Como estudar medicina em Harvard?

Diego Meille

Estudar medicina em Harvard

A Harvard Medical School (HMS) é uma das mais conceituadas e concorridas faculdades de medicina do mundo. Nos EUA, chamamos faculdade de “escola”, então não estranhe se por acaso nos referirmos à faculdade de medicina como “escola de medicina”, pois é assim que se fala nos EUA (medical school).

Pós-graduação. É preciso, antes de tudo, compreender que medicina nos EUA, assim muitas outras “profissões”, são cursos que em nossa linguagem Brasileira, é “pós-graduação” (mas nos EUA, chama-se graduação ou graduate school). Para entrar em medicina nos EUA é preciso primeiro ter feito uma faculdade, tendo um diploma de bacharel (não existe licenciatura nos EUA). Isso soa muito estranho para os Brasileiros, que têm acesso a escolas de nível superior direto do ensino médio. Fica aquela pergunta: mas como assim? Eu preciso fazer uma faculdade para poder entrar na faculdade de medicina? A resposta é sim. O mesmo ocorre com outras profissões como direito, medicina veterinária, farmácia, odontologia, entre outras. Para entender melhor o motivo, recomendo que depois você leia o artigo Como funciona o sistema educacional de ensino superior nos EUA.

De forma resumida, o aluno que termina o ensino médio geralmente faz o chamado “college”, que é equivalente a faculdade no Brasil. Nos EUA, esse college tem principalmente o objetivo de introduzir o aluno à metodologia científica (que era para ser também o objetivo da faculdade no Brasil, mas a grande maioria dos alunos termina o curso sem saber fazer pesquisa, muito menos escrever um artigo científico).

No college (que não é tradução de “colégio”) o aluno seleciona um “major”, uma concentração (é possível selecionar mais de uma concentração a maior e também outras a menor — chamado minor, o aluno então pode se formar em psicologia e sociologia ao mesmo tempo com uma concentração menor em biologia e matemática, por exemplo). O college emite diploma de bacharel, como o Brasil. A diferença é que nos EUA, diploma de bacharel não permite com que a pessoa pratique a profissão (as únicas exceções ficam por conta das engenharias e arquitetura). Por exemplo, a pessoa pode fazer um college, tirando uma concentração em psicologia, mas ela não é “psicóloga”. Para ser psicólogo, a pessoa não precisa fazer college necessariamente em psicologia, mas ela precisa fazer doutorado em psicologia clínica. Só o doutorado, que é graduate school, lhe dá o direito de praticar essa profissão. Em medicina não existe concentração de college, a pessoa pode fazer o que quiser na faculdade (matemática, letras, psicologia, química, biologia, economia, etc.) e depois entrar em medicina na graduate school. Existe também um college chamado premedical studies que é popular entre alunos que querem fazer medicina, contudo, é um risco já que se a pessoa não conseguir entrar em medicina depois ou mudar de ideia ela fica com um diploma que não vale quase nada.

Isso é muito difícil para os Brasileiros compreenderem, “como uma pessoa formada em economia vai fazer medicina depois? Não tem nada a ver uma coisa com a outra!”. É essencial compreender primeiro o propósito do “college”, a primeira faculdade que o aluno faz depois do ensino médio. O aluno recém-saído do ensino médio entra simplesmente “no college”, ele não entra em biologia, matemática, economia, administração, ele simplesmente “entra no college”. É como uma continuação do ensino médio, não é uma faculdade específica. Durante o college ele vai fazendo as matérias que quiser e vai afunilando as concentrações de acordo com seus interesses. Cada concentração maior e menor exige um número específico de matérias e algumas matérias definidas para que o aluno se forme. Desde que o aluno atenda a essas exigências, ele sai formado em X ou Y (ou X e Y). O college não forma profissões, por isso não importa se o aluno escolheu uma formação em economia, letras (muito comum em medicina, aliás) ou biologia. Para medicina, o que importa é o desempenho no college, que precisa ser absolutamente perfeito e se o aluno fez a carga-horária das matérias que são chamadas de pré-medicina (biologia, química, matemática, física, psicologia, sociologia e inglês).

Formação cultural e científica. O college nos EUA se foca principalmente em ensinar os alunos a fazer pesquisa e escrever muito bem. Isso é uma grande desvantagem para o aluno Brasileiro, pois no Brasil não se dá ênfase para a escrita, nem para a iniciação científica. Isso, contudo, é cobrado do aluno que tenta entrar em escolas de graduação nos EUA. Esse é o principal motivo pelo qual o college é separado. As escolas de graduação não perdem tempo ensinando os alunos a fazer pesquisa científica e escrever direito, eles já devem ter aprendido isso na faculdade inicial que fizeram (college) e se focam apenas em sua área de estudo. Quando eu fiz administração de empresas no Brasil, meu curso incluía metodologia científica, filosofia e introdução à psicologia, só para citar algumas matérias. Nos EUA, a business school dá apenas matérias ligadas à administração em si, pois o aluno já deve ter cursado essas matérias primárias anteriormente.

A escola de medicina exige do aluno uma completa formação científica e cultural prévia, por isso o Brasileiro interessado em fazer medicina nos EUA, seja em Harvard ou qualquer outra faculdade, deve estrategicamente planejar um currículo escolar e de vida que possa futuramente mostrar ao comitê de admissão da med school que ele é uma pessoa “completa” e que sua formação em medicina irá torná-lo um cidadão do mundo, um líder do futuro. Sim gente, isso parece um exagero até porque a maioria dos médicos na prática nem sequer precisa da tal “liderança”, mas os comitês de admissão de medicina parecem acreditar que médicos são deuses encarnados e que os alunos precisam provar que são “semideuses” se preparando para se tornarem Apolos e Zeus no futuro! (eu não estou brincando!)

Chances de entrar em medicina.

O processo de seleção em medicina nos EUA é realmente insano e fora da realidade (faz o vestibular brasileiro parecer teste de pré-escola!), mas é isso o que faz a demanda muito alta e pouca oferta. Os comitês de admissão (as pessoas que escolhem a dedo em cada faculdade quem vai entrar em seus cursos) podem se dar ao luxo de pinçarem cuidadosamente os melhores indivíduos que se candidatam. O resultado é que com o tempo convencionou-se avaliar a vida inteira da pessoa, já que em matéria de testes apenas — o teste de medicina é o MCAT, um teste dificílimo que inclui as matérias pré-médicas indicadas anteriormente — os alunos que se candidatam a medicina são muito parecidos. Se há apenas 100 vagas e 1000 gabaritam a prova, como você escolhe quem vai entrar? Você naturalmente começa a olhar outros fatores, como o desempenho acadêmico prévio do aluno, a personalidade dele (percebida através da entrevista pessoal), o histórico extracurricular (que pode mostrar o que esse aluno gosta de fazer, sua predisposição para ajudar os outros, seu potencial de liderança, etc.).

Entrar na Harvard Medical School (HMS), diga-se de passagem, não é fácil, mas os desafios são diferentes daqueles relacionados ao Harvard College, entre outros colleges prestigiados. Quando você escuta que algum brasileiro entrou em Harvard, provavelmente foi o Harvard College, que é a faculdade acessível para os alunos recém-saídos do ensino médio. Na Harvard Medical School, assim como todas as outras faculdades de nível superior de Harvard, não importa de quem você é filho, quanto dinheiro você tem ou seu histórico no colegial. Entra na HMS os melhores e mais promissores alunos que se tornarão parte do grupo de elite de medicina no planeta. Competência, histórico de atividades assistenciais e notas boas é o que conta para ser aceito não só na HMS, mas em qualquer outra faculdade de medicina nos EUA.

Depois do College (bacharelado) o que importa mais é a sua competência acadêmica e o seu currículo – sim, currículo! Na faculdade de medicina de Harvard, assim como em outras escolas privilegiadas, conta muito suas atividades fora dos estudos convencionais. Você colaborou com a Cruz Vermelha? Ótimo! Voluntariou por um ano num asilo de idosos? Sensacional! Participou de uma missão da ONU na África? Wow! Queremos você! Escalou o Monte Everest? Você é muito interessante! Excelência em esportes e artes, como tocar piano clássico também contam muito pontos. Fluência em vários idiomas também é um quesito em que Brasileiros podem se destacar já que os Americanos mal falam a própria língua. Ter morado em outros países (além do seu país de origem, é claro!) também conta alguns pontinhos.

É importante manter em mente que as chances de entrar em medicina nos EUA, seja em Harvard ou em qualquer outra instituição, como Brasileiro são mínimas. Algumas faculdades de medicina nos EUA nem sequer aceitam estrangeiros. Harvard aceita e até é amigável a alunos de outros países, mas a porcentagem de estrangeiros matriculados em medicina especificamente é bem pequena. Mais sobre isso adiante.

Atividades extracurriculares.

As faculdades de medicina dão uma ênfase fenomenal para todas as coisas que você já fez fora da escola, inclusive esportes, liderança de tudo quanto é tipo de grupos (a HMS dá uma importância enorme para liderança), e principalmente atividades de voluntariado assistencial, afinal de contas, você quer ser médico, não quer? Então mostre que você é capaz de ajudar sem receber nada em troca! Também mostre que você já se deu o trabalho de se enfiar dentro de um ambiente médico para ver com os próprios olhos se é isso mesmo o que você quer.

Com a concorrência acirradíssima não é possível entrar na Harvard Medical School sem um currículo de atividades extracurriculares muito bem trabalhado. Todos os alunos aceitos na HMS anualmente possuem histórico de atividades de voluntariado de cair o queixo. Isso é uma coisa que mencionamos com ênfase aqui, pois é raro ver qualquer site que fale sobre como fazer medicina nos EUA que mencione que é preciso atividades de voluntariado no currículo para sequer ser considerado. Isso em praticamente TODAS as escolas de medicina nos EUA.

Shadowing.

O famoso “shadowing” também é importante na aplicação para medicina. Shadowing, de ‘shadow‘ ou ‘sombra’ em Inglês é a atividade de “grudar” em um médico e ficar de “sombra” dele todos os dias, durante todo o expediente, por vários dias. Os melhores candidatos possuem vasta experiência de shadowing com vários médicos, em especialidades diferentes. O objetivo do shadowing é que o aluno veja na prática como é a rotina diária de um médico. É claro que o médico precisa consentir que o aluno fique junto (se não ficou óbvio!). A prática do shadowing é feita durante os anos de college do aluno ou após, durante o pré-médico.

MCAT.

Além desse currículo de voluntariado, é preciso prestar o MCAT, o vestibular de medicina. O MCAT é o mesmo para todas as faculdades de medicina no país. O MCAT é **extremamente** difícil! São exigidas 9 matérias: biologia, química, bioquímica, física, matemática, cálculo, inglês, sociologia e psicologia.

Ter cursado essas 9 matérias no curso superior (college) anterior é obrigatório para aplicar para a faculdade de medicina. Se você não fez todas ou algumas dessas 9 matérias em seu curso de bacharel, é necessário fazer o que eles chamam de “pré-médico” (premed), um curso de pós-graduação de 2 ou 3 anos (mais ou menos) que engloba essas 9 matérias e prepara o aluno para prestar o MCAT. Veja que cada escola exige uma carga horária diferente para essas matérias e algumas não exigem todas. Em geral, as escolas de medicina pedem 2 semestres de biologia (biologia 1 e 2), 2 semestres de química geral (química 1 e 2) e 2 semestres de química orgânica (também 1 e 2), 1 semestre de matemática (pode ser qualquer matéria de matemática acima de college math, ou seja, matemática básica que colleges oferecem não conta), 1 semestre de cálculo (geralmente cálculo 1, mas se a pessoa conseguir fazer cálculo 2 é um grande bônus), 1 semestre de inglês (seu curso de inglês no Brasil não conta! Essa exigência de matéria de inglês cursada em college, geralmente literatura), 2 semestres de física (1 e 2). Sociologia e psicologia são cobradas no MCAT, mas nem sempre exigidas como currículo. Quando são, espera-se que o aluno tenha cursado os respectivos cursos introdutórios de cada uma (psych 101 e sociology 101).

O ideal é fazer um college que já inclui várias dessas matérias para não perder tempo. Muitos alunos que entram em medicina já começam a se preparar muito cedo (os pais já começam a preparar o filho desde criança). Sendo assim, muitos candidatos escolhem fazer faculdades relacionadas a medicina ou que englobam as 9 matérias do premed (para não precisarem perder tempo fazendo essas matérias depois). Biologia é um curso frequentemente escolhido como faculdade “pré-medicina”, mas também conheço gente que fez engenharia bioquímica justamente porque é um dos cursos mais completos em termos de matérias científicas (eng. bioquímica engloba as 5 matérias científicas do premed). Neurociência é outra opção e engloba todas as 9. Um curso como estes também prepara muito bem o aluno para o MCAT. Contudo, já vi gente entrando em medicina tendo feito matemática, letras, psicologia e os mais diversos cursos. A escolha, todavia, deve ser estratégica se o aluno já no ensino médio tem olhos na escola de medicina.

Entrevista pessoal.

É importante para o Brasileiro que quer entrar me medicina nos EUA saber também que os candidatos, além dos testes e do currículo perfeito, passam por uma entrevista pessoalmente com o comitê de admissão da faculdade. Essa entrevista visa avaliar o caráter do candidato, sua predisposição para fazer medicina e aguentar o tranco do curso, seu potencial de liderança, dentre outros quesitos que a equipe (ou o entrevistador) “acha” que pode conseguir “pescar” na hora, cara a cara com o candidato. É uma conversa muito similar a entrevistas de emprego.

Acho desnecessário mencionar que o aluno que quer fazer medicina nos EUA, seja em Harvard ou em qualquer outra universidade, precisa falar e escrever inglês perfeitamente. O nível precisa ser pra lá de fluente, precisa estar perto do que eles chamam de “nível nativo”, por isso é recomendado que o aluno tenha tido experiência direta em um país de língua Inglesa. Os alunos que têm a oportunidade de fazer intercâmbio devem aproveitar, não só pelo currículo que vai mostrar trabalho escolar feito em língua Inglesa, mas também a melhora na fluência. Todas as faculdades nos EUA, seja college ou graduate como medicina, exigem TOEFL ou teste similar para comprovar proficiência na língua.

Estrangeiros.

A Universidade de Harvard é uma das instituições mais “amigáveis” para alunos estrangeiros nos EUA. Medicina costuma ser uma área muito antipática para admissão de estrangeiros, mas Harvard historicamente admite um número maior de alunos vindos de outros países. É importante, contudo, saber que especificamente em medicina, suas chances de estudar nos EUA, mesmo em Harvard, diminuem muito se 1. você não tiver Green Card ou não for cidadão Americano e 2. se você não fez o college nos EUA – fazer o college no Brasil (qualquer faculdade) diminui significativamente suas chances de ser aceito em medicina nos EUA.

Como recomendo no artigo “Como estudar medicina nos EUA“, o ideal é a pessoa ir fazer college nos EUA (até mesmo se já tenha feito uma faculdade no Brasil) e nesse tempo, tentar conseguir um Green Card, por exemplo, se casando com um Americano/a. Não que a pessoa deva se casar por interesse, mas se ela deseja permanecer no país permanentemente, ela precisa conseguir documentação e além disso, começar a vida em outro país é sempre melhor se você tem um parceiro/a para te apoiar e compartilhar a vida nova com você!

Se essas alternativas estão completamente fora de cogitação para você, você precisa refletir sobre porque quer fazer medicina nos EUA. Você quer morar e praticar medicina lá e não voltar mais para o Brasil (só para visitar)? Você quer fazer medicina lá e voltar pra cá para praticar aqui? Essa resposta pode mudar tudo!

Para muitos alunos, vale mais a pena fazer medicina no Brasil (mesmo sendo difícil passar no vestibular, é infinitamente mais difícil fazer todo esse processo que eu descrevi nos EUA, principalmente sendo estrangeiro), até porque você pode entrar no curso logo após sair do ensino médio, com 18 anos. Nos EUA, você precisaria fazer outra faculdade primeiro. Com um diploma de medicina no Brasil, para validá-lo nos EUA, você precisa fazer residência no país, mas aí o processo é mais fácil. Difícil ainda, mas muito mais fácil do que entrar na faculdade em si.

Para praticar medicina nos EUA, você precisa ter feito residência no país, mesmo que já tenha feito residência médica no Brasil. Isso não é de todo ruim. Médicos residentes possuem salário médio de $55.000 por ano e ainda podem fazer plantões que pagam em média $150 a $200 por hora. Ou seja, você já pode ter uma vida decente como médico nos EUA, mesmo durante a residência – e o fato de ser estrangeiro não importa muito, você terá visto de trabalho emitido pelo hospital-escola. Harvard, à propósito, possui os dois melhores hospitais-escola dos EUA, o Massachusetts General Hospital (MGH) e o Brighham & Women’s Hospital.

É importante mencionar que você só deve fazer medicina nos EUA SE TIVER INTENÇÃO DE FICAR LÁ! A revalidação do diploma de medicina no Brasil é dificílima. Você tem que decidir primeiro o que você quer. Medicina é um curso levado muito a sério pelas universidades, não é um cursinho que você vai para exterior fazer só para dizer que “fez medicina em Harvard”!

Compartilhe!

266 comentários em “Como estudar medicina em Harvard?”

  1. Ja foi bem explicado aqui que é quase impossível entrar em harvard college, queria saber se para entrar em harvard medical school eu posso fazer bacharelado em harvard extension school ou so no college que é possivel.

    Responder
    • Aplicando para o college no Harvard College, se conseguir passar, depois que termina-lo vou direto para a HMS ou terei de aplicar de novo ou seja, duas aplicações, para Harvard College e outra para HMS???? Existe chances de conseguir entrar no College e não conseguir entrar na HMS?

      Responder
      • Olá Paula,

        Não, você não vai direto para a Harvard Medical School. Não há qualquer benefício por ter feito Harvard College na admissão da HMS. As duas escolas são completamente independentes. Ao aplicar para a medical school, você seria avaliada por uma série de fatores diferentes. Nesse ponto, tanto faz fazer Harvard College, Columbia, Brown, Yale ou qualquer outra boa universidade. Harvard faz questão de não dar nenhuma vantagem para alunos do Harvard College na seleção das graduate schools. De fato, acaba sendo uma desvantagem pois há um esforço da equipe para não priorizar alunos do college.

        Abraços,

        Diego

        Responder
  2. Amigo, você pode fazer seu bacharelado em qualquer escola, em qualquer país. Inclusive a HMS e outras escolas de graduação de Harvard dão preferência para alunos estrangeiros e alunos que não fizeram o Harvard College (lembre-se: eles precisam preencher cotas!). Agora, a Harvard Medical School é mais difícil de entrar do que o College… é a escola de medicina mais competitiva do mundo, você estará competindo com os melhores alunos de seus respectivos cursos de bacharelado do MUNDO INTEIRO!

    Responder
      • Olá José,

        Usei esse termo de forma solta. Não existe licenciatura nos EUA. O college, que é equivalente à faculdade no Brasil (qualquer faculdade, qualquer curso, bacharelado, licenciatura, etc.), te dá um diploma que é genérico, você tem uma “concentração” (major) em alguma coisa, tipo psicologia, biologia, matemática, economia. A maioria desses diplomas não permite com que a pessoa pratique a profissão, Por exemplo, college em psicologia não torna o formando psicólogo. Nos EUA, geralmente é a graduate school que forma o profissional. Isso quer dizer que qualquer diploma universitário vindo do Brasil é visto da mesma forma nos EUA, é equivalente a um college, não importa se no Brasil é bacharelado ou licenciatura. De fato, a maioria dos alunos de medicina faz faculdade de química, biologia, bioquímica, e outros similares, o que no Brasil é considerado “licenciatura”.

        Abraços,

        Diego

        Responder
  3. Acrescento que o bacharelado na Harvard Extension é MENOS apreciado pelas escolas de graduação (não só Harvard) do que um diploma de uma boa universidade brasileira como as federais, a USP, o ITA. Por causa da facilidade para entrar na Harvard Extension, ela é vista como “escolinha de meia tijela” por instituiçõs mais renomadas como a medical school ou a law school. estudar na Harvard Extension é mais pra quem quer poder dizer que estudou em Harvard e só. Em termos acadêmicos, ela é bem desvalorizada.

    Responder
  4. Emmanuel, a Harvard Extension tem sim algum preconceito, mas é um bom caminho para a entrada em outras escolas de Harvard, e é uma das escolas que mais consegue vagas nos doutorados de lá.

    Estudar uma classe na Extension é fácil – formar-se é bem difícil (cerca de 6% dos que fazem alguma classe completam o curso). Na Extension há alunos de diversas escolas de Harvard em busca de crédito e as notas geralmente são em curva.

    O prestígio do College, HBS ou HMS é maior porque lá eles valorizam muito a selectivity, mas acho que qualquer escola boa de Boston (incluindo Extension) acrescenta muito mais do que universidades brasileiras, que são basicamente desconhecidas em rankings de melhores do mundo. É só uma opinião mas, após morar em Massachussets, acredito que escolas brasileiras só tem valor para brasileiros. Para o pessoal de lá, USP e UNG são mais ou menos a mesma coisa (não top).

    Responder
    • Não, você não entendeu….

      O curso de medicina nos EUA, em TODAS AS FACULDADES, não so Harvard é um curso de “pós graduação”, ou seja, a pessoa precisa ter cursado uma faculdade antes, qualquer uma, seja Biologia, Química, Psicologia ou matemática, por exemplo, daí ela se torna “elegível” para entrar em medicina. Todos os cursos profissionalizantes nos EUA são assim, com exceção de engenharia. Nos EUA os jovens saem do segundo grau e fazem o tal “college” que é um curso universitário de 4 anos na qual eles obtém conhecimentos generalizados sobre pesquisa e conhecimentos gerais na área em que escolhem aprofundar, mas esse diploma de 4 anos lá vale muito pouco, vale só para a pessoa poder daí então aplicar para uma universidade propriamente dita, daí entra medicina, direito, psicologia, arquitetura, etc. Esses cursos acabam sendo mais curtos do que nos Brasil (medicina lá é 4 anos, aqui é 6), porque a pessoa já fez o college e por isso já estudou as matérias básicas, daí na faculdade profissionalizante ela não precisa perder tempo com isso.

      Responder
    • O Carlos está correto, costuma-se fazer um “college”, o que pra gente no Brasil é equivalente a uma faculdade, antes de entrar em cursos como medicina, direito, psicologia, etc. Algumas pessoas não fazem, mas para entrar em medicina daí, precisam fazer o que é chamado de ‘premed’ ou “escola pré médica” na qual elas fazem as matérias obrigatórias para fazer antes de entrar em medicina que são: química, biologia, física, cálculo e matemática, todas à nível de graduação, então ter cursado no segundo grau não conta.

      Responder
      • Só uma dúvida, se eu quiser fazer uma faculdade de medicina nos EUA eu teria que fazer o college ? Eu também li que em vez de fazer o college eu poderia cursa dois anos de faculdade de medicina aqui no Brasil e depois tentar ir por EUA ? Qual aumentaria ninjas chances de ser aceita ? Eu só poderia fazer o college depois de termina o ensino médio no Brasil ?

        Responder
        • Olá Gabriela,

          College é a mesma coisa que a “nossa” faculdade no Brasil, então se você fizer uma faculdade você tem diploma de college (= undergraduate school), mas se você faz medicina no Brasil isso não é mais college, é “medical school”, mas não dá pra transferir de uma escola de medicina no Brasil para uma nos EUA, eles não aceitam transferência nem de alunos em escolas de país de primeiro mundo como Inglaterra e Alemanha.

          Mas como eu perguntei no outro comentário, preciso saber mais sobre qual o seu “end game” ou seja, o que você realmente quer com tudo isso, para que eu possa entender melhor a sua situação, as suas intenções e possa te ajudar melhor.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Boa Tarde Diego,

            Bom eu estou estudando para passar em medicina na USP, só que gostaria de fazer minha residência médica na HMS tenho possibilidade de conseguir? tenho chances? Como funciona residencia la?

            Desde já agradeço!

          • Quer dizer que eu posso fazer qualque curso em uma faculdade aqui no Brasil ( nao obrigatorimete medicina ) como se fosse um college para conseguir entrar na HMS?

          • Olá Maísa,

            Os cursos universários no Brasil “são college”, não é “como se fosse”! Nos EUA, cursos como medicina e direito não são college e por isso é necessário esse curso universitário anterior. Isso porque não se perde tempo durante o curso ensinando matérias básicas como ocorre no Brasil. Medicina no Brasil é 6 anos porque os 2 primeiros são perdidos com matérias básicas (química, biologia, bioquímica, etc.), enquanto nos EUA o aluno já deve ter cursado essas matérias em outro curso universitário e daí o curso de medicina é feito em apenas 4 anos. Entra direto nas matérias relevantes para medicina (anatomia, fisiologia, histologia, etc.). Só a título de comparação, direito é completado em apenas 3 anos, mas o aluno já tem que chegar tendo feito filosofia, sociologia, metodologia científica, entre outras matérias relevantes para a compreensão do curso de direito.

            Em medicina, você pode sim fazer QUALQUER curso universitário, mas se esse curso qualquer não incluir as matérias pré-médicas: química, biologia, física (as 3 com seus respectivos laboratórios de 1 ano), bioquímica, psicologia, sociologia, inglês (redação), matemática, e cálculo, você teria que cursá-las separadamente em um curso chamado “premed” antes de estar qualificada a aplicar para entrada em medicina.

            Na prática, ninguém entra em medicina nos EUA sem pelo menos 2 anos de educação no país. Então, se você tiver um curso superior de 4 ou 5 anos no Brasil, você ainda precisará cursar “alguma coisa” nos EUA, seja mestrado ou pós, para demonstrar habilidade para seguir um currículo em língua inglesa e com o rigor das escolas Norte Americanas. A Harvard Extension School é uma boa escolha para preencher esse gap. Nesse período, você poderia cuidar paralelamente dos outros itens da aplicação como trabalho, voluntariado, e outras atividades que possam enriquecer sua aplicação.

            Abraços,

            Diego

    • Nic,

      Você precisa ter um curso superior, mas NÃO em medicina! Se você já fez medicina, em qualquer país, você obviamente não precisa fazer outra vez!

      Responder
  5. No caso se eu quiser fazer Medicina em Harvard, primeiro tenho que fazer aqui? Não existe chances de ir para Harvard sem fazer faculdade? Por exemplo já vi o caso do garoto de dez anos que foi fazer bolsa em Harvard, se eu fizer uma faculdade aqui por exemplo de Medicina perderia 6 anos???? Desculpe mas não me deixou muito claro não.

    Responder
    • Não, você não entendeu. Você não precisa fazer MEDICINA antes de fazer medicina em Harvard, você precisa fazer algum “outro” curso superior, pois medicina nos EUA como um todo, em todas as faculdades, não só Harvard é curso de PÓS GRADUAÇÃO. Você pode fazer biologia, psicologia, qualquer curso… O menino que ganhou bolsa foi estudar no HARVARD COLLEGE, o equivalente ao “qualquer curso” que você faria aqui ANTES de ir fazer medicina. Se o menino quiser fazer medicina, ele só pode fazer depois de se graduar no college. A “perda” de tempo na realidade é relativa, pois medicina nos EUA é só 4 anos, não 6 como no Brasil, pois a pessoa já fez outro curso superior antes ou ‘pre-med’, faculdade “pré medicina” que dura 2 anos.

      É a mesma coisa com mutios cursos superiores nos EUA, direito, psicologia, arquitetura, odonto, você não pode entrar em antes ter feito outro curso superior, isso porque esse cursos são ultra focados e mais curtos do que no Brasil. NO Brasil, é incluído no curso superior matérias como iniciação cientifica, entre outras básicas que têm o objetivo de preparar o estudante para o ambiente acadêmico.

      Esse é o objetivo do college nos EUA, aí quando a pessoa entra em medicina, direito ou arquiterura, por exemplo, ela só tem matérias diretamente ligadas ao curso, aí o tempo fica menor. Direito, por exemplo, é só 3 anos.

      Responder
  6. Correto Henrique, Brasileiro não entende o conceito de “college” por isso tem dificuldade de compreender como o sistema educacional superior americano funciona. É impossível entrar em medicina em qualquer faculdade americana sem GPA (média) de curso superior. No caso de medicina, nem sempre é necessário fazer outra faculdade inteira, basta fazer o premed, que dura no mínimo 2 anos, mas muita gente leva 4 anos pois as matérias são super difíceis (quimica, biologia, fisica, matemática e cálculo).

    Para brasileiro, contudo, nenhuma faculdade de medicina americana aceitaria aluno que não tenha feito um curso superior antes, pois elas ficam sem ter como avaliar o potencial acadêmico do aluno, o que é SUPER importante na faculdade de medicina, Harvard principalmente.

    Responder
    • Manda, gostaria de saber se eu posso conseguir uma bolsa de estudos em uma instituição americana após a conclusão do curso superior ou eu vou ter que arcar com os custos?

      Responder
      • Olá João Victor,

        Esse artigo especificamente aborda o curso de medicina. Não ficou claro em sua pergunta se que você quer saber sobre bolsas de estudo em outros cursos ou em medicina. Você pode conseguir bolsas de estudo para outros cursos. Mas se seu interesse é medicina, é importante saber que não existem bolsas para esse curso, nem mesmo para os Americanos. Todos os estudantes de medicina Americanos estudam com financiamento estudantil. Os pouquíssimos estrangeiros aceitos em medicina (coisa raríssima) precisam pagar O CURSO INTEIRO à vista como condicional de aceitação. O curso de medicina costuma custar em torno de 200 mil dólares.

        Abraços,

        Amanda

        Responder
  7. Da onde que o pessoal está achando que tem que “fazer medicina antes de tentar entrar em medicina em harvard”??? Essa já é a segunda pergunta aqui nos comentários, mas o artigo e os outros comentaristas explicam muito bem: tem que fazer OUTRO curso superior, pois daí isso é equivalente ao que os americanos precisam fazer, o COLLEGE. É tudo uma questão de como o processo seletivo americano funciona, como os americanos fazem 4 anos de college antes, eles não entendem os brasileiros que tentam entrar nas faculdades direto do segundo grau, não existe isso por lá!

    Responder
  8. No caso eu precisarei de um bacharelado primeiro. Assim supondo que eu farei o bacharelado lá e depois entrarei para medical school farei a “pós graduação” e após a residência em por exemplo pediatria. Quuanto tempo levaria? Por favor me ajude, obrigada desde já!

    Responder
    • Supondo que você faça um bacharelado de 4 anos em, por exemplo, Biologia, que é um ótimo curso para quem pretende entrar em medicina, mais 4 de medicina em Harvard, 1 ano de internato e 3 a 4 de residência em pediatria, você levaria de 12 a 13 anos para se formar se não tiver nenhum ano de gap e fizer todas as matérias pré-médicas durante o bacharelado, senão tem que parar mais 2 anos depois do bacharelado para fazer essas matérias (biologia, química, matemática e cálculo, física).

      No Brasil você faz a faculdade de medicina em 6 anos, mais 1 ano de internato e 3 anos de residência em pediatria, totalizando 10 anos, mas isso se passar de primeira no vestibular, o que não acontece em todos os casos!

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Diego,

        Desculpa me meter, mas não existe esse 1 ano de internato que você coloca. O internato ocorre no quinto e no sexto ano de Medicina, após isso a pessoa pode ir direto para a residência (caso passe).

        Durante o internato há um estágio optativo no quinto ano. O aluno escolhe uma faculdade e qual estágio quer fazer. Todo ano a USP envia vários alunos (tanto da Pinheiros, quanto Ribeirão Preto) para Harvard nesse estágio.

        Outra coisa que gostaria de pontuar: você menospreza muito o vestibular brasileiro. Você já viu as questões do MCAT? Esses dias vi uma que perguntava “qual é a casa de força de uma célula”. Sim, usou o termo casa de força.

        Sinceramente, ainda acho quase impossível para um brasileiro fazer medicina em Harvard, porém não é porque é difícil (pois analisa outras questões) que o nosso processo fica no chinelo (como se fosse extremamente fácil). Hoje, quem passa na USP são, não raro, pessoas que se prepararam uma vida toda. Então, se possível, não desmereça tanto.

        Outra coisa, há vários médicos (um até pai de meu amig que veio com 5 anos para o Brasil) que fizeram residência em Harvard. Muitos professores da USP, Unifesp e UFRGS fizeram residência em Harvard ou nos Estados Unidos. Não coloque isso também como impossível.

        Sei que sua missão é esclarecer, mas sinto que em muitos pontos você deixo a “babação” para os estadunidenses falar mais alto.

        Responder
        • Olá Ana,

          Obrigada pela contribuição. Eu não sei muito sobre o curso de medicina no Brasil. Nos EUA, o curso dura 4 anos e depois a pessoa faz 1 ano de internato e só depois entra na residência (contudo, o internato já é na mesma instituição em que a pessoa fará a residência). Eu não menosprezo o vestibular brasileiro! Pelo contrário, acho que ele é um benção! O aluno pode ter o histórico que for em seu passado e depois mudar, estudar e passar no vestibular. Nos EUA, o comitê de medicina avalia a vida inteira da pessoa e se ela não andou em linha reta, sem tropeçar, ela acaba em desvantagem.

          Há uma diferença entre as possibilidades de entrar em medicina e entrar em uma residência nos EUA como estrangeiro. Hoje em dia, um estrangeiro sem Green Card não entra em medicina de jeito nenhum (sem social security number – o CPF Americano, não é possível passar pelo processo seletivo da AMCAS, instituição que controla a entrada em medicina. Eles inclusive exigem informações financeiras dos pais do aluno!). Residência já é outra história. Residência é um emprego, não um curso, dá visto de trabalho para o estudante (Americano ou estrangeiro) e um salário acima de 50 mil dólares por ano. É difícil para um estrangeiro entrar em uma residência nos EUA? Sim. Impossível não. Eu não disse isso.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  9. Me ajudou bastante, mas esse 1 ano de internato, eu não compreendi. E olha você acha que valhe a pena esses 12 anos? Do que os 10 do Brasil? É que assim vou me formar com esse processo na idade de mais ou menos 30 anos. Acha uma idade boa? Obrigada, beijos!

    Responder
    • Oi Marcela,

      Cometi um erro na minha resposta. No Brasil, o internato é o último ano de medicina, o sexto ano. Nos EUA, o internato é o primeiro ano de residência, mas não conta nos anos da especialidade que você quer fazer. Internato é um “estágio” que o estudante faz em várias áreas médicas em hospitais. No internato, o estudante faz bastante plantões e fica geralmente na emergência em hospitais.

      O tempo, na realidade, é relativo… A maioria dos alunos que tenta vestibular de primeira vez não passam em medicina, às vezes não passam 2, 3 vezes, foi-se 1, 2, 3 anos só para entrar na faculdade. Depois tem testes para entrar na residência também e muitos não passam de primeira, ficando 1 ou 2 anos depois de formados esperando passar na residência.

      Para quem ainda é novo, a perspectiva de tempo é um pouco exagerada. Aos 20 e poucos a pessoa acha que perder 1, 2, 3 anos é um horror. Quando você tem 45, você lembra disso e se acha um idiota por ter pensado assim!

      A faculdade de medicina nos EUA vale muito mais a pena. Depois para trabalhar no Brasil, se você ainda quiser voltar depois de morar anos nos EUA, é só fazer a equivalência de diploma e tirar seu CRM.

      Você também pode fazer faculdade de medicina no Brasil e residência fora ou o contrário.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Como é a admissão para quem ja é formado em medicina na residência na HMS? Tem como fazer a residencia em Harvard sendo formado em medicina pela USP? Se puder me falar como e o que ja posso indo fazendo desde já pra me ajudar la na frente agradeço.

        Responder
      • Boa Tarde a todos,

        Primeiro queria parabenizar pelos conselhos tem sido de grande ajuda.

        Tenhos umas dúvidas se puderem tirar agradeço. Bom tenho 20 anos e estou estudando para entrar em medicina na USP, só que queria fazer minha residencia nos EUA, especificamente, é claro se eu conseguir em Harvard, gostaria de saber como é a admissão na HMS em residência por estrangeiros, qual possibilidade deu conseguir, o que posso fazer desde já para ajudar na aceitação, se existe bolsa ou tenho que pagar e se realmente vale a pena deu investir nesse projeto. PS: Pretendo morar nos EUA.

        Desde já agradeço.

        Responder
  10. Desculpa a quantidade de perguntas, é que não é sempre que acha alguem a disposição de fornecer respostas.Vou fazer no caso a biologia, vou precisar de mais 2 anos para completar os requisitos no caso pré-médicos?

    Responder
    • Oi Marcela,

      Pode fazer quantas perguntas quiser! Com relação às matérias prémedicas (biologia, química, física, matemática e cálculo), o problema é que a pessoa que vai fazer faculdade nos EUA precisa prestar um teste chamado MCAT, em que essas matérias são cobradas. Além disso, as faculdades irão analisar o currículo de graduação (undergrad) do candidato e procurarão as notas nessas matérias para avaliar se o candidato tem capacidade intelectual para cursar medicina. Nos EUA, como a pessoa pode escolher as matérias que faz na faculdade, é possível fazer todas as premeds dentro dos 4 anos. No Brasil fica difícil pois os cursos são formatadinhos e o aluno não pode ir fazer matérias soltas em outro curso, o que dificulta um pouco.

      Se voce não quer perder tempo fazendo premed depois, o ideal é escolher um bacharelado que já contenha essas 5 matérias. Não tenho certeza se biologia tem, acredito que engenharia química seja o curso que tem todas elas em um nível bem avançado, o que é ideal para fazer o MCAT (extremamente difícil) e provar para as faculdades de medicina que você quer entrar que você tem gabarito para seguir o currículo deles.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  11. Nossa ótimo me ajudou muito! Mas em que fase do ano acostuma abrir as inscrições para Harvard? Já me informei de todo processo mas como saber quando ? E por exemplo quando eu estiver no último ano do ensino médio que começo a fazer o SAT e Toelf ou antes ?

    Responder
    • Olá Marcela,

      Isso você obtém no próprio site de cada instituição de Harvard, pois cada uma tem liberdade para fazer o processo seletivo quando quiser. Você deve procurar essa informação onde fala sobre “applications” em cada site de cada instituição e procurar pela “deadline” de aplicação.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  12. Conteúdo ótimo!
    Eu tenho algumas duvidas:
    1)Para a pessoa que fez bacharelado no EUA, precisa fazer depois o “Pre-medical”, antes de fazer medicina?
    2)Para estrangeiros, depois de ter um bacharelado precisa fazer o “Pre-medical” para pode fazer a prova MCAT, qual o curso de bacharelado no Brasil que tem as matérias, que caem no MCAT ?
    3)Quando a pessoa passa no College, e começa estudar os 4 anos, nos primeiros anos ele estuda certas matérias, e já nos últimos ela escolhe uma concentração específica, ai se for pra Medicina nos últimos ela começa estuda o básico para ir fazer a medicina?
    4)O estrangero já com um bacharelado precisa fazer o SAT e ACT antes de tentar para medicina, ou so presica quando vai tentar o college ?

    Responder
    • Corrigindo:
      4)O estrangeiro já com um bacharelado precisa fazer o “SAT e ACT” antes de tentar para medicina, ou só precisa quando vai tentar o college ?
      5)Eu quero fazer medicina nos EUA, no momento não da pra fazer o college la, então eu vou fazer um bacharelado aq mesmo no Brasil e tentar entrar la depois, queria saber que curso superior é recomendado para ter uma base, para fazer medicina la ?

      Responder
    • 1. O premed não é um curso “obrigatório”, ele tem somente 1 objetivo: dar as matérias do MCAT para as pessoas que ou precisam de mais reforço para estudar para esse teste ou não cursaram essas matérias no bacharelado. Só pra lembrar os leitores, essas matérias são: química, biologia, física, matemática, cálculo e interpretação de texto / gramática da língua inglesa. Se a pessoa fez bacharel em, por exemplo, engenharia química, curso que engloba todas essas matérias, ela não precisa fazer premed, só se quiser reforçar o material antes de tentar o MCAT. A questão é que o curso de medicina exige além das matérias cursadas também 1 ano de laboratório das mesmas, o que muitos cursos não dão.

      O aluno que já tem olhos no curso de medicina nos EUA geralmente faz premed junto com o bacharelado, ou seja, a pessoa não faz um curso separado, o premed não precisa ser sempre um curso que você faz inscrição separadinho, você pode simplesmente cursar as matérias livremente, o que acredito que no Brasil ainda não é possível.

      2. As regras para fazer premed se você não cursou os pré requisitos são as mesmas para estrangeiros e para quem faz bacharelado nos EUA.

      Os cursos de bacharelado que geralmente contêm todo o conteúdo do premed são: farmácia bioquímica, engenharia química, engenharia mecatrônica, engenharia elétrica, engenharia bioquímica e engenharia biomédica (muito ligada à medicina). Em faculdades cujas matérias podem ser feitas de forma independente, é fácil complementar biologia e química com as matérias faltantes e estar pronto para aplicar para a medschool ao final do bacharelado. Algumas faculdades de biologia e química englobam também matemática e cálculo, nesse caso, não é preciso fazer mais nada.

      A questão principal é que independente do curso escolhido, a pessoa precisa ir MUITO bem para entrar em qualquer faculdade de medicina nos EUA, não precisa nem ser Harvard, qualquer faculdadezinha é tão competitiva que você tem que ser o rei dos CDF’s! As notas do bacharelado (o famoso GPA, que é a média de desempenho) são mais importantes do que a nota do MCAT.

      3. Exatamente, mas nos EUA quem monta a grade é você desde o começo, você faz as matérias que você bem entender, tanto que alguns alunos se dispersam tanto que no final das contas acabam ficando 5, 6 anos porque perderam os primeiros anos fazendo matérias que não importavam para o bacherel que queriam e depois tiveram que passar anos extras cursando-as!

      4. SAT e ACT é só pra quem quer entrar no College e geralmente só os adolescentes saindo do colegial precisam fazer. Um adulto, por exemplo, não teria que prestar SAT para entrar no College. Mas isso também pode depender dos requerimentos de cada instituição.

      Abraços,

      Diego Meille

      Responder
      • Muito obrigado pela ajuda, Diego Meille.
        Eu estava dando uma olhada aqui em Nanotecnologia, seria uma boa escolha ?
        Você pode me passar um e-mail para contato ?

        Responder
        • Olá Gabriela,

          Me diga mais sobre a sua situação (que curso você faz no Brasil, quantos anos você tem) e sobre o que você realmente quer fazer nos EUA. Só quer fazer a faculdade de medicina lá e voltar? Quer ficar nos EUA pra sempre? Suas intenções importam muito na hora de pensar em qual a melhor estratégia para que você consiga atingir seus objetivos.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Ola Gabriela tudo bem?tenho uma duvida a respeito de estudar nos Estados Unidos,vi um comentario seu sobre estudar nos estados unidos,tenho 16 anos,desde jé estou me preparando,bastante focado no objetivo que é estudar,fazer college nos estados unidos e fazer medicina,especializar em endocrinologia o medico do esporte,porém o que vejo muito são pessoas falando ser impossivel estudar ou melhor fazer medicina na terra do tio sam,depois de fazer o sat,toefl,eu aplico para um college?com os respectivos requisitos pedidos,entao dependendo da resposta do college eu sigo em frente ne?com a essay,os documentos,sempre fica confuso esta parte nunca fica claro pra mim kkkk
            vlw,obg pela ajuda!!!!

          • Olá Daniel,

            É importante entender que nos EUA medicina é pós graduação, então o aluno precisa ter um diploma de bacharelado (qualquer um), que é o tal “college” e é equivalente a qualquer faculdade no Brasil, para depois estar apto a se candidatar à uma vaga na faculdade de medicina.

            Isso não é problema, contudo. O maior problema para alunos estrangeiros é que a faculdade de medicina nos EUA não costuma aceitar estrangeiros e quando aceita, o aluno precisa ter um fiador Norte-Americano (ou pelo menos que tenha Green Card) ou pague seus estudos à vista (o que pode chegar a 80 mil dólares por ano dependendo da instituição). Não existem bolsas para estrangeiros em medicina, então isso acaba sendo um grande empecilho.

            Se você tem 16 anos ainda, você está muito longe de poder entrar em medicina nos EUA. Você teria que cursar outra faculdade antes, no Brasil ou nos EUA (College) e fazer o pre-med (que são 8 matérias de nível superior que o aluno deve cursar caso não as tenha feito na faculdade). A média de idade dos alunos entrando em medicina nos EUA é 25 anos. Muitos levam 4 anos para fazer uma faculdade, mais 2 ou 3 de pré-med.

            Se esse é realmente o seu foco e você deseja imigrar para os EUA e não voltar mais para o Brasil (do contrário, não vale a pena o empenho de fazer todo esse trajeto para cursar medicina no país), trace uma estratégia de como você irá montar sua aplicação para medicina e ao mesmo tempo, conseguir um Green Card para ser capaz de pagar a faculdade. Há muitos foruns bons em inglês com alunos de pré-medicina e outros já admitidos em alguma instituição dando dicas sobre os passos necessários. Há vários links nos comentários aqui no site.

            O processo é bem complicado e difícil (põe o vestibular que é curto e grosso: passou, entrou, no chinelo!), por isso se é isso mesmo o que você quer, pesquise bastante, entenda como o sistema funciona e planeje como você vai chegar lá.

            Abraços,

            Diego

          • Amigo, se informe melhor sobre as especialidades da medicina para ver bem o que você quer fazer. Você diz que quer se especializar em “endocrinologia, o médico do esporte”. Você sabe o que é endocrinologia? Endócrinos tratam predominantemente de diabéticos e obesos, definitivamente não é uma especialidade destinada a tratar atletas! Se você quer trabalhar com medicina esportiva, endocrinologia NÃO é a sua especialidade!

          • kkkkk da onde você tirou que endocrinologista é o médico do esporte??? Se informe melhor amigo! Medicina esportiva é uma especialidade da medicina, endocrinologia cuida do sistema endócrino, ou seja, hormônios. Nada a ver com esportes!

          • Pprovavelmente, ele quis dizer que pensa em se tornar médico do esporte OU endocrinologista… Acredito que tenha sido apenas um erro de digitação do garoto 🙂

          • “Provavelmente”, essa pessoa nem médico vai ser… nem endocrinologia, nem “médico do esporte”. Tem muito curioso online fazendo pesquisa e perguntas sem qualquer condição intelectual e financeira para fazer medicina. É a realidade…

    • Nanotecnologia é uma área super, hiper restrita. Você tem que ter muita convicção de que realmente gosta disso e que tem afinidade com a área, pois o campo de trabalho é muito pequeno e específico. Pelos seus comentários, você não tem muita definição do que quer fazer, então não acho uma boa ideia. Você tem que definir primeiro qual tipo de carreira você pretende seguir, não necessariamente uma profissão específica, mas um perfil de trabalho para depois ir procurar cursos no exterior. Lembre-se: para entrar em todos esses cursos nos EUA é feita uma entrevista pessoalmente com você e vão investigar se você quer MESMO seguir aquela carreira e vão te encher de perguntas dos motivos pelos quais você quer fazer o curso X ou Y. Quem não tem um foco muito claro do que quer da vida não entra, principalmente em Harvard.

      Responder
  13. Tem uma coisa que eu não compreendi: se eu fizer o college em harvard + faculdade de medicina ao todo será 8 anos? E se eu fizer o premedical + medicina em harvard será 6 anos?

    Responder
    • Sim, mas é muito difícil conseguir entrar em medicina só com os 2 anos de premedical. Na realidade, nunca vi isso acontecer, principalmente porque para fazer todas as matérias (com seus respectivos laboratórios) que são exigidas para entrar em medicina a pessoa gasta mais de 2 anos se não fez college, aí dá no mesmo fazer college. Além do mais, como a concorrência é acirradíssima parar entrar em medicina, a pessoa que não fez college e só fez premed tem uma enorme desvantagem na hora de passar pelos olhos criteriosos dos selecionadores.

      Responder
    • Serve para alunos que fizeram cursos (college) que não abordavam todas as matérias necessárias para entrar em medicina (física, química, biologia, com seus respectivos laboratórios e mais matemática e cálculo – não absolutamente necessárias, mas importantes para seguir física e química).

      Responder
    • Olá Ana Vitória,

      Depende do que você quer fazer em Harvard, já que Harvard é composta por inúmeras escolas que oferecem os mais diversos cursos. Se for medicina, assunto deste artigo, aí sim, precisa ter um curso superior antes de entrar em Harvard. Isso porque todos os estudantes nos EUA precisam fazer college, uma faculdade “generalista” de 4 anos antes de entrarem em cursos profissionalizantes como medicina e direito. Em compensação, esses cursos são mais curtos do que no Brasil.

      Responder
  14. Eu sou Angolana e eu e minha irmã gostaríamos de estudar em Harvard com bolsa de estudo e claro mas pelo que eu entendi nos precisamos fazer um curso de medicina ou ligado a medicina para entrarmos em Harvard?

    Responder
    • Olá Maria Teresa,

      Não, você realmente não entendeu!

      Para entrar nos cursos de GRADUAÇÃO em Harvard ou em QUALQUER OUTRA universidade Norte Americana, é necessário fazer College, o que em outros países é equivalente a um curso universitário de 4 ou 5 anos.

      Mas você pode estudar no Harvard College ou em outras escolas de Harvard sem ter feito um curso superior, desde que escolha um curso que não é GRADUATE.

      Responder
  15. já vi que para entrar em Harvard é praticamente impossível, mas nos queremos mesmo estudar medicina nos E.U.A, tem alguma outra Universidade que me podes indicar?

    Responder
    • Então, para estudar medicina que é um curso de GRADUATE, você precisa já ter cursado um curso superior em qualquer área considerada UNDERGRADUATE. Isso em qualquer faculdade nos EUA, não só em Harvard.
      Se você é realmente séria sobre suas intenções de cursar uma universade nos EUA, recomendo que você comece investigando as próprias páginas de algumas instituições Norte Americanas. Esses sites contém uma série de informações para esclarecer o processo de entrada nessas universidades.

      Responder
  16. Boa noite Diego Meille, gostaria de tirar algumas dúvidas e achei maravilhosa sua atenção com todos aqui. Eu faço um curso superior, e gostaria de saber se caso fosse aceita em Harvard, tenho que fazer o Premed para ser aprovada no MCAT?

    Responder
    • Olá Adrielly,

      Você não precisa necessariamente cursar o premed para fazer o MCAT nem para entrar em medicina. A necessidade de fazer este curso vai depender das matérias que você está cursando no curso superior que você está fazendo. Se ficar faltando química, biologia e física com seus respectivos laboratórios ou matemática e cálculo de nível superior você precisará cursar essas matérias para ter GPA para a avaliação das faculdades de medicina. Para o MCAT em si, você não precisa necessariamente cursar o premed, apenas ter conhecimento profundo dessas 5 matérias a nível de graduação.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  17. Gostaria de saber se o pre-medical e considerado uma graduacao. Se não for, como posso conciliar a graduação e o pre-medical, e quais faculdades oferecem o pre-medical.

    Responder
    • Olá Victoria,

      Você não é obrigada a fazer o premed. Este curso se destina aqueles que fizeram um curso superior que não oferecia as matérias necessárias para avaliação em medicina, basicamente biologia, química e física de nível superior e preferencialmente matemática e cálculo (pois são necessárias para compreender as 3 primeiras e fazer os cálculos que as mesmas envolvem). Se você vai fazer um curso superior em que ficará faltando alguma dessas matérias, considerando que você está falando em fazer este curso superior nos EUA, é só fazer as matérias isoladamente. Os cursos superiores nos EUA não possuem currículo fixo como no Brasil, você simplesmente se matricula nas matérias que bem entender. Se você quer fazer um curso, entretanto, que já contenha as matérias premed, o melhor deles é engenharia química, considerada a mais completa das engenharias pois contém todas as ciências: biologia, química e física). O mesmo é válido para engenharia biomédica e eng. bioquímica. Mas ainda há outros cursos que chegam perto como farmácia (forte em biologia e química), mas nos EUA, farmácia é como medicina, curso de pós graduação, então seria uma ideia para fazer no Brasil. Biologia também é um bom curso para quem quer fazer medicina depois.

      Abraços,

      Diego

      Responder
        • Não, não é graduação, é so um curso preparatório para o MCAT e para ter transcripts (histórico escolar) em que na aplicação para a faculdade de medicina, o comitê de admissão poderá avaliar como você se sai nessas matérias. Isso porque na avaliação do curso superior que a pessoa fez, o comitê de admissão estará procurando justamente por isso, pelo desempenho acadêmico nessas matérias e se o curso que a pessoa fez não tinha essas matérias, eles não poderão verificar se a pessoa “é boa” em ciências e sendo assim, não poderão aprovar sua entrada na faculdade de medicina.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Adicionando: antigamente as pessoas “se safavam” fazendo só premed, mas hoje com a competividade nas faculdades de medicina, mesmo as “não tão boas”, ninguém entra sem comprovar no papel notas altíssimas nessas 5 matérias e isso só é possível se a pessoa tem essas matérias aplicadas ou num curso superior ou no premed.

          • Opa! Não me expressei bem! O que quis dizer é que com a competitividade e altíssimo nível dos candidatos a vagas nas faculdades de medicina (literalmente, os maiores CDFs do mundo todo), todos vindo com diplomas de graduação na mão, se você aplicar só com premed, sua candidatura vai ficar à desejar, entende?

  18. Ok, então, por exemplo, eu posso escolher biologia(para minha graduação) e na minha grade eu posso colocar Fisica, Quimica e Matematica? E basicamente isso?. E se mesmo assim eu quiser o programa pre-med? Como faço? Obgd

    Responder
    • Sim, você pode fazer biologia e fazer matérias eletivas de física, matemática e cálculo (biologia e química já tem no curso, eu acredito) para compensar se a faculdade que você fizer seu curso permitir. Se você ainda quiser fazer o premed, você pode. Praticamente todas as faculdades Norte Americanas oferecem o premed como um curso normal, em que qualquer pessoa pode se inscrever. O premed geralmente dura 2 anos, não 4.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Inclusive você pode fazer o premed em Harvard mesmo, na Extension School. O único problema é que ela não emite visto de estudante, você teria que achar uma forma alternativa para permanecer nos EUA sem este visto.

      Responder
    • Todas as que não são consideradas “extension” ou “community” dão visto de estudante. A Harvard Extension não dá porque o propósito dela é servir aos moradores de Massachussets, contudo, está cheia de estrangeiros que acham formas “alternativas” de ficar nos EUA!

      Praticamente todas as outras universidades grandes, principalmente as que oferecem medicina, também oferecem premed e dão o documento necessário para obtenção do visto. Se você quer ir para Boston/Cambridge para ter uma noção de como é a vida por ali, há mais de uma centena de faculdades na região! UMass, Brandeis e BostonU são boas opções para fazer o premed.

      Responder
      • OLA DIEGO! GOSTARIA DE SE SABER SE AO EU FAZER RESIDENCIA NO BRASIL, MESMO TENDO DIPLOMA DAQUI E QUISER SEGUI CARREIRA NOS EUA COMO VOCÊ MENCIONOU PRECISAREI FAZER RESIDENCIA NOVAMENTE. A PERGUNTA É ISSO ME DARIA O DIREITO DE EXERCER A PROFISSÃO NOS DOIS PAÍSES ??
        DESDE JÁ AGRADEÇO

        ATT, KAROLINA HONORATO.

        Responder
        • Olá Karolina,

          Sim, é necessário refazer a residência nos EUA se você quiser praticar medicina no país, mesmo que já tenha feito a residência em outro país (Brasil) e tenha anos de experiência. Contudo, fazer a residência nos EUA não lhe dá o direito de morar e trabalhar no país. Depois de terminar a residência, você fica na dependência de ser contratada por um hospital (que solicitaria um visto de trabalho) e não pode abrir um consultório privado.

          Abraços,

          Diego

          Responder
    • Para entrar no College, só do ensino médio, a não ser que você tenha feito algo muito espetacular no ensino fundamental. Nesse caso, isso pode também ser mencionado no ‘essay’, o artigo que você deve escrever sobre a sua vida e porque quer estudar aquela determinada área naquele college específico.

      Responder
    • Isso é interessante o suficiente para colocar no currículo sim, mas vai da equipe de admissão da universidade achar que é algo que a torna “especial” ou não, pois é isso o que eles estão procurando, alunos “especiais”, que se destacam, por isso da valorização das atividades extracurriculares.

      Responder
  19. Você disse que para cursar medicina preciso tem um diploma em biologia, física, química, matemática ou cálculos, certo? O MCAT , se entendi corretamente. Ter diploma nessas outras disciplinas se aderem tbm aos americanos para poderem cursar medicina? Ou só aos brasileiros?

    Responder
    • Não querida, você não entendeu o que eu disse! A pessoa para entrar em medicina, seja de qualquer nacionalidade, Brasileiro, Americano, Japonês, etc., precisa ter um diploma de um curso que para nós é graduação, o curso de 4 ou 5 anos em que você adquire educação de terceiro grau. Esse curso pode ser em qualquer coisa, de preferência uma área compatível com medicina, mas isso não é super importante. Quanto às 5 matérias mencionadas, elas precisam ser cursadas antes da pessoa aplicar para medicina. Então se ela fizer faculdade de, por exemplo, engenharia bioquímica, que engloba todas elas, ela não precisa fazer mais nada, só se candidatar a uma vaga. Se, por outro lado, ela fez um curso que só tinha, por exemplo, química e biologia, ela vai precisar fazer um curso chamado “premed” parcial ou cursar matérias soltas em community colleges para fazer matemática, física e cálculo. O desempenho nessas matérias de nível de terceiro grau (então não vale a química ou a biologia que você cursou no segundo grau) é avaliado pelo comitê de admissão das escolas de medicina como uma forma de verificar se o aluno aguenta o tranco da faculdade, que é muito difícil e envolve conhecimento prévio dessas 5 matérias. O MCAT é um teste separado que a pessoa tem que fazer isoladamente (como o ENEM) e a instituição que aplica o teste envia um envelope selado para as universidades de sua escola com a sua nota nessas 5 matérias, mais redação (em inglês).

      Responder
  20. Diego, boa noite!
    Vamos ver se entendi o processo.
    Meu filho tem 15 anos e começou o 2º grau agora no Brasil e quer fazer medicina nos EUA, então o ideal seria:
    – fazer High school completo nos EUA pois lá já poderá tem um bom currículo devido ao conhecimento e vivência diária;
    – finalizando o High school, fazer o college,de preferência em engenharia biomedica,pois engloba todas as matérias necessárias para fazer o MCAT;
    – sendo aprovado no MCAT obedecendo todas as exigências, ai sim, começará a fazer a Graduate.
    O pre méd., somente será necessário, se pular a fase do college.
    É assim?
    Agradeço e aguardo comentários,
    Paula

    Responder
    • Olá Paula,

      Não é necessário que ele faça high school por lá. O college seria bom, até porque se ele escolher um curso que não contenha as 5 matérias premed, ele pode fazê-las separadamente durante os 4 ou 5 anos de faculdade, o que no Brasil não é possível. Além disso, quando chegar a hora de aplicar para a faculdade de medicina, ele pode comprovar melhor que tem capacidade de seguir um currículo em inglês.

      Ele não precisa fazer engenharia biomédica, ele pode escolher um curso que ele realmente gosta e complementar as matérias premed se o curso em si não oferecer, já que nos EUA, quem monta o próprio currículo é o aluno. Os cursos em si não tem matérias específicas.

      Se ele fizesse a faculdade no Brasil, aí sim, seria mais indicado escolher um curso que ofereça no currículo as 5 matérias, pois no Brasil, o aluno não pode livremente escolher que matérias quer fazer.

      Se o inglês dele não é absolutamente fluente e se ele não escreve bem em inglês, não seria adequado ele fazer high school lá, pois notas baixas (ou mesmo medianas) podem arruinar completamente as chances de depois ele entrar em medicina. Nesse caso, o ideal seria ele aperfeiçoar ao máximo o inglês durante os anos de ensino médio no Brasil, fazer o SAT e aplicar para um college nos EUA.

      Ele precisa também montar um currículo muito bom de atividades extracurriculares, de esportes e/ou música a voluntariado durante esse período que começa agora no ensino médio e vai até o final do college.

      Postei um novo artigo no site explicando com mais detalhes todo esse processo de entrada em medicina:

      http://www.guiadavida.com.br/educacao/estudar-no-exterior/como-estudar-medicina-nos-estados-unidos.htm

      Abraços,

      Diego

      Responder
  21. MEU DEUS, QUAL O PROBLEMA EM ENTENDER O QUE O ARTIGO DIZ?????????? Gente, pelo amor né?! Com essa dificuldade em interpretação de textos NA LÍNGUA MATERNA não vão passar nem nas particulares de terceira classe muito menos nas federais brasileiras (que inclusive, ao meu ver, são muito boas com todas as dificuldades que enfrentamos por sermos um país subdesenvolvido. Sou suspeita ao falar, porque estou dentro de uma de Universidade Federal).
    Fiquei com dó do pobre do Diego que teve que escrever a mesma coisa mil vezes. Aos analfabetos funcionais sonhadores, lembrem-se que compreensão e produção textual também são “pré-requisito” pra ingressar em Harvard ou em qualquer universidade do mundo, e nesse ponto, estão em extrema desvantagem.
    Além dessa desventura que tive que comentar, quero parabenizar os produtores do texto pelo incrível desenvolvimento do assunto de maneira clara (embora alguns não tenham entendido). Fiz uma pesquisa rápida por mera curiosidade só pra saber quanto tempo dura uma “faculdade de medicina” e de quebra entendi todo o processo de admissão.

    Responder
  22. Boa tarde! Minha filha está com 11 anos, sonho dela desde os 7 anos, entrar para Harvard, como faço para prepará-la, já que não temos condições financeiras, para que a mesma consiga uma bolsa. Obrigada! Cintia

    Responder
    • Olá Cintia,

      A primeira coisa é ela se aplicar em um curso de inglês particular (inglês na escola “não vale”) desde já, se ela já não está fazendo.

      A segunda é ela fazer o ensino médio em uma “high school” brasileira especializada em preparar os alunos para entrarem em escolas americanas. Vocês já podem ir se preparando para isto desde já, pesquisando as escolas disponíveis na região onde moram e guardando dinheiro, pois estas escolas são caríssimas!

      O aluno estrangeiro que quer entrar em uma faculdade Americana precisa prestar SAT no final do colegial e TOEFL para comprovar proficiência em inglês. Essas “high school” especiais no Brasil já preparam os alunos para esses dois testes.

      É muito importante também a análise que as escolas Americanas fazem das atividades extracurriculares que os alunos se envolvem durante o ensino médio. As no ensino fundamental não contam a não ser que o aluno ganhe uma medalha esportiva ou artística muito importante.

      Essas atividades extracurriculares vão desde voluntariado em ONGs, expedições para áreas pobres para ajudar como Médico Sem Fronteiras, participação (e liderança) em clubes, prática de esportes (o aluno precisa se destacar), prática de artes (como tocar um instrumento musical e ganhar prêmios) e por aí vai. Pesquise mais sobre isso para ter mais ideias do que a sua filha pode fazer e o que se adapta ao perfil e preferência dela. Quanto mais únicas e exóticas forem essas experiências extracurriculares, mais probabilidade ela terá de entrar em Harvard.

      Ela falar outras línguas além de inglês e português também pode contar muitos pontos positivos.

      Viagens ao exterior também somam pontos. Intercâmbio é altamente recomendado e nessa idade, ela ainda tem chance de fazer mais de 1, por exemplo, poderia ir para a Europa por 6 meses no ensino fundamental e depois ir para os EUA por 1 ano no ensino médio.

      O principal é que sua filha, além de ter notas perfeitas (um único 8.0 pode prejudicar as chances dela!), ela precisa de um currículo que mostre que ela é “especial”. É esse tipo de aluno Brasileiro que entra em Harvard.

      A história do aluno conta muito também e nesse caso, existem algumas histórias de alunos muito pobres que apesar de todos os contras, foram aceitos por Harvard. A maioria desses alunos tinha em comum notas absurdamente altas durante a vida escolar inteira e se destacavam muito em alguma coisa específica. Alguns abriram empresa aos 15 anos, outros fundaram ONGs, outros tiveram participação em olimpíadas ou concursos internacionais de música, enfim, dê uma procurada no Google e você verá algumas dessas histórias e pode ter algumas inspirações sobre como planejar a futura aplicação da sua filha para o Harvard College (veja que você postou sua pergunta no artigo sobre medicina, mas ela não poderia entrar em medicina como os alunos entram no Brasil, direto do ensino médio, ela teria que passar pelo Harvard College antes de chegar na Harvard Medical School).

      Abraço,

      Diego

      Responder
  23. Muito interessante o seu artigo. Mas eu estou imaginando o seguinte processo.
    1. Fazer um ensino médio com boas notas em uma boa escola.
    2. Fazer medicina numa federal do Brasil.
    3. Fazer um pré-med nos EUA, ou no Brasil se tiver, para complementar o conhecimento para o MCAT.
    4. Fazer um medical school por 4 anos na melhor universidade que te aceitar na application.

    Gostaria de saber se esse seria um caminho recomendado ou não, se as schools rejeitariam por achar o candidato muito peculiar, se seria perda de tempo repetir várias materias…

    Responder
    • Olá Gabriel,

      Não, esse “caminho” não faz sentido! Veja bem, por que você iria fazer medicina no Brasil, depois ir para os EUA e fazer medicina lá? Pense bem… não faz sentido, não é mesmo? Você só precisa fazer medicina uma única vez. Além disso, lembre-se de que nos EUA, não é qualquer um que QUER fazer faculdade que consegue, a pessoa precisa ser aceita individualmente por um comitê e nenhum comitê de admissão aceitaria um aluno que JÁ FEZ medicina, entende?

      Na realidade, a maioria das faculdades de medicina não gostam de alunos que fizeram faculdade fora dos EUA e muitas nem sequer admitem estrangeiros, já que a faculdade de medicina é financiada pelos contribuintes e estes não gostam de saber que tem estrangeiros se beneficiando de seu suado dinheirinho de impostos!

      O ideal então é a pessoa fazer college nos EUA, de preferência em uma área bem ligada à saúde ou medicina como biologia, neurociência, psicologia, química ou bioquímica. Nesse tempo, 4 ou 5 anos, o ideal seria a pessoa tentar conseguir um Green Card e após o college, considerando que ela tenha desempenho perfeito, ela pode aplicar para a faculdade de medicina, sendo considerado residente ou cidadão dos EUA. É muito difícil de qualquer outra forma.

      Se você não tem condições de fazer college nos EUA, por qualquer motivo, faça medicina no Brasil. Para ser capaz de praticar medicina nos EUA tendo um diploma Brasileiro, você precisa prestar os STEPs fo USLME durante a faculdade no Brasil e depois fazer a residência nos EUA, mesmo que tenha feito uma no Brasil.

      Você não disse qual a sua intenção… se é simplesmente fazer medicina nos EUA e depois voltar ao Brasil para praticar (não vale a pena) ou se quer fazer medicina lá e ficar lá permanentemente (não vale a pena fazer aqui).

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Agradeço pela resposta. Digo apenas por informação mesmo.

        Se a intenção for ser capaz viver nos EUA como médico, queria ter noção dos caminhos mais recomendados ou viáveis. Fazer o USLME e em seguida uma residência lá, deixaria a pessoa na condição análoga a um médico boliviano ou cubano no Brasil?

        Responder
        • Olá Gabriel,

          Não, um médico que presta os STEPs e faz residência nos EUA é considerado um médico apto a praticar no país (tem que observar as diferenças estaduais) e ninguém se importa onde você fez a faculdade de medicina.

          O problema todo é SER ACEITO em uma residência, tendo feito faculdade no exterior, pior, no Brasil, que nos EUA é visto como um país de terceiro mundo, “miserável”. Tem gente nos EUA que é tão ignorante que acham que no Brasil as pessoas moram em árvores e não tem carro nas ruas! Sem brincadeira!

          O ideal é, se você tem oportunidade, estratejar seu caminho para não bater de frente com esse tipo de preconceito ignorante que é ridículo, mas existe, principalmente em medicina.

          O recomendado é fazer college nos EUA, mesmo que a pessoa já tenha feito uma faculdade no Brasil. Ela faz o college, fica no país com visto de estudante, de preferência dando um jeito nesse período de conseguir um Green Card, e faz as matérias premed.

          Conheço gente do Brasil que foi para os EUA e começou fazendo faculdade na Harvard Extension School, que é uma escola de Harvard “aberta” em termos de democracia no processo seletivo (se provar que é bom, entra, assim como o esquema do vestibular no Brasil). A Harvard Extension não dá visto de estudante, isso é um problema no longo prazo (no começou dá pra fazer as aulas online ainda estando no Brasil). Com créditos feitos na Harvard Extension aumentam muito as chances de admissão em outra faculdade (que dê visto de estudante).

          Com currículo acadêmico feito nos EUA e Green Card na mão, aí sim, você se iguala a qualquer candidato à medicina nascido nos EUA.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Agradeço novamente.

            Vejo que há dois caminhos viáveis.

            Relativo ao segundo, precisaria-se de boa nota no SAT, boa nota no TOEFL, bom histórico escolar, algum dinheiro e convencer a bancada a te aceitar e te dar uma bolsa por causa da alta do dólar. Correto ou não? Parece ser extremamente restrito, porque que os exemplos que vi, ou tinham medalhas de torneios ou se destacaram em alguma atividade social.

          • Olá Gabriel,

            O maior problema que vejo no seu caso é que estrangeiro não consegue bolsa, nem financiamento estudantil. Estrangeiro com bolsa só gênio, atleta, artista ou com uma história muito peculiar. Gente “normal” que vai fazer college nos EUA precisa desembolsar o valor total anual, que gira em torno de 80.000 (valor para estrangeiros) dólares à vista no ato da matrícula todo ano, mais os custos de vida todo mês. Veja que o valor que o college geralmente custa para os americanos (em torno de 40.000) não se aplica a estrangeiros (e “não moradores do estado”). O valor para este grupo de estudantes é o dobro ou mais e deve ser pago à vista.

            Eu sempre indico para os meus leitores darem uma olhada na Harvard Extension School, que é a escola de Harvard para alunos “não tradicionais” da comunidade de Boston/Cambridge. Essa escola não dá visto de estudante, mas é possível driblar este problema conseguindo um visto de estudante através de um community college da região. O pagamento na Havard Extension é feito por matéria e é o mesmo para todo mundo, residentes e estrangeiros. Dá pra fazer várias matérias online, o que permite que você permaneça no Brasil ainda por um bom tempo. Vale a pena considerar esta opção para ter um diploma de “bachelor of arts” de Harvard. A partir daí fica muito mais fácil entrar na Medical School, mas ainda assim você continua tendo o problema de ser estrangeiro (a maioria das escolas de medicina não aceita estrangeiros, ponto final). Uma estratégia seria se casar com uma americana para aplicar para um Green Card e futuramente cidadania Americana. Mas é claro, você tem que querer muito isso e ser muito focado em seu objetivo, pois o caminho para a faculdade de medicina é longo e penoso! Não é só uma questão de “se aplicar” e ser um bom aluno, você precisa traçar uma estratégia de como você irá construir todos os pilares de uma aplicação competitiva para entrar em medicina, do contrário, você acaba sendo mais um sonhador que vem aqui no blog, lê, faz perguntas, mas não vai fazer medicina nem nos EUA, nem no Brasil…

            Abraço,

            Diego

  24. GOSTARIA DE SABER PARA QUE SERVE O PRE-MED? TEM ALGUM VALOR ACADEMICO? SE EU ESTUDAR 4 ANOS E RESOLVER NAO FAZER MEDICINA , VAI SERVIR PARA ALGUMA OUTRA FORMAÇAO?

    Responder
    • Olá Edna,

      Não, o premed não serve para nada além de preencher os pré-requisitos para entrada em medicina. Por isso é que é sempre melhor a pessoa fazer as matérias do premed durante a faculdade normal para não ter que desperdiçar (agora 3 anos) fazendo um curso que só tem um único propósito.

      Contudo, o tempo do premed pode servir também para a pessoa fazer todas as outras atividades extra-curriculares que ela precisa para entrar em medicina como shadowing, voluntariado, etc. Mas mesmo assim, se a pessoa mudar de ideia depois, ela perde todo o esforço.

      Para algumas áreas de doutorado pode-se aproveitar o fato de ter cursado certas matérias premed, mas aí isso pode trabalhar contra o canditado pois o fato da pessoa ter mudado de ideia conta muito negativamente. Comitês de adminissão não gostam de pessoas indecisas.

      Abraço,

      Diego

      Responder
  25. Muito obrigado Diego, ainda tenho algumas duvidas, para quem ja fez o ensino medio aqui e o mesmo college la no usa, certo? e agora esta cursando pre-med para fazer medicina, este e o melhor caminho ou existe algo mais interessante? as notas do ensino medio aqui ja sao avaliadas la para fazer medicina?

    Responder
    • Olá Edna,

      Não, College é FACULDADE, ensino médio é o equivalente a HIGH SCHOOL.

      A faculdade de medicina nem pede currículo de ensino médio, pois o aplicante já deve ter cursado ensino superior para aplicar para medicina, então as notas avaliadas são as da faculdade, com ênfase para conteúdo pré-médico. A pessoa deve fazer essa faculdade nos EUA para ser aceita em medicina e também deve ter visto de permanência (green card) ou cidadania Americana para poder entrar em medicina.

      Lembre-se: Nos EUA medicina é PÓS GRADUAÇÃO!

      Abraço,

      Diego

      Responder
  26. Diego, e que tem uma pessoa da minha cidade que estudou ensino medio e esta fazendo pre-med para estudar medicina, desculpa o erro ai, eu quis dizer High schol, desculpa meu ingles tambem, neste caso estudando e passando no mcat ja pode estudar medicina?

    Responder
    • Menina, você não entendeu nada! Não dá pra entrar em medicina só com ensino médio (high school). Como o Diego explicou (no artigo que você deveria ter lido com mais atenção), a pessoa tem que fazer uma faculdade PRIMEIRO para depois fazer premed e depois prestar o MCAT e estar então pronto para aplicar para medicina. Se esse seu tal amigo só fez high school e agora tá fazendo premed sem ter curso superior, ele está perdendo tempo, pois nunca poderá aplicar para medicina só com isso. Entendeu agora?!

      Carlos Magno

      Responder
    • Olá Edna,

      Se a pessoa faz premed sem ter feito uma faculdade, a entrada em medicina posteriormente não será autorizada. A aplicação para medicina é extremamente competitiva e a pessoa vai estar competindo com muitos outros candidatos que possuem já um curso superior, se ela não tem, os comitês de admissão não levarão a sério a aplicação dela.

      Abraço,

      Diego

      Responder
    • Então eu estou um pouco confuso com a sua pergunta! Me explique melhor pra que eu possa te responder exatamente o que você está querendo saber.

      Premed é um curso que só existe nos EUA e só pode ser feito por quem já cursou uma faculdade (college) pois contém matérias de nível superior. É somente um complemento para o aluno que não teve todas as matérias premed durante a graduação.

      Só é possível entrar em medicina nos EUA quem já cursou pelo menos 1 faculdade. Se essa pessoa a quem você está se referindo não fez uma faculdade, ela não poderia estar fazendo premed.

      Abraço,

      Diego

      Responder
  27. Gostaria de saber uma coisa. Se a pessoa já fez a graduação em medicina no Brasil e quer fazer a especialização nos EUA, o que ela tem que fazer?Vale a pena?

    Responder
    • Olá Pamela,

      Claro que vale a pena. Não há praticamente nenhum problema ou desafio para um médico fazer especialização nos EUA. Na maioria dos casos é só se matricular e fazer toda a burocracia de traduzir documentos, fazer testes como TOELF e enviar a documentação para a instituição. Cada uma tem suas regras, é claro, então o ideal é você verificar em cada site sobre os detalhes que cada escola exige.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  28. Eu poderio fazer minha graduação de medicina em uma federal aqui do Brasil e depois fazer uma especialização(pós graduação) nos EUA ? Se fizesse isso poderia trabalhar e morar lá ? Ou é outro processo ?

    Responder
    • A sua intenção maior então é arranjar uma forma de imigrar para os EUA? Fazer um curso superior, mesmo que seja medicina, não lhe dá o direito de trabalhar e morar nos EUA. Você pode fazer medicina no Brasil e depois fazer pós nos EUA, mas isso lhe dá o direito apenas de estudar (sem poder trabalhar durante o curso) e depois que terminar tem que voltar pro Brasil. Apenas casamento e contratação por uma empresa Americana dá direito a morar e trabalhar lá (com exceção de vistos mais exóticos como de artistas, investidores, etc.).

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Não minha intenção é realmente estudar lá, só que não pretenderia voltar para o Brasil, caso conseguisse! Só que achei que seu fizesse apenas minha especialização lá, eu poderia ficar lá ! E por que tem gente que pensa em ir estudar lá e depois fazer a prova e volta, eu não penso assim !

        Responder
        • É que só fazer um curso lá, seja faculdade, pós, mestrado, doutorado, não lhe dá visto de permanência (Green Card) somente um visto de estudante que lhe permite apenas ficar no país no período do curso. Para conseguir ficar por lá, contudo, na área médica, não dá, pois pra praticar medicina nos EUA você precisa ter feito residência no país e para ser aceito em uma residência, você precisa ter feito faculdade de medicina nos EUA e para entrar em medicina nos EUA você precisa ter Green Card ou ser cidadão Americano e preferencialmente ter feito college por lá. Então a dificuldade já começa desde o início, mesmo que você conseguisse fazer college nos EUA, você não poderia entrar em medicina porque não é Americana. A faculdade de medicina é a única que não aceita estrangeiros, com algumas pouquíssimas exceções como Harvard, mas aí há outras dificuldades.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Pra quem quer fazer medicina nos EUA o que você aconselharia ? Tipo to me formando agora no ensino médio e quero muito Estudar lá, só que sei que é difícil!

          • Olá Gabriela,

            Quanto a estudar medicina nos EUA, não é só uma questão de dificuldade. O problema é que você tem que ter Green Card ou ser cidadã Americana, como respondi no outro comentário. Nesse caso, a única solução mais ou menos viável seria ir para EUA fazer college (que é pré-requisito para medicina) e se casar com um cidadão Americano para conseguir Green Card nesses 4, 5 anos. Só com um Green Card na mão você poderia depois do college aplicar para a faculdade de medicina.

            Abraços,

            Diego

          • Oi Gabriela,

            Vi sua conversa com o Diego aqui e gostaria de acrescentar que ele está certo mesmo. Eu tinha esse sonho, queria muito fazer medicina nos EUA, fiz muita pesquisa, fui pra lá algumas vezes a turismo e aproveitei para investigar e realmente, a faculdade de medicina não aceita estrangeiros de jeito nenhum. São poucas as que aceitam, mas essas são as mais concorridas, um nível de concorrência que a gente acostumada com a democracia do vestibular nem imagina… O fato de você ser estrangeira mesmo que depois consiga Green Card sempre vai te perseguir em medicina, pois as medical schools seguem a vontade do público e o público Americano não quer médicos que não “se pareçam Americanos” e falem com sotaque. Saiu até um artigo no The New York Times há algumas semanas sobre isso, sobre as legiões de médicos formados em outros países que não conseguem praticar medicina nos EUA porque são discriminados na entrada da residência (necessária para poder praticar medicina no país).

            A medical school é a mais elitista de todas as escolas, os alunos são selecionados a dedo e são escolhidos somente indivíduos da elite branca Americana, com alguns “exemplares” de outras raças, desde que sejam nascidos nos EUA e não falem com sotaque, para preencher cotas.

            Não há um só registro de Brasileiro que tenha feito medicina nos EUA, só para você ter uma ideia… Como o Diego falou não é só uma questão de dificuldade de currículo, é uma impossibilidade mesmo.

            O único caminho seria como o Diego falou fazer college e se casar com um Americano, se tornando cidadã antes da aplicação para medicina e trabalhando seu inglês para não falar com sotaque; ou fazer medicina no Brasil (que foi o que eu escolhi) e depois tentar fazer residência nos EUA, mas para isso tem pesquisar e conhecer todos os passos muito bem, porque há testes que precisam ser prestados durante o curso de medicina para chegar no final e estar apto a aplicar para uma residência.

            beijos e boa sorte!

            Camilla

          • É eu achava que era difícil tentar fazer uma faculdade lá, mas é impossível pelo visto !
            Obrigada Camilla !

          • Isso só se aplica a medicina, pois é uma faculdade fundeada pelo dinheiro público. O povo Americano não quer financiar a educação de estrangeiros pra eles usufruírem da boa educação nos EUA e depois voltarem para praticar em seus respectivos países. Estão certos… As outras faculdades todas aceitam estrangeiros normalmente.

          • Na verdade esse negócio do Green Card é o seguinte: a faculdade de medicina é a mais cara nos EUA, assim como é no Brasil. Só que nos EUA não se paga por mês como se faz no Brasil. Na realidade, os alunos não “pagam” a faculdade enquanto estão estudando, eles pegam financiamento estudantil e bolsas (o tal dinheiro público que o pessoal já mencionou) e só começam a pagar depois de formados, como também é feito no Brasil para estudantes de baixa renda.

            A diferença é que nos EUA, todos os alunos praticamente pegam financiamento, pois a faculdade é muito mais cara do que no Brasil. O que acontece é que estrangeiros não tem como receber nem bolsa nem financiamento estudantil para estudar (especificamente) medicina.

            Dessa forma, o estudante estrangeiro que fosse aceito em medicina teria que fazer o pagamento do total de todo o curso À VISTA! Agora, você tem ideia de quanto custa o curso de medicina nos EUA? Em Harvard? Fica em torno de 400 mil dólares (1.5 milhão de reais). Então a não ser que você tenha esse dinheiro para tirar do bolso na hora e dar na mão de Harvard e ainda ter dinheiro para se sustentar SEM TRABALHAR pois o curso é integral e estudante estrangeiro não pode trabalhar, você não seria aceita no curso.

            Na prática, como os admission committees sabem que a maioria das pessoas não tem esse tipo de dinheiro, eles nem chegam a chamar alunos estrangeiros para a entrevista de admissão. Quando chamam são casos especiais em que eles sabem que a família do aluno tem dinheiro e vai pagar o curso à vista. Foi o caso dos 2 únicos alunos estrangeiros em toda o meu curso de medicina em Harvard (eu sou cidadão Americano por parte de mãe). Um era filho de um figurão Chinês bilionário e o outro parente de um sheik Árabe.

            Você pode constatar isso fazendo um pouco de pesquisa na web. O próprio site mencionado por alguém aí nessa discussão tem algumas entrevistas com membros de comitês de admissão de diversas faculdades de medicina nos EUA e todos são categóricos ao afirmar que ‘estrangeiro sem Green Card’ não entra em medicina.

            Estágios e intercâmbios em medicina são comuns e vemos muitos estrangeiros que vão fazer 6 meses ou 1 ano de seus cursos em Harvard, porém, fazer o curso todo, do começo ao fim sem ter como obter financialmente estudantil ou bolsa ou sem pagar o curso à vista não dá.

            De qualquer forma, existem estratégias que você pode considerar como já foi sugerido, até mesmo se casar para ganhar um Green Card. Quem sabe você vai visitar o país e encontra seu príncipe encantado?!

            De qualquer forma, boa sorte, só recomendo que faça bastante pesquisa para não ficar só no sonho. É preciso saber exatamente como você vai realizar esse sonho.

            Henry

    • É difícil sim, mas não é impossível. tem esse aspecto que os dois falaram de ter que ter green card ou ser americana sim e isso é um empecilho sério, mas contornável (eu me casei com um Americano!). O mais difícil é a própria competição em medicina nos EUA que muito, mas muito mais concorrida do que no Brasil. Acho que já recomendaram por aqui, não lembro, mas vale a pena reforçar que o forum do site Student Doctor (http://forums.studentdoctor.net/) é um local valiosíssimo para se obter informações sobre como entrar em medicina, residência e como é a faculdade de medicina nos EUA. Há literalmente milhares de perguntas de gente como a gente, e pessoas de alto gabarito e conhecimento respondendo. Vale a pena dar uma boa lida para conhecer o caminho das pedras, ter mais noção de como o processo funciona e até avaliar se é uma coisa que você pode conseguir fazer ou se está fora das suas condições.

      Abraço,

      Frances

      Responder
  29. Preciso com urgência saber se Harvard tem pré requisito para matérias. Ou seja, o aluno reprova em uma matéria,não pode cursar a próxima. Sabem me dar exemplos de outra faculdades no Brasil que não tem esse esquema. USP por exemplo.

    Responder
    • Olá Laila,

      Não entendi bem a segunda parte da pergunta… Você está postando uma pergunta no artigo sobre ‘medicina em Harvard’, que tem um esquema diferente de matérias em comparação a outras faculdades de Harvard. No Brasil o esquema educacional é completamente diferente, então não dá pra comparar. Preciso de mais informações sobre o que exatamente você quer saber para te ajudar melhor. Com relação a pré-requisitos, medicina em Harvard é um curso “fechado” ou seja, o aluno segue o currículo de matérias que ele é obrigado a fazer, não dá pra escolher matérias separadamente como ocorre no college, por exemplo. Quanto a faculdades no Brasil, eu não sei absolutamente nada. Não moro no Brasil e só entendo do sistema educacional nos EUA. Sei sobre as diferenças, mas não poderia apontar instituições específicas como você quer.

      Abraço,

      Diego

      Responder
  30. Diego, boa tarde!
    Eu tenho 14 anos e desejo muito fazer faculdade de medicina nos EUA (em Harvard, Stanford…) e ano que vem já entro no ensino médio, e gostaria de Ja começar a ir me preparando… Tenho plena certeza que quero medicina, na área da neurocirurgia! Também gostaria de fazer pesquisas. Eu tenho vontade de morar no Brasil, mas como esse país não investe na medicina como deveria, tenho vontade de morar nos EUA tbm. Então, como eu deveria fazer? Ano que vem (2016) eu entro no ensino médio, e irei para uma escola MT boa e voltada pro vestibular brasileiro! Eu me formo no inglês ano que vem tbm, tenho uma fluência muito boa, iria continuar em aulas de conversação e até com uma professora particular para me ajudar com os exames. As notas tem que ser acima de 8.0, certo? Não sei se seria uma boa opicao fazer escolas americanas, Pq se caso eu passar pra uma federal e não passar pra faculdade dos Estados Unidos eu iria fazer aqui mesmo e faEr uma residência lá fora. E estou aprendendo francês e entrarei para o espanhol também, é claro, as atividades extracurriculares! Mas então, eu faço o SAT e a TOELF, e se eu tiver uma boa nota eu entro pra Harvard College ou qualquer outra que eu querer”? E se eu fizer essa Harvard College (bioquímica, neurociência biologia…) eu passo ir direito pra Harvard? Tem que fazer o exame ultra difícil antes, certo? Mas se eu fizer a College em Harvard, eu n posso ir direito pra HMS? No meu caso, qual seria a melhor coisa a se fazer?
    Abraços

    Responder
    • Olá Duda,

      Acho que você não leu o artigo nem as outras respostas aos demais leitores. Por favor, leia antes para você compreender as diferenças no processo entre Brasil e EUA como:

      – suas notas do ensino médio não importam em NADA para medicina nos EUA;

      – você precisa fazer outra faculdade ANTES de tentar entrar em medicina nos EUA, que é pós-graduação, não graduação como ocorre no Brasil;

      – entrar no Harvard College (o que é quase impossível) não garante entrada em medicina em Harvard;

      – para estudar medicina nos EUA você precisa ter Green Card, ser cidadão Americano ou pelo menos ter um fiador que seja (tem que ser parente seu) que tenha crédito estabelecido nos EUA e possa se responsabilizar pelo seu financiamento estudantil. Do contrário você teria que pagar o curso todo à vista (cerca de 2 milhões de Reais, incluindo custo de vida).

      Resumindo: não é simples e não depende só de notas (nota 8, aliás, é muito pouco, alunos que entram no Harvard College tem média de notas de 9.5 pra cima). Então, você precisa estudar melhor como funciona o processo, avaliar se você teria mesmo condições financeiras de estudar em Harvard ou Stanford (estrangeiro não tem financiamento estudantil nem bolsa) e ajustar suas expectativas ao que você pode conquistar.

      Se você quer muito, mas muito mesmo e tem um foco afiado como uma faca, vá fazer college nos EUA (se seus pais puderem pagar) e se case com uma pessoa que tenha Green Card ou seja Americana. Esse college pode ser qualquer um, não precisa ser Harvard. Fazendo college nos EUA e tendo condições legais de conseguir bolsas e financiamento, aí sim, você pode sonhar em fazer medicina. Do contrário, ou você precisa ser milionário ou ter parente muito próximo nos EUA que aceite ser seu fiador. Pode parecer absurda essa ideia de “casar com um Americano”, mas é forma mais direta, rápida e fácil de conseguir Greem Card (e futuramente cidadania), principalemente para um jovem na sua idade que não tem empresa (para conseguir visto de investidor) nem é “empregável” (para conseguir visto de trabalho).

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Oi Diego

        Eu entendi que tem que fazer uma faculdade antes, que envolvem as materia biologia, química, matemática, física e cálculo ( o que seria o College, certo?). Mas o que eu quero perguntar é: como faz pra “passar” nós colleges? Eu tenho que fazer o SAT e a TOELF? E o meu boletim (acima de 9,5) tem que ser considerado tbm? Junto com as atividade extracurriculares?

        Ps: eu li a matéria e os comentários anteriores, provavelmente eu me expressei mal ou vc interpretou errado.

        Abraços

        Responder
      • Olá Diego,

        Gostaria de saber se poderia me ajudar com uma dúvida.
        Se eu estiver trabalhando após terminar o College, eu tenho o direito ao visto para fazer a pós-graduação ou não?

        Responder
  31. Caro Diogo,

    O meu sobrinho foi aprovado em medicina em uma ótima Universidade Pública no Brasil e também selecionado para undergraduate em uma Universidade da Ivy League. Ele não é americano nem tem green card, mas fala fluentemente inglês pois fez intercâmbio de 1 ano nos EUA. Ele quer ser medico e a família tem como pagar undergraduate e medicina nos Estados Unidos. Entretanto, não sabe se é melhor terminar medicina no Brasil (que é grátis) e fazer residência médica nos Estados Unidos, ou fazer undergraduate e depois tentar entrar em uma escola de medicina americana (já que tem como pagar os 4 anos antecipadamente). O que você sugere? Ele tem alguma chance de entrar em uma escola de medicina de ponta dos Estados Unidos ou terá que ir para uma de quinta categoria por não ser americano? Ele também não sabe se quer trabalhar no Brasil ou nos Estados Unidos, pois tem menos de 18 anos.

    Responder
    • Olá Carlos,

      Se ele fizer college nos EUA ele tem um pouco mais de chances de ser aceito em uma escola de medicina nos EUA, contudo, estrangeiros têm muita dificuldade mesmo para serem aceitos, independentemente da possibilidade de poder pagar todo curso como seria necessário. Existem inúmeros fatores que influenciam essa dificuldade, desde plena xenofobia, incerteza da equipe de admissão das instituições quanto às possibilidades financeiras do candidato (num primeiro momento em que tudo o que elas sabem sobre o candidato é o preto e branco da aplicação) e também uma relutância patriótica Americana de fornecer educação de ponta para indivíduos que por terem cidadania de outro país, podem simplesmente se aproveitar daquela educação e irem embora, praticar a medicina fora dos EUA. Isso é coisa que só ocorre mesmo em medicina, sendo que todos os outros cursos gozam de plena diversidade de alunos.

      Por outro lado, é importante também pesar o fato de que se ele fizer medicina no Brasil, ele pode acabar não tendo uma chance de depois entrar em uma residência nos EUA, pois o processo afunila ainda mais na residência e o fato dele ter feito faculdade em um “país de terceiro mundo” desperta novamente a xenofobia Americana. É uma possiblidade, porém remota.

      Eu sempre recomendo para os leitores que perguntam aqui e o pessoal me acha louco, mas eu digo: quer mesmo ir para os EUA, fazer medicina, morar e praticar lá? Então vá fazer college lá e case! É a coisa mais simples do mundo… não deu certo, separa, mas com Green Card na mão. Nessa situação ele remove TODOS os obstáculos que um estrangeiro tem para entrar em medicina e pelo seu relato ele é um jovem inteligente que tem condições de se preparar bem para o MCAT e as matérias pre-med. Se eu estivesse na pele dele, faria exatamente isso. Se a faculdade no Brasil pode ser trancada por um período até que ele possa “testar as águas” e ver se é isso mesmo o que ele quer, ainda melhor.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Caro Diego,

        Na Universidade Brasileira onde meu sobrinho passou em medicina, um ex-aluno entrou em residência médica em Nova Iorque este ano (2015) e um outro em 2013 foi aceito para residência na Columbia University (também em NYC). Então, não me parece que é tão impossível a pessoa ser aceita em programa de residência nos Estados Unidos. Bastaria ir bem nos quesitos exigidos (USMLE, entrevistas, publicação científica etc).

        Mesmo assim, queria uma opinião sua: o que é mais fácil – um brasileiro de uma universidade brasileira ser aprovado para uma razoável residência médica nos Estados Unidos ou um brasileiro de uma universidade super conceituada da Ivy League ser aceito em uma ótima escola de medicina nos Estados Unidos(HMS, YSM, Parelman, Duke, Stanford etc)?

        Abraços,

        Carlos

        Responder
        • Olá Carlos,

          Eu não disse que é impossível, mas é difícil entrar na residência sendo estrangeiro. Se você fizer uma busca no Google por esse tipo de informação, você poderá ver foruns de médicos e alunos de medicina que discutem esse ponto. Mas concordo que depende muito do aluno já ter em mente desde o primeiro ano para não deixar para fazer os steps do USMLE tudo junto no final do curso, que é o que acaba causando a maior dificuldade.

          Acho que essa possibilidade é a mais viável. Contudo, o aluno estrangeiro que faz uma Ivy League já está mostrando ao comitê de admissão de medicina que tem gabarito acadêmico além de meios para financiar os estudos, o que retira a maior preocupação que eles têm de admitir esses alunos.

          Recomendo que você e seu sobrinho pesquisem o forum do site Student Doctor (studentdoctor.net) que contém milhares de conversas entre alunos de medicina e pré-medicina e pode lhe dar uma visão mais ampla de todo o processo e ajudá-lo a tomar uma decisão sobre qual o melhor caminho a seguir.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Caro Diego,
            Pelo que li no studentdoctor.net, alunos estrangeiros que fizeram college nos EUA só tem chance nas escolas top ou nas fraquíssimas.
            Queria saber, caso meu sobrinho venha a desistir de sua vaga em uma college da Ivy, ele ficaria “queimado” para fazer residência/mestrado/doutorado nos EUA (mesmo em outra localidade diferente desta college)? Como o americano vê esta situação? Colocar no currículo que foi aceito em uma Ivy mas optou por fazer medicina no Brasil é mal visto nos EUA ou isto não será considerado?
            Obrigado,
            Carlos

  32. Olá Diego,

    Primeiramente agradeço pela sua disposição em ajudar com essas dúvidas!

    Minhas perguntas são : Vou me formar em Farmácia em uma universidade federal aqui no Brasil e tive em minha grade curricular todas as matérias necessárias para realizar a prova do MCAT: Físicas, Químicas, Bioquímica, Biologia, Cálculos entre outras, eu poderia prestar a prova MCAT diretamente ? Não haveria a necessidade de se passar pelo College uma vez que já teria o diploma ? As universidades americanas reconheceriam meu diploma como um “college” ? A prova MCAT é realizada somente em solo americano ou assim como o Exame de Proeficiência pode ser realizado também no Brasil ?

    Agradeço muito!!

    Responder
    • Olá Pedro,

      Sim, a faculdade que você fez é “college”. Talvez você ainda precisasse complementar psicologia e sociologia que a partir de 2015 passam a ser requeridas tanto no MCAT quanto no processo seletivo (é preciso ter notas em cursos dessas matérias para provar que você conhece o conteúdo, não basta só fazer o MCAT).

      O MCAT é realizado somente nos EUA, pois a entrada de estrangeiros em medicina é raríssima, então não haveria motivo para aplicarem a prova fora do país.

      Há dois obstáculos no seu caso:

      1. O fato de você ter feito faculdade em outro país. As faculdades de medicina são extremamente preconceituosas contra college feito em outro país e até mesmo alunos que fizeram faculdade em países com ensino de primeira como Inglaterra e Alemanha sofrem esse preonceito. Geralmente esses alunos fazem um mestrado chamado SMP (Special Masters Program) nos EUA para comprovar que possuem gabarito acadêmico para seguir um currículo em escola Norte Americana, isso associado a ótimas notas na faculdade e uma pontuação acima da média no MCAT esses alunos têm chances de serem aceitos. Sem qualquer educação prévia em faculdade nos EUA, fica muito difícil.

      2. O segundo desafio é o financiamento do curso, que já discuti bastante com outros leitores aqui no site. Estrangeiros não são “elegíveis” para receber bolsas nem financiamento estudantil, então a preocupação dos comitês de admissão é: como esse aluno aplicante pretende pagar pelo curso (que nos EUA é pago por ano à vista)?

      Estrangeiros possuem duas opções: um fiador que seja cidadão Americano (ou detentor de Green Card) e tenha emprego e ótimo crédito estabelecido nos EUA ou pagar o curso todo à vista (nesse caso o curso todo mesmo, não anualmente). Isso seria questionado durante uma entrevista de admissão e a entrada do aluno ficaria condicionada à comprovação de que ele realmente tem como pagar pelos 4 anos de med school.

      Outra ideia que já dei para gente aqui no site é vir para os EUA e se casar com uma pessoa Americana. Não digo por interesse, é claro, mas é uma ideia que elimina o principal obstáculo. Conheço gente que fez isso, se deu bem e estão casados até hoje.

      Ainda existe a possibilidade de fazer medicina no Brasil e depois aplicar para residência nos EUA. Nesse caso, é preciso ficar atento aos testes (chamados steps do USMLE) que devem ser realizados durante o período da faculdade para que depois o aluno esteja apto a aplicar para uma residência.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  33. Olá Diego. Eu tenho uma dúvida. Moro nos estados unidos e pretendo fazer medicina. Tenho um curvo superior que não terminei no Brasil. Mas estou aqui pra iniciar essa nova jornada. Irei fazer um Placement Test pra entrar em um college aqui. Fazer um curso e depois transferir para uma Med School. Esse é o caminho correto ?

    Responder
    • Olá Marcelo,

      Talvez você precise fazer todo um curso superior novamente. Suas notas precisam ser perfeitas para entrar em medicina e você precisa de pelo menos 2 anos só de matérias pré medicina. Não existe “transferência” para medicina. Você precisa ter seu curso superior com notas absoltamente perfeitas, todas as matérias do premed igualmente com excelentes notas, boa nota no MCAT (vestibular de medicina) e um currículo bem extenso de atividades extracurriculares na área de saúde e humanitária. Com isso você pode se candidatar a uma vaga em medicina.

      Abraço,

      Diego

      Responder
  34. Olá , meu nome é Alessandro , tenho 20 anos , e meu sonho é de fazer um curso superior nos EUA , gosto muito de Historia , Pedagogia , pode ser em qualquer universidade dos EUA .
    Pesquisei sobre como ingressar em uma faculdade nos EUA e pelo que eu entendi eu devo fazer o SAT e procurar um orientador para me ajudar .
    Gostaria de saber o que devo fazer e aonde consigo um orientado ?????
    Alguém pode fazer um video como se inscrever no SAT para me ajudar ? preciso de um orientador
    Obrigado pela atenção .

    Responder
  35. Oi. Parabéns pela matéria , ela é muito bem explica e detalha. Mas ainda eu tenho algumas dúvidas. Sendo ,assim, você tem algum e-mail ou outra forma de contato , sem ser pelo comentário, que eu poderia estabelecer com você para sanar as minhas duvidas.

    Responder
    • Olá Isadora,

      As suas dúvidas podem ser as de outras pessoas também! Respostas para você podem esclarecer futuros leitores do blog, então eu prefiro sempre responder por aqui mesmo e deixar todo o conteúdo público para que todos possam se beneficiar.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  36. Gente, fiz mestrado e doutorado em Harvard, Tax Law. A seleção é tão ou mais rigorosa que da graduação, pois, fiz prova específica de direito em 2 idiomas que não o inglês ou espanhol, analisaram se minha média geral da graduação era superior a 9,7, além das provas em direito constitucional, administrativo, empresarial, internacional e direitos humanos em inglês, entrevistas, análise extra curricular,
    Enfim, consegui terminar meu doutorado em Harvard com bolsa integral e ganhei inclusive bolsa integral para o pôs doc.
    Vale a pena, mas a dedicação é integral, para quem pretende fazer a Harvard Law School deve ser fluente em vários idiomas( o inglês e espanhol não são suficientes), já ter prévio conhecimento de
    latim, ter atuado em vários trabalhos voluntários ajudando refugiados, presos, comunidades carentes, minorias excluídas….pois o proesso seletivo é ainda mais rígido que o da Medicina.
    Ah, importantíssimo, você fará o LSAT, que é o exame de admissão para a Law School.
    E, cuidado com o que fala para não escrever coisa sem Fundamento jurídico,qualquer estrangeiro pode ingressar em qualquer faculdade de medicina dos EUA e do mundo, a restrição viola a constituição dos EUA. Falo isso, porque sou juíza federal, estudei em Harvard e conheço a fundo a legislação americana.

    Responder
    • Humm… toda essa educação e você não consegue escrever um comentário em um blog sem cometer erros sérios de gramática e pontuação?! Me desculpa, mas eu não acredito que você tenha feito doutorado em Harvard e muito menos que seja juíza federal. Se você tivesse feito o curso básico da Harvard Law School, você pelo menos saberia se expressar sem erros, mas nem isso você sabe. Então minha amiga, você vai me dar licença, mas eu vou te expor! Você é uma farsa!

      Ps. “qualquer pessoa” pode se candidatar à faculdade de medicina, isso é verdade. Mas a realidade é que os comitês de admissão exercem extremo preconceito contra estrangeiros e eles têm todo o direito de escolher a dedo seus alunos. Não há nenhuma lei que os obrigue a aceitar estrangeiros. Se você tivesse mesmo estudado nos EUA, você saberia disso.

      Responder
  37. OLA POR FAVOR SE VC PUDER AJUDAR. ACABO DE TERMINAR O COLEGIAL E EM DEZEMBRO FAREI O TESTE CERTIFICA DE CAMBRIDGE. TERIA ALGUMA CHANCE DE FAZER MEDICINA EM QUALQUER UNIVERSIDADE NOS EUA COM ALGUMA BOLSA?

    Responder
    • Olá Caroline,

      Por favor, leia o artigo com atenção. Sua pergunta revela que você não leu ou não entendeu o que eu expliquei… Medicina nos EUA é PÓS-GRADUAÇÃO! Você ainda está muito longe de poder tentar entrar em medicina. É preciso já ter um diploma de curso superior para depois fazer medicina nos EUA. Além disso, como eu explico no artigo, não existem bolsas em medicina. O único tipo de bolsa é intercâmbio pelo CAPES de alunos que já estão matriculados em medicina no Brasil, mas isso não permite com que o aluno “faça medicina nos EUA”, é somente 6 meses a 1 ano de pesquisa feita em alguma instituição Norte Americana, jogando o tempo total de curso para 7 anos no Brasil. Leia o artigo novamente e as respostas que eu já dei antes, você vai entender melhor.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Ei menina, você sabia que escrever tudo em LETRAS MAIÚSCULAS significa que você está gritando em linguagem de internet? Fica muito feito e passa uma péssima imagem sua, uma imagem de relaxo e ignorância (não saber se comportar online). Só pelo jeito que você postou sua pergunta e pela falta de atenção ao não ler o artigo que já respondia o que você está perguntando, eu arrisco um palpite de que você jamais entraria em medicina nos EUA. Você sabe que eles escolhem os alunos à dedo, não sabe? Ah, você não sabe! Você não leu a porra do artigo! Pare de sonhar, você não entra em medicina nem no Brasil! Você vai ter sorte se conseguir ser auxiliar de enfermagem…

      Responder
  38. Oi, tenho 16 anos e faço curso de TI na área de Programador de computador e lógica de programação pelo senai. Então terminarei meu ensino médio em 2017 e também meu curso em 2017. Eu quero fazer medicina em alguma universidade americana então com o diploma de operador de computador e lógica de programação serve como bacharel? Eu poderei entrar em uma universidade para fazer medicina?

    Responder
  39. Materia interessante.
    Faco medicina no Brasil e fui admitido na University Of Vermont para fazer o premed, so que ainda nao decidi. To com medo de ir e nao conseguir fazer medicina depois de formado.

    Responder
    • Olá Leonardo,

      Não vale a pena, você não tem garantia alguma de conseguir entrar em uma faculdade de medicina nos EUA e sendo estrangeiro, suas chances são mínimas. Se você quer um dia poder praticar a profissão nos EUA, termine seu curso no Brasil e vá fazendo os STEPs do USMLE durante o curso e no final (ou após a residência no Brasil) venha fazer residência nos EUA. É um caminho muito mais garantido.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Eu fiz uma pergunta semelhante há um tempo atrás e acabei aconselhando o meu sobrinho a fazer medicina no Brasil (em uma Universidade Federal) e depois validar o diploma (USMLE) e fazer residencia nos Estados Unidos. Ele tinha uma vaga em uma universidade da Ivy League e teria de pagar 280.000 dolares por um curso undergraduate, sem contar que não teria certeza se seria aceito em uma escola de medicina e, se fosse aceito, iria gastar mais 360.000 dolares. Com o dolar a 4,00 reais, iria gastar 2,5 milhões de reais para fazer medicina nos Estados Unidos e nada no Brasil.

        Responder
  40. Olá!meu nome é Beatriz,tenho 15 anos e meu sonho (recente) é me tornar médica.. Clínica geral pra ser exata..sempre soube que o ensino no exterior é mais complicado e ao mesmo tempo superior.. Primeiramente ,obrigada por esclarecer minhas dúvidas, gostaria de saber se é possível fazer algum tipo de pós graduação nos EUA..acho que não é questão de dizer que estudei nos estados unidos mais uma questão de prática médica superior..quando terminar a escola quero começar a fazer medicina..mais antes de começar a atuar na área gostaria de fazer uma “pós” para melhores resultados.. No caso no exterior.. Como pode me ájudar nesse quesito?poderia me dar alguma dica..novamente obrigada..

    Responder
    • Olá Beatriz,

      Pós-graduação latu senso não tem muito pré-requisito em nenhum lugar do mundo, só basta a pessoa ser formada em curso superior, e em alguns casos, em alguma área específica. Para fazer pós, seja nos EUA, na Europa ou em qualquer outro lugar, geralmente basta só pagar. Contudo, na área médica, pós em si não vale muito. Especializações propriamente ditas na área médica podem envolver maior burocracia, mas estando formada em medicina no Brasil, você pode fazer o que quiser no exterior. Especialização que conta para a formação médica (por exemplo, para ser médico geneticista), após a residência, você faz o chamado “medical fellowship”, que é mais uma residência.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  41. Bem , eu quero fazer medicina em Harvard pelo o que eu li aqui nos comentários e na publicação é que eu preciso fazer um bacharel, no caso um “College” que dura 4 anos? Depois eu faço medicina no caso?
    A minha dúvida é se eu posso fazer o college de engenharia biomédica que é bem chegada em medicina e depois fazer medicina em Harvard também? E para entrar para o College eu faço o SAT e o ACT? E para entrar no Medical eu faço só o MCAT? E para fazer o college existe bolsa? Mas o Medical não tem bolsa, eu tenho que ter um trabalho no caso? Ai eu poderia trabalhar na área do curso que eu fiz no College? E qual curso é o melhor para se fazer , para que eu não precise fazer o Premed?
    Desde já Obrigado!

    Responder
  42. Bom acho que entendi um pouco.. E difícil mas vale muito a pena.. Bom esse e meu último ano no ensino médio,tenho 17anos.. E pretendo cursa medicina, pretendo ser uma cirurgiã para ser mais específica.. Gostaria muito de estudar no exterior.. Se entendi direito preciso ter um curso superior na qual achei melhor fazer neurociência pois engloba as 9 matérias exigida no Mcat.. Vou começar um curso técnico de Biotecnologia.. Esse curso contaria algo ??
    Agradeço desde já

    Responder
    • Olá Bellucci,

      Curso técnico é completamente inútil se você quer fazer medicina, ele nem é considerado como válido. Contudo, o ideal é fazer medicina no Brasil em uma universidade federal e depois fazer residência nos EUA. Isso já foi discutido inúmeras vezes no artigo sobre estudar medicina nos EUA (não esse sobre Harvard), O outro artigo e seus comentários podem lhe dar uma ideia melhor dos desafios. Não é uma questão de ser “difícil”. A porta para estrangeiros está fechada mesmo. A não ser que você seja cidadã Americana ou tenha Green Card, é praticamente impossível entrar em medicina, não importa quão bom seja o seu currículo. Isso além do custo absurdo (passa de 1 milhão de Reais no câmbio de hoje, que você teria que pagar à vista, aliás). Pra que isso? Por que não fazer faculdade de graça no Brasil e, se você ainda quiser morar nos EUA, no final do curso, aplicar para residência em uma instituição Norte Americana?

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Rose,

      Se você fizer medicina no Brasil, por que cargas d’água você faria bacharelado nos EUA??? Isso não faz o menor sentido… Se você me explicar o que exatamente está tentando planejar para sua vida, talvez eu possa te dar uma resposta melhor. Mas bolsa, esqueça… já não é fácil para os próprios Americanos conseguirem bolsa parcial (quanto mais integral). Bolsa para estrangeiro é coisa raríssima e geralmente é bem parcial, você tem que arcar com todos os outros custos, principalmente de vida. Quer estudar sem pagar nada, fique o Brasil.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Eu gostaria de estudar no exterior pois a área de pesquisa é melhor financiada. Referi-me à bolsa pois a Embaixada Brasileira parece estar oferecendo este tipo de bolsa e pensei que soubesse algo a respeito. Obrigada.

        Responder
        • Olá Rose,

          Eu sei sobre isso, mas pela descrição que você me deu, fiquei com a impressão de que você queria receber bolsas direto nos EUA. Bolsas no Brasil você pode obter informações nos próprios sites dos respectivos órgãos que as liberam. Contudo, se você se formar em medicina no Brasil, você já tem um curso superior e se torna inelegível para receber bolsa para qualquer outro curso de graduação. Inclusive, muitas universidades os EUA não permite com que a pessoa tente fazer 2 faculdades, se já tem 1, o próximo passo é pós, mestrado ou doutorado (ou os próprios cursos profissionalizates como é a própria medicina nos EUA). Não se faz medicina e depois um bacharelado, como eu disse, isso não faz sentido, com bolsa ou sem bolsa, e você não poderia fazer esse caminho nos EUA.

          Mas me diga com mais especificidade o que exatamente você está tentando fazer, para que eu possa te responder melhor.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Eu digitei errado. Eu queria dizer Mestrado ou residência, não bacharelado. Ouço muito falar de gente que foi fazer lá, mas não sei os processos que preciso seguir. Portanto gostaria de saber se é possível uma bolsa por algum órgão e qual o processo de admissão. Pelo que eu li acima, sei que o de residência deve ser feito no decorrer do curso aqui no Brasil, mas não tenho maiores informações e não sei nem sequer onde encontro testes anteriores ou locais para estudar.

          • Ah, sim, faz mais sentido. Mas você precisa definir um foco. Mestrado para alguém que faz medicina é só se a pessoa quiser seguir na área de pesquisa científica mesmo. Se você quer praticar medicina em consultório ou hospital, faz mais sentido fazer residência, que é a especialização médica. Você pode fazer ambos nos EUA, agora com relação à bolsa, só o mestrado. residência não é um “curso”, é um emprego. Você não paga para fazer residência, ganha um salário. Nos EUA, o salário de médico residente começa em torno $55.000 por ano. Se você quer fazer mestrado, as bolsas dadas pelo governo Brasileiro são condicionais, ou seja, eles pagam seu curso (ou parte dele) no exterior, mas você deve voltar a Brasil e praticar a profissão por X tempo para retribuir o investimento do governo em você. Se é a área de pesquisa que você quer, talvez um mestrado nem seja o mais indicado, mas sim doutorado (que nos EUA não “precisa de mestrado primeiro”). Nesse caso, similarmente à residência, você ganha para estudar, não paga nada.

            Abraços,

            Diego

          • E a remuneração na área de pesquisa é Boa? Você acha que vale a pena ser pesquisador lá? Existem oportunidades bacanas de fazer algo significativo?

          • Comparado com as oportunides que um médico tem ao praticar a profissão? Não, de jeito nenhum. A pessoa pra ir pra área de pesquisa precisa querer muito isso mesmo e estar bem focada em uma mini-mini área, além de estar consciente de que seus colegas médicos praticamentes estão ganhando 20 vezes mais. Quem vai para a área de pesquisa geralmente tem já um foco bem centrado, gosta de trabalhar em laboratório, com equipes e não tem vontade de “ser médico” de fato. Algusn poucos são MD/PhD, que são os médicos pesquisadores, mas aí realmente você precisa querer muito isso (e saber muito bem por que você quer), pois é muito difícil se estabelecer, terminar um doutorado e ainda ser médico.

            Abraços,

            Diego

          • Olá Rose,

            Issojá foi bem discutido por aqui, recomendo que você leia algumas das outras respostas (também podem estar em outros artigos sobre este assunto). Basicamente, o aluno de medicina precisa, durante o curso, ir prestando as provas (2) do USMLE chamadas de STEPs. Essas provas podem ser feitas no Brasil. No final da faculdade de medicina, você “aplica” para as residências que você se interessar nos EUA com suas notas dos 2 primeiros STEPs, suas notas do curso de medicina, resultado do TOEFL com menos de 2 anos da aplicação, e seu currículo (pesquisa científica, publicações, trabalho e estágios na área médica, etc.). As faculdades e hospitais então começam a chamar os alunos em que estão interessadas para entrevistas pessoalmente. Nesse período você deve estar pronta para viajar aos EUA e ficar alguns meses viajando de entrevista para entrevista, dependendo de quantas residências você aplicar. O processo de escolha da vaga é um pouco complicado e não é direto (a faculdade não escolhe diretamente os alunos que vão cursar residência, mas sim o órgão responsável pela regularização da medicina nos EUA faz uma lista em ordem decrescente coma colocação dos alunos no processo de match. Quem está no topo da lista tem o direito de escolher para onde quer ir, quem fica no final da lista, perde a chance e entra em outro processo chamado “scramble” que é tipo uma roleta russa que coloca os alunos que sobraram aleatoriamente onde sobrou vaga). Sobre isso pesquise mais se quiser no Google sobre o “residency match” para entender melhor como essa parte funciona.

            Abraços,

            Diego

  43. Vi um vídeo de um cara que disse que estuda na HMS, pq mandou e-mail pra uns professores de lá e ele foi aceito. Isso é possível? Tem como estudar lá sem o processo de aplicação e sem pagar nada?Se vc digitar Harvard Medical School e sonhos realizados é o primeiro do YouTube.

    Responder
    • Olá Lucio,

      Esse rapaz faz Ciências Sem Fronteiras. Isso não tem nada a ver com “estudar medicina na HMS”. Há vários casos, inclusive blogueiros cujos sites você pode pesquisar que foram fazer 6 meses, 1 ano em laboratórios da Harvard Medical School. Acima de tudo, acima de ser uma “escola de medicina”, a HMS é um universidade de pesquisa e há muitas oportunidades para fazer cursos lá ou simplesmente participar de pesquisas científicas. Isso, contudo, não tem qualquer relação com o curso de medicina em si. O menino do vídeo mesmo fala que ele vai para participar de uma pesquisa sobre genética.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • O cara faz biomedicina, que não tem nada a ver com medicina… Esse negócio de entrar em contato com professor e conseguir uma boquinha pra voluntariar no departamento é bem comum, acontece no Brasil também. É legal, enriquece o currículo, aumenta seu networking pprofissional, mas como o Diego disse, não tem nada a ver com “estudar medicina na harvard medical”.

      Responder
    • Olá Pedro,

      Acredito que qualquer pessoa possa prestar o SAT, independente de ter terminado o ensino médio ou não, mas é melhor você se informar no próprio site da entidade que aplicao teste.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Karen,

      Há muita informação na web sobre ambos e pela breviedade da sua pergunta, vou sugerir que você faça isso primeiro. Você precisa de uma boa base de informações antes de sonhar acordada. Ensino médio (high school) está ao alcance de qualquer um que possa pagar e é muito comum alunos Brasileiros fazerem intercâmbio. Contudo, para entrar em medicina são outros “quinhentos”! Em primeiro lugar, como foi explicado no artigo e também em inúmeras outras respostas, você precisaria fazer uma outra faculdade primeiro, já que nos EUA, medicina é “pós-graduação”. Não se entra do ensino médio direto em medicina como se faz no Brasil. Em segundo, como também foi discutido amplamente por aqui, é raro o caso de estrangeiro cursando medicina nos EUA. É um dos poucos cursos que são “fechados” só para Americanos ou detentores de Green Card (residência Americana). Por isso, repito: pesquise primeiro! Depois elabore suas perguntas de uma forma mais complexa (a partir de um pouco de pré-conhecimento) para que você possa obter melhor proveito das respostas aqui.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  44. Oi!!!

    Gostaria de saber qual é o processo para entrar na Harvard Medical School, para um estrangeiro que quer fazer uma pós-graduação em Medicina lá?.

    Responder
    • Olá Gláucia,

      Eu recomendo que você consulte primeiro a própria página da Harvard Medical School. Se tiver alguma dúvida específica, talvez eu possa te ajudar melhor. Eu tenho mais conhecimento sobre o processo de entrada no curso de medicina em si, não em outros cursos de pós-graduação. Em todos os sites de Harvard, o processo para aplicação é sempre bem explicado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Ana Caroline,

      Não. O curso de medicina nos EUA é “fechado”, ou seja, o aluno precisa começar do zero e fazer o curso todo, não importa o que ele já tenha feito antes. Não existe “aproveitamento de matérias” em medicina.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  45. Esse undergraduate school é como se fosse um bom cursinho pré-vestibular misturado com iniciação científica, SÓ ISSO.
    O pessoal que gosta de enfeitar demais.
    Coisa que todo aluno aprende antes de entrar numa BOA universidade concorrida aqui no Brasil.
    E essa iniciação científica isso se resolver em apenas 1 semestre.

    Responder
    • “Undergraduate school” é equivalente a nossa faculdade propriamente dita. Para entrar em medicina, o aluno precisa ter um diploma universitário. Não adianta fazer um “cursinho”. Além disso, o conteúdo exigido no MCAT (vestibular de medicina) cobra matérias como física, química, matemática e biologia a nível superior, ou seja, é conteúdo que uma pessoa aprenderia somente em faculdade, não em cursinho pré-vestibular. Não sei da onde você tirou essa noção de que “undergraduate” é equivalente a cursinho! Não é. É uma faculdade mesmo e é obrigatório para a maioria dos cursos superiores como medicina e direito.

      Estou pra ver um aluno pré-vestibular que tenha nível de iniciação científica suficiente para entrar em medicina nos EUA… nem a faculdade no Brasil dá esse tipo de conhecimento. Os melhores alunos pré-vestibulandos no Brasil, do tipo que entram no ITA e USP não saberiam produzir um artigo científico, nem conduzir uma pesquisa com o rigor necessário em uma faculdade Norte Americana.

      Dito isso, fico pensando qual seria o objetivo do seu comentário. Undergraduate school não é opcional, é obrigatório. Então p fato de você achar que é uma educação equivalente ao pré-vestibular é irrelevante, já que os alunos não tem opção…

      Responder
  46. Eu estou no ensino médio no primeiro ano eu teria que fazer o college que onde aprende as 9 matérias pra depois fazer a medicina que é 4 anos pois ja aprendi as 9 matérias no college?

    Responder
    • Olá Roberta,

      Não ficou muito claro pra mim o que você não sabe e qual a sua pergunta. O college é a faculdade propriamente dita, equivalente a nossa faculdade normal no Brasil. A comissão da faculdade de medicina avalia seu desempenho acadêmico em 7 a 9 matérias, dependendo da instituição (algumas querem ver o desempenho do aluno em inglês e matemática, outras o presumem pelo desempenho das outras). Ou seja, o aluno que deseja fazer medicina pode optar por escolher um curso universitário que já contenha boa parte dessas matérias premed como engenharia química ou pode fazer qualquer curso (e digo “qualquer” mesmo, pois tem gente que entra em medicina tendo feito letras, geografia, ou até mesmo turismo) e depois fazer premed, o que dura em torno de 3 anos se a pessoa precisar fazer todas as matérias. Mas como já discutimos bastante aqui nos comentários, essa questão das matérias é secundárias. Há Muito mais com que se preocupar quando o assunto é entrar em medicina nos EUA como o fato de você ser estrangeira, por exemplo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  47. Ola Diego,
    tenho uma pergunta:
    Eu ja estou com 30 anos, fiz bacharelado em economia na UFRGS, mas a contragosto pois sempre quis cursar medicina (E por isso e outras questoes politicas da universidade, minhas notas tambem nao sao as mlehores). Acabo de ganhar o greencard mas tenho a possibilidade de ainda ficar uns 2.5 anos no brasil antes de ir de muda. Acha que tenho ainda como fazer medicina? o que eu poderia fazer em termos de melhorar a eficiencia do meu plano final? Preciso muito de uma luz no fim do tunel ja que nao sou mais tao jovem assim.
    Se quiser mais esclarecimentos sobre o meu caso para poder opinar, posso mandar por email.
    Desde ja, agradeco pela ajuda

    Responder
    • Olá Nathalia,

      Minha recomendação: se quiser mesmo fazer medicina, faça no Brasil. Nessas discussões aqui a gente acaba enfatizando muito essa questão da falta de green card ou cidadania porque acaba sendo o maior obstáculo para Brasileiros entrarem em medicina nos EUA, contudo, o fato de se ter documentação não ajuda muito. Medicina nos EUA continua sendo o curso mais concorrido do mundo. Eu recomendo que você leia o relato (é um artigo) aqui do Marcos, que é cidadão Americano e tentou durante muitos anos entrar em medicina, tendo inclusive estudado em Harvard. Ele sofreu muita discriminação por “ser estrangeiro”, mesmo sendo Americano de fato. Ele tinha sotaque e “cara de Brasileiro”. Essa discussão está bastante agitada aqui nos EUA nos últimos dias devido ao ataque na boate em Orlando. O atirador era Americano, nascido nos EUA, mas sofria discriminação porque ela filho de estrangeiros. Pessoas com sotaque de outros países, ou mesmo aparência não Americana, costumam sofrer muita discrimição em determinadas camadas na sociedade. Eu diria que a faculdade de medicina está no topo desta lista. O povo Americano tem muito de não querer pessoas, mesmo que sejam portadores de GC ou naturalizados, fazendo medicina em seu país e depois voltando para praticar em seus países de origem. Como o curso goza de muitas verbas públicas, o povo tem muito poder sobre o perfil dos alunos que são aceitos.

      Mas isso é apenas um detalhe. Há estrangeiros portadores de GC e naturalizados na faculdade de medicina? Sim. Em número ínfimo, mas há.

      O problema maior que vejo em um caso como o seu é que o aluno típico que entra em medicina está se preparando para a aplicação por em média 5 anos. O aluno já entra na faculdade (college) com vistas para a faculdade de medicina, já faz as matérias pré-requisito, já começa com seus trabalhos voluntários, já pega empregos na área da saúde, e já começa a construir um currículo que vise “desenhar” para o comitê de medicina exatamente a personalidade que eles querem em suas instituições (pessoas com capacidade de liderança, boas para trabalhar em grupo, dispostas a suar a camisa pelo próximo, etc.). Essas coisas precisam ser demonstradas através de atividades práticas como liderança de grupos universitários, participação em ONGs, e inclusive trabalho mesmo. Muitos aplicantes de medicina trabalham como EMTs (atendentes e motoristas de ambulâncias e atendimentos de emergência),auxiliares de enfermagem, scribe (o profissional que fica junto com o médico em consultas tomando notas), assistentes de médicos, etc. Isso não é feito só por alguns meses, mas por anos, durante toda a graduação do aluno, e em muitos casos por mais alguns anos após o final da faculdade.

      A idade média de entrada em medicina é entre 25 e 28 anos. Agora, você chega com 30 e decide fazer medicina nos EUA. Ok, além de todos os obstáculos que você teria que enfrentar como estrangeira sendo discriminada mesmo tendo green card, tem a questão da construção do seu currículo. Tendo feito economia, você não possui nenhum pré-requisito, talvez cálculo e matemática. Você basicamente teria que fazer outra faculdade (ou pelo menos 3 anos de premed), além de construir todo esse currículo de atividades profissionais e voluntárias. Você chegaria na porta de entrada com 33, 34 (se começasse já), uma idade já avançada para medicina, podendo sofrer discriminação ainda por isso. Além disso, todo esse currículo teria que ser construído dentro dos EUA, principalmente porque você fez faculdade no exterior (Brasil). Se você só for para os EUA daqui 2.5 anos, você só poderia começar toda essa jornada uma vez que estivesse lá. Algumas coisas como trabalho voluntário até poderiam ser feitos aqui, considerando que o Brasil é um país de terceiro mundo e há muitas ONGs humanitárias precisando de ajuda. Mesmo assim, a partir do momento em que você estivesse nos EUA, você precisaria começar o premed e hoje em dia com 8 matérias, isso leva em torno de 3 anos (mas não menos do que 2).

      Eu recomendo que você leia os fóruns mencionados aqui nestas discussões como Student Doctor.net para ter uma ideia melhor da complexidade de todo esse processo (e o quanto é difícil!). Se você achar que dá, vá em frente, mas tendo total ciência de todas as peças desse quebra-cabeças.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Oi,

      Eu achei esse site por acaso, mas queria comentar nessa sua pergunta. Meu cunhado está passando por essa ladainha de tentar entrar em medicina nos estados unidos há alguns anos e eu acabei me interessando, o que me levou a pesquisar e descobrir esse site… O que o Diogo falou procede. Há muito preconceito, não por parte do americano comum, mas especificamente por parte das universidades de medicina (o mesmo não ocorre em outros cursos, só em medicina, devido ao que o blogger falou sobre a pressão do público por causa das verbas públicas). Isso ninguém fala. Você procura coisas sobre como fazer medicina nos states na internet e tudo o que você encontra são matérias superficiais falando do processo como se fosse simples, só uma questão de preencher os prerequisitos.

      Mas não é assim não, e parabenizo o blogger por ter se dado o trabalho de dar uma resposta tão bem detalhada. Ele cobre tudo o que estou vendo meu cunhado passar. Essas dificuldades não são simples de serem enfrentadas, não. Tire o preconceito, tudo bem. Digamos que você Nathalia não sofra nenhum preconceito. Ainda tem toda essa questão da preparação. Isso leva muitos anos e como ele disse, tem que ser feito no país, não dá pra fazer nada no brasil além de algumas atividades voluntarias na área da saúde como ele disse. Fora isso, tudo o que você fizer no brasil será desconsiderado, e falta de experiencia nos EUA com pacientes americanos será uma falha grave em seu currículo se você não tiver.

      Eu estou procurando informações sobre isso porque ainda não me decidi se vou em frente ou não. A dificuldade não deve te deter, mas ao mesmo tempo, você tem que saber direitinho no que está entrando e estar disposta a pagar o preço que é depois de muitos anos de dedicacao não ser aceita em nenhuma escola de medicina. Suas notas baixas no curso de economia podem pesar muito contra você. Os motivos não importam pra eles. Seus concorrentes terão todos notas perfeitas (GPA), a maioria em colleges no próprio país. Então você envia seu currículo já com uma certa idade, um curso feito em outro país, não ligado à área da saúde, com notas fracas (mesmo que sejam medianas, ainda assim são fracas para medicina), e ainda por cima é estrangeira. Você entende todo o conjunto de obstáculos contra você?

      O que eu posso te dizer que é o que eu mesma estou pensando em fazer é cursar outra faculdade nos estados unidos mesmo (já que terei que fazer todo o premed e mais ainda os trabalhos). Isso muda todo o perfil da aplicação e coloca como obstáculo somente a idade e a origem, o que podem ser obstáculos intransponíveis para algumas escolas (Yale, Stanford), mas não é tanto em outras (state schools).

      Como assim como você, não vou poder estar presente nos EUA por um período longo ainda (apesar de ter cidadania, meu marido tem contrato de trabalho fora), estou fazendo matérias online na Harvard Extension School, que é uma simpática escola de Harvard que prmitem com que você estude online (mas com todo o rigor de harvard). Eu estou fazendo isso porque tem múltiplos benefícios, incluindo me permitir entrar em um mestrado ou doutorado futuramente, é uma ideia pra você também. Você não precisa inicialmente passar por processo seletivo para começar, é só se matricular e fazer as matérias. Eu te indico fazer a EXPO E-15 primeiro, que é a porta de entrada para a “redação” em Harvard e te ensinará muita coisa que você precisará em outras aulas. A partir daí você poderá fazer outras matérias, inclusive as do premed. Você não poderá tirar uma graduação por Harvard (pois já possui uma), mas poderá, ao se mudar para os EUA, transferir seus créditos para uma outra faculdade (que aceite alunos de segunda graduação). Ao chegar no país, procure já começar a se envolver com as atividades extracurriculares e se puder, pegue um emprego na área (emprego de scribe é bem facinho pegar).

      Um grande abraço e boa sorte!

      Amanda

      Responder
    • Concordo com os anteriores, o preconceito aqui contra qualquer pessoa que não fale inglês sem sotaque é incrível e fica cada vez pior com o crescimento da extrema direita (pessoal que apoia o Donald Trump). Você pode não entender isso, mas tem tudo a ver com a faculdade de medicina que é a mais elitista do país. A maioria dos membros dos comitês que aceitam os alunos são republicanos, e portanto, racistas. Isso não é regra, mas é sabido que o curso de medicina é o mais “branco” de todos os cursos universitários nos EUA e por “branco” não quero dizer só pessoas de pele branca, mas pessoas nascidas nos EUA de pais Americanos (e brancos). Até mesmo negros e asiáticos americanos são raros na faculdade de medicina. Isso é triste e até nojento, mas é real. Meus filhos são Americanos e estão passando por todo esse processo pré-medicina e falam inglês quase perfeito, mas as pessoas percebem por uma coisinha ou outra que inglês não é a língua mãe deles e isso gera preconceito em determinadas áreas. Eles sabem que sofrerão discriminação para entrar em medicina, mas ainda são jovens e terão outro curso superior “debaixo da manga” caso medicina não dê certo.

      Se você tem recursos e tempo, vá em frente, mas como os outros disseram, tendo consciência de que as dificuldades serão muito maiores para você, quando elas já são quase intransponíveis para a grande maioria dos Americanos. Participe de foruns online que tratam do assunto (alunos premed) para se manter informada e para ir descobrindo melhor como tudo isso funciona. É um verdadeiro labirinto, tudo muito complicado e difícil. Você precisa saber muito bem tudo o que precisa fazer para poder se candidatar a uma vaga e não é pouco. Impossível não é…

      Responder
      • Está certa Helena… infelizmente! Essa discussão é muito pertinente nos dias de hoje que tem se falado muito sobre a xenofobia, mais recentemente agora com o fator que pesou mais no plebiscito que resultou na saída da Grã Bretanha da União Européia. Os brasileiros não gostam de falar nisso, preferem empurrar o que é “feio” para baixo do tapete e fingir que ao imigrar para outro país como os EUA, todos são tratados da mesma forma. Como já falaram aqui, você lê artigos sobre fazer medicina nos estados unidos por aí e ninguém alerta os incautos leitores sobre o principal fator que cairá sobre suas costas: a sua brasileirisse vai te seguir por onde você for, não importa se você tem green card ou cidadania européia. Há pessoas xenófobas nesses países que vão te discriminar. E não há lugar onde essa discriminação seja mais forte do que a faculdade de medicina! É por isso que isso está vindo à tona aqui. Esses dias mesmo eu estava lendo um artigo sobre isso o que você falou, sobre a faculdade de medicina ser a mais “branca” do país. Vou procurar o link e postar aqui. Até mesmo a classe média americana é discriminada na entrada em medicina. Os alunos de medicina são aqueles filinhos de papai que estudaram em escola particular (o que é incomum aqui, onde toda a classe média, até mesmo a alta, estuda em escola pública) e sempre tiveram tudo do bom e do melhor. Há uma pocentagem ínfima de negros e outras raças em medicina e isso tudo gente nascida no próprio país. Estrangeiros? Nunca vi um estrangeiro entrar em medicina em nenhuma escola nos EUA, seja naturalizado ou detentor de green card. É uma realidade muito desconfortável, mas é uma realidade…

        Responder
  48. Olá
    Curso Biologia – bacharelado aqui no Brasil. Gostaria de saber se ao terminar o curso posso me candidatar a uma vaga de Medicina, ou se preciso fazer o Pré-med antes. Eles oferecem bolsa de estudo? Tanto no Pre-med quanto na Graduate?.

    Responder
    • Olá Ruan,

      Você terá parte dos pré-requisitos. Ter um curso superior e fazer as matérias requeridas no premed é apenas uma parte do quebra-cabeças da entrada em medicina. Ainda tem o fato de que você é estrangeiro. Se não tiver Green Card, a coisa fica praticamente impossível. Não exitem bolsas em medicina, nem para os Americanos. O que existe é financiamento estudantil, mas só está disponível para os Americanos. Além disso, tem as “outras partes” desse quebra-cabeça como currículo profissional na área médica, trabalho voluntário, e pesquisa científica. Isso leva anos para ser feito, não é coisa que se dá conta em alguns meses de preparação. Então se você realmente está interessado em fazer medicina nos EUA, estude bem todo o processo e comece a se preparar desde já, incluindo uma estratégia para remediar o fato de ser estrangeiro (se você não é Americano, nem tem Green Card).

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Premed não tem bolsa de nenhum tipo, nem para os próprios americanos, pois não é um curso propriamente dito. Não emite certificado, nem diploma, é uma complementação de aulas para as pessoas que não cursaram todas as necessárias, só isso. A média de preço varia entre 800 e 1.500 dólares por semestre (considerando que algumas matérias podem ser feitas em 1 semestre, outras como biologia, química, e física precisam de 1 ano e química ainda tem que fazer orgânica separada, mais 1 ano). Mas como você fez biologia, é possível que boa parte desses prerequisitos já tenham sido preenchidos. Graduate school só oferece financiamento para quem é Americano ou pelo menos tem Green Card. Como estrangeiro você não qualifica. Não existem bolsas de nenhum tipo em medicina. Se você fosse aceito (improvável já que medicina historicamente não aceita estrangeiros), você teria que desembolsar o valor total do curso à vista como condição de sua matrícula. É mais realista fazer medicina no Brasil e depois buscar uma residência nos EUA, o que o qualifica para praticar a profissão no país.

      Responder
      • Corrigindo, o preço médio que eu mencionei é “por semestre”, “por matéria”, não um preço estilo mensalidade no Brasil, que paga um valor e faz várias matérias…

        Responder
    • Olá Tássia,

      Você já é formada em medicina, não há necessidade de fazer o curso novamente. Eu digo que medicina é “pós graduação” nos EUA pois os Brasileiros têm muita dificuldade em compreender o sistema educacional Norte Americano em que muitos cursos profissionalizantes como medicina e direito requerem um bacharel primeiro (4-year degree, college, etc.). Se você já fez medicina isso equivale ao college + med school. Você já está apta a se candidatar a uma residência, contudo, não tenha esperança de entrar em Harvard. Inclusive, não é o aluno quem escolhe onde vai fazer residência. O aluno aplica para a residência como um todo, em todas as instituições, através do conselho federal de medicina. Ele pode colocar em ordem de preferência as escolas onde tem maior desejo de frequentar, contudo, não há qualquer garantia de que no “match”, como se chama o processo, o aluno seja corretamente emparelhado com alguma de suas escolas de preferência. Você pode dizer que prefere escolas na costa leste e acabar no Alaska, principalmente se cair no scramble (situação em que o aluno não faz “match” com nenhuma escola no primeiro rol de aplicações). Para se candidatar você precisaria ter feito, durante a faculdade, os STEPs do USMLE (as 2 primeiras provas). Se você não fez, você tem que correr atrás disso e verificar as datas limites para o próximo rol de aplicações. Os resultados dessas provas precisam ser enviados a tempo para a organização responsável.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Ok, você disse que é “bacharel em medicina”… Que diabos isso significa? Você fez o curso de medicina propriamente dito de 6 anos na UFRGS? Você é “médica”? Se sim, você pode aplicar para qualquer residência nos EUA (desde que preste primeiro os 2 steps como o autor lhe respondeu). As chances de você (ou qualquer pessoa) ser aceita na residência de Harvard (chamada nos fóruns por aí de MGH, que é a sigla de Massachussetts General Hospital) é ínfima, já que é a residência mais concorrida do mundo.

      Responder
  49. Olá, eu gostaria de fazer o HARVARD COLLEGE. Estou cursando o primeiro ano do ensino médio, mas não sei como faz. Vcs poderiam me ajudar? Ouvi falar que tem que fazer uma prova chamada “SAT”, mas pesquisei sobre ela e descobri que na minha cidade (Natal – RN) ela não é aplicada. O que faço? Tem outra maneira?

    Responder
    • Olá David,

      Não, não tem outra maneira. O SAT é prova exigida por todas as universidades Americanas. É como o ENEM no Brasil, mas mais amplamente aceito. Se não tem na sua cidade, arranje de fazer em outra, ué! Você não quer entrar em Harvard? Se vira então! Não quero ser grosso com você, mas a primeira característica notada em um aluno com perfil de Harvard é iniciativa, proatividade, alguém que corre atrás das respostas que procura e não pergunta pra alguém de braços cruzados.

      Veja que o SAT não é a única coisa necessária para entrar em Harvard. Você tem que preencher uma série de outros requisitos que, em outras palavras, mostram que você é um aluno “à altura de Harvard”, um aluno especial, um líder, um estudante que apresenta resultados muito além de notas perfeitas. A primeira pergunta que é feita na entrevista de seleção é: “o que torna você um aluno especial?” “Por que Harvard deveria te aceitar?” “O que você pode trazer para a comunidade de Harvard que mais ninguém pode?”

      Se você não consegue descobrir como fazer o SAT em outra cidade, eu temo que você não se encaixe no perfil que Harvard está procurando…

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Concordo com o Meille… um aluno que não tem a iniciativa de correr atrás de uma solução para prestar SAT (uma solução tão simples quanto (pasmém) prestar o teste em outra cidade!) sem ter que perguntar para alguém na internet, não tem perfil de aluno que entra em Harvard! O aluno típico que é aceito no harvard college corre atrás das coisas que quer, não pergunta pra ninguém, descobre tudo sozinho. Essa questão seria banal… qualquer pessoa com um mínimo de proatividade teria concebido uma solução para o “dilema” só na lógica, sem nem ter que fazer “pesquisa”. Mas o garoto aqui nem isso fez… e acha que pode entrar no Harvard College! Nem em sonho meu amigo!

      Se você não consegue conceber que a solução para o seu “problema” é fazer o SAT em uma cidade que aplique o teste, como você resolveria o “dilema” de ter que ir para Cambridge fazer a entrevista pessoal (obrigatória) que faz parte do processo seletivo?

      Responder
  50. Olá , vou começar a fazer o ensino médio ainda mas já penso em fazer medicina na HMS quero tirar umas dúvidas e saber se seria melhor fazer College ja nos EUA ( e como fazer isso ) ou fazer uma faculdade logo no Brasil ( e se posso fazer qualquer curso não obrigatoriamente medicina )

    Responder
    • Olá Maísa,

      Se você fizer medicina no Brasil, você não qualifica mais para entrar em medicina na HMS ou qualquer outra escola de medicina, pois já será médica!

      Na realidade, toda essa discussão é muito teórica. Brasileiros sem Green Card ou cidadania Norte Americana não entram em medicina nos EUA (nenhum estrangeiro, na verdade, não só Brasileiro). Então, essas dicas valem para Brasileiros que possuem Green Card ou cidadania (ou têm meios de conseguir).

      Se você quer ser médica, o ideal é fazer o curso no Brasil. Se você quer futuramente poder trabalhar nos EUA, depois de terminar a faculdade no Brasil, aplique para uma residência médica nos EUA. É uma ideia muito mais realista do que querer entrar na HMS (não só em “qualquer” medical school, mas na HSM, a escola mais competitiva do mundo!). Ter sonhos realistas é o primeiro passo para o sucesso, ao passo que sonhar alto demais, principalmente com coisas cujas chances de sucesso são ínfimas, gera apenas frustração e desilusão.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Menina, vamos colocar os pés no chão?! Você nem começou o ensino médio ainda… ah, mas “já pensa em fazer medicina na Harvard Medical”. hahaha piada, né? Se concentre em passar de ano e ter boas notas no ensino médio. Se você conseguir passar no vestibular de medicina no Brasil, já será um grande feito. Sonhar grande é uma coisa, sonhar com coisas que você não tem condições de realizar (por N motivos já explicados pelo autor do artigo) não só perda de tempo, como conduz à infelicidade.

      Se você quer que eu revise os motivos pelos quais você nunca vai fazer medicina na HMS, vamos lá:

      – Escolas de medicina nos EUA não aceitam estrangeiros. Em raros casos, esses “estrangeiros” são cidadãos de outros países de língua inglesa como Austrália, Nova Zelândia e Inglaterra. Não há casos de Brasileiro que fez medicina nos EUA, na HMS então, nada, nenhum caso, nunca!

      – Mesmo que você desse um jeito de conseguir um Greeen Card (casando com um Americano, por exemplo), ainda há muito preconceito (no ramo da medicina) contra pessoas nascidas em países de terceiro mundo. Os pouquíssimos casos de estrangeiros (em geral de países de língua inglesa) cursando medicina nos EUA, eles são obrigados a desembolsar o valor dos 4 anos de curso à vista, já que não qualificam para financiamento estudantil (usado por 99% dos alunos de medicina), o que dá mais de 1 milhão de Reais no Câmbio de hoje.

      – Tudo isso sem falar em todos os outros obstáculos que já são difíceis para quem nasceu e mora nos EUA: construir um currículo de trabalho profissional na área médica, voluntariado, demonstrar liderança e capacidade de trabalhar em equipe, pesquisa científica (comprovada com artigos publicados em journals relevantes).

      Considerando tudo isso, baixe a bola e se concentre no vestibular que está adiante no seu caminho no Brasil. E não fique com raiva da gente, viu?! Nós só estamos te chamando à realidade. Quer sonhar alto? Sonhe em passar em medicina na USP. Isso é realista, mas infinitamente mais fácil do que entrar em medicina em QUALQUER escola nos EUA (nem falando da HMS aqui…).

      Responder
  51. ola gostaria muito de fazer HMS mas pelo o que entendi ante terei que fazer o harvard college gostaria de saber se fazendo o harvard college posso escolher as materias de biologia quimica cauculo e administração ao mesmo tempo

    Responder
    • Olá Jessica,

      Acho que você não entendeu. O “college” é a faculdade, a mesma que você pode fazer no Brasil. Não há qualquer relação entre o Harvard College e a HMS. Inclusive, alunos do Harvard College tem menos possibilidade de serem aceitos na HMS pois eles não querem que isso pareça favoritismo. Contudo, o principal obstáculo é o seu status imigratório. Estrangeiros não podem fazer medicina nos EUA, somente se tiverem Green Card ou forem naturalizados Americanos (mesmo assim, como já discutimos aqui em diversos estudos de caso, é um barreira quase que intransponível). Se você TEM Green Card, é Americana ou tem possibilidades de conseguir esse documento, você pode fazer o college onde quiser, do que quiser. Pode fazer letras, matemática, geografia, não importa. O que falamos aqui é que para economia de tempo, os alunos escolhem cursos superiores que possuem todas as matérias pré-médicas, ou fazem essas matérias “soltas” durante a faculdade, pois nos EUA as matérias são escolhidas pelos próprios alunos. Você pode se formar em qualquer coisa, onde quiser, desde que tenha um GPA em ciências (essas matérias mencionadas) super alto e tenha cursado com boas notas as outras matérias (sociologia, psicologia, e inglês). Se não tiver boas notas, ou não tiver cursado todas as matérias, você faz um curso chamado premed. Mas novamente, tudo isso só se aplica se você tem condições imigratórias de participar do processo de seleção de medicina.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  52. Então…Se por exemplo eu fizer medicina e me forma, ganhar diploma na USP, eu posso tentar o HMS sem precisar do college. Já vale o mesmo? Adorei seu post.

    Responder
    • Olá Maria Clara,

      Se você fizer medicina no Brasil, não importa onde, não há qualquer necessidade de fazer HMS… Você já terá feito medicina, já será médica em qualquer país. Para praticar a profissão nos EUA, tendo se formado no Brasil, você deve fazer residência médica nos EUA. Como discutimos bastante aqui já, o que expliquei neste post vale apenas para quem tem Green Card ou é cidadão naturalizado Americano. Brasileiros sem status imigratório nos EUA não podem fazer medicina em nenhuma faculdade nos EUA. Então o foco deve ser fazer medicina no Brasil e depois aplicar para residência nos EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Maria Clara,

      É necessário traduzir o diploma em uma instituição aprovada por Harvard (só tem uma), mas em primeiro lugar, se você não tem Green Card ou não é cidadã Americana, você não pode entrar em medicina em nenhuma faculdade Norte Americana.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  53. Olá Diego! será que você poderia esclarecer uma dúvida para mim por favor?

    Então… se eu quisesse fazer medicina em Harvard, eu teria que fazer um curso de medicina aqui no Brasil (de mais ou menos 4 anos) ou o college nos EUA?

    Obrigadaa!!
    bjs

    Responder
    • Olá Carol,

      Não, não existe curso de medicina no Brasil de “mais ou menos 4 anos”! Se você fizer medicina no Brasil, o que leva 6 anos, você não precisa (nem seria aceita) fazer medicina nos EUA. Para aplicar para medicina nos EUA, você precisa de um curso superior, qualquer um, mas não medicina! College é a nossa faculdade. Se você fizer por exemplo, biologia, química, ou engenharia, você tem um diploma de college. Com isso, se você tiver Green Card ou for cidadã Americana, você pode tentar entrar em medicina nos EUA (com os demais elementos da aplicação como atividades extra-curriculares, MCAT, etc.)

      Abraço,

      Diego

      Responder
  54. Boa noite, Diego Meille!
    Desejo muito fazer Medicina em Harvard.
    Então, com relação ao tempo investido nos estudos, pode-se afirmar que se eu fazer Engenharia Neurociência ( por abrangir todas essas matérias do Pré-Med ) no Brasil ou em Harvard ( 4 ou 5 anos ) e mais 4 de Medicina em Harvard, totalizando 8 ou 9 anos, estarei formado em Medicina?

    Responder
    • Olá Glad,

      Em primeiro lugar, você precisa ter Green Card ou ser cidadão Americano. Nenhuma faculdade de medicina nos EUA aceita estrangeiros sem status imigratório. Caso tenha esse documento, você pode se organizar para fazer o premed junto com a faculdade, mas isso é difícil no Brasil, pois a faculdade é “fechada”, as matérias são pré-determinadas e você é obrigado a seguir o currículo, ao contrário dos EUA onde é o aluno quem escolhe as matérias que quer fazer. Além do premed/college, você precisa se dedicar MUITO a atividades relacionadas à medicina, tanto trabalho profissional quanto voluntariado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
        • Olá Glad,

          O college não é em Harvard. O college é um bacharel, uma faculdade normal, qualquer uma, em qualquer lugar. Medicina é pós graduação, então após ter um diploma de bacharel, o aluno aplica para a graduate school (medicina, direito, farmácia, veterinária, dentre outros cursos). A duração é menor do que no Brasil, pois o aluno já possui uma formação universitária prévia. Medicina nos EUA (não só em Harvard) tem duração de 4 anos. Com relação à residência, é importante não vê-la como parte do curso. O médico residente já é médico, formado e a residência é um emprego. As residências nos EUA duram no mínimo 3 anos, e em média 4.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  55. Boa noite, Diego Meille!
    Desejo muito estudar Medicina em Harvard.
    Então, em relação ao tempo investido nos estudos, pode-se afirmar que se eu fizer Neurociência (por abrangir essas matérias da Pré-Med) no Brasil ou em Harvard ( 4 ou 5 ano) e mais 4 de Medicina em Harvard, totalizando 8 ou 9 anos, eu estarei formado em Medicina?
    Se caso possível, entra em contato comigo para conversarmos a respeito da mesma!

    Responder
    • Olá Glad,

      Eu já respondi bastante para você acima, você leu minhas respostas? Você não me respondeu se tem Green Card ou cidadania Americana. Sem isso não tem medicina nos EUA, nem em Harvard, nem em qualquer outra universidade no país. Se você tem, me diga para que eu possa entender melhor a sua situação. Outra coisa, você não fala em “medicina nos EUA”, você fala apenas em “medicina em Harvard” como se isso fosse escolha sua! O processo de aplicação e seleção para faculdade de medicina é global, ou seja, aplica-se em um único site de uma instituição semelhante ao Conselho Federal de Medicina no Brasil. Você pode no máximo indicar uma lista de instituições onde “gostaria” de fazer o curso. Todos os alunos entram em um “bolo” e separados em vários níveis de qualificação. As escolas então escolhem dentro desse bolo de nomes, aqueles em que estão mais interessadas e chamam os alunos para entrevistas pessoais. Na prática, o cara pode aplicar para Harvard e acabar na Univerdade de Indiana… não há qualquer garantia nesse processo. Recomendo que você estude um pouco mais sobre como esse processo funciona para que não acabe alimentando sonhos com poucas chances de dar certo e saiba exatamente o que fazer e como fazer para não perder tempo e não tomar decisões agora que acabam se demonstrando incorretas lá na frente.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Jonas,

      Depende do que você está chamando de “especialização”, esse é um termo bem amplo! Especialização em medicina pode ser residência médica, fellowship, ou uma pós graduação do tipo que fazemos no Brasil, um curso apenas. Nesse último caso, geralmente é só se inscrever, pagar, e comparecer. Não tem processo seletivo, a não ser que as vagas sejam limitadas. Nesse caso, a seleção é feita através do currículo do aluno (os que fizeram as melhores faculdades, tiraram as maiores notas, fizeram residência em um hospital melhor, etc.).

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Glad,

      Eu não sou o Deco! Sou o Diego. O Deco é de outro site! Medicina nos EUA, assim como todos os outros cursos superiores, é integral. Nos EUA, todos os cursos superiores são integrais. Na realidade, desde a escola primária, os alunos passam o dia inteiro na escola. Não é como no Brasil que tem curso só de manhã, outros só de noite. Medicina então, o aluno precisa “se internar” na universidade, não há espaço para nenhuma outra atividade, se é isso o que você está pensando.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  56. Quantas concentrações posso fazer no College em Harvard simultaneamente?
    Simplificando, quantos cursos (exemplo: História, Biologia, Astrofísica) posso fazer ao mesmo tempo no College?

    Responder
    • Olá Rafael,

      Harvard é extremamente restrita com relação às opções de concentrações. Harvard não permite “double majors” ou a pessoa fazer duas concentrações simultaneamente. O que eles permitem é uma “joint concentration”, você escolhe 2 áreas, obtém aprovação para fazer sua dissertação unindo as duas (o que não é fácil) e então faz as matérias (em dobro) e prepara sua dissertação, que acaba sendo mais difícil já que você precisa convencer bancas nas duas áreas de que sua monografia realmente adiciona conhecimento às duas áreas igualmente.

      Com relação ao minor (concentração secundária) você pode fazer apenas 1 se estiver fazendo single major (uma só concentração maior). Se estiver fazendo joint concentration, não pode selecionar minor.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  57. Eu nao entendi muito bem, então como faço pra entrar em um college ? Vou entrar no ensino medio e ja procuro formas de fazer intercâmbio, com ele fica mais fácil de fazer o college ?

    Responder
    • Olá Juliana,

      Não, o intercâmbio não facilita a entrada no college. Contudo, para que possamos conversar melhor e a conversa possa ajudar outros leitores, faça sua pergunta em um artigo sobre faculdade/college nos EUA. Esse artigo aqui é sobre medicina (graduate school), que não é college.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  58. Tenho uma dúvida, curso o 1° ano de Medicina no Paraguay, em uma faculdade bem conceituada, uma das melhores do País.. Se eu quero entrar para a HMS, Como faço isso?, eu por exemplo, não posso decidir ir cursar o 3° ano lá, e entrar ? Até pq tem todo um processo muito complicado igual você já explicou aqui, claro. Mas como eu faria para entrar para a HMS já que curso Medicina, eles aceitariam?

    Responder
    • Olá Karla,

      Não, não existe nenhuma possibilidade de fazer parte do curso nos EUA, nem na HMS, nem em qualquer outra escola de medicina. Nos EUA, você precisa ser Americana ou portadora de Green Card para ser considerada para medicina para começo de conversa. Se você não tem residência Americana, esqueça. Se você tem, aí sim, você precisa de uma faculdade primeiro, como explico no artigo e depois pode aplicar para a faculdade de medicina (não se aplica para escolas específicas, você pode no máximo dizer que tem preferência pela HMS, mas pode ser colocada em qualquer faculdade no país). O processo de seleção é coletivo – todas as escolas de medicina juntas escolhem os alunos dentro de um bolo de inscrições generalizado. Os melhores alunos dentro desse bolo são absorvidos pelas melhores escolas. Ë necessário MUITA experiência com pesquisa científica e publicações para entrar na HMS, além de trabalho voluntário extenso na área médica. Muitos alunos possuem também experiência profissional com enfermagem, ambulância, assistente médico, dentre outras profissões da saúde.

      O curso nos EUA é feito inteiro. Ou você faz os 4 anos nos EUA ou não faz nada. Não dá pra entrar no meio, nem fazer parte do curso. Sua experiência no Paraguay, na realidade, conta contra você já que a reputação das escolas de medicina nesse país é muito negativa.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  59. Olá,
    Sou médico formado no Brasil há 4 anos, porém, ainda não fiz residência médica aqui, pois tenho trabalhado apenas no SUS e feito uma reserva financeira p caso precise me manter fora! Gostaria de saber como seria possível exercer a profissão nos EUA!
    Deveria cursar HMS?! Quantos anos são?! Ou é possível ingressar em uma residência médica nos EUA e após isso fazer os STEPS?! Alguém pode esclarecer?!

    Responder
    • Olá Adriano,

      Você não poderia fazer a HMS pois já cursou medicina. Você apenas precisa fazer a residência nos EUA e prestar os STEPs do USMLE, que podem ser feitos também no Brasil. A entrada em uma residência nos EUA exige notas muito boas durante o curso de medicina, e para estrangeiros, geralmente é exigido uma performance nos STEPs acima da média, mas fora isso, não precisa mais nada.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Vitória,

      Essa pergunta já foi feita inúmeras vezes aqui e respondida de diversas formas. A resposta resumida é não, você não pode trabalhar nos EUA com um diploma de medicina. Você precisa primeiro fazer residência nos EUA (mesmo que já tenha feito no Brasil) e passar em todos os testes (STEPs) do USMLE. Leia as outras perguntas e respostas para mais detalhes. É importante também manter em mente que entrar em uma residência nos EUA (com diploma de medicina estrangeiro) é dificílimo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  60. 1- Eu teria que fazer faculdade de Medicina no Brasil para depois ir ao EUA fazer residência e fazer faculdade novamente?
    2- seria mais fácil eu fazer a faculdade de Medicina aqui no Brasil, ter meu diploma, ir morar e trabalhar nos EUA?

    Responder
    • Olá Victória,

      Já respondi sua pergunta de algumas formas antes, mas acho que você está começando a entender melhor agora. O caminho é fazer a faculdade no Brasil (fazer a faculdade nos EUA é quase impossível, além de exigir que você já tenha outra faculdade antes, o que é uma perda de tempo) e durante a faculdade prestar os testes do USLME (extremamente importante fazer isso durante o curso no Brasil) e depois aplicar para um programa de residência nos EUA. O diploma de medicina não permite com que você “more e trabalhe” nos EUA, na realidade, nem a residência lhe permite isso. A questão é que com a residência, é muito provável que você receba oferta de emprego para trabalhar no país. Mantenha em mente que você não poderia abrir seu próprio consultório, estaria sempre ligada a um empregador (clínica, hospital, universidade, etc.) até que conseguisse seu Green Card (o que hoje em dia, nessa era Trump, está cada vez mais difícil). Em outras palavras, a estadia permanente nos EUA depende de você ser contratada para trabalhar, sem emprego, você teria que voltar ao Brasil depois de terminar a residência.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Simone,

      Primeiro você teria que ter Green Card ou cidadania Americana. Se você tem, aí você ainda teria que fazer premed, pois odonto no Brasil não tem muitas das matérias exigidas para entrar em medicina como psicologia, sociologia, 1 ano de química orgânica, física, cálculo, e inglês (isso contando que em odonto você teve 1 ano de biologia e 1 ano de química geral e teve nota final acima de 9 nessas matérias). Tendo feito premed, você poderia aplicar para medicina, contando que tenha um currículo rico em experiências na área da saúde (experiência como dentista não conta realmente). A aplicação para medicina é uma só e vale para todas as faculdades, os melhores candidatos são chamados pelas melhores universidades como Harvard.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  61. – Oi, eu estou estudando para entrar em medicina no Brasil, porém eu queria mesmo era cursar em HMS. Como eu já terminei o médio, teria a possibilidade de fazer collenge nos EUA e depois tentar entrar em HMS?
    – Como faço para fazer o collenge?
    – Além da prova MCAT, terei que fazer a Sat e toefl?

    Responder
    • Olá Victória,

      Não é possível fazer planos para estudar na HMS! É como ganhar na loteria, você não faz planos para ganhar, você só espera ter sorte e um dia ganhar. Isso não é um plano confiável para sua trajetória educacional. Muitos dos melhores alunos Americanos nunca conseguem entrar na HMS. Além disso, como já foi amplamente discutido por aqui, se você não tem Green Card ou cidadania Americana, você não tem como cursar medicina em nenhuma universidade Americana. Se fosse aceita, seria com a condição de pagar o curso todo à vista (em torno de 200 mil dólares) antes de se matricular. Contudo, isso geralmente não chega a ocorrer, pois alunos internacionais são recusados logo de cara, independente de terem feito college nos EUA ou não. O que tenho recomendado aqui é fazer a faculdade no Brasil e ir fazendo os STEPs do USMLE e então aplicar para uma residência nos EUA (HMS ou outras). Isso lhe dará visto de trabalho e capacidade de permanecer nos EUA após o término da residência (contando que você permaneça empregada em um hospital).

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • O autor está certo. Não faça planos achando que você pode entrar na Harvard Medical, não é assim que funciona!

      Como ele disse, é literalmente como ganhar na loteria. Pense no vestibular da USP, é difícil né? Mas é uma coisa democrática, se você estiver entre os melhores, você entra. Entrar em medicina nos EUA põe o vestibular da USP no chinelo. Medicina e muitos outros cursos superiores nos EUA, principalmente em Harvard, não é assim. Você tem que ser “escolhida” por um painel de inúmeros profissionais que irão avaliar sua vida inteira, seu caráter (através de entrevistas pessoais com você), suas notas que devem ser absolutamente perfeitas (nenhum 8.5, mesmo 9s podem te prejudicar), seu nível de experiência na área médica (você precisa trabalhar durante anos na área médica) e mesmo depois de ter tudo isso, Harvard pode não te escolher, pelos motivos que eles quiserem (eles não devem satisfação à ninguém).

      O fato de você ser estrangeira complica ainda mais o processo. A maioria das universidades de medicina nem aceita participação de estrangeiros (sem green card) no processo seletivo (pois não há bolsas em medicina e estrangeiros não qualificam para financiamento estudantil). Mesmo que você pudesse pagar o curso todo à vista (mais de 1 milhão de Reais no câmbio de hoje), a maioria das escolas nem sequer consideraria você. Concordo com a recomendação de fazer medicina no Brasil e aplicar para residência nos EUA – mas não sonhe com Harvard! Todo mundo que faz medicina sonha com residência em Harvard, mas há apenas algumas vagas por ano em cada especialidade. Ao contrário do Brasil, onde há provas para entrada em residência (igual ao vestibular), nos EUA o processo é igual ao da faculdade, eles escohem a dedo e sendo assim, não é possível planejar, pois ser o melhor nem sempre lhe garante a entrada.

      Se você for fazer esse caminho, você precisa ficar atenta para as provas STEP que são feitas durante o curso de medicina, você precisa fazer o mesmo processo que os alunos norte-americanos fazem para chegar no final do curso e ser capaz de aplicar para uma residência.

      Responder
    • Olá Paola,

      Depende de qual pós-graduação. Como você está postando no artigo sobre medicina, vou assumir que você está perguntando sobre a possibilidade de cursar medicina em Harvard. Nesse caso, a resposta é depende. Se você tem Green Card ou é naturalizada Americana, sim. Caso contrário, você seria solicitada a pagar o curso todo à vista (em torno de 200 mil dólares como condição de matrícula), contando que seja aceita, o que é dificílimo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  62. Olá!

    Sou portuguesa e estou interessada em fazer faculdade nos Estados Unidos. O que eu sempre quis foi medicina. Sou muito fluente em inglês, falo desde criança, mas não sei se chega. Estou a dois anos de terminar a escola. Conheço uma agência que tem cursos em diversas cidades do país (cidades como Miami, Nova Iorque, Los Angeles e até Honolulu) e eles têm preços aceitáveis se a reserva for feita antes do verão. Acha que valeria a pena fazer um programa de intercâmbio desses? E se sim, de quanto tempo?

    Agradeço desde já pelo artigo, foi muito abrangente! 🙂

    Mariana.

    Responder
    • Olá Mariana,

      Sem Green Card ou cidadania Americana, é praticamente impossível fazer medicina nos EUA. A fluência no inglês é o de menos. O processo de entrada em medicina exige uma série de pré-requisitos, inclusive um diploma de curso superior prévio preferencialmente em uma área ligada à saúde com notas absolutamente perfeitas. Mantenha em mente que medicina nos EUA é pós-graduação. Se você ainda não fez uma faculdade, você ainda está muito longe de poder aplicar para medicina (isso se tiver residência Americana). Intercâmbio não ajudaria em nada nesse caso.
      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Ana Beatriz,

      Medicina nos EUA são 4 anos, não 6. O motivo pelo qual são 6 anos no Brasil e em outros países é justamente porque não é exigido college antes, então o aluno precisa aprender o que os Americanos aprendem no college durante esses 2 primeiros anos. Mas em geral o aluno Americano gasta muito mais do que 8 anos para fazer medicina, devido à dificuldade do processo de entrada nessa faculdade. O estudante depois de terminar o college geralmente gasta 2 a 4 anos se preparando para se candidatar à medicina (trabalhando na área da saúde, voluntariando, fazendo matérias pré-médicas, participando de pesquisas científicas, etc.).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  63. Olá, queria saber se para entrar no college tem que ter já um nível superior ou não? E também queria saber se a parte de ações voluntárias tem que ser feito ainda na época da escola ou pode ser feito na época do college

    Responder
    • Olá João,

      O college é equivalente à faculdade no Brasil, então não é necessário ter curso superior para entrar, somente ensino médio. Trabalho voluntário não é uma obrigatoriedade, é apenas um extra que o candidato pode ter se estiver aplicando para instituições muito competitivas. Contudo, se for feito, precisa ser realizado no ensino médio.

      Abraços,

      Diego

      Responder

Deixe um comentário ou pergunta