Como estudar em Harvard – parte 4

Diego Meille

Estudar em Harvard - Parte 4

Nessa 4º parte do nosso artigo sobre como estudar em Harvard, nós vamos abordar as escolas tradicionais de Harvard, aquelas que são “bem” difíceis de entrar e custam o salário de uma vida inteira! Links para as partes anteriores podem ser encontrados no final do artigo, se você não leu ainda.

Nós usamos com frequência o termo “escola” para designar as faculdades de Harvard. Não estranhe, pois é assim que se fala nos EUA, faculdade é “escola”, tanto que o termo escola (school) está presente no nome de todas as instituições de ensino superior em Harvard, com exceção do Harvard College, que é de fato um “college”, não uma “school”, como você compreenderá ao ler esse artigo.

HARVARD COLLEGE

O college é um curso de 4 anos que os estudantes devem fazer “primeiro”, antes de entrar em qualquer curso profissionalizante, como medicina e direito.

Ao completar esse college, é emitido um diploma de bacharel na concentração e opcionalmente subconcentração de escolha do aluno, que em inglês é chamado de “major” e “minor”. Por exemplo, é possível ter um bacharel com major em biologia e minor em bioquímica. Ter um “minor”, ou uma concentração menor no diploma o enriquece e ajuda o aluno a ser aceito em escolas mais prestigiadas, mas não é obrigatório.

Os alunos começam o college sem muita noção do que vão fazer (a maioria) e essa é uma das grandes vantagens do sistema educacional americano. No Brasil, o jovem de 17, 18 anos precisa decidir rapidamente o que quer fazer “supostamente” para o resto da vida, pois o vestibular é prestado para cursos específicos. Nos EUA não é assim. O College nem sequer importa muito, ele tem mais o propósito de dar uma iniciação científica para o jovem e ensiná-lo coisas básicas sobre como se expressar de forma escrita apropriadamente – os jovens universitários nos EUA, ao contrário do Brasil, precisam escrever muito! O college também tem o objetivo de ensinar os alunos a “pensar”, lendo textos criticamente e fazendo análises complexas, outra diferença para com o sistema Brasileiro, cuja universidade (a maioria) apenas copia o sistema educacional do ensino fundamental e médio, estimulando os alunos a simplesmente memorizarem dados e depois repetirem em provas.

O aluno sai do college com diploma de bacharel, mas como dissemos, isso pouco importa. Para que o estudante tenha uma profissão de fato, ele precisa continuar sua jornada educacional e ir para o que os americanos chamam de “grad school” ou escola de graduação. É na graduação, depois dos 4 anos de college, que os alunos têm a oportunidade de escolherem uma carreira como medicina, direito, farmácia, administração, odontologia, arquitetura, pedagogia, etc.

O Harvard College é uma das escolas mais elitistas do mundo e seus alunos geralmente são filhos de políticos, bilionários e celebridades. O Harvard College também absorve os gênios que se destacam no colegial não só nos EUA, mas em outros países.

Contudo, se você não é gênio, nem filho de fulano de tal, esqueça entrar no Harvard College! A idade máxima para entrada no Harvard College é 24 anos (isso não é divulgado, aliás, todas as faculdades “fingem” que não existe preconceito contra idade no processo de seleção, mas você jamais verá um adulto de 28 anos sentado numa sala do Harvard College). 23, 24 já é uma “idade avançada” para entrar no College, mas muitas faculdades abrem exceção para veteranos militares. Nos EUA, os jovens têm a opção de se alistarem no serviço militar e o tempo padrão é de 4 anos. Tanto Harvard quanto outros colleges aceitam veteranos que se destacaram, foram heróis de guerra e tiveram um currículo educacional brilhante antes de entrar no serviço militar. Fora essa exceção, o Harvard College não tem motivo algum para aceitar aplicantes “mais velhos”, ou seja, com mais de 24 anos. Muitos outros colleges conceituados fazem o mesmo.

Nos EUA, há muito puritanismo com relação a forma como são tratados os menores de 21 anos. Para nós Brasileiros, isso é um pouco ridículo, mas para os Americanos, “crianças” de 17, 18 anos precisam ser “separadas” dos adultos. É tabu, por exemplo, uma pessoa de 26, 27 anos namorar uma de 19. A de 19, para os Americanos, é uma “criança” e não deve ter contato prolongado com adultos. É óbvio que na prática, os adolescentes americanos têm sim contato com “adultos”, mas os pais e as universidades fazem o possível para manter os jovens separados. Além disso, a experiência de ir para o college é algo que é um rito de passagem. Os alunos moram no dormitório da universidade, praticam esportes, juntam-se à fraternidades e festejam sua recém adquirida liberdade. É uma experiência de vida que as melhores universidades preferem manter entre os mais jovens, pois ao misturar aqueles que “só querem festejar e curtir a vida” com gente que já tem família e responsabilidades, a dinâmica da experiência muda completamente.

Há muitos colleges, é claro, que aceitam alunos mais velhos, mas o Harvard College não é um deles. Se você já é mais velho e não tem um diploma de bacharel ainda, faça essa faculdade no Brasil e depois entre em uma das grad schools de Harvard, escolas que vamos discutir a seguir.

HARVARD MEDICAL SCHOOL

Uma das faculdades de medicina mais conceituadas e concorridas do mundo, a Harvard Medical School é berço de alguns dos mais ilustres cientistas e autores da atualidade.

Na Harvard Medical School é possível fazer além de medicina, cursos de mestrado e doutorado em áreas da saúde como neurociência e bioquímica. Entrada na HMS não é possível para quem ainda não tem um curso superior, é preciso ter pelo menos um diploma de bacharel para se candidatar a qualquer curso oferecido pela HMS.

Para mais informações sobre como estudar medicina em Harvard, leia o artigo especial sobre o assunto (o link vai abrir em outra aba para que você continue lendo esse artigo).

HARVARD LAW SCHOOL

Tão prestigiada quando a Harvard Medical School, a faculdade de direito também é uma “grad school”, ou seja, é uma escola de pós graduação. Quem não tem no mínimo um diploma de bacharel não pode entrar na HLS.

É importante compreender que nos EUA não existe bacharelado em direito, como existe no Brasil. O aluno para chegar na faculdade de direito, precisa tirar algum outro bacharelado (em qualquer área) primeiro. Muitos alunos que entram na escola de direito, fizeram college (bacharelado) em ciências políticas, sociologia, letras, filosofia, psicologia ou história. Mas é possível também para qualquer aluno, com qualquer diploma aplicar para a faculdade de direito, mesmo que tenha sido um curso que não tem nada a ver com direito como biologia. Por exemplo, nada impede que um engenheiro se candidate à faculdade de direito. O diploma do bacharelado não influencia em nada a entrada na faculdade de direito.

A Harvard Law School oferece o curso normal de direito, que dura 3 anos, e ainda mestrado e doutorado em direito.

O vestibular da faculdade de direito (para entrada em qualquer universidade nos EUA) é o LSAT, que é um teste basicamente de raciocínio lógico e analítico e é BEM difícil! O candidato à faculdade de direito deve comprovar que sabe escrever muito bem e também tem capacidade de elaboração de pensamento acima da média, sabendo raciocinar e apresentar seus pensamentos com clareza e erudição. Isso é, de certa forma, difícil para Brasileiros, pois em nosso caminho educacional, pouca atenção é dada para redação, interpretação crítica de texto e raciocínio lógico e analítico. Como o candidato para entrar na faculdade de direito já deve ser feito um curso superior antes, essas exigências são realmente “intensas”!

Há cursos aqui nos EUA que pessoas de qualquer país podem fazer que treinam para o LSAT. Esses cursos são abertos e qualquer um pode fazer. Se você está interessado em fazer direito nos EUA, procure no Google ou Bing por cursos preparatórios para law school ou o LSAT (mas procure em inglês, né camarada!).

HARVARD GRADUATE SCHOOL OF ARTS AND SCIENCE

Essa é uma das mais seletivas e badaladas escolas de Harvard. Vários autores de best-sellers internacionais como Daniel Goleman (Inteligência Emocional) e Steven Pinker (Como o cérebro funciona) são (ou foram) professores desta universidade.

A “escola de artes e ciências” é uma faculdade que disponibiliza mestrado e doutorado nas áreas de humanas e algumas áreas biológicas que tem conexão com humanas, como neurociência cognitiva. Lembre-se que o aluno nos EUA precisa fazer college primeiro (o bacharelado) para depois entrar em qualquer faculdade propriamente dita.

Algumas áreas que possuem cursos que você pode fazer na GSAS são: psicologia, antropologia, sociologia, biologia, neurociência, história, medicina (no programa que dá ao formando um PhD junto com o MD – esse curso é levado junto com a Harvard Medical School), economia, física, música, estatística, química, bioquímica, biofísica, inglês (não se trata de um curso de inglês para estrangeiros, mas algo similar ao curso de letras no Brasil), literatura, astronomia, matemática, entre outros.

Como você pode ver, a Harvard Graduate School of Arts and Sciences é bem ampla! O ensino nesses cursos se foca em estimular o aluno a pensar e desenvolver uma capacidade singular de prospecção e raciocínio intelectivo, preparando-o para ser um líder em sua área de atuação.

Para entrar na GSAS é preciso já ter feito uma faculdade antes, qual não importa. Todos os cursos disponíveis na GSAS são cursos de pós graduação – mestrado, doutorado ou cursos de especialização.

É muito difícil entrar na GSAS e um currículo invejável no curso de bacharelado é absolutamente necessário. Também é necessário uma boa nota do GRE (o vestibular para faculdades de humanas e ciências biológicas). A faculdade em que você obteve seu bacharel também conta muitos pontos. Um ótimo aluno que se formou em psicologia na USP tem muito mais chances de entrar na GSAS do que um ótimo aluno formado em qualquer curso por uma universidade desconhecida no Brasil.

Brasileiros têm o benefício de preencherem cotas, uma para estrangeiros e outra para latinos (as faculdades americanas tem muito disso!), mas isso não significa que qualquer um consiga entrar. Lembre-se: tem gente do mundo todo querendo entrar em uma das escolas de Harvard, a concorrência nem se compara com o nosso “super competitivo” vestibular. Em Harvard, são centenas de pessoas competindo por uma única vaga! E todas essas pessoas são extremamente brilhantes!

O teste padronizado para entrar na GSAS é o GRE. Esse é também um teste bem difícil, pesado em estatística e matemática (matérias essenciais para moldar o raciocínio lógico e analítico necessário para acompanhar os cursos na GSAS).O GRE exige também forte interpretação de texto, conhecimentos ricos em história, biologia, psicologia, sociologia. Contudo, é difícil estudar para o GRE, pois não há nada muito especifico que é pedido. O teste avalia a capacidade de raciocínio e análise crítica do candidato, de diversas formas. É preciso saber escrever muito bem em inglês para tirar boa nota nesse teste!

HARVARD BUSINESS SCHOOL

A badalada escola de administração de Harvard! Muitos políticos e celebridades passaram por essa faculdade como o autor Steven Covey (autor do best-seller Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes), o presidente da Microsoft Steve Balmer e muitos diretores e presidentes de multinacionais como John T. Cahill, presidente da Pepsi Co., Jamie Dimon, presidente do banco JP Morgan, Michael Cohrs, presidente do banco Deutsche Bank, Howard L. Clark, Sr. ex-presidente da American Express, Jeffrey R. Immelt, ex-presidente da GE, Jeff Kindler, CEO da Pfizer, John Langeloth Loeb, Jr., embaixador Norte Americano na Dinamarca, James McNerney, CEO da Boeing, John Thain, CEO do Citibank.

Além do hall of fame das empresas mais ricas do planeta, ainda podemos citar outros ilustres que freuentaram a Harvard Business School como George W. Bush, ex-presidente dos EUA, Al Gore, vice presidente dos EUA para Bill Clinton, Barack Obama, Eduardo Rodríguez, presidente da Bolívia, Syngman Rhee, presidente da Korea do Sul, William Lyon Mackenzie King, primeiro ministro do Canadá, Gro Harlem Brundtland, primeiro ministro da Noruega.

Ufa! Chega né! E poderíamos preencher mais páginas e páginas com personalidades que frequentaram a Harvard Business School! É uma das faculdades mais conceituadas do mundo e responsável por educar líderes de estado, empreendedores e presidentes de empresas.

É desnecessário dizer que é extremamente difícil entrar na HBS! O teste de seleção é o GMAT, pesado em estatística, matemática, raciocínio crítico e capacidade de expressão escrita. Ter uma boa nota no GMAT, contudo, não basta. Todas as escolas de Harvard, assim como a maioria as faculdades Norte Americanas, exigem muito mais do que a nota em um simples teste (equivalente ao vestibular Brasileiro). Todas as faculdades de nível superior (não colleges) nos EUA entrevistam os candidatos mais promissores pessoalmente. A entrevista funciona quase como uma entrevista de emprego. As faculdades querem saber se o aluno é bom o suficiente para frequenciar seus cursos acadêmicos pessoalmente.

Um bom livro para quem quer saber como é a vida dentro da Harvard Business School e o que é realmente necessário para entrar é o Ahead of the Curve, de Philip Delves Broughton (sem tradução para o Português, à disposição em formato digital – e impresso se for a sua preferência – na Amazon.com).

Olhando com realismo para o processo seletivo da HBS e o histórico de candidatos que a escola aceita, podemos observar que as formas de realmente entrar nessa faculdade são:

– Ter um cargo de destaque em uma grande empresa multinacional (com potencial promissor para ser diretor ou executivo chefe (presidente) da empresa (nesse caso, a própria empresa coloca o funcionário na HBS);

– Ter contatos sólidos com políticos e ex-alunos que possam providenciar sólidas cartas de recomendação (lembre-se: ninguém entra em Harvard ou em alguma escola conceituada sem apresentar cartas de recomendação de pessoas conhecidas da própria instituição – professores, políticos, celebridades, etc.);

– Um histórico de vida realmente único como alguém que voluntariou na Cruz Vermelha na África ou lutou em uma guerra.

Historicamente, nenhum Brasileiro “normal” sem algo de destaque extremo, conseguiu entrar na HBS. Não dizemos isso para desanimá-lo, mas simplesmente para que os leitores coloquem os pés no chão. No Brasil, o sistema do vestibular permite com que qualquer um que se dedique, consiga obter uma boa nota e passar nas melhores faculdades do país como USP e ITA. Nos EUA, a coisa não funciona dessa forma. A faculdade escolhe individualmente e subjetivamente cada aluno e eles pegam quem eles quiserem, independente de nota em teste ou qualquer outro fator que esteja ao alcance de uma pessoa “comum”. Se um aluno péssimo em termos acadêmico é indicado pelo presidente de uma grande empresa, ele entra, só pela indicação e nada mais. As grandes multinacionais, aliás, são as grandes fornecedoras de alunos para a Harvard Business School e demais escolas de negócios de ponta nos EUA, Inglaterra, Canadá, entre outros países.

Lembre-se: não existe democracia no processo seletivo na maioria das faculdades nos EUA. Não é o melhor que entra, mas o “preferido” da universidade, quaisquer que sejam os critérios de preferência. Tudo é subjetivo, cartas de recomendação pessoal e entrevistas contam muito mais do que notas boas e competência. Isso é válido muito mais fortemente na Harvard Business School do que em qualquer outra faculdade de Harvard.

A única escola democrática de Harvard, em que realmente, entra o melhor, não importa “quem indicou”, é a Harvard Extension School.

HARVARD FACULTY OF ARTS AND SCIENCES (FAS)

A FAS não é uma faculdade em si, mas sim uma instituição que engloba o Harvard College, a Graduate School of Arts and Science, a School of Engineering and Applied Sciences, A divisão de estudos continuados (pós graduação), o que inclui a Extension School e a Summer School. A FAS também administra as bibliotecas e museus de Harvard.

Não é possível “entrar” na FAS, já que cada faculdade específica que ela administra possui seus próprios critérios de seleção, como discutidos aqui nesse artigo.

HARVARD SCHOOL OF ENGINEERING AND APPLIED SCIENCE

Uma das únicas escolas de Harvard que oferecem cursos de bacharelado, a SEAS é focada na área de exatas – matemática, engenharia e ciência da computação. É possível fazer bacharelado, mestrado e doutorado nessas áreas na SEAS.

A entrada nessa faculdade, como ocorre com todas as tradicionais escolas de Harvard, é muito difícil, porém relativamente mais fácil do que as faculdades de medicina, direito e administração, que apresentamos anteriormente nesse artigo. Por mais “fácil” nós não queremos dizer que é realmente “fácil”. Esse termo está sendo usado em comparação com as mais competitivas faculdades do mundo! Então mantenha isso em mente. Entrar na na SEAS é extremamente difícil!

Assim como ocorre no Harvard College, se você já passou dos 24 anos, não é mais possível entrar no curso de bacharelado. Pessoas “mais velhas” são consideradas somente para cursos de mestrado e doutorado – e ainda assim, existe um certo preconceito de idade e é necessário ter um histórico acadêmico perfeito para ser considerado para qualquer curso na SEAS.

HARVARD SCHOOL OF DENTAL MEDICINE

Faculdade de odontologia de Harvard, a mais concorrida do mundo! Nem todos os cursos de Harvard são “os mais concorridos do mundo”, mas no caso de odonto, é!

Somente os melhores alunos nas faculdades do mundo inteiro são considerados para aplicação na SDM. Lembrando que odonto é “pós” nos EUA. Candidatos devem já ter feito outra faculdade antes. No caso de odontologia, ao contrário de outros cursos como direito e medicina, conta muito qual faculdade foi feita. Biologia, química e bioquímica são os cursos preferidos de aplicantes aceitos nas melhores escolas de odontologia nos EUA.

HARVARD SCHOOL OF DIVINITY

Fundada em 1816, a Harvard School of Divinity é a faculdade de teologia e ensino religioso de Harvard. Alguns dos pastores e líderes religiosos (de diversas igrejas) mais famosos dos EUA frequentaram a HSD. Não são só líderes religiosos que frequentam a HSD, contudo. Teologia é um curso de interesse de muitos intelectuais e estudiosos. O famoso poeta e escritor Ralph Waldo Emerson frequentou essa escola em Harvard.

Entretanto, como o assunto é de menor interesse com relação à medicina, odonto ou direito, a HSD é a escola tradicional de Harvard mais fácil de entrar (sem contar a Harvard Extension e Summer School que não são escolas “tradicionais”). Essa facilidade, porém, não significa que Brasileiros consigam entrar “sem dificuldades”, pois a concorrência pode ser menor, contudo, a exigência de atividades assistenciais e de liderança extracurriculares contam muito, assim como na aplicação para a faculdade de medicina e no Brasil, a construção desse tipo de currículo não é nem um pouco estimulada.

A HSD só oferece cursos de mestrado e doutorado, portanto você precisa de um diploma de bacharel (no mínimo) para poder aplicar para candidatura.

HARVARD SCHOOL OF PUBLIC HEALTH

Uma faculdade menos concorrida do que as clássicas (medicina, direito, administração e odonto), mas não menos prestigiada. A HSPH oferece somente cursos de mestrado e doutorado e é focada na área da administração da saúde pública.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


94 comentários em “Como estudar em Harvard – parte 4”

  1. Vocês não mencionaram a Government School. Vale menção porque é comumemnte ranqueada como a melhor do mundo na área e o Brasil é um país no qual estamos precisando de políticos com algum estudo em Ciência Política, se é que temos algum.

    Responder
    • Gente vou iniciar o terceiro ano de química pela UFSCar,mas após muita pesquisa gostaria muito de tentar entrar para essa grande universidade,que é Harvard, é possível?como posso fazer?

      Responder
      • Olá Beatriz,

        Harvard é composta de inúmeras escolas separadas, tanto de graduação quanto de pós-graduação (mestrado e doutorado). Não ficou claro em sua pergunta se você pretende entrar na graduação ou fazer um mestrado/doutorado. Isso faz TODA a diferença! Por favor, nos explique melhor o que você pretende fazer em Harvard para que possamos te dar uma resposta mais clara.

        Abraços,

        Diego

        Responder
  2. Okay, vocês fazem muitos julgamentos de gênios, ricos e suas associações com o Harvard College, por favor não destruam o sonhos destas pessoas, a unica coisa que se precisa é ser alem de um “BOM ALUNO” (Observem que eu não falei gênio), é ser uma pessoa excepcional, que tenhas sonhos grandes e determinação para ajudar aqueles que precisam e aprendendo sempre com tudo que faz..

    Responder
  3. Jornalismo como undergraduate não é comum nos EUA. Algumas state schools oferecem, mas Harvard não. Eu sei que a Harvard eExtension oferece mestrado em jornalismo, mas não sei alguma outra oferece, teria que ver a FAS. O problema do curso de jornalismo nos EUA é que a maioria dos jornalistas não é formada em jornalismo em si, mas em cursos como literatura, história, letras, sociologia, psicologia, o cara faz um college com major em uma dessas áreas, daí consegue emprego em mídia e pronto, é “jornalista”. Por isso a formação em jornalismo não é tão popular.

    Responder
  4. Concordo com o RS Frustado. Não é a elite que tem mais chance de entrar na Harvard College. Todo ano tem brasileiros que entram e por puro mérito. A Harvard College analisa a sua vida escolar e social (se você é uma pessoas que faz trabalho voluntários, é líder em alguma coisa, etc). O “extracurricular” conta bastante, não o seu bolso. Quem é da elite tem a mesma chance que alguém da classe baixa. Pesquisem sobre Thabata Amaral e Gustavo Hadadd Braga e se motivem com a história deles.

    Responder
  5. No caso de quem fez bacharelado no Brasil e quer se inscrever para cursar Grad lá, a área tem que ser especificamente relacionada ao bacharelado ou existe ampla opção de escolha?
    E também no caso de que já tem um bacharelado, é comum ou permitido que alguma universidade (parece que em Harvard, por questões de idade, é meio impossível, mas de modo geral em universidades americanas) aceite esse aluno com formação anterior para que ele sai com nova formação, acrescendo um major e um minor à sua formação em seu país de origem?

    Responder
    • Olá Amanda,

      Não há limite de idade na grad school, isso é coisa de college só, não só em Harvard, mas muitas outras escolas de elite, mas não parece ser o que você está procurando, certo?

      O bacharel não importa muito, só importa que você cursou um, qualquer um, o seu desempenho nele, que mesmo para as grad schools mais “chulés” precisa ter sido “exemplar” com notas altíssimas durante o curso todo.

      Alguns cursos de doutorado (o que inclui o mestrado junto, já que é raro “mestrado terminal” como é chamado, ou fazer só o mestrado) afirmam já na página de informações sobre aplicação (que eu recomendo que você consulte nas universidade que deseja se candidatar) que preferem candidatos que fizeram determinados cursos, então listados, relacionados direta ou indiretamente com a área de pesquisa. Por exemplo, na minha área de neurociência, Harvard deixa claro que “prefere” que o aluno tenha cursado biologia, psicologia, matemática, ciência (ou engenharia) da computação, ou alguma das engenharias químicas ou biológicas. Isso não quer dizer que um aluno que tenha cursado outro bacharelado não entre, mas sua aplicação vai precisar compensar em outros quesitos.

      Fiquei um pouco confuso sobre a última parte da sua pergunta, você começa perguntando sobre grad school, depois pergunta sobre ter uma nova formação com novo major e minor… isso seria obter um novo bacharelado… Raramente as universidades permitem isso, mas existem programas até mesmo das Ivy Leagues destinados a alunos “não-tradicionais” ou seja, mais velhos e com um curso superior anterior. Você teria que aplicar especificamente para esses programas, em Harvard é a Harvard Extension School, na Columbia é a Columbia General Studies e na UPenn é a UPenn LPS. Há outras também, mas isso só é indicado se o aluno fez no Brasil um bacharelado de pouca qualidade com notas ruins, aí ele faz outro para elevar sua média e ter mais chances de ser aceito em uma grad school boa.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Você sanou minhas dúvidas. Obrigada!
        Eu já fiz um bacharelado, mas realmente não gosto da minha área de formação. Minha dúvida era somente se eu ficaria atada a isso ou precisaria de novo bacharelado (o que eu faria sem problemas).
        Fui excelente aluna na faculdade e participei de todas as atividades extracurriculares que pude. Já que não preciso ficar presa a área do meu bacharelado fico muito otimista em tentar uma grad.
        Diego, mais uma vez, obrigada!

        Responder
  6. olá, eu gostaria de saber se uma pessoa aqui no Brasil bacharel em Direito já poderia entrar para a Law school para ser feito um mestrado ou teria que fazer a graduaçao em direito primeiro ?(em harvard, ou ivy league)

    Responder
    • Olá Cristiano,

      Se você já fez faculdade de direito, não há necessidade de fazer de novo nos EUA. Se você está interessado em mestrado/doutorado, aí isso já é outro assunto. Com seu diploma de bacharel em direito você pode se candidatar a um mestrado em qualquer universidade nos EUA, mas você deve verificar em cada instituição em que está interessado, se o curso específico que você deseja cursar é disponibilizado, pois muitas Ivy Leagues e top schools não oferecem mestrado “solto”, o que eles chamam de “mestrado terminal”, mas sim junto com o programa de doutorado. Neste caso, o aluno não pode simplesmente só fazer o mestrado e sair.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Cristiano,

      Teoricamente, pode. A HES emite um diploma válido, igual a qualquer outro. Contudo, quando essas escolas “top” fazem suas seleções, elas consideram muito o prestígio da instituição onde a pessoa fez o college e a HES não é muito respeitada. Apesar de ser muito, muito boa, aos olhos das melhores escolas, ela é tida como “porta dos fundos de Harvard”, chamada pejorativamente de “escola noturna para adultos” (o que nos EUA é associado a uma escola de quinta categoria).

      Enfim, na prática, os comitês de admissão sabem que é relativamente fácil entrar na HES e sendo assim, eles vêem o currículo de um aluno que fez HES e que deseja entrar seus cursos com suspeita.

      Definitivamente, não dá pra comparar um aluno que sai do Harvard College com um que sai da Harvard Extension. Na prática, as escolas top só recrutam alunos de outras escolas top e a HES não é uma delas.

      Acontece? Sim, mas é difícil. O aluno tem que construir um currículo muito bom, principalmente de atividades extracurriculares e ter uma história de vida digna de filme (coisa de Americano) para passar da HES para uma Stanford, MIT ou mesmo Harvard Law School.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • A HLS tem mestrado e doutorado separado. O mestrado, chamado de programa L.L.M. tem duração de 1 ano só e é bem amigável para candidatos estrangeiros. O processo seletivo começa em Agosto, todo ano, para entrada no próximo ano. O candidato tem que preencher o formulário online deles e enviar cópias autenticadas e traduzidas (juramentadas) do histórico de curso superior, resultado do TOELF, cartas de recomendação, currículo e “essay” que é a redação em que o canditado conta um pouco sobre a sua vida e porque deseja fazer este curso, nesta instituição.

      Abraços,

      Diego

      Responder
        • Olá Cristiano,

          O “currículo” inclui não somente a trajetória da sua carreira em direito, mas também de atividades “extra-curriculares” que são EXTREMAMENTE valorizadas pelas universidades nos EUA, principalmente as tops. Atividades de voluntariado, principalmente que sejam de relevância para a área jurídica, contam muitos pontos e o ajudar a se diferenciar dos outros candidatos. Procure bastante no Google sobre “ECs” (extracurriculars) para saber o que é exatamente valorizado na sua área e então planeje como você irá se envolver com essas atividades, desde ONGs até trabalhos voluntários no fórum local, por exemplo.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  7. Muito bom esse material em que vc dissemina toda a trajetória para entrar em umas das universidades top do mundo, no entanto gostaria de sanar uma dúvida particular. Sou americano, mas fui criado no Brasil basicamente toda minha vida. Todavia, terminei meu ensino médio em uma escola militar em New Jersey, que teve uma duração de 6 meses. Estou querendo retornar para os EUA para aprimorar o inglês e fazer uma boa faculdade nos EUA, de preferência Havard, MIT, Princeton dentre outras. No meu caso, tenho 26 anos e ainda não tenho faculdade, qual seria o melhor caminho a se trilhar para conseguir ingressar em uma dessas faculdades? Sei que não é mais possível ingressar no Harvard College devido a minha idade, mas pretendo fazer bacharelado por lá, para depois tentar ingressar em uma grad school top. Pretendo ingressar ou na área de engenharia ou administração. Qualquer dica será muito construtiva para o meu futuro. Agradecendo antecipadamente.

    Abraços,

    Andrew

    Responder
    • Olá Andrew,

      Como você é Americano, você poderia fazer bacharelado na Harvard Extension School. Conseguindo notas excelentes você poderia partir daí para uma escola de graduação top. Com o seu histórico e idade, acho difícil conseguir fazer bacharelado em qualquer escola top, seja MIT, Princeton ou Harvard. A “porta dos fundos” é a Harvard Extension.

      Estando em Boston, você tem acesso aos laboratórios e centros de pesquisa tanto de Harvard quanto do MIT e as oportunidades aos poucos começam a se expandir para fora da Extension School e você pode até mesmo estudar algumas matérias como aluno especial no Harvard College e voluntariar nos laboratórios das grad schools. O MIT oferece cursos avulsos (abertos) que muitos alunos de college fazem e depois isso conta positivamente no currículo para entrar em uma grad school.

      É bom também definir bem cedo o tipo de grad school que você deseja seguir futuramente para que possa tecer o currículo de atividades extracurriculares perfeito para aplicação, pois a avaliação para entrada nos cursos superiores, como você deve saber, é bem subjetiva e contam muitos pontos as atividades que o aluno faz fora do seu curso principal e não tem lugar melhor no mundo do que Boston/Cambridge para conseguir oportunidades de participar dessas atividades, seja através de voluntariado, trabalhos de verão, pesquisa, participação em clubes (que mostra liderança, trabalho em equipe), etc.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Raisa,

      Qualquer pergunta que você tenha, por favor poste aqui no site. Suas dúvidas podem ser as mesmas de outras pessoas também, por isso prefiro manter todo o contato público.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  8. Olá,primeiro gostaria de parabenizar pelas ótimas informações disponíveis no site.Tranquei minha faculdade faltando um semestre pra me formar no Brasil. Será que posso terminar meu curso pela Harvard Extension Program ter um “degree” válido para aplicar a Harvard Law Scholl?

    Responder
    • Olá Paulo,

      Não. A Harvard Extension, em primeiro lugar, exigiria que você fizesse o processo seletivo, que demora no mínimo 1 semestre, ou 1 verão na Harvard Summer School, fazendo as 3 matérias pré-requisito da seleção que são a EXPO E-25 (redação e interpretação de texto) e 2 cursos eletivos relacionados à área em que você deseja obter seu diploma. As notas nessas 3 matérias é que dirão se você pode estudar na HES ou não, independente de você já ter feito boa parte do curso. Só após ser aceito é que você poderá solicitar equivalência de matéria, como ocorre em qualquer outra universidade, inclusive no Brasil. Harvard, assim como outras instituições, se reserva o direito de impor limites à quantidade de créditos que podem ser “herdados” de cursos prévios e recusar matérias que não tenham equivalência na HES ou cujo seu desempenho não foi aceitável para os níveis exigidos por eles. Na HES o limite de transferência é 64 créditos. Cada matéria cursada geralmente é 4 créditos. Para se formar pela HES você também precisa precisa preencher os pré-requisitos do próprio curso que deseja obter diploma (além daqueles 3 primeiros). No site da HES você pode ver quais são os pré-requisitos para se formar em cada curso. É possível que o conjunto desses pré-requisitos junto com as 3 matérias iniciais possam lhe dar uma carga horária de 2 ou 3 anos ainda, já que a formação de college nos EUA é em artes liberais e exige uma série de matérias na faculdade que normalmente não são exigidas no Brasil como pelo menos 1 ano de um idioma (não pode ser sua língua mãe, nem inglês) e matérias fora da área de concentração (para um maior “aculturamento” do aluno).

      Uma formação sólida em artes liberais, contudo, aumenta consideravelmente as chances de ser aceito na Law School (não só em Harvard, mas em outras também), já que em direito o nível de cultura do aluno é extremamente valorizado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  9. Diego, fiquei com uma dúvida.
    No caso eu estou fazendo uma graduação no Brasil, no caso Enfermagem, mas se eu quisesse, no caso, ir para uma área totalmente diferente, por exemplo, economia, como eu deveria proceder?
    Aplicar o college ainda é possível para mim mesmo já tendo uma graduação?

    Responder
    • Olá Wallery,

      O custo anual da Harvard Law School (2015-2016) é de $57.200 (em dólares), mais uma estimativa do custo de vida durante o ano letivo fica em torno de $23.000.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  10. Olá, muito bom o texto.
    Bem, como eu vi aqui no texto, só pode entrar numa graduação em Harvard com no máximo de 24 anos por aí, certo ?
    Eu tenho 37 anos e estou fazendo Engenharia de computação, então no meu caso é só se eu quiser fazer uma pós, mestrado ou doutorado né ?..Até porque mesmo que eu tivesse menos idade, acho que não seria uma boa trancar uma faculdade aqui pra poder começar de novo outra lá fora.

    Grande abraço….

    Responder
    • Olá Marcio,

      Graduação como conhecemos no Brasil é chamada de “college” nos EUA. Pessoas mais velhas podem também fazer college, mas as univerdades mais conceituadas geralmente não aceitam pessoas com mais de 23, 24 anos, a não ser em situações muito especiais. Contudo, a grande maioria dos cursos que conhecemos como graduação no Brasil não estão disponíveis no nível de college. Os Americanos precisam fazer college primeiro para depois fazerem direito, medicina, odonto, veterinária, e outros cursos. É importante definir bem essa distinção, pois pessoas mais velhas podem entrar nesses cursos que não são college nos EUA.

      A faculdade de engenharia não é college, mas pode ser acessada diretamente do ensino médio, sendo uma exceção. Não vale a pena trancar nenhuma faculdade no Brasil para terminar fora. O ideal é você já aplicar para qualquer outro curso no exterior já sendo formado em alguma coisa. As changes de você transferir engenharia da computação para Harvard é praticamente zero. Estatísticas de transferência de alunos que já estão cursando college ou cursos de engenharia para instituições Ivy League ou muito bem conceituadas são bem baixas e geralmente os alunos são bem jovens e já estudam em outras univerdades de peso. Não é raro um aluno de Brown transferir para Harvard, por exemplo, mas você não vê um aluno de uma univerdade no exterior transferindo para qualquer Ivy League.

      Dito isso, se você realmente quer terminar seu curso nos EUA, há uma série de univerdades medianas que aceitam qualquer um que pague. Se vale a pena ou não depende dos seus objetivos e do gabarito da faculdade em que você já está. Eu não transferiria da USP pra Univerdade de Indiana, por exemplo. Mas se eu estivesse fazendo uma faculdade sem nome no Brasil, a Uni. de Indiana é um pulo enorme.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  11. Ola,

    Sou formada em Direito no Brasil (e fiz pos-graducao aqui tbm)… Gostaria de saber se a faculdade aqui seria considerada “college” para me candidatar pra graduacao em Direito nos EUA…
    Além disso, a graduacao em Direito nos EUA (LLM) permite que eu preste o BAR em qualquer estado americano? ou precisaria me formar e prestar o BAR no mesmo estado?…
    Grata

    Responder
    • Olá Raquel,

      Direito do Brasil é college nos EUA sim, você pode aproveitar. Basta fazer law school uma única vez, daí você presta BAR para quantos estados quiser.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  12. Olá,
    Tenho 12 anos e estou começando a planejar meu futuro, e gostaria de ajuda. Gostaria de ser Bióloga Marinha, e gostaria de fazer o equivalente a faculdade e pós graduação no Brasil ( ainda não entendi direito o sistema de ensino do EUA ) no exterior, em uma escola muito boa, das melhores, e depois voltar para o Brasil.
    Minha família não tem como pagar algo extremamente caro, no momento estudo em uma escola que custa aprox. 10 mil ao ano, e também estão pagando um curso de pós de aprox. 10 mil ao ano, totalizando em torno de 20 mil.
    Também estou disposta a começar a trabalhar assim que fizer 14, farei todo o possível para estudar no exterior, já tenho boas notas e posso melhorar ainda mais, estou no 7 ano, e sou boa em guardar dinheiro, já tenho uns 300 reais, sei que não é muito mas já é um começo.
    Quanto a atividades extracurriculares pretendo entrar em uma pequena escola de teatro, já que não sei se vou me identificar com o teatro, mas se der certo, vou partir daí para crescer, se não, vou tentar algo na área de empreendedorismo.
    Ainda não sei trabalhar em equipe, mas estou tentando aprender, também tenho liderança, acho que até de mais, pois não posso ver nada caótico que tento assumir a liderança e organizar tudo, costuma funcionar mas deixa meus colegas com raiva, eles dizem que eu não mando, mas pelo menos o caos acaba.
    Também já sou mais de 40% fluente em inglês, e acho que consigo chegar a 100% de fluência até o fim do ano, daí vou estudar espanhol e depois, se houver tempo, francês.
    Minhas dúvidas são: quais são as melhores faculdades para o meu perfil ? Como posso conseguir dinheiro para pagar? Como funciona o sistema de estudo nos EUA? Onde posso trabalhar, sendo Bióloga Marinha?
    Obrigada desde já.

    Responder
    • Olá Tata,

      Acho que é muito cedo para você definir uma carreira tão específica quanto biologia marinha (uma área em que praticamente não há campo de trabalho, aliás). Também é cedo para fazer planos para estudar nos EUA. Seu currículo só começa a valer depois do início do ensino médio, então tudo o que você fizer agora (seja teatro, voluntariado, esportes, etc.) não vai “valer”. Contudo, se seus pais não tem condições de arcar com despesas em torno de 40.000 dólares por ano (aprox. 170.000 Reais no câmbio de hoje), não adianta nem ficar sonhando. Não tem coisas “mais baratas” que estejam à disposição de estrangeiros. Além disso, nos EUA não existe faculdade de biologia marinha. Todos os cursos específicos e profissionalizantes (com exceção das engenharias) é só pós-graduação, como explico bastante em meus artigos. Nos EUA, o aluno recém saído do ensino médio faz uma faculdade primária em que ele escolhe foco em artes (humanas) ou ciências (exatas e biológicas). Ele sai da faculdade formado literalmente em “artes” ou em “ciências”, depois ele vai para a faculdade propriamente dita, que no Brasil é o curso de doutorado em uma área como biologia marinha.

      Foque-se em aprender bem inglês e esqueça guardar dinheiro. Você jamais poderia sozinha, mesmo trabalhando, guardar qualquer quantia realmente relevante. Também foque-se em estudar, não trabalhe! O trabalho tira o foco e lhe dá o quê? Umas gorgetinhas que não vão fazer qualquer diferença em dólar. Você só perderia seu tempo. Eu sempre recomendo que as pessoas cujos pais não são ricos e não podem sustentar os filhos em faculdade nos EUA que façam faculdade no Brasil primeiro e depois vão aos EUA ou Europa para fazer pós graduação, mestrado ou doutorado. Existem, inclusive, bolsas no Brasil para estudo no exterior.

      E por último, não tenha pressa! A vida não acaba aos 25! Vá fazendo seus planos, mas sem muitos detalhes. A gente muda muito. Se você faz planos muito detalhados, você muda e esses planos acabam sendo inutilizados, pois depois de um tempo, você não tem mais vontade de fazer as coisas que queria fazer há 2, 3 anos.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • :'( É triste, mais é verdade. Nesse mundo em que vivemos só quem nasce em berço de ouro, cravejado de diamantes, tem direito a uma educação que realmente explora todo o potencial. Não temos direito de ser muito mais do que nossos pais, aqueles que já alcançaram o topo não deixam, não querem. Os poderosos acham que o topo é só para os filhos que não se importam e não dão valor, não dão chance para aqueles dispostos a escalar com todas as suas forças. Os filhos dos poderosos são como filhotes de águias, já nascem em ninhos no topo do mundo, e não precisam fazer nada para continuar lá, apenas assistem o outros que tentam alcançar o topo serem massacrados, e os desprezam.
        Apesar do sistema de castas indiano ser tão criticado, não é tão diferente assim no resto do mundo. Que são as classes sociais, senão castas? Pelo menos o sistema de castas é baseado em uma religião, é a crença de um povo. Classes sociais não, existem apenas para separar os ricos do resto do mundo. São apenas uma forma justificável de separar aqueles que se consideram ” de raça” de todo o resto.
        Eu queria uma oportunidade de explorar todo o meu potencial, de me desafiar, de ser tudo que eu puder ser, mas pelo visto eu precisaria de muito dinheiro para isso.
        Obrigado Diego, por abrir meus olhos, e me ajudar a não perder mais tempo, como a tarde que perdi pesquisando e planejando.

        Responder
        • Olá Tata,

          Nós vivemos em um mundo injusto, isso é certo, mas ficar revoltada não te ajuda em nada. Você tem plenas condições de fazer o que você quer fazer da vida e construir um futuro muito próspero. O fato de que é difícil estudar nos EUA não significa que o mundo está contra você, que os ricos “não querem” que os pobres cresçam na vida ou qualquer coisa nesse sentido. O Brasil tem ótimas faculdades gratuitas, nos EUA isso não existe, nem para os próprios Americanos. O alto custo da educação nos EUA é um problema sério, inclusive alvo de debates na atual campanha presidencial Americana. Os próprios Americanos já não querem estudar em seu próprio país pois eles não têm como pagar os estudos. E você perguntou especificamente sobre estudar nos EUA. Nesse sentido, eu disse que não vale a pena ficar fazendo planos desde já. Vale muito mais a pena se focar seriamente no estudo da língua inglesa e em ir bem na escola agora. Quando você estiver na fase pré-vestibularvocê terá uma ideia muito mais clara do que realmente quer da vida do que hoje e fazer a primeira faculdade nos EUA simplesmente não vale a pena devido ao custo, a não ser, como eu disse, que seus pais possam pagar. Mas considerando que o Brasil oferece educação superior gratuita, não vale a pena. O que vale a pena é ir depois fazer mestrado ou doutorado, aí sim, além de ser dde graça, você ainda ganha bolsa.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  13. Ola, meu nome é Mário e eu acabei de entrar no segundo ano do ensino médio, meu sonho é fazer medicina em harvard e construir uma carreira e família nos EUA, mas eu gostaria de saber se tem como eu fazer o college com bolsa total porque eu não tenho esse dinheiro todo, e no site de harvard onde fica a parte de alunos de outros países?. minhas notas não foram perfeitas mas esses dois anos de ensino médio eu vou tentar deixar perfeitas a ponto deles verem que eu melhorei minhas notas e que sou capaz de ser um aluno deles. Ai eu gostaria de saber se isso é possível ou é apena um sonho. Eu já fui líder de classe e já ganhei uma medalha de prata na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Aeronaltica. Não sou o melhor do mundo mas tenho certeza que tenho potencial, e a pergunta chave é… tem como eu fazer o college sem pagar nada mesmo sendo brasileiro????

    Espero sua resposta!!!

    Responder
    • Olá Mário,

      Não ficou claro pra mim se você comprendeu que medicina nos EUA não é “college” (uma faculdade normal), mas sim pós-graduação. Também não sei se você leu o artigo específico sobre medicina e o outro sobre medicina em Harvard. Ambos esclarecem muito essas suas perguntas. No segundo ano do ensino médio, você está muito longe de pensar em entrar em medicina nos EUA, já que para isso você precisa já ser formado (mesmo numa faculdade no Brasil) e ter todos os pré-requisitos pré-médicos, que em geral é como se fosse outra faculdade inteira. A média de idade de entrada em medicina nos EUA é 25 anos. Outra coisa, em medicina não existe bolsa, sem exceção, simplesmente não existe. Por isso é que se a pessoa não tem dinheiro para pagar o curso todo à vista, ou não é Americano ou tem Green Card (para pegar financiamento estudantil), estudar medicina nos EUA é praticamente impossível. Em geral, as faculdades de medicina nos EUA nem sequer consideram aplicações de estrangeiros, quer eles tenham dinheiro para pagar o curso, quer não. O ideal no seu caso é fazer medicina no Brasil em qualquer uma das excelentes univerdades federais que o país tem e depois ir fazer residência nos EUA. Esse processo valida seu diploma Brasileiro no país e lhe permite praticar medicina e viver nos EUA (conquanto você seja contratado por um hospital no final da residência, o que não é difícil).

      Para ler os artigos que eu mencionei, siga esses links:

      http://www.guiadavida.com.br/educacao/estudar-no-exterior/como-estudar-medicina-nos-estados-unidos.htm

      http://www.guiadavida.com.br/educacao/estudar-no-exterior/como-estudar-medicina-em-harvard.htm

      Abraço,

      Diego

      Responder
  14. Sobre a HARVARD SCHOOL OF DIVINITY, gostaria de saber quais os procedimentos devo seguir para o ingresso no mestrado, quais documentos devo apresentar, enfim como devo proceder para o ingresso neste curso, e quais as dificuldades enfrentarei, desde já lhes agradeço?!

    Responder
    • Olá Gilvan,

      Você deve obter esses dados diretamente no website desta escola de Harvard. O que posso te dizer sobre as “dificuldades” para entrar é que basicamente para entrar em qualquer mestrado de qualidade nos EUA (não só em Harvard), você precisa ter vasta experiência com pesquisa científica (que deve ter sido obtida em sua graduação). Isso significa já ter publicações (artigos científicos) publicados (junto com orientadores) em journals reconhecidos internacionalmente e já ter trabalhado em laboratórios (“departamentos”) ajudando professores titulares em suas pesquisas. Isso não é muito comum para alunos Brasileiros, então eu já aviso, sem histórico científico, você não entra. Se você não tem esse histórico, indico fazer um mestrado no Brasil primeiro para obter esse tipo de currículo de trabalho em pesquisas e publicações. Depois busque um doutorado nos EUA. As escolas americanas também valorizam muito o tipo de experiência que você tem, tanto profissional quanto voluntariado. Essa experiência deve ser extritamente relacionada à área do mestrado que você quer fazer para provar que você tem real interesse no assunto.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  15. Olá Diego,

    Já sou advogado e gostaria de saber qual o tempo para fazer a pós-graduação e se tem que fazer antes o LSAT? Gostaria ficar fora do país por um tempo para aprimorar o inglês e fazer essa pós.

    Responder
    • Olá Leandro,

      Pós-graduações, assim como ocorre no Brasil, não exigem nada, não possuem pré-requisito, é só se inscrever, pagar e fazer, mesmo em Harvard. Se você está se referindo ao mestrado, contudo, existe um processo seletivo, mas não é necessário fazer o LSAT. O LSAT é só necessário para a law school propriamente dita. Quanto ao tempo, depende de quão rápido você conseguir fazer as matérias, que são feitas de forma isolada, não organizada e estruturada como ocorre no Brasil.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Agatha,

      Engenharia não é graduate school, é undergrad (college). Não é necessário fazer college antes de entrar em engenharia (como seria necessário para entrar em medicina ou direito). Graduate school em engenharia é mestrado e doutorado apenas. Outra coisa que talvez você não tenha entendido, não é necessário fazer o Harvard College para entrar em outras escolas de Harvard. De fato, as graduates school em Harvard fazem questão de não dar preferência nenhuma para alunos que fizeram o Harvard College para não serem acusadas de favoritismo. O que é necessário para entrar na graduate school (em qualquer instituição) é fazer um college, o que é equivalente a faculdade no Brasil, isso pode ser feito em qualquer escola, qualquer país.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  16. Boa tarde Diego, eu tenho uma duvida, tenho 20 anos e estou no 3 semestre de fisioterapia, gostaria de saber se é possível eu fazer o HES para um outro curso que não tem a ver com a minha área aqui no Brasil, por exemplo, Economia ou Ciência da computação.

    Tenho uma outra duvida relacionado ao tempo de duração dos cursos, é possível fazer algum curso com 2, 3 meses de duração e obter o certificado, teria essas opções?

    Responder
    • Olá Mirian,

      É possível fazer mestrado em arquitetura tendo feito engenharia sim. Agora, se você pode entrar em Harvard ou não, não é possível dizer.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  17. ola Diego na ja deve ter passado muito tempo ,mas la vai
    primeiro quais requisitos para fazer o premed na Havard extesion? outra no caso de alguem que nao teve notas excelentes no ensino medio existe a possibilidade se ser aceito em algum desses cursos tops tipo direito medicina etc fazendo college nos eua e tirando excelentes notas em tudo? nao me refiro exclusivamente a havard .

    Responder
    • Olá Monica,

      Não há pré-requisitos para fazer premed na Harvard Extension, esse é um curso aberto, é só se matricular. Há um processo de seleção para ser aluno “aceito” no premed e isso dá direito do aluno receber uma carta de recomendação do comitê de Harvard, o que carrega bastante peso, mas essa é a única diferença. Contudo, é preciso já ter feito college (uma faculdade completa) para entrar em qualquer premed nos EUA. Notas no ensino médio não são nem solicitadas pelas escolas de medicina. Para medicina, tudo o que importa é o que aconteceu na sua vida, suas notas, o que você fez, etc., a partir do dia em que você começou a faculdade (college). Você não disse se tem Green Card ou se é cidadã Americana. Caso negativo, esse é o maior obstáculo para um estrangeiro entrar em medicina nos EUA, independente de notas boas.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Bianca,

      É porque arquitetura no nível de faculdade é pelo Harvard College mesmo, junto com a FAS. Pós-graduação nessa área, contudo, é pela Graduate School of Design.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  18. Diego, bom dia,

    Qual o valor do mestrado (LLM) em direito na havard Law school? Há possibilidades de bolsa integral/parcial? Será que é mto difícil conseguir?

    Obrigado,
    Alexandre.

    Responder
    • Olá Alexandre,

      O preço atual da Harvard Law School é $63,800 (2019) por ano, fora o custo de vida. Tradicionalmente, as 3 escolas top dos EUA em direito (Harvard, Stanford, e Yale) não oferecem bolsas significativas para ninguém. Em alguns casos raros, eles oferecem bolsas parciais baseadas em mérito (alunos excepcionais), mas isso geralmente está restrito à indivíduos que possuem residência permanente ou são cidadãos Americanos. Em Harvard, ninguém recebe bolsa integral na Law School. Bolsas na law school são muito raras e geralmente não são integrais, o aluno tem que procurá-las individualmente e aplicar para cada uma delas separadamente. Contudo, novamente, a maioria se aplica somente a quem tem direito de permanência nos EUA. Outras universidades são mais liberais com bolsas, como a Universidade da Virgínia, por exemplo (todos os alunos são considerados para bolsa que se aplica de acordo com o mérito/notas). Então se você precisa de bolsa, eu acredito que seja melhor ampliar seu leque de opções e dar uma investigada em outras instituições.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  19. Olá, Prazer !
    Este blog é um tanto quanto antigo, mas forá o melhor que encontrei sobre o assunto, gostaria de saber se poderia responder algumas perguntas, desde já agradeço.

    Responder
      • Então, Inicialmente Tenho 2 Perguntas.

        1 – Para cursar uma grad school é necessário um bacharelado, ou pode ser uma licenciatura ?

        2 – Por acaso, sabe algo a respeito do programa MD – PhD de Harvard ?

        Responder
        • Olá Seth,

          Como não existe licenciatura nos EUA eu acredito que esses diplomas são vistos como equivalentes ao bacharelado, já que são conferidos por instituições que também dão grau de bacharel.

          O que eu sei sobre os programas MD-PhD (em qualquer universidade) é que são extremamente competitivos. Cada escola aceita em torno de 6 ou 8 alunos apenas e não é todo ano que abrem vagas. As vagas dependem do programa de doutorado que as abre de acordo com as necessidades do departamento e os alunos escolhidos possuem vasta experiência prévia em pesquisa científica. Geralmente não é uma opção a não ser que você já venha se preparando desde o início da graduação.

          Nos forums do The Grad Cafe (.com) e Student Doctor (.net) tem algumas informações sobre esses programas, se você tiver maior interesse. Se você procurar esses nomes do Google, você já encontra os sites na primeira posição.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Compreendo, muito bom.

            Por acaso, saberia me informar como é o procedimento, passo a passo, para ingressar em um MD – PhD em Harvard ?

            Irei consultar esse sites, muito obrigado !

          • Olá Seth,

            O processo é o mesmo para aplicação para medicina, o candidato apenas informa que também quer ser considerado para o programa de doutorado associado. E no caso, as exigências, apesar de serem as mesmas, enfatizam mais a experiência que o candidato tem em pesquisa científica, experiência clínica, e as cartas de recomendação escritas por supervisores dos departamentos de pesquisa onde o candidato trabalhou.

            Essa página pode lhe dar mais informações sobre o programa específico em Harvard:

            https://www.hms.harvard.edu/md_phd/

            Essa discussão do site Quora pode te dar uma noção de como é participar deste programa. Você também pode ver outras perguntas abaixo sobre esse tipo de programa:

            https://www.quora.com/What-is-it-like-to-be-a-student-in-the-Harvard-MIT-MD-PhD-Program

            Abraços,

            Diego

  20. Compreendo, muito interessante.

    Qual é o Teste padronizado que eu devo realizar ?

    Está me ajudando muito, obrigado.

    Perdoe-me, pela quantidade de dúvidas.

    Responder
    • Olá Seth,

      O teste para medicina é o MCAT, um teste que inclui biologia, física, química (geral e orgânica), bioquímica, métodos de pesquisa e estatística, sociologia, psicologia. Há também uma seção de análise crítica e raciocínio lógico.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Muito obrigado por toda a ajuda, você poderia fazer um novo blog sobre como estudar medicina em Harvard e/ou sobre o programa MD – PhD, é somente uma sugestão, mas seria muito interessante !

        Abraço.

        Responder
        • Olá Seth,

          Disponho! Há vários artigos sobre medicina em Harvard/ou nos EUA em geral aqui no blog. Mas sobre o programa de MD/PhD eu não tenho muito expertise para escrever um artigo, apenas noções gerais. Além disso, esse programa é algo muito específico que atrai um público muito pequeno, então não seria um tópico aprovado pelos editores (o site em si não é meu!).

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Poxa, compreendo !

            Realmente, existem vários artigos sobre cursar medicina nos EUA e/ou em Harvard, e de fato o programa MD – PhD atraí um pequeno público, talvez por não ser, aparentemente, tão conhecido.

            Aliás, para confirmar o PhD desse programa é necessáriamente em medicina, ou pode ser em qualquer área ?

            A propósito, saberia me explicar o que é um Associate of Applied Science (AAS), e um Bachelor of Applied Science (BAS) ?

            Desde já agradeço, abraço.

          • Olá Seth,

            A questão com o MD-PhD não é que não é conhecido (ele é), mas que a grande maioria das pessoas, mesmo as qualificadas para entrar em medicina (o que já é grande coisa), não tem a menor chance de entrar no programa de PhD. Ainda tem a questão do interesse. O programa de PhD dura em média 6 anos, junto com medicina, o aluno faz 10 anos de curso (ou mais se demorar muito para terminar a tese). Só quem realmente deseja ser cientista tem interesse nesses programas, entende? Medicina nos EUA dura apenas 4 anos. Se o cara só quer uma profissão confortável e rentável (independente de ter paixão pela medicina ou não) ele não vai ter nenhum interesse em entrar em um programa que vai levar 5, 6 anos a mais. A parte do PhD não é em medicina. O doutorado pode ser em áreas como neurobiologia, neurociência, biologia química, biologia molecular, virologia, etc. A parte do doutorado é realmente muito difícil (mais difícil do que a faculdade de medicina) e envolve dedicação integral ao departamento (como qualquer programa de PhD), por isso a pessoa tem que ter intenção de ser pesquisador/professor universitário após se formar, não médico. Ninguém faz esse programa para depois ir praticar medicina num consultório ou hospital, entende? Por esses motivos, o interesse nesses programas não é muito grande, mas acaba sendo competitivo, porque eles só aceitam alguns alunos por ano.

            Abraços,

            Diego

  21. Claro, certamente.

    A propósito, saberia me explicar o que é um Associate of Applied Science (AAS), e um Bachelor of Applied Science (BAS) ?

    Desde já agradeço, abraço.

    Responder
    • Opa, me desculpe! Esqueci de responder a segunda parte da pergunta no comentário anterior.

      Associate é um diploma de 2 anos, não vale praticamente nada. Geralmente é dado por community colleges. O aluno que tira um associate degree geralmente o faz por economia e depois aplica para uma universidade propriamente dita para completar o curso e tirar um diploma de bacharel. Em outros casos, esse diploma de associate é buscado por uma população mais carente que não se qualifica para um bacharelado em uma universidade.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  22. Olá, Boa noite !

    Sou eu novamente.

    Tenho uma dúvida, um pouco fora do assunto…

    Por acaso, a dupont manual high school, é somente para jovens de até 17 anos ?

    Responder
    • Olá Seth,

      Toda high school é só até 17 anos. Se a pessoa tem mais de 18 anos e ela não terminou o ensino médio ela deve prestar um teste chamado GED para comprovar proficiências nos tópicos do ensino médio. Após os 18 anos ela não pode mais cursar ensino médio em nenhuma escola.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  23. Boa Noite Diego tudo bem?

    Andei pesquisando sobre Harvard e o conteúdo deste site juntamente com as perguntas e respostas são realmente o mais enriquecedor que encontrei ate agora, parabéns pelo incrível trabalho e por responder a galera a tanto tempo com tanto respeito, dedicação e qualidade.

    Tenho uma dúvida também, sou formada em direito aqui no Brasil em uma faculdade comum que consegui com bolsa pelo ProUni , tive notas medias a alta na faculdade nunca tive DP etc, mas nao fiz extracurriculares na faculdade.Tenho uma história de vida de superação, ja peguei lixo pra comer vendi latinhas e papelão pra sobreviver quando mais nova juntamente com minha mae e irmãos, entre muitas outras coisas que vivi.Tenho atualmente o sonho de fazer mestrado em Direito em Harvard. Vc acha que com a preparacao correta ( fazer trabalhos voluntários, summer job, tirar uma nota otima no LSAT ou GRE/toefl me enriquecer como pessoa, percorrer o caminho necessário para a harvard gostar do meu perfil) ainda que dure alguns anos vc acha que tenho chances de fazer mestrado em Harvard?

    Desde ja muito obrigada.

    Responder
    • Olá Jéssica,

      Sim, com certeza! O mestrado não é tão difícil de entrar quanto o doutorado. A Law School não é tão dependente de notas perfeitas na graduação porque a carreira de direito não é voltada para a academia, mas sim para a prática. Os critérios e o foco da avaliação é um pouco diferente das outras escolas que preparam acadêmicos e não profissionais. Recomendo que você encontre e comece a seguir alguns blogs e canais do YouTube (infelizmente não tenho conhecimento profundo nessa área para te indicar algum) que se foquem na entrada para a Law School (tem muita gente que se especializa em ensinar o caminho). Não se detenha muito na questão de Harvard. Se prepare para entrar em qualquer Law School e quando chegar a hora de aplicar, escolha umas 4 ou 6 escolas de diferentes dificuldades para garantir que em uma pelo menos você consegue entrar. Em tese, qualquer pessoa pode entrar na Harvard Law School, tudo depende de quão forte é a sua aplicação e da avaliação subjetiva do comitê (o que torna muito difícil prever se alguém pode ser aceito ou não). O que posso te dizer é que a HLS é anos luz mais fácil de entrar do que a Medical School ou mesmo a GSAS (escola de graduação de psicologia e outras áreas humanas).

      Abraços e boa sorte!

      Diego

      Responder
      • Muito obrigada pelo retorno; não sabia que o Doutorado é mais difícil de conseguir do que o Mestrado, achava que o nível de dificuldade começava em Graduação depois Mestrado e o Doutorado, sendo este último o mais fácil por ser específico e com maior chance do professor gostar do seu projeto/tese etc., bom saber sobre, também saber que a HLS é anos luz mais fácil de conseguir que as outras também é muito bom.

        Em relação a perfis que mostram o caminho não achei muitos por enquanto.

        Fiz este questionamento pois li um artigo de vocês aqui no blog chamado “Seus sonhos podem estar causando infelicidade” por STEVE PAVLINA e achei realmente muito pertinente o conteúdo pois vivemos e vivenciamos isso de fato e me questionei se não poderia estar sendo essa pessoa “sem noção” em algum momento.

        Ter este respaldo de alguém tão respeitado como você que já trabalhou no setor de admissões da universidade que almejo é realmente um privilégio, muito obrigada.

        Você já pensou em ser mentor de pessoas com objetivos como o meu e de muitas outras pessoas que sonham em estudar em Harvard? adoraria ser mentorada de alguém como você.

        Abraços.

        Obs.: Não consegui responder diretamente sua resposta por isso fiz outro comentário.

        Responder
        • Olá Jéssica,

          Obrigado pelos elogios! O doutorado é mais difícil porque exige que a pessoa tenha vasta experiência com pesquisa científica, o que a maioria dos estudantes não possuem. Essa experiência geralmente é adquirida desde a graduação, quando a pessoa participa dos trabalhos de pesquisa nos departamentos em sua própria universidade. O estudante, nesse caso, já deve saber desde a graduação que deseja seguir a carreira acadêmica e então estrategicamente construir seu currículo nessa direção. Nos EUA, o processo é diferente no que diz respeito ao aluno chegar com um projeto, como ocorre no Brasil. Aqui, os alunos não têm projeto algum quando aplicam para o doutorado e muitos nem sabem direito o que querem pesquisar. O propósito do doutorado é justamente ensinar como se faz pesquisa científica de alto nível. Então, o aluno já chegar com ideias prontas do que quer fazer é contraprodutivo, pois há muitas coisas que os alunos só “descobrem” ao participar da jornada do doutorado. Supor que o aluno de graduação ou com mestrado, mesmo com alguma experiência em pesquisa, já saiba o que quer pesquisar no doutorado, como ocorre no Brasil, é absurdo. Muitas pessoas que eu conheço que fizeram doutorado só escolheram seus temas de pesquisa no terceiro ou quarto ano de curso (lembrando que o doutorado nos EUA pode durar 6, 7, até 8 anos dependendo da área).

          O Steve Pavlina é muito bom mesmo para fazer as pessoas pensarem sobre suas próprias motivações e sonhos. Esse pessoal todo de desenvolvimento pessoal se mudou para o site Sonhos Estratégicos em https://sonhosestrategicos.com.br que é administrado pela mesma empresa dona do site Guia da Vida. Vale a pena conferir se você gosta desses assuntos.

          O meu trabalho atual não me permite fazer consultoria à parte, mas há muitos profissionais qualificados especializados nessa área. Contudo, nenhum profissional se foca em ajudar as pessoas a entrarem em uma universidade específica, principalmente Harvard. Como o processo seletivo é altamente subjetivo, não é possível garantir que qualquer pessoa vá ser aceita em uma determinada instituição se fizer isso ou aquilo tudo direitinho. Os consultores geralmente ajudam a pessoa a entender o processo, esclarecer os pontos cegos (o que você não sabe que não sabe) e a montar uma aplicação forte, que é válida para múltiplas instituições de um certo porte.

          Abraços,

          Diego

          Responder
    • Olá Sath,

      Não, após o término do ensino médio, se o aluno não entrou em um college/faculdade e decide aplicar alguns anos depois, as atividades extracurriculares sâo irrelevantes pois o aluno agora é tratado como adulto. Contudo, se o aluno aplica até 1 ano depois de terminar o ensino médio, aí as atividades podem ter um significado especial se forem a razão do atraso na aplicação. Por exemplo, o estudante escolhe passar 1 ano viajando pelo mundo para obter novas experiências de vida para então aplicar para o college, ou ele faz 1 ano de voluntariado na África. Esse tipo de coisa é muito válido, mas não pode passar de 1 ano após o término do ensino médio. Por outro lado, se o aluno espera 1 ano e não tem uma boa razão para não ter aplicado antes, isso prejudica a aplicação. Mais de 1 ano, e o aluno não é mais considerado “estudante tradicional” e sendo assim, muitas universidades já não consideram mais sua aplicação e as opções ficam restritas às escolas que aceitam “non-traditional students”. É bom manter isso em mente.

      Abraços,

      Diego

      Responder
          • Olá Otto,

            O valor do Internacional Baccalauteate depende do que você quer fazer com ele. Como ele é uma iniciativa Européia (Suiça) as universidades Norte Americanas não costumam dar muito valor. As universidades Americanas só dão valor real ao que é feito dentro dos EUA porque é que o que eles conhecem. Se o aluno estudou no exterior, praticamente todo o tipo de educação é visto como igual, com algumas poucas exceções de escolas particulares de nome conhecido no Reino Unido (como Eton) e outros países Europeus. Mas se a pessoa vai fazer sua formação básica em outro país de qualquer forma, eu diria que pode valer a pena, principalmente se existe intenção de aplicar para universidades Européias, onde o IB é mais valorizado.

            Abraços,

            Diego

  24. Olá, Boa noite !

    Tenho duas dúvidas ;

    1 – Por acaso, sabe algo sobre os liberal arts colleges ?

    2 – Saberia me informar como normalmente é a formação dos C-level ?

    Responder
    • Olá Ozy,

      Praticamente todos os colleges que não são técnicos como engenharia são “liberal arts”, ou seja, o aluno ganha uma educação “completa” ao fazer matérias em várias áreas além da sua escolhida concentração. Por exemplo, a pessoa que tem intenção de se graduar com uma concentração (major) em matemática, não faz só matérias do departamento de matemática, mas é obrigada a escolher uma série de matérias em outros departamentos como ciências, humanas e ciências sociais para que sua educação seja considerada “completa”. Esse conceito de artes liberais vem lá da idade média (ou talvez um pouco depois) quando a educação dos homens era focada em torná-los mais cultos e bem informados.

      C-levels podem ter qualquer formação, engenharia, economia, administração, alguma área da tecnologia… acho que o mais importante para chegar nessas posições é como a própria pessoa conduz a ascenção da sua carreira, não a formação acadêmica dela.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  25. Olá Diego! Como vai ?
    Tenho algumas dúvidas à respeito dos estudos no exterior.

    Dando umas lidas nos comentários, que falou do college como se não fosse uma graduação, a não ser para as engenharias. Isso mesmo ? Não seria considerado graduação no Brasil, isso? Poderia me explicar mais sobre isso?

    Outra coisa, é quase nula as chances dos estudos para primeira graduação aos 23, 24 anos nos eua ou em outros países? Digo isso pois essa é minha situação. Não me refiro a especificamente em Harvard.

    Por último, pode me falar sobre as principais faculdades de engenharia no exterior ou indicar algum lugar.

    Muito obrigado pelo espaço🙏🏻

    Responder
    • Olá Cris,

      Há uma confusão com o termo “graduate school” em inglês. Como graduação em português é o bacharelado, muita gente não entende que graduate em inglês não é equivalente. A graduação é “undergraduate school” nos EUA, uma “sub-graduação”. Isso porque o college, apesar de sim, equivaler ao diploma de bacharelado no Brasil, não forma uma série de profissões que no Brasil basta a graduação como medicina, direito, farmácia, veterinária, odonto, psicologia, etc. Contudo, engenharia não é uma delas. O college de engenharia é equivalente à graduação no Brasil e forma o profissional engenheiro nos EUA.

      Com relação à idade, somente as escolas “top” tem esse tipo de restrição (principalmente porque os pais dos alunos “classe A” não querem suas “crianças” de 18 anos se relacionando com adultos de 25, 30). Em uma universidade estadual ou muitas outras privadas a pessoa pode entrar com 80 anos se quiser.

      As melhores faculdades de engenharia na minha opinião (ranks online podem variar) são o MIT, Caltech, Uni. da California (Berkeley), Stanford, Max Planck Institute na Alemanha, Imperial College London, Georgia Institute of Technology, Cambridge, e Oxford na Inglaterra. Sei que tem muitas boas na Asia, mas não conheço diretamente a reputação delas.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  26. Fala Diego, eu novamente.
    Cara, então. minha dúvida é a seguinte:

    De forma direta, acha que é possível, aos 24 anos (ano que vem) eu conseguir uma bolsa full ride para a primeira graduação na área de engenharia nos EUA ou em algum outro país ? (Não Harvard ou as classe A)

    Pergunto isso porque a maioria dos lugares que pesquiso não tem informação detalhada. Normalmente é algo do tipo “apesar de não ser o perfil comum, é possível”.

    Pode responder com sim ou não, porém, se puder e souber à respeito dessa situação e puder me informar, serei muito grato!
    Informações mais detalhadas no sentido de o quanto é possível, se conhece applicants que foram aprovados, se sem bolsa ou com bolsa, fullride ou/e tuiton, e tudo o que puder me informar…

    muito obrigado pelo espaço!

    Responder
    • Olá Cris,

      As informações sobre bolsas são escassas porque elas são realmente raras! Full ride é muito difícil. Acontece em alguns casos, mas geralmente de alunos altamente excepcionais, em escolas top (Harvard dá full ride pra todo mundo que é aceito e não pode pagar, por exemplo), e em boa parte dos casos, é preciso ser Americano ou ter Green Card. Há bolsas para estrangeiros mas elas são parciais e raras, então tem que procurar muito. Geralmente o aluno já precisa estar matriculado e cursado 6 meses a 1 ano para qualificar para qualquer tipo de bolsa (dessas parciais que não vem direito da instituição onde o aluno estuda). Um dos programas mais famosos no mundo é o Fullbright (https://fulbright.org.br/) que tem no Brasil e dá bolsas para estudar nos EUA. Acredito que esse programa seja baseado em mérito, mas costuma dar bolsas integrais. Há outros sites também que sei que existem, mas não tenho os endereços aqui pra te passar. Procure por scholarships and grants no Google, acredito que garimpando um pouco você encontra as listagens de opções de instituições que oferecem bolsas. Se você conseguir várias bolsas parciais pode conseguir cobrir todos ou quase todos os seus custos de estudos e vida nos EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder

Deixe um comentário