Como fazer psicologia nos Estados Unidos?

Diego Meille

Como estudar psicologia nos EUA

Essa resposta depende de uma questão: Você quer fazer psicologia nos EUA e voltar ao Brasil para praticar a profissão ou você quer fazer o curso e trabalhar nos EUA?

A resposta para essa pergunta vai definir a minha resposta aqui. Para começar, indico assistir ao breve vídeo da adorável Nayhamar que explica em 5 minutos alguns dos conceitos principais que você precisa compreender sobre psicologia nos EUA:

Psicologia, assim como medicina, direito, odontologia, veterinária, farmácia e muitos outros cursos nos EUA, é “pós-graduação”. É importante frisar que o termo pós-graduação (graduate school nos EUA) não equivale ao termo usado no Brasil. No Brasil, pós-graduação é frequentemente usado para descrever cursos de especialização (que nos EUA não valem quase nada e são chamados de certificate courses). Nos EUA, o termo pós-graduação se refere somente à mestrado e doutorado e conferem um diploma (degree), ao passo que os cursos equivalentes às especializações no Brasil conferem apenas certificados (certificates).

Mas como assim?

Para entender como funciona o sistema educacional nos EUA, recomendo ler primeiro esse artigo: Como funciona o sistema educacional de ensino superior nos EUA.

O Livro da Psicologia
Ótimo livro para começar a aprender sobre psicologia e ver se é isso mesmo o que você quer fazer.
Por que é importante entender como funciona o sistema educacional nos EUA? Porque ele é muito diferente do Brasil e sem entender essas diferenças, o aluno fica confuso sem saber ao certo o que deve fazer para cursar o curso que deseja nos EUA.

De forma básica, o sistema educacional Norte Americano funciona da seguinte forma: o aluno saindo do ensino médio (que dura 4 anos) não tem acesso às escolas profissionalizantes como medicina, direito, odontologia e psicologia. Somente as engenharias e arquitetura podem ser feitas por alunos recémsaídos do ensino médio.

Esses alunos de 18, 19 anos, entram no chamado “college”. O college não é específico, não é uma faculdade de “alguma coisa”, é simplesmente “college”. Ou seja, o aluno não entra no “college de economia”, ele simplesmente “entra no college”. O college dura aproximadamente 4 anos, por isso é chamado também de 4-year school. Ao pesquisar na web você verá também termos como “undergraduate degree”. Isso também se refere ao college. É uma “sub-graduação”.

Tudo o que Você Precisa Saber Sobre Psicologia
Outro livro bom para iniciantes para começar a sua jornada dentro da psicologia.
No college, o aluno pode fazer as matérias que quiser e aos poucos vai definindo uma concentração, na qual ele deseja se formar. Essa concentração é chamada de “major”. Isso está mudando aos poucos. Hoje em dia, muitos colleges exigem que o aluno escolha um “major” ou qual a formação que ele quer desde o início, mas isso não é tão comum. É possível também escolher mais de uma concentração maior (major) e também outras menores chamadas de “minors”.

Existe a concentração de psicologia no college, contudo, é muito, super, hiper, importante, compreender que fazer um college com concentração de psicologia (que seria o equivalente a se formar em psicologia no Brasil) não forma um psicólogo nos EUA! Essa formação tem sérias limitações com relação a que empregos a pessoa pode conseguir com ele. Geralmente só se faz psicologia no college se a pessoa realmente tem sérias intenções de seguir em frente com graduate school (mestrado e doutorado). Sem um graduate degree, uma pessoa formada em psicologia não tem muitas oportunidades de emprego (e não pode abrir consultório nem lidar com pacientes de nenhuma forma).

Que empregos uma pessoa formada com college em psicologia (que é a mesma formação do Brasil) pode obter?

A pessoa que só tem um undergraduate (bacharel, college, 4-year degree) em psicologia pode obter vários tipos de empregos na indústria (como em departamentos de RH) ou pode também trabalhar em escolas como conselheiro (counselor) ou em posições de assistência social. Contudo, essas posições são limitadas. Em muitos estados, por exemplo, o counselor (ou conselheiro) precisa ter no mínimo mestrado. Contato direto com pacientes e posições de liderança requerem um doutorado (que é chamado de pós-graduação ou graduate school).

O que é preciso para atuar como psicólogo clínico nos EUA?

Psicologias: Uma introdução ao estudo de psicologia
Um livro bem mais complexo do que os anteriores. Psicologias é livro texto do primeiro ano de psicologia de várias universidades e é recomendado para quem já decidiu que realmente quer fazer psicologia ou deseja estudar as diferentes teorias da psicologia e as bases dessa ciência.
Para ser psicólogo nos EUA, é preciso obter doutorado em psicologia, que é a chamada “graduate school”. A maioria dos psicólogos atuantes nos EUA não fez college de psicologia. Muitos tem formação em biologia, geografia, letras e não é incomum ver psicólogos com college em matemática, administração ou mesmo física. É difícil para os Brasileiros compreenderem “como assim”, mas é preciso entender que o college não significa nada. Você pode fazer o que quiser no college, o que vai formar a sua profissão é a sua pós-graduação (graduate school), ou seja, mestrado, doutorado ou escola profissionalizante como medicina e direito. Em alguns estados, é possível praticar psicologia somente com mestrado, mas não é possível praticar a profissão com college em psicologia. Da mesma forma, se você se formar em psicologia no Brasil, isso será visto como um college e você não poderá praticar psicologia nos EUA, a não ser que tenha doutorado na área.

E se eu tiver doutorado em psicologia do Brasil? Posso praticar psicologia clínica nos EUA?

Depende. Seu doutorado precisa ser especificamente sobre psicologia clínica. Um doutorado em psicologia cognitiva ou em psicologia social, por exemplo, não conduzem à licença para a prática clínica.

E se eu fizer college de psicologia nos EUA e voltar ao Brasil, posso praticar a profissão?

Se você quer fazer faculdade nos EUA e depois voltar ao Brasil, só o college com major em psicologia já basta. Contudo, é importante manter em mente que como o college de psicologia não forma um psicólogo propriamente dito, ele é muito mais fraco do que a graduação no Brasil (no sentido de formar um profissional para a área clínica). O foco do college em psicologia nos EUA é a pesquisa científica. Os alunos precisam escrever inúmeros papers (artigos científicos) e são incentivados a voluntariar em laboratórios de pesquisa científica na universidade. Não há nenhum foco em clínica no college. Quando muito os alunos podem fazer algumas matérias voltadas para essa área, mas isso não satisfaz as necessidades de validação do diploma no Brasil.

Como validar o diploma de psicologia dos EUA no Brasil?

A validação do diploma no Brasil é feita pela universidade federal do estado onde você mora no Brasil (ou onde você se estabelece depois de voltar ao país definitivamente). As universidades federais são conhecidas por serem super chatas com o processo de validação e exigirem que alunos façam matérias adicionais para completar o processo. No caso de psicologia, é comum a pessoa precisar fazer mais 1 ou 2 anos de curso no Brasil para reparar as deficiências do curso nos EUA. Por exemplo, o curso nos EUA não possui exigência de estágios, que são obrigatórios para psicologia no Brasil. Ao voltar ao Brasil, o aluno precisaria preencher esses requisitos.

Você pode ver então porque é importante você definir o motivo de fazer psicologia nos EUA. Se quer voltar para o Brasil, basta fazer o college (mas terá que fazer 1 ou 2 anos adicionais ao voltar para o Brasil), se deseja morar e trabalhar nos EUA (ou no Canadá), vai precisar de doutorado.

Também é importante definir o que você quer fazer dentro da psicologia se sua intenção é morar e trabalhar nos EUA. Psicologia clínica é apenas uma opção. Se você gosta de psicologia cognitiva ou de psicologia social, psicologia evolutiva ou qualquer outra área, um doutorado nessas disciplinas o levaria à vida acadêmica como cientista e professor universitário. Com um doutorado em psicologia social, por exemplo, você não poderia clinicar nos EUA. Você poderia ter um emprego qualquer em empresas, escolas, ou outras organizações, mas não poderia lidar com pacientes, nem em prática particular, nem no ambiente empresarial ou escolar.

Mas o que faz um psicólogo cientista?

Esse é um ponto novo que eu estou adicionando a este post porque eu vejo que muitos Brasileiros têm dificuldade de entender a diferença e as limitações entre as áreas da psicologia. Muita gente tende a entender que psicólogo é o clínico que atende pacientes, só isso. Mas a psicologia é muito vasta.

Veja, por exemplo, a neurociência, que é uma subdivisão da psicologia. O neurocientista não lida com pacientes, ele trabalha em uma universidade ou na indústria privada, estudando o cérebro ou lidando com a criação de produtos ou soluções (na indústria) que estejam ligados a esta área. Um colega neurocientista, por exemplo, trabalha em uma startup em Boston que desenvolve tecnologia implantável dentro do cérebro (como microchips) para ajudar pacientes que tenham debilidades ou dificuldades neurológicas.

Em muitos casos o psicólogo cientista trabalha em uma universidade (pois é nas universidades que pesquisa científica é feita). Esse tipo de trabalho é obtido de três formas: como professor universitário que dirige um laboratório de pesquisas; como pós-doutor que trabalha em um desses laboratórios de um professor já mais experiente; e como técnico de laboratório, nesse caso sendo um profissional e não um acadêmico trabalhando em um desses laboratórios. No caso da psicologia, esse terceiro cargo é raro.

A área acadêmica também oferece o expertise necessário para uma carreira como palestrante, consultor ou escritor, o que é o caso da minha colega aqui no site, Franciane Ulaf que estuda em Harvard e escreve sobre comportamento humano. Nesse caso, o mestrado pode ser suficiente já que o doutorado só seria necessário se a pessoa deseja se tornar professor acadêmico.

Há somente três áreas da psicologia com autorização para licenciatura: escolar, clínica e aconselhamento. A área escolar é bem direta, essa formação leva o profissional a ser capaz de ser psicólogo ou orientador em escolas e universidades. A diferença fica por conta das áreas “clínica” (clinical) e “de aconselhamento” (counseling) – se alguém souber um termo mais adequado em português, por favor me dê um toque nos comentários! A área clínica é voltada para casos severos de problemas mentais como esquizofrenia, trabalho em prisões, instituições mentais, etc. A área de aconselhamento (counseling) é uma psicologia mais “light”, casos menos graves. Muitas pessoas que fazem coaching preferem se formar nessa área (apesar de não existir formação formal para coaching, muitos profissionais se interessam em procurar maior especialização).

Como entrar em um college nos EUA?

É importante frisar que college não é tradução de “colégio”! É uma faculdade propriamente dita, é equivalente ao curso universitário que fazemos no Brasil. Lembre-se de que o college não é de psicologia, é simplesmente “o college”. Existem diversos níveis de college nos EUA, desde os mais seletos como Harvard e Yale até os disponíveis para qualquer um que queira estudar como os community colleges. Muitos colleges pedem para que você defina na aplicação qual a concentração que você deseja seguir. Se você quer fazer psicologia, você já entraria na instituição seguindo esse rumo. Muitos colleges hoje em dia fazem isso para evitar que os alunos fiquem perdidos fazendo todo o tipo de matéria que eles acham interessante e acabam demorando 5, 6 anos para terminar o curso pois se dispersam e não fazem as matérias necessárias para uma concentração focada. Contudo, alguns colleges ainda são assim e permitem entrada livre sem qualquer definição (os melhores e mais tradicionais colleges como Harvard ainda são assim para dar a oportunidade do aluno fazer tudo quanto é matéria e ter uma formação “mais completa”). É preciso tomar cuidado nessas escolas para não se dispersar e acabar levando mais tempo para concluir o curso. Nesses casos, o aluno não entra em psicologia ou em letras ou em biologia, ele simplesmente entra no college. Depois de uns 2 anos ele decide qual a concentração (quem podem ser múltiplas) que ele deseja obter. O estudante, então se forma com um BA (bacharelado de artes) ou BS (bacharelado em ciências) na área de sua concentração. É por isso que é comum ouvir uma pessoa Americana dizer que possui um BA ou um BS em psicologia (sim, psicologia pode ser um bacharel em ciências ou em artes dependendo da faculdade ou da escolha do aluno — algumas instituições oferecem ambos). Não se deixe confundir pelo termos “artes”. Bacharelado em “artes” não tem nada a ver com arte propriamente dita. O termo artes aqui se relaciona às “artes liberais” e isso vem lá dos primórdios da educação superior quando as universidades não eram separadas em curso disso ou daquilo, era simplesmente uma educação mais erudita.

Como a amplitude de escolas é praticamente infinita – desde as que qualquer um pode entrar até as mais exigentes – cabe ao próprio aluno fazer uma pesquisa, afunilando as escolas de acordo com as áreas do país onde deseja morar. Os sites de cada instituição dão todas as informações necessárias para aplicação e como funciona o curso, incluindo grade horária, exigências para cada major e minor, custo, entre outros detalhes.

Como obter a formação de psicólogo propriamente dita nos EUA?

Se você pretende trabalhar nos EUA, você vai precisar de um doutorado em psicologia clínica. Os programas de doutorado estão acessíveis aos alunos já direto do college (não é preciso fazer mestrado antes, contudo, o mestrado é útil pois o trabalho feito nele pode resultar em boas cartas de recomendação de pode — mas nem sempre — reduzir o tempo do doutorado, que nos EUA dura de 4 a 7 anos).

SUPER IMPORTANTE: Ao pesquisar sobre esse assunto em sites nos EUA, você irá se deparar com a seguinte informação: “alguns estados nos EUA permitem a prática da psicologia só com mestrado”. Isso é ENGANOSO! Essa “prática” não significa que a pessoa só com mestrado possa abrir consultório, se entitular “psicóloga”, e lidar com pacientes (mesmo dentro do ambiente de uma clínica como funcionário). Isso não é possível em NENHUM estado. A tal prática que é permitida para profissionais que somente possuem mestrado se limita a poder conseguir emprego e trabalhar sob a supervisão de um psicólogo propriamente dito (pessoa com doutorado e licenciada) em algumas atividades BEM limitadas como trabalhar no departamento de RH (porém sem doutourado a pessoa jamais poderia chegar em uma posição de chefia). Definitivamente não é a “prática da profissão” como entendemos no Brasil. Muito do que é possível fazer só com mestrado (nesses poucos estados) está relacionado a empregos em escolas, empresas, ou posições de assistente.

A amplitude de escolas também é muito grande. Há doutorados online que aceitam qualquer um (cuja qualidade é bem duvidosa) e há doutorados que você precisa “prometer seu primeiro filho” para ser aceito (Harvard, MIT, Stanford). Qualquer doutorado que se preze, de qualidade suficiente boa para que você seja respeitado como profissional, irá exigir extensa experiência em pesquisa científica, incluindo publicações em seu tempo durante e após a faculdade. Um dos melhores fóruns de discussão sobre escolas de pós-graduação (mestrado e doutorado) nos EUA é o Grad Café. Se você quer saber quais são as suas chances de ser aceito na escola X ou Y (ou em qualquer escola de doutorado), esse é um bom local para obter opiniões. Veja que a maioria dos doutorados em psicologia não conduzem ao licenciamento! Se sua intenção é clinicar, você precisa procurar os doutorados específicos em counseling, clinical psychology e school psychology. Qualquer outro curso não o levará à possibilidade de atender pacientes. Doutorados online não levam à obtenção da licença de psicólogo.

Além de experiência em pesquisa, publicações em journals de destaque, trabalho em laboratórios de professores conhecidos, é preciso ter notas excelentes no college (ou na faculdade no Brasil), calculadas em uma média chamada GPA, e prestar o teste generalizado chamado GRE. Cada escola de curso superior possui o seu teste. Medicina possui o MCAT, direito o LSAT, administração o GMAT e assim por diante. As áreas de ciências sociais usam o GRE. O GRE é bem difícil (faz o vestibular parecer testinho de pré-escola!) e é preciso se preparar durante anos para prestá-lo. É possível fazer esse teste (assim como todos os outros citados) no Brasil e é possível repetir o mesmo se você tiver uma nota insatisfatória.

Todas as escolas conceituadas de pós-graduação (mestrado e doutorado) exigem entrevista pessoal com o candidato, o que pode dificultar um pouco para alunos estrangeiros aplicando para inúmeras instituições. Hoje em dia, muitas universidades já estão conduzindo entrevistas via Skype ou Zoom, mas algumas mais elitistas ainda querem ver o candidato pessoalmente.

O processo de aplicação para um doutorado é longo e extenso. Você precisa se munir de todas as informações, juntando todos os pedaços do quebra-cabeças (pesquisas científicas, trabalho em laboratórios, publicações, cartas de recomendação, GRE, GPA, e no caso de psicologia, experiência clínica já feita na faculdade e no mestrado). Tudo isso é muito complicado para explicar em um simples artigo, mas procurando por informações específicas na web, você será capaz de entender melhor como funciona todo o processo.

O principal é decidir o que você quer fazer depois do curso, pois isso define se você precisa de um doutorado (para praticar nos EUA) ou não (praticar no Brasil).

Fazer doutorado em psicologia nos EUA me dá o direito de morar e trabalhar no país?

É útil mencionar que simplesmente fazer um doutorado de psicologia clínica nos EUA não o habilita para praticar a profissão no país se você não tem um Green Card ou não é cidadão Norte Americano. É uma aposta muito alta querer fazer um curso longo para depois ter que voltar ao Brasil porque você não tem direito de morar e trabalhar nos EUA! Estrangeiros nessa condição dependem da contratação por parte de um hospital ou empresa que aplicaria para um visto de trabalho, mas não há garantia alguma de que isso acontecerá depois de formado (e depois da administração do Trump o número de vistos de trabalho por ano foi reduzido a um mínimo e essa quantidade é rapidamente preenchida pelos empregos na área de tecnologia). Além disso, precisando de visto de trabalho, você seria obrigado a trabalhar em uma instituição e não poderia abrir seu próprio consultório de psicologia (nem se trabalhasse meio período). O indivíduo com visto de trabalho não pode trabalhar para outras empresas, fazer bicos ou trabalhar por conta, ele fica totalmente preso à instituição que mantém seu visto.

Uma alternativa para quem quer ter alguma educação nos EUA para enriquecer o próprio currículo é fazer psicologia no Brasil mesmo e depois fazer mestrado nos EUA. Mestrado e doutorado são dois “bichos” completamente diferentes. Várias instituições, inclusive algumas muito boas, oferecem mestrados online ou híbridos, em que você faz parte online e uma residência de um ou mais semestres na instituição. É fácil se programar para fazer parte de um curso assim pela internet no Brasil e vir para os EUA para completar os créditos que exigem residência no campus (eles chamam de residência, mas isso não quer dizer que você precise literalmente “morar” na escola, apenas estar fisicamente presente para assistir às aulas).

Se sua intenção é abrir consultório nos EUA (contando que você tenha Green Card ou seja cidadão Americano), você precisa procurar mestrados e doutorados que conduzam ao licenciamento. Como saber? Esses cursos serão em uma dessas três áreas: clinical, counseling, ou school psychology. Boa parte desses cursos é prática (estágios), portanto cursos online e híbridos não contam.

Brasil ou EUA?

Vale mencionar que fazer todo esse processo para se qualificar para praticar a profissão nos EUA (e Canadá) não é equivalente à formação para praticar a profissão no Brasil! No Brasil, você precisa ter faculdade (college) em psicologia. Digamos que você não tenha faculdade de psicologia, somente mestrado e doutorado na área e é licenciado nos EUA. Você poderia validar seus diplomas e praticar no Brasil? Não! Para praticar no Brasil, você precisa fazer a faculdade (college) de psicologia propriamente dita. Isso não faz o menor sentido, é claro, já que a formação nos EUA é muito mais robusta, longa, e completa (é mais longa e complexa do que medicina). Na Brasil, um “pirralho” de 22 anos se forma em psicologia e pode atender pacientes com sérias condições mentais. Mas se você passa 10 anos se formando nos EUA, se torna psicólogo com doutorado, mas sua faculdade primária não foi psicologia, bem, você não pode praticar a profissão no Brasi! Se sua intenção é voltar ao Brasil, principalmente se você não tem autorização para morar e trabalhar nos EUA (Green Card ou cidadania), o ideal é que você faça faculdade de psicologia propriamente dita. O curso é muito mais rápido e fácil nos EUA (já que não conduz à prática da profissão), mas devido a uma idiotice do conselho federal de psicologia, você pode validar esse diploma e atender pacientes no Brasil (vai entender!). Contudo, dependendo da duração do seu curso nos EUA e das matérias específicas que você fez (e as que deixou de fazer, já que nos EUA é o aluno quem escolhe as matérias que quer fazer) e da quantidade de horas de estágio (o que algumas faculdades nos EUA não exigem), você poderá encontrar problemas ao tentar validade seu diploma no Brasil, como já discutimos, e poderá ter que complementar com matérias e estágio feito no Brasil.

Se sua intenção é voltar ao Brasil, eu recomendo fazer o seguinte procedimento: como o diploma precisa ser validado por uma universidade federal no Brasil, procure a federal do seu estado e veja qual o currículo da faculdade de psicologia (quais são as matérias, quantas horas de estágio são exigidas, etc.). Seu diploma Americano será comparado a esse currículo e cada universidade federal tem o seu, por isso é importante usar o currículo da instituição em que você futuramente solicitará a validação do seu diploma Norte Americano. Com essas informações em mãos, monte sua grade nos EUA de acordo com as exigências no Brasil, ou seja, escolha fazer as matérias que são exigidas no Brasil.

Isso é importantíssimo, pois o currículo da faculdade de psicologia nos EUA é bem superficial e limitado e contém muitas matérias que não são feitas no Brasil. O college (faculdade) nos EUA serve primariamente para dar uma formação cultural e científica ao aluno e ensiná-lo a escrever apropriadamente no meio acadêmico. Por isso, as faculdades exigem um currículo de psicologia que contém matérias como química, biologia, matemática, redação (em inglês, é claro), línguas (toda faculdade exige que o aluno escolha um idioma estrangeiro – que não pode ser sua própria língua materna – e chegue até o nível intermediário), e uma séria de outras matérias de humanas e ciências sociais que não tem ligação com a psicologia e não fazem parte do currículo no Brasil. Isso é metade do curso nos EUA (que dura apenas 4 anos). Então você precisa ter muita estratégia para conseguir preencher esses pré-requisitos e ainda assim dar conta de montar um currículo que satisfaça as exigências no Brasil.

Uma ideia é escolher uma escola que aceite bastante créditos CLEP. O teste CLEP é um teste de “desafio” em que você alega já ter conhecimento daquela matéria e portanto não precisa cursar um semestre da mesma. Para provar que você já sabe o conteúdo, você faz uma prova e se tiver bom desempenho, obtém os créditos equivalentes à mesma e economiza tempo não precisando cursá-la. Esses testes CLEP tem dificuldade mediana. Eu diria que são tão difíceis quanto o ENEM no Brasil. Você precisa estudar (de verdade!) o conteúdo de um semestre inteiro (usando os livros textos que são usados nos colleges). O teste é administrado por uma instituição governamental (não pelas faculdades) e o resultado é enviado pelo correio para as escolas que você indicar. Cada teste (na data de publicação deste artigo) custa $85.00 (em dólares). Definitivamente mais barato que a média de custo do curso relativo à cada teste em um community college ($800). Falando em community college (faculdades comunitárias), essa é uma boa opção para obter o maior número de CLEPs aceitos, terminar um associate degree na metade do tempo (ou até mesmo 1/4 do tempo), e passar para uma faculdade propriamente dita já com metade do curso feito. As faculdades em si também aceitam CLEPs, mas em menor quantidade. É recomendado procurar no site de cada instituição uma lista de CLEPs aceitos, pois isso varia bastante de escola pra escola. Muitos community colleges oferecem algumas das matérias online, o que também ajuda a fazer o curso mais rápido (e parte dele sem sair do Brasil).

Mas é importante transferir para uma faculdade BOA depois do community college se você tem esperança de validar seu diploma no Brasil. O MEC é muito chato! As instituições federais que fazem a validação dos diplomas são muito criteriosas e não validam diploma de faculdadezinha de fundo quintal e cursos online (como University of Phoenix, Excelsior, Walden University e outras “money suckers” de quinta categoria). Há uma diferença entre fazer algumas matérias básicas pela internet (e aproveitar o sistema do CLEP) e fazer o curso todo online! Com faculdade “boa” eu quero dizer que qualquer escola no nível de state schools (estaduais) é bom o suficiente. Você não precisa ir para Harvard, MIT, ou Princeton, é claro!

Vale mencionar que o Ministério da Educação no Brasil está fazendo um esforço para modernizar o processo de validação de diploma e reduzir a comparação de disciplinas e carga horária. Segundo o MEC, essas mudanças estão vindo, contudo, o gabarito e seriedade da instituição no exterior continuará a ser fortemente considerado. Dito isso, o currículo precisa ser pelo menos parecido com o das faculdades no Brasil, e isso é um problema em psicologia, pois o currículo nos EUA é significativamente mais diluído (já que o aluno vai fazer as matérias mais difíceis e específicas no mestrado e doutorado). Por esse motivo, se sua intenção é voltar ao Brasil, você precisa escolher suas matérias com cuidado e pensando sempre em como aquela escolha será vista ao ser avaliada posteriormente por uma comissão no Brasil.

Também procure obter experiência prática através de estágios e trabalhos através da faculdade (pois no Brasil, os alunos de psicologia precisam completar esses requerimentos). Nem todas as faculdades nos EUA exigem estágio (já que o aluno vai fazer a parte prática no mestrado e doutorado), por isso você terá que correr atrás desse tipo de experiência. Algumas faculdades oferecem a oportunidade de fazer o mestrado junto com a faculdade (1 ano a mais) e nesse caso, existe grande oportunidade de participar de bons estágios que são bem valorizados no Brasil. Outra opção é fazer o mestrado após a faculdade ainda nos EUA antes de voltar e tentar validar o diploma. Se sua intenção é voltar ao Brasil, fazer doutorado e buscar licenciamento nos EUA não é importante, mas se você tem essa oportunidade, é claro, você deve aproveitar.

Ainda tem dúvidas?

Poste suas perguntas aqui na seção de comentários. Terei o maior prazer em respondê-las!

Não se esqueça de selecionar para receber uma notificação por email para ser notificado quando eu ou outros leitores responderem ao seu comentário ou pergunta (esse tipo de notificação não o inscreve em outras listas de email e você não receberá outros tipos de mensagens como propagandas, newsletters, etc.).

A seção de comentários é anônima (você não precisa colocar seu nome verdadeiro se não quiser e seu email jamais fica visível para outros visitantes). Sinta-se à vontade para perguntar o que quiser!


Veja abaixo uma lista de livros recomendados, tanto sobre psicologia quanto sobre estudar nos EUA:

Para quem não sabe nada sobre psicologia e quer uma leitura rápida, simples, fácil, só com conceitos básicos para ter uma ideia geral:

O Livro da PsicologiaO livro da psicologia

Leitura leve, divertida, sem entrar em muitos detalhes complicados da psicologia. Dá uma ideia geral de vários conceitos da psicologia e contém inúmeras curiosidades interessantes.

Seguido de uma perspectiva cronológica, e com o apoio de esquemas e gráficos, a publicação destaca autores e contextualiza suas descobertas, traz um glossário com os principais termos e teorias, além de conter um capítulo dedicado a apresentar os cientistas e psicólogos que ajudaram a aprofundar o conhecimento desenvolvido ao longo das décadas. O livro da psicologia é o mais atualizado livro sobre o tema, uma obra que despertará reflexões, destruirá preconceitos e instigará o leitor a buscar o autoconhecimento.

Veja na Amazon


Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre PsicologiaTudo o que Você Precisa Saber Sobre Psicologia

Não importa se você está procurando por uma forma de começar a estudar Psicologia para depois se aprofundar, ou se simplesmente tem curiosidade em identificar as neuroses dos seus amigos, este livro possui as respostas sobre a mente humana que você não compreende ao acessar artigos acadêmicos. Em uma revisão rápida e completa da Psicologia moderna, entenda as teorias mais importantes, os experimentos marcantes, as definições de síndromes e fenômenos sem precisar sofrer.

Aprenda com aqueles que moldaram nosso conhecimento sobre nós mesmos e ainda tenha a oportunidade de fazer os testes psicológicos mais clássicos – em uma linguagem fácil e divertida. Alguns dos temas que você encontra aqui: • Sonhos • Hipnose • Teorias de liderança • Teorias da inteligência • Memória • Efeito espectador • Lados direito e esquerdo do cérebro • Informações sobre os maiores autores de Psicologia

Veja na Amazon


Livros para quem é sério sobre estudar psicologia! Os seguintes livros são usados como livros-texto no primeiro ano de psicologia de várias universidades e são considerados clássicos da educação em psicologia:

Psicologias: Uma introdução ao estudo de psicologiaPsicologias: Uma introdução ao estudo de psicologia

Um dos livros introdutórios mais conhecidos e utilizados desde sua publicação há 30 anos. Psicologias é um livro introdutório ao estudo da Psicologia, que apresenta de forma ampla e atualizada, os assuntos de interesse dos estudantes dessa área: abordagens teóricas, áreas de conhecimento, principais características da profissão e análise de temas cotidianos.

Além do texto base, a obra proporciona a oportunidade de aprofundar os estudos com os textos complementares, as atividades propostas para pesquisas e debates, além de uma bibliografia comentada! Este livro é um convite à Psicologia e pretende contribuir na qualidade do debate sobre diversos de seus aspectos, como ciência e profissão, e colocá-la a serviço de uma leitura mais complexa da realidade social.

Nesta edição comemorativa de 30 anos, todos os capítulos foram atualizados, alguns ampliados e outros substituídos e incluídos.

Veja na Amazon


Introdução à PsicologiaIntrodução à Psicologia – Linda Davidoff
Apresentando a psicologia tanto como uma ciência quanto como uma disciplina especial, este livro-texto aborda desde temas básicos até os avanços mais recentes da psicologia.

As teorias desenvolvidas nessa área científica, os diferentes distúrbios psicológicos, fatores biológicos e culturais que influenciam o comportamento, dentre outros tópicos, são tratados de maneira bastante didática e aprofundada, fazendo com que esta obra seja essencial para estudantes de psicologia. Além de serem caracterizados por uma estrutura que facilita muito o aprendizado e torna os assuntos examinados ainda mais interessantes, os capítulos contêm seções especiais que contextualizam na vida real a teoria apresentada no texto e que ajudam a assimilar o conteúdo aprendido.

Veja na Amazon

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


146 comentários em “Como fazer psicologia nos Estados Unidos?”

  1. Olá boa tarde, eu poderia fazer a faculdade aqui no Brasil e dps fazer o doutorado nos EUA ou é necessário fazer o College (que é equivalente a se formar nas faculdades do Brasil) e doutorado tudo nos EUA?Obrigado vlw.

    Responder
    • Olá João Matheus,

      Sim, é claro. Mais de 70% dos alunos de doutorado nos EUA são estrangeiros que fizeram faculdade em seus respectivos países. A faculdade no Brasil é exatamente equivalente ao college Americano. Contudo, em algumas instituições talvez seja necessário demonstrar que você é capaz de suportar a carga e rigor de uma educação nos EUA. Isso pode ser feito com um mestrado, por exemplo. O mais importante para entrar em um doutorado, entretanto, é já ter pesquisas científicas (artigos) publicados em journals importantes. Se você não tem, você realmente precisará fazer um mestrado antes e buscar o máximo número de publicações como segundo, terceiro, quarto autor, além de experiência trabalhando no departamento de algum professor na área exata em que você quer fazer doutorado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
        • Olá Heduarda,

          Sim, mestrado e doutorado. Contudo, se você não tem Green Card ou cidadania Americana, isso não lhe traria qualquer benefício, pois você não poderia praticar a profissão nos EUA, nem poderia voltar com esses diplomas para o Brasil e ser psicóloga (já que no Brasil, é necessário a faculdade de psicologia em si).

          Abraços,

          Diego

          Responder
  2. Ei fiz faculdade de psicologia aqui no Brasil e conlui o mestrado. Tenho cidadania americana, mas residi fora só até os seis anos. Queria saber se todos os estados exigem o doutorado… Fiquei sabendo que esse GRE é meeeega complicado…

    Responder
    • Olá Mariana,

      Não, alguns estados não exigem doutorado, mas isso é relativo. Com mestrado, você pode trabalhar em algumas posições como psicóloga, mas não em outras. Do ponto de vista de abrir um consultório, o paciente sempre espera que o psicólogo seja Ph.D. O GRE é difícil sim, mas não é uma coisa do outro mundo como seria por exemplo o MCAT (medicina) ou o GMAT (administração). Existem inúmeras fontes de informação e estudo online. Dê uma olhada, faça uns simulados e veja se você acha que pode conseguir. Contudo, para entrar em um doutorado, até o GRE é uma parte pequena do quebra-cabeças. Pesquisa é o ponto principal. As publicações em journals relevantes que você conseguiu no mestrado (se foi o caso), seria o fator diferencial, assim como as cartas de recomendação. Se você não publicou nada em um journal internacional, suas chances de entrar em um doutorado de psicologia seriam praticamente zero, independente de nota no GRE. Nesse caso, você teria que fazer outro mestrado, aí sim nos EUA, e priorizar o trabalho nos departamentos dos professores para conseguir publicar o máximo de artigos possível.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Olá, Diego. Entendi o que vc disse… como não tenho publicações internacionais, vc me sugere alguma outra alternativa? eu teria que dedicar muito tempo e financeiro em um mestrado em psicologia… por isso, levando em consideração a minha situação, vc me indica alguma alternativa? alguma área da psicologia ou algo assim? que nao dependa do doutorado.

        obrigada

        Responder
        • Olá Mariana,

          Isso depende de quais são os seus objetivos profissionais. Por que você quer um diploma na área de psicologia especificamente dos EUA (e não Inglaterra ou outro lugar em que é muito mais fácil esse processo)? O que você quer fazer profissionalmente? Quer clinicar? Quer ser cientista social? Quer ser professora universitária? Quer ser coach? Quer trabalhar em RH? Dependendo do seu objetivo, o caminho é diferente.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Olá Jamille,

            Não é necessário ser psicólogo para trabalhar com coaching, que é uma área não-regulamentada. Qualquer um pode ser coach, mesmo sem qualquer formação superior. Veja o Tony Robbins, por exemplo, o mais famoso “guru” de auto-ajuda, que faz coach para celebridades e políticos. Ele não fez nenhuma faculdade. Além do mais, coaching é uma tarefa que ajuda o cliente a atingir suas metas e ser mais produtivo. Isso, em termos de curso acadêmico, tem mais a ver com administração de empresas do que psicologia. O coach não lida com os aspectos emocionais/psicológicos do cliente.

            RH é um departamento que emprega, em sua maioria, pessoas formadas em administração de empresas, economia, e contabilidade, pois, ao contrário do que muitos pensam, o foco do RH não é na psicologia dos funcionários (como seleção e treinamento), mas sim na contabilidade (contratação, benefícios, férias, etc.).

            Aqui nos EUA, os psicólogos contratados pelos departamentos de RH para realizar atividades que realmente exigem essa formação (como desenvolvimento de dinâmicas de grupo para contratação de novos funcionários) precisam ter a formação em psicologia em si que é o doutorado. Como eu expliquei no artigo, o college em psicologia (ou a faculdade de psicologia no Brasil) não tem qualquer validade nos EUA para emprego na área. Conheço gente com esse diploma que trabalha de recepcionista.

            Abraços,

            Diego

          • Adicionando à opinião do autor (que eu concordo), é importante mencionar que você não pode simplesmente “trabalhar” nos EUA. Isso eu considero que você não tenha green card, nem seja naturalizada Americana. Trabalhar como coach é impossível. Essa é uma profissão liberal, autônoma, e ainda por cima, como o autor falou, não regulamentada. Isso quer dizer que qualquer um pode ser coach, com qualquer formação, ou sem formação. É como ser consultor. Contudo, como não há um empregador na jogada, não há como um estrangeiro trabalhar como coach nos EUA, sem ter a documentação de residente. Para um estrangeiro trabalhar nos EUA, um empregador precisa pedir um visto especial de trabalho e provar que não há nenhum Americano disponível que possa realizar aquela função.

            No caso de RH, é uma área que não exige uma super especialização em nada. Dependendo do departamento dentro do RH (como o autor falou, contratação, treinamento, demissões, etc.), diferentes formações são necessárias, contudo, não há carência de nenhuma delas nos EUA, pelo contrário, há um surplus muito grande de pessoas capacitadas para realizar tarefas dentro de um RH. Isso significa que não há espaço para estrangeiros, pois há Americanos (e portadores de Green card) suficientes para preencher essas vagas.

            Se você quer realmente trabalhar nos EUA, você antes de tudo precisa estudar como isso funciona do ponto de vista imigratório. Isso a levará a entender que há somente algumas poucas profissões que conduzem à contratação com visto de trabalho (que leva ao Green Card). Profissões na área da saúde, alta tecnologia, academia (como professor e pesquisador), e engenharias, hoje em dia, são as únicas que permitem com que uma pessoa estrangeira possa trabalhar nos EUA. Psicologia definitivamente (mesmo com doutorado) não permitirá com que você possa viver e trabalhar nos EUA.

            Bianca

    • Se você só quer clinicar, existem muitos doutorados “expressos” em psicologia clínica que fazem vistas grossas para a falta de publicações (que não precisam necessariamente ser internacionais, publicar no Brasil mesmo já suficiente). Tudo depende do perfil da universidade. Há escolas que formam psicólogos que vão trabalhar em consultório, há escolas (como Harvard) que formam psicólogos cientistas, que ensinam nas universidades, fazem pesquisa e publicam livros. Se o que você quer é clinicar, evite essas escolas “de nome”. Procure instituições mais fáceis de entrar. O GRE é o mais fácil dos testes de admissão na graduate school, não é bicho de sete cabeças, nem de longe. Não deixe isso te deter. Você, sendo Americana, já tem o que precisa para praticar a profissão no país, é só fazer o curso e obter seu credenciamento. O propósito deve ser evitar as instituições mais renomadas cujo objetivo não é formar psicólogos clínicos, mas sim cientistas. Se você tiver esse foco, você acha uma escola boa que te aceite com facilidade.

      Grande Abraço!

      Patrícia

      Responder
      • Olá Patricia!

        a sua resposta para a Mariana respondeu para mim também. Obrigada! Só(!?) não tenho o mestrado e não sou cidadã americana… Você saberia me indicar quais seriam essas universidades com “doutorados expressos”?

        Obrigada!
        Abraço!!
        Bárbara

        Responder
        • Oá Bárbara,

          Para encontrar esses doutorados, você precisa fazer um pouco de pesquisa. Comece investigando quais universidades oferecem doutorado “específico” em psicologia clínica. Isso já exclui as grandes universidades de pesquisa (como Harvard e Yale) que só estão interessadas em treinar cientistas. Pesquise na seção “academics” no site de cada uma dessas instituições e veja se o currículo do curso foca-se em treinar psicólogos clínicos, com pouca ênfase em pesquisa. Sempre haverá um pouco de pesquisa, afinal de contas, é um programa de doutorado. Quanto menos conhecida a faculdade, mais chances de que ela tenha um foco mais profissional do que acadêmico. Pesquise o ranking da escola em sites como U.S News (que avalia universidades). Quanto mais alto o ranking, maior a probabilidade de que a instituição seja de pesquisa. Não tenho um nome para te indicar, pois há centenas, talvez milhares dessas universidades nos EUA. Depende muito do lugar onde você pretende morar.

          Abraços,

          Diego

          Responder
      • Olá, Diego!

        Eu estou no primeiro ano do ensino médio aqui no Brasil e gostaria muito de mudar a minha situação financeira que infelizmente não está muito boa então resolvi fazer faculdade de psicologia mas eu estou muito confusa pois acho que psicóloga aqui no Brasil não ganha um salário tão bom então comecei a pensar em ser psicóloga nós Estados Unidos só que eu não tenho um Green card eu não sei falar em inglês eu não tenho nada só tô fazendo o ensino médio e preciso de um plano bom de vida para o meu futuro estou pensando em fazer o Enem e consegui fazer faculdade aqui no Brasil só que isso não é o bastante para ser psicóloga nós Estados Unidos você precisa ter mestrado e doutorado né então como eu faço para conseguir ? Estava pensando em fazer intercâmbio só que tenho um pouco de medo séria uma boa opção ? não estou conseguindo planejar o meu futuro e estou muito triste e preciso de ajuda você poderia me ajudar??

        Responder
        • Olá Michelle,

          Você trouxe dois problemas distintos em seu relato: 1. você quer mudar a sua situação financeira e 2. você pensa em fazer psicologia, mas tem receio de que isso não a levará a ter a vida que deseja no futuro.

          Quanto ao primeiro problema (dar os passos certos para construir uma vida financeira saudável), há inúmeras carreiras que você pode seguir que trarão com segurança uma renda de classe média alta (medicina, engenharia, arquitetura, odontologia, farmácia, entre outras). Se o foco é apenas na questão financeira e você não faz muita questão de uma profissão ou outra, escolher uma dessas é uma forma de garantir o seu futuro.

          Contudo, não ficou claro se sua vontade de fazer psicologia é realmente porque você quer essa profissão e não considera outras ou se apenas pensa que poderia gostar de ser psicóloga, mas sem muito comprometimento. Há alguns pontos que eu posso te ajudar a pensar.

          Psicologia não é uma carreira assim tão desvalorizada. Sim, há muitos psicólogos que não ganham muito, mas há vários fatores a serem considerados, o principal deles o fato de que como profissão liberal, ganhar dinheiro como psicólogo (se a pessoa não tiver um emprego fixo que nesse caso, vai pagar um salário mediano) exige que a pessoa tenha um senso empreendedor e “saiba fazer dinheiro”. Minha irmã, por exemplo, que mora no Brasil, paga R$400 a consulta com um psicólogo que não aceita convênio, enquanto sua ginecologista ganha R$40 por consulta dos convênios dos pacientes. Ou seja, o psicólogo dela ganha 10 vezes mais do que um médico que atende pacientes de convênio (que são a maioria). Conheço psicólogos que fazem mais de R$1 milhão por ano fazendo coaching, e dando cursos e palestras online pelo You Tube e em sites particulares. A psicologia é uma carreira em crescimento já que o estigma de tratamento está morrendo e os psicólogos podem também entrar na onda da auto-ajuda e fazer palestras, cursos, escrever livros sobre tópicos como motivação, inteligência emotional, ansiedade, planejamento de vida, etc. Essas coisas dão muito dinheiro, mas exigem que a pessoa “pense fora da casinha” e não siga a trilha profissional que todo mundo segue.

          Quanto a estudar no exterior, não acho uma boa ideia no seu caso. Não vai acrescentar nada e não vai mudar a sua vida como você pode estar pensando. Pelo contrário, vai custar uma fortuna e no final das contas você terá que voltar ao Brasil e trabalhar aqui.

          Sem Green Card ou cidadania Americana (ou Européia ou de qualquer outro país) você não pode trabalhar nesses outros países. Estudar em outro país e mesmo se formar não lhe dá direito de trabalhar no país onde você estudou e se formou. Estudantes sempre precisam voltar ao seu país de origem. Nos EUA, as únicas carreiras que podem levar a uma contratação depois de formado (e um visto de trabalho) são medicina, engenharias, arquitetura, fisioterapia, farmácia, e áreas da ciência que possuem carência de pessoal capacitado como física nuclear, biotecnologia, robótica, entre outras. Como psicóloga, você não teria como trabalhar nos EUA, mesmo que fizesse toda a formação com mestrado e doutorado. Friso que doutorado é uma jornada extremamente intensa, é muito mais um emprego de cientista aprendiz do que um curso com aulas, trabalhos, e provas. Então se você não tem uma intenção muito firme de se especializar nessa área e seguir esse caminho, um doutorado não é pra você.

          Quanto a um intercâmbio, ele pode ser útil para você melhorar seu inglês (você já precisa saber um bom tanto) e ter uma experiência de vida, mas não vai ter um papel fundamental nos seus planos de futuro. Além disso, intercâmbios são muito caros. Se seus pais não podem arcar com esses custos, é melhor colocar o foco em passar em um bom vestibular no Brasil.

          Te desejo boa sorte e estou aqui para responder mais perguntas caso você ainda tenha dúvidas.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  3. Ola, Diego, sou estudante de psicologia no Brasil, vim residir por um ano nos EUA para melhorar o meu inglês. Tenho a intenção de retomar minha faculdade de psicologia, estou vendo a possibilidade de fazer um College aqui . Você acha que compensaria eu tentar , pois eles têm curta duração seria upgrade muito bom na minha área acadêmica.

    Qualquer melhor caminho a fazer? Eu decidi que quero cursar psicologia fora do país, a menor custo possível é tempo também.

    Obrigado

    Responder
    • Olá Poliana,

      A estrutura da educação nos EUA é completamente diferente da Europa e Brasil (que possuem sistemas parecidos). Então quando você diz “fora do Brasil” é preciso definir se é nos EUA ou na Europa, pois isso faz toda a a diferença. Psicologia nos EUA é doutorado. College de psicologia não vale nada, não forma um psicólogo propriamente dito. Community college então tem menos valor ainda nessa área. Os community colleges não valem nada em termos de carreira, você não poderia aproveitá-los no Brasil nem na Europa. Só seriam válidos como porta de entrada para o sistema educacional nos EUA, para provar que você é capaz de seguir um currículo em inglês, nada mais. Importa muito definir se você quer trabalhar como psicóloga no Brasil, nos EUA, ou em algum outro país, pois isso define qual o caminho que você deve seguir para obter a qualificação adequada. Para praticar psicologia nos EUA, sua graduação não importa, você poderia fazer até mesmo matemática ou letras. Psicologia é uma formação disponível apenas como doutorado. Mestrados oferecem uma formação parcial que nem sempre é válida para a prática da profissão (depende do estado Americano). Se você quer fazer um curso qualquer para melhorar o inglês e ter algo para enriquecer seu currículo quando voltar para o Brasil, onde terminará a faculdade e ficará aqui praticando a profissão, os CCs podem oferecer algum benefício, mas realmente não muito. O papel dos CCs é atender à comunidade local de baixa renda que não consegue acesso (por fatores tanto financeiros quanto intelectuais) a uma faculdade de primeira linha (um curso de 4 anos, como eles dizem). Você já está em um college propriamente dito no Brasil, então você fazer um curso de menor importância pode não trazer muitos benefícios para você como futura psicóloca no Brasil, além da óbvia experiência de vida e melhorar o inglês. Então tem que ver melhor quais são seus planos para o futuro como profisisonal e tomar essas decisões em cima disso.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  4. Olá Diego, sou estudante do ensino médio e gostaria de saber se você poderia me explicar como funciona o sistema SAT? Como seria caso eu passasse? tenho muitas dúvidas, mas estou interessadíssima.
    Obrigada!

    Responder
  5. Olá Diego,

    No caso, acredito que no seu post, tenha sido bem específico com a psicologia Clínica. Mas se eu quiser trabalhar com outras áreas, como Organizacional, Escolar, do Esporte, etc… Como é possível?

    Abraços!

    Responder
    • Olá Fernando,

      Existem três áreas da psicologia que exigem doutorado para licenciamento: escolar, clínica (casos mais graves) e aconselhamento, chamada de counseling (casos mais “light”). Em alguns estados, é possível obter emprego só com mestrado (mas sem poder lidar com pacientes). Em outras áreas que não exigem licenciamento como esportes, provavelmente um mestrado é suficiente, mas só a faculdade não é suficiente em nenhuma área da psicologia. Recomendo que você procure a área em que está interessado no estado específico onde pretende morar (ou mora), pois cada estado nos EUA tem uma legislação diferente para a prática da psicologia.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  6. ola diego eu estou cursando o quinto período de psicologia, e quero fazer inglês e uma especialização em psicologia escolar para ir morar no Estados Unidos,serar difícil trabalhar nessa área?

    Responder
    • Olá Maria do Socorro,

      Fazer uma especialização ou curso nos EUA não lhe dá o direito de morar e trabalhar no país. Você só pode ficar nos EUA pelo período do curso (e não pode trabalhar nesse período). O diploma de psicologia do Brasil não vale nada nos EUA. Psicologia é um curso que nos EUA exige doutorado para que você possa praticar a profissão. Também mantenha em mente que aqui nos EUA não existe essa proliferação de pós graduações como existe no Brasil. Depois da faculdade, a maioria dos formandos ou vai para o mercado de trabalho ou vai fazer mestrado e doutorado. Cursos que só emitem certificado (equivalente às especializações no Brasil) são mais comuns nas áreas de administração ou áreas que exigem certificação (como a área biológica). Não há muitas opções na área de psicologia, justamente porque se a pessoa não tem doutorado, ela tem poucas opções de trabalho.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  7. Olá Diego tudo ótimo com vc?
    Bem,veja só, estou cursando o oitavo período de psicologia e penso em fazer todas as etapas necessárias para me qualificar e enriquecer o meu curriculum (pós-graduação, mestrado e doutorado) nos EUA. E mais, penso não só em me especializar no exterior como penso também em morar e atuar por lá, porém minha dúvida é : Eu poderia automaticamente ao chegar nos EUA buscar uma pós, ou passar por algum processo antes?

    Beijos , Obrigada!

    Responder
    • Olá Jaynne,

      Não. Você precisa fazer isso estando no Brasil. Funciona assim: você faz a matrícula, paga, a escola te envia um documento que serve para você tirar o visto de estudante (não é possível tirar visto de estudante sem autorização de alguma escola em que você já esteja previamente matriculada). Após seu visto ser emitido você pode viajar. Do contrário, você chegaria nos EUA com visto de turista e não é possível alterar o visto para estudante dentro do país. Você precisaria voltar ao Brasil só para fazer isso. Além disso, mantenha em mente que nos EUA não existe muito essa coisa de pós-graduação como tem no Brasil. É só mestrado e doutorado mesmo. O processo de seleção é longo e difícil, exigindo uma série de pré-requisitos e provas. Algumas escolas oferecem alguns poucos cursos a título de certificado (não existe o termo “pós-graduação” no sentido que é usado no Brasil. O termo “pós-graduação” em inglês é pós-doutorado, pois mestrado e doutorado são considerados “graduate school”. Então cuidado com a terminologia ao buscar um curso que seja adequado para você). Também observe que o começo do ano letivo é em Setembro, então as datas limite para envio de documentação e matrícula são em Maio e Junho.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Entendi… Ou seja, terei que ralar bastante, mas do que ralo aqui para exercer minha profissão no exterior! Jesus, praticamente começar do zero não isso? Como é o óbvio, o nível dos estudos lá é outra coisa.
        Obrigada, dúvidas esclarecidas.

        Responder
        • Olá Jaynne,

          Mantenha em mente ao se planejar que simplesmente fazer mestrado e doutorado não lhe dá o direito de trabalhar como psicóloga nos EUA se você já não tiver Green Card or for Americana. Estrangeiros fazendo esses cursos no país, devem voltar ao seu país de origem no final do curso. Nada garante que você poderá ficar e muito menos trabalhar aqui.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  8. Olá…No caso se eu fizesse o meu “college” na Inglaterra,em Oxford, pegaria bem eu ir pro doutorado em Psicologia clínica em Harvard?
    ou…caso eu pretenda morar nos EUA,seria mais conveniente fazer o college por lá mesmo?
    (Harvard é elitista,mas Oxford também não sai perdendo nos rankings de melhor universidade do mundo)

    Responder
    • Olá Wendell,

      Harvard aceita alunos que fizeram college em qualquer lugar do mundo, e é claro, Oxford conta muitos pontos. Isso contando que você vai conseguir entrar em Oxford e depois em um doutorado em Harvard, o que não é garantido, mesmo que você seja um aluno nota 10. Mantenha isso em mente para não se decepcionar se as coisas não acontecerem como você sonha. Sempre considere uma lista longa de escolas possíveis. Estude sobre elas, aprenda como é o processo seletivo de cada uma.

      Uma consideração sobre o doutorado… Ninguém escolhe doutorado baseado em escola, mas sim em algum professor específico que estuda justamente o que você quer estudar ou área de pesquisa. Doutorado não é um curso, é um emprego que vai formar você para trabalhar em uma área bem específica. Escolha a escola errada e você vai ficar emperrado com um departamento que pesquisa coisas que não são do seu interesse. Por isso é tão importante ir atrás de professores específicos, não nome de universidade. Por exemplo, uma conhecida minha tinha como objetivo estudar com o Antonio Damasio (se você gosta de psicologia, você deve saber quem ele é). Ele era professor da Universidade de Iowa (uma escola boa, mas sem nenhum destaque). Ela se preparou para aplicar para essa escola, mas ele mudou para a Universidade do Sul da California. Ela foi atrás. Hoje ela estuda lá com ele.

      Essas coisas só ficam claras depois (pelo menos) de você terminar seu college. Não espere ter isso já certinho desde já. Mas também não se fixe em universidades específicas com relação ao doutorado, pois realmente não é assim que as pessoas escolhem esse tipo de educação.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Harvard não é “a melhor universidade do mundo”, é apenas a mais famosa, Oxford a mesma coisa… Há muitas outras escolas com cursos de maior destaque e qualidade. Principalmente no que diz respeito ao doutorado, como o Diego disse, não importa muito onde você faz, importa quem é o professor com quem você estará trabalhando e qual área de estudo você quer investigar. Se você quer neurociência, por exemplo, o MIT é MUITO melhor do que Harvard nessa área. Se você quer estudar emoção, aí sim Harvard é onde estão as maiores feras no assunto (Buckholtz, Gilbert, Greene). Isso tudo dentro da psicologia… Me parece que você está muito fixado no nome da instituição, mas como o Diego disso, não é assim que funciona com doutorado. O doutorado não é um curso, você não vai sentar na sala de aula, não vai fazer curso nenhum. Você vai trabalhar no laboratório de um determinado professor/cientísta e vai produzir pesquisa científica dentro da área daquele laboratório. Você se forma então em psicologia clínica com experiência em pesquisa em alguma área como neurociência, emoção, cognição, aprendizado e memória, desordens emocionais, consciência, etc. A escolha dessa área é fundamental para sua futura carreira e vai moldar todo o seu doutorado. É possível que ao finalizar sua faculdade, você conclua que Harvard não oferece pesquisa na área em que você tem mais interesse ou que você gosta mais do trabalho de um professor de Stanford ou Brown. É bom saber disso, mas também como o Diego falou, é muito cedo para você pensar nisso. Qualquer conclusão a que você chegar agora invarialmente irá mudar depois que você fizer seu college e tiver mais conhecimento sobre o mundo da psicologia.

      Boa sorte!

      Carlos

      Ps. Entrar em Oxford é (muito) mais difícil do que entrar em Harvard (no college). Baixe a bola e considere outras escolas se você não quiser desperdiçar seu tempo e esforço.

      Responder
    • Vou entrar nessa conversa… rsrs

      Vivo nos EUA há 20 anos e fiz college em psicologia. Considerei fazer o tal doutorado para poder clinicar, mas acabei desistindo e no final das contas acabei indo fazer medicina e hoje sou médica psiquiatra, que nos EUA é 500% melhor do que ser psicólogo (já que 90% dos pacientes querem remédio!).

      O problema é o seguinte: psicologia e farmácia são as únicas profissões que ainda não possuem um curso profissionalizante (graduate) separado da graduate school científica (doutorado). Medicina, direito, veterinária, por exemplo, tem. Você não precisa fazer doutorado para ser advogado, apenas faz college e depois law school. Se quiser fazer doutorado é porque está interessado em pesquisa científica. Em farmácia, ao contrário de psicologia, o doutorado obrigatório é um pouco mais profissionalizante, é um curso rápido de 3 anos, que confere o grau de doutor, mas é um curso propriamente dito, não um doutorado tradicional, com só um pouquinho de pesquisa e uma tese que o aluno escreve e defende (para justificar seu grau de doutor).

      Psicologia é um caso à parte. Como não há curso profissionalizante, todos os interessados em clinicar precisam passar pelo mesmo processo que as pessoas interessadas em se tornarem cientistas e professores universitários. O doutorado em Harvard em que você está interessado pode acabar durando até 9 anos! A média é 6! É uma formação muito mais longa do que qualquer outro curso que forma profissionais, justamente porque o curso não é para formar psicólogos clínicos, mas sim cientistas.

      Se tudo o que você quer é clinicar, evite essas universidades de nome. Há doutorados “expressos” em psicologia clínica em faculdades “sem nome” que você faz em 2 ou 3 anos. Harvard nem sequer oferece um doutorado específico em “psicologia clínica” já que o foco é pesquisa por lá, não prática de consultório. Na realidade, se você disser que sua intenção é clinicar, você não será aceito em Harvard. Eles não querem gente que quer abrir mão de toda aquela educação para se fechar em um consultório e lidar com 1 paciente de cada vez. Harvard treina cientistas! Se você não quer ser professor universitário, evite Harvard.

      Esse é o meu conselho. Me parece que você ainda está muito iludido com “nomes” e só quer poder dizer que fez a escola tal e tal. Esqueça isso. Pense no que você realmente quer fazer com a sua vida e procure a formação mais adequada para atingir o que você quer, independente de nome de universidade.

      Grande Abraço!

      Patrícia

      Responder
      • Patrícia, adorei sua resposta. Ela me abriu para uma outra possibilidade que havia cogitado mas que me parecia ser muito muito mais dificil: fazer o processo para estudar medicina. Eu tenho certeza que eu quero clinicar apenas, por isso o seu conselho de não ficar apegado aos nomes das universidades é muito acalentador. Realmente grande parte dos pacientes que atendo querem remédios e acabo os encaminhando para psiquiatras. Então talvez, seja realmente uma opção, eu seguir para a psiquiatria. Você poderia me auxiliar com essas informações? você tem algum site ou email, para falarmos diretamente?

        Obrigada!
        Abraço!
        Bárbara

        Responder
        • Olá Bárbara,

          A Patrícia digitou o email dela incorretamente quando ela preencheu esse comentário, então ela não receberá sua resposta. Se eventualmente ela voltar aqui no site, ela poderá ver que você repondeu, mas temos que contar com isso. Vou te responder o que eu sei sobre o assunto.

          Medicina, assim como odonto até certo ponto, é muito fechada para estrangeiros. Sem Green Card ou cidadania Americana, não é possível nem sequer participar do processo seletivo. O que sempre indico aqui no site é fazer medicina no Brasil mesmo (MUITO mais fácil de entrar com apenas um teste, seja ENEM ou vestibular, e entra-se sem qualquer pré-requisito além do ensino médio). Nos EUA, as pessoas se preparam durante anos após terminarem uma outra faculdade para estarem qualificados para entrar em medicina.

          Depois de fazer o curso no Brasil, aí sim, é possível vir para os EUA fazer residência (que é o processo de equivalência do diploma). A residência, ao contrário do curso de medicina, não é um “curso”, ou seja, você não paga nada, pelo contrário, ganha. O salário de residente é muito bom.

          Medicina nos EUA só vale a pena se você já está se preparando para entrar no curso desde antes de entrar na primeira faculdade (pois você tem investir muito tempo durante a faculdade para fazer estágios, voluntariado, se envolver com pesquisa científica, etc.) e tem documento para residência nos EUA (até para poder pegar financiamento estudantil como todos os alunos fazem, o curso de medicina custa em média US$200.000 e aqui não se paga por mês, mas por ano). Sem isso, é praticamente impossível.

          Abraços,

          Diego

          Responder
      • Patrícia,
        Gostei muito de suas explicações e fiquei curiosa sobre a formação em medicina psiquiátrica. Como no Brasil, é necessário fazer um curso generalista em medicina e depois em psiquiatria, ou desde o início já é possível afunilar ´para essa área e evitar disciplina como cirurgia e outras?
        Obrigada,
        Ana Paula

        Responder
        • Olá Ana Paula,

          Não é possível “afunilar” para psiquiatria em nenhum lugar do mundo! Todo médico psiquiatra precisa fazer o curso inteiro de medicina e depois fazer residência em psiquiatria. Se qualquer especialidade permitisse esse tipo de “atalho”, esse profissional não seria realmente um médico!

          Abraços,

          Diego

          Responder
        • kkkkk atalho para psiquiatria! Essa foi boa! Princesa, pesquise primeiro sobre as áreas da medicina antes de postar um comentário tosco… O médico psiquiatra prescreve medicação que pode causar a morte de um paciente. Você gostaria de se consultar com um psiquiatra que não é médico formado e não sabe direito o que está fazendo e pegar uma prescrição com ele?

          Responder
      • Não tem data nesses comentários (vocês podiam colocar, né?!), então não sei se essa discussão tem 10 anos de idade ou se é de agora… de qualquer forma, vou colocar aqui minha opinião caso ajude alguém. Essas informações que a Patrícia colocou não estão 100% corretas (desculpe Patrícia, mas talvez você esteja um pouco desinformada).

        Há uma grande e nítida separação nos doutorados de psicologia voltados para a licenciatura (prática da profissão) e para pesquisa (ser professor e cientista). Se a pessoa fizer um doutorado em Harvard, por exemplo, estudando com alguém como Greene, isso será ótimo pra ela, ela será cientísta como o Daniel Goleman (o cara da inteligência emocional, que é de Harvard!) ou Daniel Gilbert. Mas ela não poderá abrir consultório ou lidar de nenhuma forma com pacientes, pois ela será doutora em psicologia sem licença (e sem possibilidade de conseguir uma licença).

        Se, por outro lado, ela fizer doutorado voltado para a prática, ela passará apenas 3 ou 4 anos (menos se ela tiver mestrado) e não fará quase nada de pesquisa, apenas estágio supervisionado. Harvard não oferece esse tipo de doutorado, assim como as outras “famosas” universidades que são voltadas para a pesquisa, não para a prática.

        A prova de licenciamento em psicologia exige que o aluno tenha feito doutorado em algumas instituições específicas, então se essa é a intenção, o estudante deve pesquisar previamente quais são essas instituições e escolher bem o seu programa de curso. Se a pessoa, por exemplo, fizer um doutorado em psicologia escolar, ela jamais poderá se licenciar em clínica (somente se fizer outro doutorado em clínica). Da mesma forma, se ela fizer o doutorado em counseling, ela não poderá atuar na área clínica (que é mais pesada). Veja que clínica nos EUA não é a mesma coisa que no Brasil! Psicologia clínica são só os casos mais “brabos” de problemas mentais. Tudo o mais é counseling.

        Espero ter ajudado e estou disponível para dar maiores esclarecimentos.

        Abraço a todos,

        Martha

        Responder
        • Oi Martha, por curiosidade, a psicologia esportiva, no caso doa pessoa querer trablahar com atletas individuais ou equipes esportivas (em Universidades, times, Associacóes), como funcionaria a graduação e a pós?

          Responder
    • Olá Andréa,

      O doutorado em psicologia é um dos mais longos, podendo levar até 9 anos (em instituições como Harvard). Em média, esse doutorado leva 5 ou 6 anos, independente de você ter feito doutorado em qualquer outra área antes.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  9. Olá! Nas informações que passou, o foco foi mais na área clínica. E se eu quisesse trabalhar na área da saúde? Hospital, por exemplo? O processo é o mesmo? Sou formada em Psicologia no Brasil e tenho especialização de 2 anos. Obrigada!!

    Responder
    • Olá Luana,

      A formação do psicólogo nos EUA é o doutorado, isso para trabalhar em qualquer área da psicologia, até mesmo departamento de RH em empresas e hospitais. A faculdade de psicologia em si não vale absolutamente nada nos EUA. Tanto que se você fizer uma pesquisa no Google, você vai encontrar muitos formandos em psicologia reclamando que não encontram emprego após terminarem a faculdade (undergraduate com major em psychology). Sua especialização também tem muito pouco peso nos EUA, já que aqui pós graduações não são populares.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Infelizmente sua formação não tem validade para prática da psicologia nos EUA, como o autor mencionou. Contudo, adiciono aqui que é muito difícil um estrangeiro sem documentação americana conseguir trabalhar com psicologia no país, pois sendo uma profissão liberal, você precisaria ter green card (pelo menos) ou ser cidadã americana para poder abrir seu consultório. Fazer doutorado não llhe dá o direito de ficar morando e trabalhando no país depois de terminar o curso. E nessa área, a não ser que você permaneça na academia, não é possível obter visto de trabalho. O college de psicologia (equivalente à formação que você tem) é usado pelos Americanos como undergraduate (base) para futuros cursos como medicina, farmácia, veterínária, odonto, direito, e doutorados nas áreas de neurociência, antropologia, e é claro, psicologia em si (clínica ou não). É importante conhecer bem o sistema educacional Americano, assim como o processo imigratório para que você possa tomar melhores decisões.

      Se sua intenção é futuramente morar e trabalhar nos EUA, eu recomendaria que você procurasse outro curso que lhe possibilitasse a obtenção do visto de trabalho após o término.

      Abraços,

      Priscilla

      Responder
    • Indico pesquisar as diferenças entre clinical psychology and counseling (as duas formações que conduzem ao licenciamento que permite trabalhar com pacientes nos EUA). Para trabalhar em um hospital (contando que você tenha autorização para viver e morar nos EUA como já disseram aqui) você precisaria de pelo menos mestrado (especialização nessa área não vale nada) e ainda assim teria que trabalhar sob a constante supervisão de um psicólogo formado (com doutorado e licenciado) e em muitos estados não poderia ter contato direito com pacientes.

      Responder
  10. Olá,
    Só para confirmar a minha linha de raciocínio. Eu sendo psicóloga no Brasil, ao chegar nos EUA posso fazer um mestrado e doutorado e exercer minha profissão naquele país? Considerando que tenho permissão para trabalhar lá.
    E caso eu opte por retornar ao Brasil, esse mestrado e doutorado cursados nos EUA são equivalentes ao mestrado e doutorado do Brasil?

    Responder
    • Olá Lorraine,

      Se você tem permissão para trabalhar nos EUA, se você fizer DOUTORADO (não mestrado), você poderia praticar psicologia no país. Veja que nos EUA, mestrado e doutorado não são cursos sequenciais como no Brasil. As pessoas entram em doutorado direto da faculdade, não sendo necessário fazer mestrado antes. Cada um desses cursos tem seu propósito. Alguns poucos estados permitem prática da psicologia (porém limitada) somente com mestrado, mas “oficialmente”, a formação do psicólogo é o doutorado. Esses cursos, evidentemente, são equivalentes aos cursos no Brasil.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Só tem um detalhe que o autor esqueceu de comentar… não sei se a leitora já pesquisou sobre isso. Não adianta simplesmente fazer um curso superior, com doutorado ou sem, e querer trabalhar nos EUA. Se você não é naturalizada Americana ou não tem Green Card, você não pode trabalhar no país, mesmo se fizer doutorado por lá. Algumas profissões, como engenharia e farmácia, facilitam a contratação por empresas Norte Americanas que solicitam o visto de trabalho. Psicologia, como é uma profissão liberal, não permite esse tipo de visto. Você não pode simplesmente fazer doutorado nos EUA, se tornando psicóloga e então abrir um consultório, passando a viver e trabalhar no país. Não é assim que funciona. Ao final do doutorado, se você não é Americana nem tem green card, você precisaria voltar para o Brasil. Contratação por uma empresa nessa área de psicologia, sendo estrangeira, é praticamente impossível pois o visto de trabalho nesse caso seria negado.

      Quem tiver mais perguntas sobre essa questão de imigração e vistos, pode me perguntar. Sou advogada.

      Abraços Lorraine e boa sorte com seus planos!

      Priscilla

      Responder
      • Ah, agora que vi que você disse que tem permissão para trabalhar nos EUA! Então desconsidere meu comentário. Vou deixá-lo aqui para futuros visitantes que podem ter a mesma dúvida.

        O que posso te aconselhar é procurar as legislações específicas para prática da psicologia nos estados em que você pretende morar nos EUA. Cada estado tem suas leis e regulamentações sobre o que é necessário para praticar cada profissão liberal.

        Abraços,

        Pri

        Responder
    • No caso da psicologia prática (clinical, counseling e school) pode valer a pena fazer mestrado antes (que será em grande parte constituído por estágio supervisionado). Isso economiza tempo depois no doutorado, mas como o Diego disse, não é absolutamente obrigatório fazer mestrado antes do doutorado.

      Responder
  11. Olá, eu tenho 17 anos e pretendo cursar psicologia e gostaria de saber se seria vantajoso e possível fazer faculdade no Brasil e depois mestrado no EUA, além do doutorado depois. Considerando que tenho cidadania americana e poderia trabalhar lá.

    Responder
    • Olá Kelly,

      Isso depende de suas circunstâncias. A faculdade em si de psicologia nos EUA é completamente inútil. Por esse motivo, fazer o curso no Brasil talvez seja mais vantajoso para você. Veja que se você pretende fazer doutorado, não é necessário fazer mestrado primeiro. Nos EUA, os alunos entram direto no doutorado após a faculdade. O papel do mestrado é ou corrigir notas quando a pessoa teve um desempenho fraco na faculdade (e notas botas são necessárias para entrar no doutorado) ou providenciar maior qualificação profissional (contudo, em psicologia, isso não funciona, já que a formação em si é o doutorado).

      Faculdade, assim como mestrado e doutorado nos EUA, geralmente é período integral, então mantenha em mente que apesar de poder trabalhar no país, você provavelmente não poderá fazê-lo, principalmente quando fizer o doutorado (que exige dedicação integral absoluta). Então a decisão de estudar nos EUA pode depender de sua estratégia financeira. Nos EUA, tendo cidadania você pode pegar financiamento estudantil, mas a desvantagem é que você se forma com débito pra pagar, enquanto no Brasil existem as faculdades federais e estaduais que além de muito boas, são de graça. Se você conseguir vaga em uma federal ou estadual, eu realmente indico fazer o curso no Brasil ao invés de começar a acumular uma montanha de débito nos EUA já desde a faculdade.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Vale mencionar que você não precisa fazer faculdade (college) de psicologia para depois fazer doutorado (não mestrado!) em psicologia e ser psicóloga nos EUA. A faculdade para os Americanos não vale nada, é só uma introdução ao mundo acadêmico. É importante entender essa diferença, pois você pode dedicar seus anos de faculdade para fazer algo mais complexo e difícil, o que lhe dará uma “edge” em sua profissão. Depois você faz doutorado em psicologia e pode praticar a profissão nos states. Muitos psicólogos tem sua faculdade em outras áreas, como sociologia, antropologia, letras, literatura, até mesmo ciências como matemática. Poucos fizeram college em psicologia.

      Responder
      • Boa noite!
        Eu faço faculdade de Psicologia no Brasil e futuramente penso em fazer o doutorado nos EUA. Quanto tempo dura esse doutorado? E nos EUA eu poderia pular já pro doutorado? Não precisaria fazer o mestrado antes?

        Responder
        • Olá Tainã,

          O doutorado em psicologia varia muito em duração de instituição para instituição. Como doutorado não é um “curso”, mas sim um emprego de pesquisador, o término depende da defesa de uma tese e quem controla quando o candidato defenderá sua tese é o orientador. Já vi casos de orientadores manterem candidatos à doutores por 10 anos pois são mão de obra barata para o departamento. Doutorados em psicologia clínica costumam ser mais objetivos e “direto ao ponto”, mas mesmo assim o tempo médio é 4 a 5 anos. Doutorados em pesquisa duram em média 6 ou 7 anos. Se você precisa fazer um mestrado antes ou não depende do preenchimento de pré-requisitos para um doutorado já durante a graduação. Se você terminar a faculdade sem qualquer experiência com pesquisa científica, por exemplo, dificilmente você será aceita em um doutorado e precisará fazer um mestrado para obter essa experiência. Mas tudo depende da reputação da universidade. Há instituições que aceitam alunos sem muita experiência e publicações, tem que pesquisar pra encontrar uma que esteja nos parâmetros do que você deseja e ainda seja “accredited” e boa o suficiente.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  12. Olá, eu gostaria muito de fazer uma faculdade nos EUA e gostaria de saber se eu fazendo apenas o college eu poderei exercer a profissão aqui no brasil?

    Responder
    • Olá Layssa,

      College É faculdade! É exatamente a mesma coisa que a faculdade no Brasil. Não deixe com que o nome diferente te confunda! A única diferença é que alguns cursos não estão disponíveis no nível de college nos EUA como estão no resto do mundo como medicina e direito. Então você não poderia fazer esses cursos, mas se fizesse um college e selecionasse uma concentração disponível, você pode voltar para o Brasil e fazer o processo de validação de diploma (que não é fácil, mas é possível).

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Diego,
        Sou formada em Direito, mas estou querendo cursar Psicologia. Minha dúvida é: se eu fizer o doutorado em psicologia nos EUA e voltar para o Brasil eu consigo validar o Diploma e obter inscrição no Conselho de Psicologia?
        Obrigada pelas orientações.

        Ana Paula

        Responder
        • Olá Ana Paula,

          Não. No Brasil, a profissão de psicólogo exige o curso superior em psicologia. Um doutorado nos EUA é apenas um doutorado, não a torna psicóloga no Brasil, somente nos EUA. Contudo, surpreendentemente, o college de psicologia nos EUA (infinitamente mais superficial do que o doutorado) é equivalente à faculdade no Brasil. Então se você fizer uma mera faculdade de psicologia nos EUA (o que para os Americanos é mesma coisa que nada) você pode validar seu diploma e ser psicóloga no Brasil (mas não nos EUA!).

          Isso não faz sentido do ponto de vista da formação e conhecimento que a pessoa adquire, mas é assim que funciona devido aos dois países terem regras diferentes para essa profissão e nenhum dos dois reconhecer as regras do outro.

          Abraços,

          Diego

          Responder
    • Oi Layssa,

      Eu recomendo fazer psicologia no Brasil e depois mestrado/doutorado nos EUA. Isso porque o processo de validação de diploma no Brasil é bem complicado e exige equivalência de diploma ou seja, exige que o curso nos EUA seja no mínimo 75% similar ao curso no Brasil. Não é o caso de psicologia. Os dois primeiros anos de psicologia nos EUA é um mix de redação, línguas, ciências, humanas com o objetivo de aculturar o aluno e prepará para o mundo acadêmico. Os dois últimos anos são matérias bem básicas de psicologia, os alunos no Brasil tem no primeiro ano do curso (que ainda tem duração de 1 ano a mais). Então você chega no Brasil com esse diplominha ralo e vai ter muita dificuldade para validar o mesmo. Acaba tendo que refazer metade do curso de novo no Brasil.

      Abraço,

      Hélio

      Responder
      • Adiciono que mesmo se você fizer psicologia em uma faculdade de ponta como Harvard você terá esse problema. O contéúdo do curso nos EUA não chega nem perto da complexidade do curso no Brasil (que une o conteúdo que o aluno nos EUA depois obtém no mestrado e no doutorado).

        Responder
  13. olá! Pretendo fazer psicologia no Brasil e Doutorado nos EUA.
    Considerando que eu tenha permissão para MORAR nos EUA, eu teria automaticamente permissão para TRABALHAR ou vice versa?
    E pelo o que entendi, eu fazendo Doutorado nos EUA não me torna psicologa no Brasil, apenas nos EUA, certo ?
    Queria saber também se tem alguma área da psicologia me especializando que me daria o direito de morar e trabalhar nos EUA legalmente ou a psicologia em si inteira nao teria esse direito
    Obrigada, e desculpas pelas milhões de perguntas 🙂

    Responder
    • Olá Beatriz,

      Se você tem permissão para morar nos EUA, você precisa me dizer quais são as circunstâncias, pois há “casos e casos”. Em alguns casos, é possível trabalhar no país, na maioria, porém, não é possível trabalhar sem ter Green Card ou ser cidadã Americana.

      Nenhum curso, seja faculdade, mestrado, ou doutorado, dá permissão da pessoa trabalhar no país (ou mesmo morar) depois de terminar o programa. Cursos como medicina são mais fáceis pois como há carência de profissionais nessa área, é mais fácil ser contratado depois de terminar a residência. Isso, contudo, é apenas uma questão de probabilidade, pois nem medicina, nem qualquer outro curso permite com que a pessoa possa permanecer no país depois do término.

      Psicologia é uma área muito, mas muito difícil de você conseguir permanecer no país depois de terminar o doutorado. Isso porque é uma área com excesso de profissionais e que não contrata muito, pois a profissão em si é praticada por profissionais liberais. Só é possível ter um consultório ou praticar a psicologia como profissional autônomo com Green Card ou cidadania (nenhum visto permite isso).

      Nenhuma área, nem da psicologia, nem qualquer outra, automaticamente te dá direito de trabalhar no país. Algumas áreas, como eu mencionei, facilitam o processo imigratório por serem altamente especializadas como medicina e engenharia, mas mesmo assim, não existe nenhum “direito” para formados nessas áreas. Tudo depede de um empregador contratar a pessoa, provar que nenhum Americano pode fazer o que ela faz (o que nessa era Trump está muito difícil!) e aplicar para o visto de trabalho. É o empregador que faz isso, não o empregado, por isso o empregador precisa ter **extremo** interesse na pessoa. Isso custa muito dinheiro para as empresas. Por esse motivo, a pessoa realmente precisa ter uma combinação de formação e experiência profissional que o empregador não está conseguindo encontrar nos EUA. Há um número limitado desse tipo de visto por ano e esse número foi reduzido ainda mais recentemente, o que torna a liberação desse tipo de visto rara e geralmente obtida somente por grandes empresas (que trazem engenheiros ultra especializados) e hospitais que contratam médicos também ultra especializados.

      É bom traçar uma estratégia de forma que você não precise contar com isso se quiser imigrar para os EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  14. Olá pessoal!
    Agradeço desde já se puderam ajudar na minha dúvida:
    Eu sou formada em Direito no Brasil e pretendo fazer uma segunda graduação, em psicologia.
    No Brasil os cursos de psicologia duram 5 anos. Como o meu diploma em direito vale como undergraduate nos EUA, pensei em fazer um mestrado lá, que dura entre 2 e 3 anos.
    Gostaria de sabe se eu poderia validar esse mestrado no Conselho Federal de Psicologia no Brasil para atuar como psicóloga aqui no Brasil.
    Nos EUA alguns Estados permitem a atuação em algumas areas da psicologia apenas com o mestrado, enquato outros Estados exigem o doutorado.
    Então a minha duvida é se o mestrado em psicologia nos EUA vale como uma graduação em psicologia no Brasil.

    Responder
    • Olá Camila,

      Não, de forma alguma. No Brasil, somente a faculdade forma o psicólogo, independente das regras de outros países. Além disso, veja bem… “leia nas entrelinhas” quando você vê algo que diz que “alguns estados nos EUA permitem prática da psicologia só com mestrado”. Isso é muito enganoso! O que isso quer dizer é que em alguns estados, a pessoa pode obter EMPREGO na área sob a SUPERVISÃO de um psicólogo propriamente dito (pessoa com doutorado e licenciada). Não é possível abrir consultório e clinicar ou lidar diretamente com pacientes com mestrado nos EUA (em nenhum estado). Em alguns sites, você pode encontrar uma listagem por estado das atividades específicas que é possível fazer só com mestrado nesses ditos estados que permitem a “prática com mestrado”. Você vai ver que é bem limitado. Ainda há outro aspecto a ser considerado caso queira realmente mudar para essa área. Somente alguns mestrado e alguns doutorados em psicologia conduzem à autorização para fazer a prova do licenciamento. Não é qualquer mestrado e qualquer doutorado em psicologia. A maioria conduz simplesmente a uma carreira acadêmica, sem qualquer possibilidade de contato com pacientes. Se você tem oportunidade de estudar nos EUA, mas quer voltar para o Brasil para praticar psicologia, o ideal é fazer a faculdade propriamente dita. Começando em community college e depois transferindo para 4-year college, e fazendo testes CLEP para acelerar o processo (procure no Google o que é esse CLEP se você não sabe), é possível fazer psicologia em 2 ou 3 anos. Daí sim, você volta pro Brasil, faz a prova do licenciamento, valida seu diploma e pode praticar a profissão.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  15. Boa tarde, hoje eu curso psicologia no Brasil, mas tenho o green card. Gostaria de validar meu curso nos estados unidos para voltar a morar com minha familia. Pensei em fazer uma pos, porem voce fala em mestrado no texto, e possivel fazer o mestrado nos eua sem ter feito uma pos ( nao sei por acentos ainda nesse teclado, desculpe )

    Responder
    • Talvez o que tenha te confundido é qie o autor diz que psicologia é “pós”, só que é preciso entender que o motivo que ele usou esse termo foi explicar que é necessário já ser formada em alguma coisa (qualquer coisa) antes de poder fazer psicologia nos Estados Unidos. Não é necessário ter faculdade em psicologia para ser psicologo nos Estados Unidos. Então algumas pessoas podem ler isso e achar que é preciso fazer pós igual existe no brasil, mas não! Não é assim! Essa “pós” é doutorado! Não se usa esse termo “pós” nos estados unidos, a não ser para indicar pós-doutorado (postdoc). O tipo de curso que é equivalente à pós-graduação como existe no brasil é chamado de certificate courses, que como o autor disse, não vale muita coisa e principalmente, você não precisa disso para depois fazer mestrado, para depois fazer doutorado! Você vai direito pro doutorado, podendo o obter o título de mestre no meio do caminho (ou não). Se você foi chegar no país sem publicações científicas e sem experiência nessa área, talvez seja necessário fazer um mestrado primeiro, pois o que determina a entrada em um programa de doutorado é o currículo de pesquisa do aluno. não sei como isso funciona na área clínica (a minha é pesquisa), então vale a pena dar uma pesquisada online.

      Desculpe os erros de portugues, estou no celular.

      Boa sorte!

      Bianca

      Responder
      • Correto Bianca! Obrigado pela dica! Não sei se foi isso o que confundiu a leitora, mas vou atualizar esse artigo para explicar melhor o que quero dizer com “pós”. Definitivamente não tem nada a ver com pós da forma como existe no Brasil!

        Responder
    • Olá Pamella,

      O curso de psicologia (graduação) não tem muito peso nos EUA, você não pode fazer praticamente nada com ele. É considerado apenas um “4-year degree” e para efeitos de emprego, é equivalente à administração de empresas, sociologia, filosofia, etc., no sentido de que um empregador pode pedir um diploma “genérico” em qualquer coisa para uma posição de escritório. Acredito que você tenha entendido isso pelo texto, mas enfatizo aqui para explicar o processo a seguir: psicologia nos EUA tem duas linhas em que a pessoa pode se especializar: acadêmica (pesquisa) e clínica. Ambas exigem doutorado (não mestrado, e definitamente, não pós!).

      Mestrado não é necessário, mas pode ser feito. Nos EUA, alunos que querem seguir carreira que exige graduate school geralmente entram direto no doutorado depois da faculdade. Mestrado é uma coisa mais profissional ou necessário caso o aluno tenha tido desempenho fraco na faculdade ou não tenha nenhuma experiência com pesquisa científica. Não é necessário fazer pós para depois fazer mestrado (nem nos EUA, nem no Brasil!). Pós, inclusive, é algo bem raro aqui nos EUA porque não tem muito peso.

      Se você quer clinicar em psicologia, você precisa procurar doutorados específicos em psicologia clínica, escolar, counseling (um tipo de orientação vocacional), ou área que seja prática. Qualquer outro doutorado em psicologia a treinará para fazer pesquisa (ser professora universitária) e não permitirá com que você possa abrir consultório ou lidar com pacientes em qualquer ambiente. Se é isso o que você quer, as opções são muitas, incluindo as melhores universidades do país (como Harvard e Yale).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  16. Boa tarde,

    Sou formada em Psicologia (bacharel) aqui nos EUA e gostaria de saber se a minha faculdade é valida no Brasil? É possível obter o CRP? Como posso fazer a revalidação?

    Obrigada.

    Responder
    • Olá Domenica,

      Olha, essa é uma questão polêmica que depende de muitos fatores. Quem faz a validação de diplomas de undergraduate (faculdade) no Brasil são as universidades federais (que são tradicionalmente muito chatas!). Você terá que levar seu diploma (traduzido, com todas as documentações, etc.) e iniciar o processo de validação pela federal do estado onde você tem residência no Brasil (isso é obrigatório). Eles farão uma equivalência entre o diploma que você tem e o curso que eles oferecem de psicologia. Para qualquer outro curso, isso não é um problema, mas em psicologia, é complicado.

      O problema é que psicologia nos EUA, como você sabe, se profissionaliza durante o mestrado e o doutorado. Somente doutores podem se licenciar e praticar a profissão plenamente. Uma pessoa só com um undergraduate não pode fazer nada dentro da área da psicologia, somente ter emprego supervisionado por alguém que seja psicólogo propriamente dito. Por esse motivo, o curso de psicologia nos EUA é muito fraquinho. Metade do curso, como todos os outros undergraduates, é constituído por formação geral em humanas, ciências e ciências sociais. Muita filosofia, sociologia, literatura, inglês, antropologia, até mesmo biologia e matemática costumam fazer parte de um currículo de psicologia nos EUA. Se você olhar a distribuição do curso de psicologia em qualquer universidade federal no Brasil você cai de costas. Você vai ver que você não estudou nada daquilo nos EUA. As matérias específicas no máximo ficam por conta de coisas teóricas em áreas que o aluno mesmo escolhe.

      Se você não fez estágio supervisionado, isso é um problema ainda maior. O aluno de psicologia no Brasil passa centenas de horas ao longo do curso fazendo estágio (em todas as áreas da psicologia). Nos EUA, tudo isso é opcional e quando o aluno escolhe, ele escolhe a área específica que ele tem interesse. Enquanto no Brasil, o aluno que não quer saber de psicologia escolar é obrigado a fazer um tanto horas de estágio em escolas, nos EUA, se ele não tem interesse nessa área, ele não vai ter qualquer aula sobre isso, muito menos fazer estágio.

      Quando o comitê de avaliação encara um diploma de psicologia desses, muito diferente do que eles oferecem (além de 1 ano inteiro a menos), existe a chance de que a equivalência seja negada. A reputação da universidade nesses casos pesa muito. Um diploma de psicologia de Harvard seria aprovado com equivalência facilmente, mesmo que na realidade, o aluno tenha tido uma formação significativamente mais pobre do que um aluno em qualquer universidade federal no Brasil (isso se tratando especificamente do curso de psicologia). Um diploma de uma faculdade local e pequena, aí já não é possível dizer. Cada caso é um caso.

      Se você não fez estágio supervisionado em clínica ou counseling, o que eu recomendo que você faça é procurar um mestrado em psicologia clínica (ou counseling) para que você complemente sua formação da forma como ela teria ocorrido se você tivesse feito a faculdade no Brasil. Aí sim, com as horas de estágio que você fizer no mestrado, além do currículo mais aprofundado, você pode argumentar que procurou complementar as deficiências do diploma americano e está, portanto, capacitada para atuar como psicóloga no Brasil.

      Reitero que esse dilema ocorre somente com psicologia pois como o college (undergrad) não forma profissionais, o curso na realidade não é “de psicologia”, é uma formação em artes liberais com concentração em psicologia. Isso não existe no Brasil, por isso gera uma confusão enorme. No Brasil, a instituição tem que dar conta de formar em 5 anos um profissional capacitado para lidar com pacientes. Nos EUA, espera-se que o aluno gaste 4 anos no college tendo uma formação cultural generalizada e depois mais 4 a 6 no doutorado para ser capaz de fazer o mesmo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • O que o Diego disse procede. Fiz psicologia em uma universidade estadual nos EUA (boa, mas sem “nome”), depois voltei ao Brasil e a UFRJ não quis validar o diploma. Eles disseram exatamente o que o Diego disse, que eu não tinha nada de estágio e que o curso que eu fiz foi muito “ralo”, cheio de matérias inúteis e pouca psicologia de fato e o que tinha de psicologia era praticamente só introdutório, com poucas matérias avançadas. No final das contas, para poder praticar no Brasil, tive que cursar 2 anos na UFRJ, fazendo estágio supervisionado e diversas matérias avançadas (e muito mais puxadas do que eu tinha feito nos EUA). Depois de me formar e a raiva ter passado eu tenho que concordar com eles. Uma pessoa formada em psicologia nos EUA (sem mestrado e doutorado) não tem qualquer preparação para atender pacientes. O curso no Brasil é equivalente ao que os alunos nos EUA aprendem também no mestrado e doutorado, por isso o profissional no Brasil sai preparado. Não dá pra chegar no Brasil com um diploma de liberal arts e querer tratar gente com sérios problemas emocionais. Eles precisam realmente ter cuidado. O que eles mais olham é quantas horas de estágio você fez, e em quais áreas. Se você estagiou em diversas áreas e conta com muitas horas de prática, é possível que você tenha sorte e não tenha que fazer anos adicionais ou fazer mestrado como o autor sugeriu. Caso não tenha feito estágio, eu te indico corrigir esse problema antes de iniciar o processo.

      Boa sorte!

      Bianca de Souza

      Responder
  17. Diego, muito obrigado pelo artigo. Sou formado, já tenho até mestrado e doutorado em outra área (direito), mas quero, futuramente, atuar como psicólogo clínico no Brasil. O grande problema é conseguir conciliar a faculdade com meus horários de trabalho. Por isso, pensei em fazer o bacharelado nos EUA. Vi que boas universidades oferecem curso online (por exemplo, a Universidade de Massachusetts, que tem boas referencias). Você acha que, sendo uma faculdade online, ainda que seja faculdade conceituada, as chances de validação do diploma no Brasil seriam pequenas? Em São Paulo, qual a universidade responsável por validar o diploma?

    Muito obrigado!!

    Responder
    • Olá Bruno,

      A validação do diploma de psicologia é um dos processos mais difíceis no Brasil com diploma dos EUA. Não é algo direto, não é só chegar no Brasil com diploma dos EUA e validar. A validação é feita pela universidade federal do estado onde você tem residência no Brasil e eles são extremamente criteriosos. Há outros comentários aqui nesse artigo sobre esse processo de validação em que outras pessoas relataram que suas respectivas federais se recusaram a validar diploma de psicologia dos EUA – e nesses casos não foram online. O problema é que psicologia nos EUA é apenas mais um major de college, não é uma faculdade que forma o profissional psicólogo que vai lidar com pacientes (isso quem forma é o mestrado e doutorado especificamente em psicologia clínica ou counseling). O currículo do curso aqui é significativamente diferente e mais superficial do que o de qualquer universidade de psicologia no Brasil, principalmente as federais. Além disso, ao fazer o processo de validação, as instituições no Brasil consideram inúmeros fatores, inclusive quantas horas de estágio você fez durante o curso, em que áreas foram esses estágios (no Brasil, o aluno de psicologia estagia em todas as maiores áreas da psicologia), o rigor do curso, sua monografia (pesquisa científica) e a reputação da escola. A UMass é uma universidade boa, mas um curso online pegaria muito mal em uma avaliação posterior no Brasil. Há uma grande diferença entre fazer um curso como economia ou sociologia online e fazer psicologia, que no Brasil, é um curso altamente prático. Eu recomendaria que você procurasse a federal de São Paulo para conversar com o departamento de psicologia sobre a sua situação. Mostre pra eles o currículo da UMass online e pergunte se eles validariam um diploma com esse currículo. O mais provável é que eles digam que você pode até fgazer o curso, mas depois terá que fazer 1 ou 2 anos adicionais no Brasil para fazer os estágios e uma monografia.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  18. Oi Diego,

    Achei este link pela internet pois meu filho pensa em fazer psicologia para atuar na area de psicologia esportiva, ainda não sabe se nos USA ou aqui no Brasil ou em outro país. O fato é que ele tem a possibilidade de cursar o college nos USA por ser tenista juvenil, podendo obter uma boa bolsa atletica.
    Neste caso, qual seria seu aconselhamento? Talvez ele já deva direcionar o college pra psicologia e depois emendar um Mestrado tentando adequar as materias com as de uma Universidade brasileira num primeiro momento? Ele deve seguir a area de Counselling para atuar na area esportiva?

    Responder
    • Olá Giliane,

      O college de psicologia nos EUA é completamente inútil. Essa formação não permite a prática da psicologia nem nos EUA, nem no Brasil. Como explico no artigo, a formação de psicologia nos EUA é o doutorado. A maioria dos psicólogos que eu conheço não tem college em psicologia. Alguns fizeram sociologia, outros filosofia, tenho um amigo que fez matemática e hoje é psicólogo. Estou te contando isso só para ilustrar que o college não tem impacto nenhum na profissão futura da pessoa. Contudo, se ele pretende um dia poder praticar psicologia no Brasil ele PRECISA fazer o curso no Brasil. O Brasil não aceita o curso (college) de psicologia feito nos EUA pois o curso é muito ralo, não tem nenhum estágio supervisionado e nem 1/3 do conteúdo específico dado nos cursos no Brasil. Por outro lado, ele pode fazer o curso no Brasil e vir para os EUA fazer mestrado e doutorado, se tornando psicólogo aqui também. Nesse caso, ele poderá praticar em ambos os países.

      Área de counseling é orientação vocacional, geralmente em escolas, mas é possível fazer counseling e trabalhar com esportes. Para essa área, tanto faz fazer mestrado e doutorado em clínica, esportes, ou counseling.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  19. Olá, Diego!
    Vou me casar nos EUA na Califórnia. Estou em dúvida em qual universidade dar continuidade nos estudos em Psicologia, onde no Brasil estudava na federal de São João Del Rey MG e estudei ate o sétimo período. Peço por gentileza, me indicar na região de Irvine e Lagunas na Califórnia onde estudar, dar continuidade na faculdade de psicologia iniciada no Brasil e depois mestrado ou doutorado voltado para a área de Psicologia Hospitalar ou clínica.

    Grata pela atenção
    Klenia

    Responder
    • Olá Klenia,

      O currículo de psicologia no Brasil é completamente diferente do currículo nos EUA. Nos EUA, metade do curso é um mix de humanas, ciência sociais não relacionadas à psicologia, matemática, e ciências puras (biologia, química, etc.) e a outra metade faz matérias mais ligadas à psicologia, mas a maioria muito diferentes das que são oferecidas no Brasil. Eu recomendaria terminar o curso no Brasil. O curso feito nos EUA não tem validade no Brasil se você resolver voltar mais parte. Na região de Irvine tem a sensacional Universidade da California – Irvine (https://uci.edu/), que está entre as melhores instituições do país.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  20. Boa tarde.

    Não sei se você vai poder me auxiliar com uma dúvida.
    Sou psicologa no Brasil e estou pensando em me cadastrar em uma plataforma para atendimentos online, plataforma essa do Brasil, porém tenho intenção de me mudar em breve para os EUA. Posso continuar com esses atendimentos pela plataforma, atendendo Brasileiros, porém morando nos EUA?

    Obrigada e parabéns pelo trabalho!

    Responder
    • Olá Jessica,

      Sim, você pode ter um negócio online que atende público de qualquer lugar do mundo. Isso até é muito comum aqui nos EUA com tanto imigrante mantendo negócios diversos pela internet. A questão fiscal, contudo, independente de onde estão os seus clientes, mas onde está você. Se você mora nos EUA, você deve imposto para o estado onde mora e para o país. Fiscalmente, será como se seus pacientes estivessem nos EUA. Isso é irrelevante.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Questão interessante Diego. E não sei se tão irrelevante. Olha a dúvida que surgiu: o cliente brasileiro vai querer deduzir o valor dos atendimentos do Imposto de Renda do Brasil. Como ficaria a situação do imposto? Ele declararia nos dois países?

        Responder
        • Olá Michael,

          As pessoas “consomem” serviços e produtos de vendedores e profissionais no exterior o tempo todo, principalmente hoje em dia com a internet (mas isso já ocorria antes da internet). Isso não é problema do ponto de vista contábil. O cliente é claro não declara nos dois países, somente no país onde ELE pessoalmente deve impostos. O cliente guarda o “recibo” (lembrando que nos EUA não existe nota fiscal, só recibo) e se for auditado, a receita que se vire para verificar a fonte (se for o caso). Lembrando que gastos no exterior também podem ser comprovados com extrato de cartão de crédito e isso geralmente é tudo o que é necessário.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  21. Olá, tudo bem?
    Eu queria saber no total (college e universidade) quantos anos seria para se formar, para assim poder exercer a profissão e abrir um consultório?
    Se não for incomodo também gostaria de saber quantos anos levam para a exercer direito no total.
    Grata!

    Responder
    • Olá Julia,

      Psicologia depende, pois como precisa de doutorado para praticar a profissão nos EUA, o tempo pode variar. Doutorado não é um curso, mas sim um emprego de cientista/pesquisador. A tese do “aluno” precisa ser aprovada e defendida para uma banca. A timeline desse processo pode levar de 4 a 9 anos, depende da instituição, do professor orientador específico que a pessoa acabar pegando, da facilidade com que a pessoa procede com sua pesquisa e autoria da tese, e muitos outros detalhes. Para entrar no doutorado de psicologia (que no caso de você querer clinicar precisa ser em uma área que permita esse licienciamento – nem todas as áreas da psicologia permitem lidar com pacientes) o aluno precisa de um college que geralmente leva 4 anos, mas pode levar mais, e esse doutorado, então eu diria que para se formar psicólogo nos EUA, você precisa de 8 a 12 anos ou mais.

      Direito é um curso de apenas 3 anos e não é doutorado. Para entrar em direito é necessário college (4-5 anos), então para se formar em direito, o aluno precisa de 7 a 9 anos, dependendo de quão rápido conseguir fazer seu currículo.

      É importante frisar contudo, que ambos os cursos não permitem com que o estudante, depois de formado, possa trabalhar nos EUA e nessas duas áreas especificamente, você não pode trabalhar no Brasil com esses diplomas. Então se você não é cidadã Americana, nem tem Green Card, não vale a pena fazer nem psicologia, nem direito nos EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  22. Olá, gostaria de saber se posso cursar o College,em psicologia, voltar ao Brasil e cursar o direito, pois gosto de uma parte da psicologia que se encaixa bem no direito e ajudaria bastante, e acabarei o ensino medio com 16, eu teria idade para fazer faculdade lá?
    ps: tenho 13 e to no 9° ano, mas ja me preocupo bastante

    Responder
    • Olá Letícia,

      A idade não é problema, contudo, acredito que fazer faculdade nos EUA, para depois voltar ao Brasil e fazer outra faculdade em uma área completamente diferente demonstra falta de foco. Se você apenas gosta de psicologia, mas quer ser advogada, você pode aprender muita coisa apenas lendo livros. Ninguém aprende nada secreto na faculdade, tudo o que se aprende na faculdade está publicado em livros. Se você não precisa de um determinado diploma, ler os livros é melhor do que perder o seu tempo fazendo um curso universitário. Por outro lado, nada impede com que você faça direito no Brasil e depois venha aos EUA para fazer uma pós-graduação ou mestrado em psicologia. Fazer duas faculdades não faz muito sentido…

      Abraços,

      Diego

      Responder
  23. Eu to em duvida queria mt fazer faculdade (colege) no USA mas tenho medo de ser mais difícil… sera que é melhor fazer facul aqui no brasil depois ir pro USA? Tenho família la americanos ja

    Responder
    • Olá Elisiane,

      Que nada! Faculdade nos EUA é MUITO mais fácil do que no Brasil (isso comparando com as universidades federais). Vou te dar o exemplo do meu sobrinho que era um péssimo aluno no Brasil, reprovou de ano várias vezes, chegou a ser expluso de uma escola de ensino médio, fez uma faculdade de baixa qualidade e teve notas medíocres. Chegou aqui e resolveu fazer outra faculdade, só tira 10! Ele diz que não consegue acreditar como são fáceis as matérias aqui. O que é diferente e que pega muita gente despreparada é que o rigor de lições de casa e trabalhos é muito maior. Há responsabilidades semanais que os alunos precisam manter. Há muito trabalho escrito (escrever artigos científicos, redações avaliando livros, filmes, etc.) e provinhas semanais (chamadas de quizzes). Essas coisas não são feitas no Brasil ou são muito mais relaxadas. Se a pessoa tem disciplina, ela consegue manter esse tipo de tarefa em dia e as provas em si são mais fáceis do que em escolas e faculdades de alto nível no Brasil. O aluno Americano só vai ver dificuldade de verdade em mestrado e doutorado ou se fizer cursos superiores como engenharia, matemática, física, ou qualquer outra ciência – mesmo assim, acredito que os respectivos cursos de engenharia e ciências nas faculdades Brasileiras são mais difíceis.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  24. Pra medicina funciona da mesma forma? Vc faz o college e depois a “faculdade”? Caso eu tivesse uma graduação no Brasil, poderia fazer a “faculdade” nos eua de medicina? No caso de psicologia o doutorado pra ser psicologa, n sei se com medicina funciona da mesma forma mas se sim, seria so fazer doutorado em medicina?

    Responder
    • Olá Nathalia,

      Sim e não. Medicina também requer uma faculdade antes, mas é muito mais complicado do que psicologia. Nós temos aqui um artigo especificamente sobre medicina: http://www.guiadavida.com.br/educacao/estudar-no-exterior/como-estudar-medicina-nos-estados-unidos.htm

      Resumindo, o processo de entrada em medicina envolve inúmeras “peças” em um quebra-cabeças enorme. Além disso, a possibilidade de entrar em medicina nos EUA com um diploma de faculdade de outro país é praticamente zero. Também é necessário ser Americano ou ter Green Card. O recomendado nesse caso é fazer medicina no Brasil e aplicar para residência nos EUA, se sua intenção é morar e trabalhar por aqui no futuro.

      Medicina, ao contrário de psicologia, é apenas mais uma faculdade em cima de outra, não é doutorado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  25. Boa noite, sou graduada em Psicologia pela Universidade São Judas Tadeu ( 2014), atualmente moro nos EUA e sou residente permanente . Quero atuar aqui na área de Psicologia Clinica e já pesquisei alguns programas de doutorado como PsyD que é focado na prática ( diferente de PHD que o foco é em pesquisa). Gostaria de saber se posso aplicar para esses programas de PsyD ( doutorado ) aqui, tendo em vista que tenho Bacharel no Brasil. Já estou estudando para o GRE ( que as universidades exigem) e também tenho o GED ( diploma que equivale ao High School daqui) e no Brasil tenho meu TCC ( trabalho de conclusão de curso )publicado em um revista científica de baixa visibilidade. Eu poderia aplicar para o doutorado aqui ou teria que estudar algo antes ?Essa é minha maior dúvida. Obrigada

    Responder
    • Olá Aline,

      O diploma do Brasil vale tanto quanto o daqui, inclusive o curso no Brasil é muito melhor e mais completo do que a graduação em psicologia aqui (college) pois aqui o aluno não sai da universidade podendo praticar a profissão, ele ainda tem muito chão pela frente. No Brasil, em 5 anos o aluno precisa sair pronto para atender pacientes, isso torna o curso no Brasil muito mais completo. O GED não será necessário, pois se você tem um curso superior, subentende-se que você tenha completado o ensino médio. É importante fazer uma lista das escolas para onde você enviará sua aplicação, pois cada uma exige que o diploma seja traduzido e autenticado por uma instituição diferente. O diploma pode ser traduzido no Brasil ou em outra instituição, mas precisa ser “validado” por uma empresa de confiança da universidade. Você também precisará prestar o TOEFL, mas mantenha em mente que o resultado vale apenas 2 anos. Existe uma variedade muito grande de programas de PhD e PsyD, uns do tipo que é só aplicar que entra e outros que você precisa ter um currículo invejável. Muitos psicólogos clínicos preferem fazer PhD e não PsyD pois é um diploma mais respeitado e nem todos se focam em pesquisa. Um PhD em psicologia clínica visa formar um psicólogo clínico, evidentemente, então apesar de ser PhD o foco não é em pesquisa. Mas isso é detalhe… Não é necessário estudar nada antes para a maioria das escolas, mas se você tem intenção de aplicar para uma instituição mais renomada, talvez seja necessário fazer um mestrado antes. Muitas universidades querem ver seu desempenho em um currículo em inglês. Há também inúmeros programas online ou híbridos (em que você faz algumas aulas online e outras no campus). É importante sempre verificar a “acreditation” da universidade para saber se seu diploma será válido no estado onde você pretende atuar. Também é importante manter em mente que uma vez que você se forme você terá que se licenciar no estado onde mora e não poderá atuar em nenhum outro estado (sem se licenciar no outro estado também).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  26. Olá, Diego!

    Minha formação prevista em psicologia está para o primeiro semestre de 2021, com isso, posso ir para os EUA e fazer um doutorado para poder atuar como psicólogo (seja clínico ou qualquer outra área) no país, ou preciso fazer um mestrado por exemplo aqui no Brasil ? Um forte abraço!

    Responder
    • Olá Willian,

      Você não mencionou se tem autorização para viver e morar nos EUA (Green Card ou cidadania). Caso negativo, fazer um curso no país não lhe dá direito de continuar no país e trabalhar após completar o mesmo. No caso de psicologia é ainda mais complicado, pois como é uma profissão liberal, você não receberia visto de trabalho para abrir seu próprio consultório, por exemplo. Visto HB1 (visto de trabalho) é geralmente dado apenas para profissionais de engenharia, medicina, e outras áreas técnicas como ciência da computação (áreas em que há carência de profissionais nos EUA). Se você quer simplesmente fazer um doutorado em psicologia para depois voltar ao Brasil, você pode, e não é necessário mestrado antes, a não ser que você tenha gaps em seu currículo acadêmico. Mestrado serve apenas para fins diretamente profissionais (não em psicologia) ou para alunos cuja aplicação para um doutorado seria insatisfatória.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Flávio,

      O curso em si não é muito concorrido, se você puder pagar o curso e se manter aqui enquanto faz o curso sem trabalhar, não tem porque não fazer. Mas em termos de obtenção de visto de trabalho, há 2 tipos de visto H1B, o EB-3 é o visto para quem acaba de terminar o bacharel ou tem pouca experiência. Esse visto demora de 4 a 7 anos pra sair e é muito concorrido. Já o EB-2 requer no mínimo mestrado ou 5 anos de experiência relevante e comprovada. Esse sai imediatamente. Então o ideal é que você pondere se vale a pena vir fazer o curso aqui, pois ao terminar o bacharel você não será “elegível” ainda para conseguir um visto de trabalho, teria que fazer um mestrado pelo menos para conseguir emprego seguindo o visto de estudante.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  27. Por gentileza, responda minhas dúvidas.
    Quero trabalhar somente nos EUA e possuo Green Card.
    Tenho uma graduação de licenciatura em História e quero ser psicólogo clínico. Não fiz nada cientifico, nenhuma publicação. Obviamente não poderei partir para o doutorado.
    Para tentar um mestrado, primeiramente devo pedir uma avaliação do meu diploma de Geografia, por exemplo, a World Education Services, para saber se é equivalente a um curso em graduação pelas organizações reconhecidas nos EUA. Certo? Depois disso, devo prestar o TOEFL e GRE. Aí sim, procurar um mestrado em psicologia clinica.
    Penso também em procurar um mestrado online. Isso facilitaria minha vida nesse momento mas não sei se é uma boa opção e se isso ajudaria a entrar no doutorado mesmo sendo online. E esses mestrados online posso fazer morando no Brasil? Estou ciente que não serei licenciada. Você tem indicações de mestrados respeitados? Como descubro se aquele programa de mestrado da faculdade é serio?

    Obrigada pela atenção.

    Responder
    • Olá Maria Madalena,

      Vale a pena dar uma pesquisada em mestrados e doutorados clínicos, pois muitos não exigem experiência com pesquisa. Ou você pode fazer um mestrado primeiro e depois fazer o doutorado (se a instituição em que você está interessada lhe recomendar isso). O importante é você entrar em contato com os departamentos de admissão das faculdades em que tem interesse, pois cada uma tem regras diferentes. Inclusive, não traduza seu diploma sem antes conversar com as universidades, pois cada uma exige que você traduza suas credenciais estrangeiras em uma instituição de preferência deles.

      Mestrados online tem que pesquisar muito bem, pois muitos não são acreditados, então eles não vale nada. Também é preciso avaliar se um mestrado online é útil para psicologia clínica. Eu sei que muitos são bons para pesquisa (como o mestrado da Harvard Extension School, por exemplo), mas se a pessoa quer clinicar ela precisa fazer estágio em clínicas e isso não é possível com um curso online (principalmente se você está em outro país).

      Há muitos cursos (mestrado e doutorado) híbridos hoje em dia, em que você faz um tempo de residência na faculdade – e os estágios que elas exigem – e o resto online. Há inúmeras formas de saber se um curso é legítimo. Hoje em dia, as pessoas postam opiniões sobre tudo quanto é serviço que elas consomem na internet. Isso é um começo. Investigar a “accreditation” da instituição é outro passo. A universidade precisa ser “accredited”. O site USNews é uma autoridade em universidades Americanas, você pode obter informações confiáveis lá. O que posso te dizer é evite como a praga sites que “se dedicam” a recomendar faculdades e cursos. Esses sites ganham comissões justamente das piores universidades online como Phoenix, Walden, SNHU, Grand Canyon University, e Capella. Hoje em dia, praticamente todas as grandes universidades como Harvard e Johns Hopkins oferecem cursos online. Prefira essas instituições.

      Mas tudo isso é coisa que você tem que pesquisar nos sites das universidades em que está interessada e entrar em contato com cada uma delas. É possível sim fazer doutorado em psicologia clínica sem experiência em pesquisa. A pesquisa é mais necessária se a pessoa quer ser acadêmica.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  28. Hola Diego,

    Sou americana filha de pais brasileiros. Achei muito informativo o seu artigo porém você está bem equivocado quando diz que o college em psicologia aqui não serve pra nada e que conhece pessoas com esse degree sendo recepcionistas. Não é bem assim não. Se você for no indeed.com você verá inúmeros job postings em que só o bachelors em psicologia é required. Lembrando que o bachelors em psicologia nis EUA, é o que vc está se referindo a “college”. Eu com um bacharel em psicologia (4 anos de college) consegui um emprego depois que me formei no US NAVY. Pessoas com o college em psicologia podem trabalhar Em inúmeras áreas, em cias e trabalhos que pagam muito bem. Concordo quando vc diz que pra ter um paciente você realmente tem que ter o doutorado, mas a quantidade de vezes que você mencionou que o college daqui não serve pra muita coisa foi um grande equívoco. Te aconselho a ver on-line a quantidade de empregos oferecidos só pra quem tem o college e você verá a que me refiro.
    Desculpe se meu português estiver errado. I struggle a bit when writing in Portuguese.

    Responder
    • Olá Raquel,

      Obrigado pelo seu comentário. Você tem razão, o college abre muitas portas, assim como ter um curso superior é um divisor de águas para a empregabilidade no Brasil. Eu devo revisar o artigo, retirando um pouco da minha “aspereza” nessas referências ao college! Acredito que eu tenha sido muito influenciado pela minha vivência dentro da academia onde todo mundo possui pelo menos mestrado e as pessoas tendem a discriminar quem “só tem college”. Com relação à psicologia, meu ponto no artigo foi deixar claro para o Brasileiro interessado que o college não permite trabalho direto na área de psicologia (pelo menos não como ocorre no Brasil em que o formado em psicologia pode trabalhar com pacientes) e geralmente é levado em conta somente como um curso de 4 anos, como os Americanos falam e nesse caso, esse curso (college) pode ser feito em qualquer área. Um grande desafio para a pessoa que possui college em psicologia é que existe expectativa de que ele/ela siga em frente (educacionalmente) e apesar dos empregos na área (que pagam relativamente pouco), existe um teto que a pessoa sem mestrado e/ou doutorado não consegue ultrapassar.

      Abraços,

      Diego Meille

      Responder
  29. Oi boa tarde.

    Gostaria de saber sou formada em psicologia no Brasil posso fazer doutorado nos Estados Unidos preferência na California só após o mestrado.
    Minha pós graduação em neurociência e clinica

    Responder
    • Olá Keiliane,

      Em tese, não é necessário mestrado para fazer doutorado nos EUA, contudo, você pode precisar de mestrado se seu currículo não inclui vasta experiência em pesquisa científica. Pesquisa é o requerimento número 1 para entrar em um doutorado nos EUA. Você precisa já ter publicado artigos científicos em journals (pode ter sido no Brasil) e já ter tido experiência de trabalho (voluntário geralmente) em departamentos de psicologia (ou similar) durante a fase da faculdade ou posterior. Se esse não é o caso, você vai precisar de mestrado para construir essa parte do seu currículo. Pós-graduações são contam nos EUA para fins acadêmicos, então sua pós não pesa a favor de um doutorado. Também dê uma olhada no exame GRE. Geralmente, estudantes que se candidatam a um doutorado nos EUA passam anos se preparando para este teste, então vale a pena já começar a se inteirar do que você precisará estudar.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  30. Olá!! Se eu fizer minha graduação no Brasil e meu doutorado nos EUA eu consigo, além de clinicar no Brasil, ser pesquisadora nos EUA? Ou só posso ser pesquisadora/cientista nos EUA se eu fizer o College lá?

    Responder
    • Olá Greice,

      Sim, você pode trabalhar como pesquisadora em uma Universidade Norte Americana, mesmo tendo feito faculdade no Brasil. A faculdade é equivalente ao college. Veja que mesmo que você faça faculdade e doutorado no Brasil você poderia adquirir uma posição em Universidade nos EUA e trabalhar como pesquisadora. O mais comum nesse caso são as posições de pós-doutorado. Você não precisa necessariamente fazer doutorado nos EUA, nem para clinicar. No caso, se fizesse doutorado no Brasil e tivesse a oportunidade (imigratória) de trabalhar nos EUA você poderia procurar a certificação de psicólogos (da mesma forma como existe no Brasil) e trabalhar clinicando nos EUA (conquanto tenha Green Card ou cidadania Americana. No caso de trabalhar em uma Universidade isso não é necessário).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  31. Olá. Tenho uma dúvida. Sou psicóloga no Brasília há 25 anos, atendo em consultório. Teve especializações e não tenho mestrado aqui.
    Consegui o green card há 1 ano e estou mudando para os EUA. Não domino o inglês fluente. Já entendi como funciona o sistema educacionais dos EUA, pq meu filho está estudando nos EUA.
    Sei que não posso clinicar nos EUA como faço aqui. Você indicaria tentar o mestrado primeiro para ter mais contato com área da pesquisa, ou ir direto para o Doutorado? Tudo pensando em universidades menos renomadas .
    Meu objetivo era continuar na área clinica.
    obrigada

    Responder
    • Olá Eliana,

      Doutorados em psicologia clínica nos EUA são todos muito concorridos, mesmo em universidades menos renomadas. Como essa é a única via para que o profissional possa atender em consultório, acaba gerando muita concorrência. Contudo, há doutorados online que talvez sejam menos criteriosos. Eu sei que a Capella University e a Grand Canyon University ambas possuem acreditação, então os diplomas são válidos em todo o país. Pode ser uma solução se você não deseja fazer mestrado. Contudo, para entrar em um mestrado em uma universidade tradicional, mesmo uma estadual, você precisa ter feito pesquisa na graduação. É difícil “consertar” o caminho se você não tem experiência nenhuma em pesquisa porque a academia nos EUA é 100% baseada em pesquisa. Um site legal para você obter informações e fazer perguntas é o Grad Café: https://forum.thegradcafe.com/forum/8-psychology-forum/ O forum de psicologia tem muita gente disponível para ajudar. Eles provavelmente sabem mais do que eu sobre a realidade atual nessa área.

      Abraços e boa sorte!

      Diego

      Responder
  32. Estou no terceiro período de pscicologia, e recebi um pedido de morar nos EUA por 5 anos. Pensei em terminar os estudos lá. Isso seria possível, ou teria que começar tudo novamente?

    Responder
    • Olá Jessica,

      Pode sim. Nesse caso, você aplica como “transfer student” na universidade de sua escolha. Mas mantenha em mente que, como explico no artigo, o diploma de bacharel em psicologia nos EUA não permite com que você se autointitule psicóloga nem que possa clinicar. Isso exigiria um doutorado em psicologia clínica se você quisesse exercer a profissão nos EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  33. Olá Diego, gostei muito da sua explicação! Eu fiz pedagogia no Brasil, e eu gostaria de fazer algo que me permitisse clinicar nos EUA. Então eu teria que fazer um mestrado e pós, certo? Eu não preciso então passar pela community college e fazer university depois. Eu conseguiria um visto pelo menos no período de estar estudando. Obrigada pelas informações!!

    Responder
    • Olá Amanda,

      Não sei como funciona na área de pedagogia. O doutorado (não mestrado e pós) é necessário para ser psicólogo, mas na área de educação não tem esse tipo de pré-requisito (que nesse caso, é estabelecido pela organização que regula a psicologia nos EUA). Quando você diz “clinicar”, qual exatamente é a área que você clinica como pedagoga? Ou você está se referindo à psicologia mesmo?

      Abraços,

      Diego

      Responder
  34. Olá, fazia medicina no Paraguai, mas estou bem decepcionada e pretendo parar. E penso fazer psicologia no Brasil. (Sou brasileira)
    Como faria ? Faria a graduação de psicologia aqui no Brasil e depois o que ? Para tirar visto de estudante para terminar e poder trabalhar nos Estados Unidos ?

    Responder
    • Olá Milena,

      Como o artigo explica, é necessário doutorado para ser psicólogo nos EUA. Você pode fazer qualquer curso no Brasil, nem precisa ser de psicologia se a intenção é trabalhar nos EUA. Mas seria mais adequado fazer psicologia mesmo, principalmente se seus planos mudarem no futuro e você resolver ficar no Brasil. Com um diploma de bacharel e tendo construído um currículo de pesquisa já na graduação (voluntariando nos departamentos dos seus professores, procurando participar de autoria de artigos científicos, etc.) você aplicaria para um doutorado nos EUA (o mestrado é tirado opcionalmente durante esse processo). Caso sua graduação não seja forte o suficiente em pesquisa científica, você precisaria fazer um mestrado separado primeiro, depois aplicar para o doutorado. Contudo, estudar nos EUA não te dá o direito de trabalhar depois de formada. Você precisaria ter Green Card, ser cidadã Americana, ou ser contratada por empresa (mas não poderia abrir consultório seu).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  35. Diego, se eu sou formado em direito no Brasil, posso aplicar direto para um mestrado em psicologia a fim de me preparar (e melhorar o currículo) para o doutorado depois (com o objetivo final de clinicar mesmo) ou o melhor caminho seria fazer um major em psicologia primeiro?

    Responder
    • Olá Eric,

      Sem o curso de psicologia (ou outro similar) você é menos competitivo para a aplicação para um mestrado. O problema de mudar de área assim pra outra completamente diferente é que você não tem os pré-requisitos para fazer as matérias de mestrado em psicologia. Alunos aqui nos EUA que mudam de área fazem matérias que lhes faltam em community colleges ou em universidades estaduais (universidades de ponta não aceitam alunos que já tenham uma graduação). É possível também fazer uma graduação inteira em psicologia em 1.5 ou 2 anos numa universidade estadual (muitas já oferecem cursos 100% online). Dê uma olhada na Penn State World Campus (University of Pennsylvania). Vale mais a pena fazer o curso inteiro do que ter que remediar essas matérias pré-requisito durante o mestrado e ter que pagar o preço que a universidade que você entrar cobra para alunos “out of state” e no final das contas gastar o mesmo tempo para fazer tudo. Contudo, veja que se você fizer uma graduação bem feita e conseguir ter experiências com pesquisa científica você nem precisa fazer mestrado, pode aplicar direto para um doutorado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  36. Olá Diego, gostaria de saber em quais áreas posso atuar nos EUA se tiver mestrado no Brasil? E se esse mestrado é pré requisito para o doutorado lá como é aqui no Brasil ?

    Responder
    • Olá Carla,

      O mestrado geralmente permite que a pessoa possa trabalhar em empresas ou em hospitais, dando suporte a um profissional superior que tenha doutorado e seja psicólogo propriamente dito. Alguns estados permitem com que a pessoa possa atender com mestrado, com algumas limitações (desde que o mestrado seja em psicologia clínica). De qualquer forma, trabalho nos EUA depende que a pessoa tenha Green Card ou seja cidadã Americana. Você não mencionou qual a sua situação imigratória, então acho oportuno mencionar. Psicologia não é uma carreira que é fácil conseguir visto de trabalho (praticamente impossível). O mestrado não é pré-requisito para o doutorado, mas se a pessoa não tem um bom currículo de pesquisa científica (publicações e trabalho em departamentos acadêmicos na área em que ela quer fazer o doutorado) ela precisa fazer mestrado pra remediar essa deficiência.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Stephany,

      Sim, você pode fazer dessa forma. Contudo, o curso nos EUA é muito mais fraco do que no Brasil (pois não forma o profissional) então quando você for validar o diploma no Brasil para poder fazer mestrado e doutorado, vão exigir que você faça mais 2 ou 3 anos de curso de psicologia na federal do seu estado para complementar as deficiências do diploma Americano.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  37. Olá diego, gostaria de saber se em 2021 todas essas informações ainda são as mesmas. Li em alguns comentários que você disse que há paises na europa onde o processo de trabalhar com a psicologia seja mais simples e um pouco menos burocrático do que os Estados Unidos, você saberia me dizer quais países? Vi que falou Inglaterra, quais mais?

    Responder
    • Você também informou que há estados que a legislação é um pouco mais “leve” ( se é possível dizer isso), poderia indicar quais estados poderiam ter um caminho “mais fácil”?

      Responder
      • Olá Gabriela,

        Não conheço profundamente as leis estaduais para psicologia de cada estado Americano (minha área não é a psicologia, eu apenas tenho conhecimento sobre aplicação para programas de estudo). Apenas sei que alguns estados deixam a pessoa praticar só com mestrado, outros exigem doutorado. Se você tem interesse em morar em algum estado específico, procure descobrir como esse estado lida com essa questão. Acredito que o site da APA seja um bom lugar para começar: https://www.apa.org/

        Abraços,

        Diego

        Responder
    • OLá Gabriela,

      Todos os país do mundo tem processo menos burocrático (ou melhor, menos competitivo e complicado) do que os EUA! O esquema de doutorado na Europa, contudo, é bem diferente (em termos de cultura acadêmica, requerimentos, duração, etc.) do que nos EUA, não é só uma questão de burocracia e duração reduzida. Todos os países da União Européia possuem processos semelhantes, não dá pra apontar um ou outro que seja mais fácil ou melhor, pois aí também depende de outros fatores (seus interesses particulares, por exemplo). Enquanto nos EUA alunos de doutorado são tratados como mão de obra barata e são praticamente escravizados pelo departamento pelo maior tempo possível (até mesmo 10 anos!), na Europa doutorados são cursos estruturados, com regras específicas, provas, aulas de fato, e metas que o aluno deve alcaçar. Alcançou todas as metas? Pronto, tá aqui seu diploma de Ph.D.! Entretanto, o ideal é escolher o doutorado pelo professor com quem você quer trabalhar, afinal de contas, o doutorado vai torná-la uma cientista que trabalha em um certo ramo do conhecimento. Se você só quer o diploma e não se importa com pesquisa, veja o programa mais fácil e menos exigente (isso independente de país, mas a Europa costuma ser mais fácil e direta com o processo). Se você se importa com a pesquisa e deseja se tornar um expoente em seu campo, aí sim, você precisa escolher a dedo com quem você vai trabalhar e pode ser na Europa, nos EUA, no Brasil, tudo dependendo de onde está a equipe que mais se aproxima de seus interesses acadêmicos.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  38. Olá, Diego!
    Não consegui ver se já comentou, mas quero fazer a formação completa aqui no Brasil. A faculdade, mestrado e doutorado(na área clínica) no Brasil. Como seria o processo de validação? eles aceitariam meu doutorado no Brasil?
    Outra dúvida, se eu tivesse o greed card, ajudaria na validação? Ou não tem relação?

    Responder
    • Olá Andressa,

      Nos EUA não existe um processo de validação oficial de diploma como ocorre no Brasil. Com doutorado em psicologia feito em outro país, no caso o Brasil, você poderia fazer pós-doutorado nos EUA (o que não é um curso, mas emprego de cientista/pesquisador) em uma universidade ou ser empregada por qualquer empresa que esteja disposta a aplicar para um visto de trabalho para um funcionário estrangeiro. Você não poderia, contudo, clinicar nos EUA sem Green Card ou cidadania, não importa qual a sua formação e onde foi feita. Nesse caso, mesmo se fizer toda a formação nos EUA continua sem poder exercer a profissão no país se não tiver Green Card ou cidadania. Se você tiver Green Card, aí você precisa buscar licenciamento no estado onde deseja morar. Cada estado tem seu processo e se você se licenciar em um estado, só pode trabalhar nele e teria que se licenciar ou transferir a sua licença se desejar trabalhar em outro estado ou se mudar. Alguns estados exigem estágio de 1 ano em instituição nos EUA para comprovar experiência com pacientes. A validação dos diplomas é muito mais simples do que no Brasil e exige apenas que os diplomas sejam traduzidos e autenticados por empresa autorizada pela instituição que faz o licenciamento no estado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  39. Meu filho mora no Brazil e quer estudar pisicologia no estamos Unidos como sera a transisão de visto Etc.
    E qual o valor do itercambio Ele mora no Rio de. Janeiro.

    Responder
    • Olá Marisete,

      Eu lido com admissão em colleges Americanos, não sei como funciona o processo a partir do Brasil. Contudo, o que posso te dizer é que essa não é uma situação de intercâmbio (que é 6 meses ou 1 ano feito em outro país, mas a formação é de escola/universidade Brasileira). Outra coisa que posso te dizer é que fazer psicologia nos EUA é um risco, já que o curso não é equivalente ao curso de psicologia no Brasil e ele poderá ter problemas para revalidar o diploma depois de voltar ao Brasil e poderá ter que fazer 2 ou 3 anos a mais de curso para complementar o que ficou deficiente. Se ele quer estudar nos EUA, há outros cursos melhores que psicologia (não que psicologia não seja um bom curso, mas do ponto de vista de um Brasileiro, é preciso pensar em outros fatores como a revalidação do diploma no retorno ao Brasil).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  40. Olá, Diego!
    Sou formada e pós-graduada em Direito no Brasil. Não gosto da área em que atuo e gostaria de trabalhar com psicologia. Entretanto, não tenho interesse em clinicar. Me interesso mais por pesquisa. Fui admitida em um Certificate Program nos EUA que, pelo que entendi do que você disse, funciona como a nossa especialização aqui no Brasil. Eu conseguiria validar esse curso no Brasil a título de especialização (sem pretensão de clinicar)? Poderia fazer um doutorado na área de psicologia (também como pesquisadora) aqui no Brasil ou na Europa, por exemplo? Eu me apliquei para o curso porque o programa, segundo a Universidade, é voltado justamente para quem é formado em outra área e quer mudar de carreira. Também informam que te preparam para buscar uma vaga em um PhD ou PsyD. Entretanto, como o sistema é bastante diferente do nosso, confesso que fico um pouco confusa sobre as minhas possibilidades.

    Desde já, te agradeço.

    Patricia

    Responder
    • Olá Patrícia,

      Infelizmente mudar de área para psicologia pode não ser tão fácil, partindo do direito. O diploma de certificado, pós-graduação, não tem qualquer valor acadêmico e é ignorado por comitês de admissão de doutorado. Não perca seu tempo e dinheiro com isso. Esses certificados tem validade profissional apenas.

      Geralmente quem quer mudar de área precisa fazer um mestrado strictu senso para cursar as matérias que compõem a base teórica daquele campo e se envolver com pesquisa científica. Nos EUA, o que conta mais numa aplicação para doutorado são suas notas na graduação e sua experiência com pesquisa científica, que precisa ser realmente vasta. Não basta uma publicação ou outra, mas também experiência prática nos departamentos de psicologia de universidades. As matérias específicas que foram cursadas também são avaliadas. No caso de mudança de área, espera-se que o candidado tenha cursado um mestrado e feito não só as matérias básicas da área como também matérias de nível superior no campo de pesquisa em que pretende atuar. O problema é que para entrar em um mestrado de psicologia também é necessário já ter a base da área e experiência com pesquisa, o que a coloca numa posição de desvantagem.

      Veja que há doutorados e DOUTORADOS! Tem muito doutorado de psicologia online que não vale nada, só dão as letrinhas pra colocar após o nome. Esses cursos são do tipo “pagou, entrou”, mas também não lhe darão a oportunidade que você busca, que é ser pesquisadora.

      Como esse é seu objetivo, o ideal seria fazer a faculdade de psicologia. No Brasil, o curso é demasiadamente longo e complexo. Eu recomendaria fazer o curso (college) nos EUA, onde você teria a oportunidade de eliminar várias matérias que já cursou em direito (no Brasil isso não aconteceria), encurtando a duração do curso e poderia se envolver mais facilmente com pesquisa científica, o que ocorre quando você trabalha diretamente dentro do departamento de psicologia da sua universidade, ajudando alunos de doutorado e o chefe do departamento com suas pesquisas e tendo oportunidade de apresentar painéis em eventos. Essa experiência contaria para aplicação para um doutorado em qualquer lugar (Brasil, EUA, ou Europa) e eliminaria a necessidade de fazer um mestrado antes do doutorado nos EUA (mas não no Brasil ou na Europa).

      O doutorado no Brasil também exige ampla experiência prévia com pesquisa científica e você já precisa chegar na aplicação com seu projeto pronto (o que exige que você já tenha uma boa ideia da área e do que quer fazer).

      Na Europa, a maioria dos programas também exige o projeto de pesquisa pronto e isso demanda conhecimento e experiência na área.

      Com relação à revalidação dos diplomas, o diploma de certificado é facilmente validado no Brasil, mas tem validade apenas profissional. Os diplomas acadêmicos de graduação, mestrado e doutorado podem com certeza ser validados no Brasil. Contudo, só faça graduação nos EUA se tiver intenção de fazer doutorado nesse país (ou na Europa), pois no Brasil o currículo de graduação de psicologia dos EUA é insuficiente (você teria que cursar pelo menos 2 anos adicionais na graduação de psicologia no Brasil apenas para validar seu diploma, sem garantia de ser aceita em um programa de doutorado).

      Mantenha em mente que profissão de pesquisadora é ser professora. A docência faz parte do doutorado e experiência prévia com docência conta muito na aplicação nos EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Olá, Diego.

        Obrigada pelas informações.
        Mesmo quando o Certificate Program é de alguma Ivy League? Digo, apesar do renome da universidade, você vê como perda de tempo e dinheiro?

        A Universidade em questão é a Columbia e eles dizem que fornecem uma preparação valiosa para admissão em programas de doutorado. Apliquei para esse programa levando em consideração 2 fatores. O primeiro é que não tenho como me ausentar do país pelo tempo de duração de um college, e esse curso é de 1 ano. O segundo seria a oportunidade de desenvolver atividades dentro do departamento de psicologia da Columbia, que é amplamente reconhecido.

        Ainda assim você acha furada? (me perdoe a informalidade).
        Quando você fala que esses diplomas têm apenas validade profissional, a que se refere em específico?

        Mais uma vez te agradeço.

        Patricia

        Responder
        • Olá Patrícia,

          Você pode me passar o link para este curso para que eu possa te dar uma opinião mais certeira?

          Geralmente pós-graduação lato sensu (especializações, cursos que não são mestrado ou doutorado) são úteis para o crescimento profissional da pessoa que trabalha no mundo corporativo. Empresas valorizam esses diplomas. A academia não. Em alguns casos, esses diplomas podem ajudar na entrada de um mestrado (que costuma ter valor mais profissional do que acadêmico), mas jamais ajudariam a entrar em um doutorado, pelo menos um de qualidade. Um doutorado não é um curso, é um emprego de cientista aprendiz. Então a experiência de pós-graduação diz muito pouco ao comitê de admissão sobre a capacidade do candidato de fazer pesquisa científica e seguir um currículo de aulas rigorosas (aulas de pós-graduação são notoriamente fáceis).

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Bom dia, Diego.

            Claro. Esse é o link do overview do curso: https://sps.columbia.edu/academics/certificates/psychology-certificate

            E aqui o conteúdo programático: https://sps.columbia.edu/academics/certificates/psychology-certificate/courses

            O investimento é bastante alto para mim, mas, ao mesmo tempo, me pareceu uma boa oportunidade, considerando o conceito da universidade e a possibilidade de estar ali, de alguma maneira, inserida no departamento de psicologia deles.

            Muito obrigada pela ajuda,

            Patricia

          • Olá Patrícia,

            Olha, vou ser bem sincero com você. Eu acho que o benefício deste programa, sendo feito online, é apenas marginal. O benefício, inclusive que eles promovem, é mais para a própria pessoa (em termos de autodidatismo para se inteirar da área e para ver se a pessoa consegue seguir um currículo rigoroso de graduate school) do que algo que vá enriquecer sua aplicação para um doutorado. Se você vai fazer doutorado no Brasil, isso pode ter uma vantagenzinha, mas também não muito grande. Para doutorados nos EUA, este certificado seria largamente ignorado.

            O benefício maior seria obtido se você pudesse fazer este curso pessoalmente e aí então se envolver diretamente com o departamento, ajudando alunos de mestrado e doutorado com suas pesquisas, posters, coleta de dados e, principalmente, conseguir colocar seu nome em alguma pesquisa publicada. No próprio site eles colocam alguns cases de ex-alunos e dá pra ver que o maior benefício é estar lá pessoalmente.

            O prestígio da universidade não conta muito, não (um certificate não é visto com os mesmos olhos do que um undergraduate degree). Do ponto de vista de entrada no doutorado (nos EUA) conta mais sua experiência prática (pessoalmente) com pesquisa e suas publicações. Cursos de certificados adicionam muito pouco. Também é importante para os doutorados nos EUA as cartas de recomendação de professores que trabalharam com você diretamente (não professores que te deram aula) e para isso é necessário obter essa experiência pessoalmente.

            Você tem uma ideia clara de qual área da psicologia pretende estudar e em que país deseja cursar o doutorado? Isso ajudaria você a traçar uma estratégia mais certeira para montar sua aplicação sem disperdiçar tempo e dinheiro. Brasil, EUA e Europa possuem processos bem distintos que requerem preparação e estratégias diferentes.

            Um site que eu sempre indico para leitores interessados em doutorado nos EUA e Europa é o fórum do The Grad Café (https://forum.thegradcafe.com/). Você pode postar seu caso lá e ver o que o pessoal acha das suas chances e pegar algumas ideias.

            Abraços,

            Diego

    • Olá, Patrícia

      Se me permite, posso te dar uma opinião. Fui orientador de doutorado nos EUA durante muitos anos e selecionei centenas de alunos para o meu departamento. Quando olhamos para aplicações de candidatos, queremos basicamente responder a duas perguntas: esse candidato fará um bom cientista? Em outras palavras, ele terá condições de retribuir o investimento que será feito nele?

      E esse candidato será uma boa adição ao nosso departamento? Essa é uma pergunta muito importante porque há pessoas que, pelos mais variados motivos, não trabalham bem com os outros. Algumas são muito competitivas e acabam arrumando confusão, puxando o tapete dos outros, arranjando intrigas pelo departamento. Não queremos esses tipos! Outras são muito introspectivas e não têm espírito de equipe. Podem até ser alunos nota 10, mas quando precisam trabalhar com os outros, deixam à desejar. Além desses aspectos de personalidade, queremos saber se os interesses do candidato se alinham com os nossos no departamento. Para isso, o candidato precisa ter uma boa ideia do que quer fazer como cientista.

      Essas coisas só ficam evidentes quando o candidato tem experiência pessoal com esse tipo de atividade científica. O aluno típico de doutorado já vem desde sua graduação (college) angariando experiências práticas com pesquisa. Isso resulta em cartas de recomendação de colegas que nos informam quem é essa pessoa e respondem às nossas principais perguntas: essa pessoa vai dar um bom cientista? Essa pessoa trabalha bem em equipe? Essa pessoa tem uma personalidade boa para o tipo de atividade que fazemos nas universidades?

      Não é possível obter cartas de recomendação com esse tipo de detalhes se o curso é feito online. Pelo que entendi, você tem opção de fazer esse postbac online ou presencial, certo? Compreendo as dificuldades para fazer o curso pessoalmente, mas como o Diego explicou, se for feito online, ele pode acabar sendo desperdício de dinheiro e tempo já que você não terá cartas de recomendação de professores que trabalharam “ao vivo e a cores” com você e podem falar sobre sua personalidade, sua ética, seus hábitos, seus pontos fortes e fracos.

      As cartas de recomendação compõem o item mais importante na análise de admissão de um programa de doutorado. Se o aluno vier bem indicado, eu relevo qualquer coisa: notas, deficiências teóricas, falta de experiência na área. Se você pretende fazer doutorado nos EUA você precisa estudar como irá conseguir boas cartas de recomendação de professores que trabalharam pessoalmente com você. Você pode obtê-las no Brasil também, mas o mais importante é ter experiência pessoal nos departamentos dos professores que escreverão as cartas.

      Boa sorte!

      Prof. Keller

      Responder
      • Ola Diego, boa tarde.
        Muito interessante seu artigo e atenção aos comentários.
        Acabei de chegar nos EUA, meu marido foi expatriado. Tenho visto L-2. Até onde entendi ele me permite estudar por aqui e posso pedir uma permissão de trabalho também.
        Sou graduada em Psicologia no Brasil, e fiz 2 especializações com realização de extensas horas de estágio, em ambas. Sei que isso não conta muito para admissões academicas por aqui.
        pretendemos seguir nossa vida aqui nos EUA, então entedi que preciso ir em busca de um Mestrado e Doutorado após, para poder dar continuidade na minha carreira como clínica, isso?
        Com um mestrado em general Pshychology eu já poderia atender em alguma clínica? Under supervison? Como Cousenling em Mental Health, algo assim?

        Outra dúvida, trabalhei por 8 anos como psicóloga clínica (consultório particular) e ao mesmo tempo como psicóloga hospitalar no Brasil, em um hospital do meu Estado. Uma carta de recomendação da minha ex-coordenadora seria válido?

        Responder
        • Olá Martina,

          Lidar com pacientes como psicóloga nos EUA só mesmo com doutorado específico em clínica ou counseling. Psicologia geral (general psychology) não adianta. Não é necessário fazer mestrado antes, a não ser que você precise remediar falta de experiência com pesquisa científica para poder entrar em um doutorado, mas é importante manter em mente que o tempo do doutorado em psicologia (5 a 8 anos) não é reduzido se a pessoa já fez mestrado. O mestrado (em clínica ou counseling, outras áreas não resolvem) permite sim trabalhar under supervision, mas como o mestrado não é um trampolim para o doutorado, pode ser que apenas atrase seu caminho para ter a formação completa de psicóloga clínica. Ao invés de entrar direto em um doutorado que pode acabar levando 6 ou 7 anos, você faria um mestrado de 2 a 4 anos e só depois ingressaria nesse doutorado sem qualquer redução do tempo. Parece não valer a pena.

          Sim, uma carta de recomendação e sua vasta experiência prática conta muito para entrar em um doutorado. Mas também considere que como a psicologia nos EUA é altamente científica, eles consideram muito sua experiência em pesquisa (participação em laboratórios acadêmicos de pesquisa, publicações, posters em eventos científicos).

          Também recomendo que você investigue mais sobre as diferenças entre counseling e clinical psychology. Não é a mesma coisa e cada um permite com que você trabalhe com grupos de pacientes diferentes. A clínica sendo para doenças mentais graves (esquizofrenia, distúrbios de personalidade, traumas graves, etc.) e o counseling para questões emocionais “leves” como ansiedade social, timidez, etc. Muitos “coaches” se especializam em counseling. É mais fácil entrar em um doutorado em counseling do que em clinical.

          Também existe a possibilidade de ir para a área acadêmica e se tornar professora e pesquisadora.

          Abraços e boa sorte em sua nova vida Americana!

          Diego

          Responder
  41. Oi, Diego.

    Ah, legal.
    O curso é presencial mesmo e foi justo isso que me pareceu interessante. Sendo assim talvez valha a pena, né?
    Eu vou procurar esse fórum que você falou.
    Muito obrigada pelas dicas!

    Abraço,

    Patricia

    Responder
    • Olá, Prof. Keller!

      Este programa para o qual fui admitida é integralmente presencial e, por isso, pensei que seria uma boa oportunidade para estabelecer bons contatos e também ganhar algo de experiência no campo de pesquisa, dentro do departamento de Psicologia da Universidade.

      A verdade é que, como eu não tenho nenhuma formação na área de Psicologia, eu não sei muito bem como traçar uma estratégia e nem qual linha seguir. Este é outro motivo pelo qual o curso me pareceu um primeiro passo válido. De outro lado, fico meio insegura de fazer um investimento alto sem ter dimensão das perspectivas que terei.

      Muito obrigada pela orientação!

      Abraço,

      Patricia

      Responder
      • Olá, Patrícia

        Ah, sim! Se for presencial então vale muito a pena. Não tinha ficado claro (talvez para o Diego também) que você pretendia fazer o curso presencialmente. Esse não é um mero “certificate course”, é um chamado “post baccalaureate program”, que está em outra categoria. Ele serve o propósito justamente de sanar as deficiências de um aluno que está mudando de área ou não obteve experiência científica na graduação. Conversando com os professores e colegas lá você pode obter uma ideia mais clara do que precisa fazer para construir uma aplicação forte para um doutorado. O site que o Diego indicou, Grad Cafe, também é excelente para obter mais informações e fazer perguntas para gente que já passou pelo processo ou trabalha na área.

        Abraços e desejos de que tudo dê certo!

        Prof. Keller

        Responder
  42. Olá! Muito esclarecedor o artigo.
    Estou me formando em psicologia no Brasil e tenho nacionalidade americana. Gostaria de saber se é necessário realizar o GRE para cursar o mestrado nos Estados Unidos?
    Obrigada

    Responder
    • Olá Julia,

      Geralmente os mestrados não requerem GRE, mas é bom se informar no site da universidade que você está interessada. O mais importante são as cartas de recomendação e sua experiência comprovável com pesquisa científica. O GRE é mais comum para doutorado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  43. Olá! Me formo em uma faculdade de psicologia (undergraduate) nos EUA em Maio de 2023. Voltarei para o Brasil após isso. Já escolhi a faculdade federal do meu estado que tem a grade com o maior número de aulas equivalentes às que eu tive. Agora, como me preparar para o processo de validação? Ouvi falar sobre o apostilamento de Haia também, o que seria exatamente?

    Responder
    • Olá Giovanna,

      Eu não conheço muito o processo de revalidação no Brasil já que moro nos EUA e minha especialidade é entrada nas universidades Americanas. O que posso te falar sobre revalidação de psicologia baseada em relatos de pessoas que tive contato que fizeram esse processo é que o calibre da universidade nos EUA é levado em conta pois o currículo de psicologia nos EUA é completamente diferente do currículo no Brasil, então os cursos não são equivalentes. Contudo, se a pessoa cursou uma faculdade muito boa isso pode ser relevado. De qualquer maneira, em todos os casos que tive conhecimento, a instituição fazendo a revalidação no Brasil exigiu pelo menos mais 1 ano de curso no Brasil. Isso porque college de psicologia nos EUA não tem estágio e isso é muito importante para a formação no Brasil já que a pessoa sai do curso podendo atender em consultório, o que não ocorre nos EUA. Não sei o que é apostilamento de Haia. Recomendo que você entre em contato com a universidade federal do seu estado no Brasil, pois geralmente são eles que ficam responsáveis por sua validação, e podem lhe dar maiores informações.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  44. Olá!
    Em fevereiro de 2023 irei iniciar minha faculdade de psicologia em uma universidade federal do meu estado, e me interessei em school psychology (no caso seria para acompanhamento de alunos, certo?). Quais caminhos eu teria que tomar após minha conclusão do curso?
    Com esse trabalho haveria uma possibilidade de eu conseguir o green card ou tem outra forma? Pois gostaria de imigrar para os EUA e assim poder morar e trabalhar lá, sem correr o risco de estar ilegal e ser deportada.

    Responder
    • Olá Lorena,

      Não é possível se especializar em school psychology (ou qualquer outra área da psicologia) no nível de college/faculdade, mesmo que a instituição ofereça essa opção. Todas as áreas da psicologia nos EUA requerem um “graduate degree” (mestrado e doutorado). A psicologia escolar pode ser praticada somente com mestrado, mas não somente com graduação (college). Então o que você escolher agora não fará qualquer diferença. Na realidade, você nem precisaria fazer psicologia. O psicólogo é o cara que tem PhD em psicologia, não o cara que fez faculdade de psicologia, entende? É um raciocínio diferente do que usamos no Brasil.

      Quanto ao aspecto da imigração, se você já não tem Green Card ou não é cidadã Americana, a área da psicologia não lhe oferece um caminho para imigrar para os EUA, pois os vistos de trabalho costumam ser liberados somente para a área da medicina, engenhenharia/tecnologia, e alta administração. O único caminho de imigração pela psicologia seria permanencer permanentemente na área acadêmica (mestrado, doutorado, pós-doutorado, professorado).

      Abraços,

      Diego

      Responder

Deixe um comentário