de uma orientação mais Futurista:

• Defina objetivos razoáveis para hoje, amanhã e mês que vem. Ponha-os no papel e revise a lista regularmente.

• Pratique dizer “não” às tentações: compre uma caixa de bombons hoje mas não os coma até amanhã.

• Leia bons livros de ficção científica.



Palavras-chave: aproveitar o presente, carpe diem, preocupação com o futuro, vivendo no futuro, vivendo no passado, viver no futuro, viver no passado