O que é o SAT e como fazer o SAT no Brasil?

Diego Meille

Como fazer o SAT no Brasil

O SAT, sigla para “Scholastic Assessment Test” é o teste para entrada na faculdade (College) nos EUA. O propósito e perfil do teste é bem parecido com o ENEM, aliás, os Brasileiros literalmente copiaram a ideia do SAT para criar o ENEM, exceto que nos EUA não é possível se candidatar à universidade sem ter feito o SAT, enquanto no Brasil, o ENEM ainda é opcional.

O SAT é basicamente um teste de QI misturado com o conteúdo que o aluno aprendeu em sua vida escolar até então, assim como é o ENEM e os testes vestibulares aplicados individualmente por cada universidade. O aluno que já está estudando para o vestibular e ENEM brasileiros não deve ter maiores dificuldades para estudar para o SAT, já que o conteúdo é basicamente o mesmo, com a única diferença que o teste é aplicado em inglês.

O SAT, nos EUA, é aplicado sete vezes ao ano e no exterior, 6 vezes, então o aluno tem bastante flexibilidade para escolher a data em que deseja prestar o exame.

A primeira parte do exame é constituída de um teste de redação, matemática e pensamento crítico, testado principalmente através de questões com interpretação de texto. A capacidade de se expressar muito bem de forma escrita é uma das características mais valorizadas pelas universidades Norte Americanas. O Brasileiro que sonha em estudar nos EUA deve se focar intensamente no aprendizado da língua inglesa e treinar a escrita. Enfatizamos esse ponto, pois no Brasil as escolas dão menos ênfase para a expressão escrita e muitos estudantes chegam a entrar na faculdade sem saber escrever bem em Português. Nos EUA sem saber se comunicar bem em Inglês no papel, o aluno não é aceito em uma boa escola.

Cada seção tem uma grade de pontuação na escala de 200 a 800.

A segunda parte do SAT é facultativa para algumas instituições e constitui-se de testes específicos para a área de enfoque que o aluno escolher. Os testes de matérias do SAT são oferecidos em matemática, ciências, línguas estrangeiras, literatura e história. Se solicitado, geralmente não é permitido que o aluno escolha como língua estrangeira, Inglês ou sua língua natal, no nosso caso, Português.

Hoje em dia, há uma grande vantagem em ser Brasileiro tentando entrar em alguma instituição de curso superior nos EUA. A maioria das escolas, querendo ser politicamente corretas, adotam uma série de cotas que devem ser preenchidas anualmente. Algumas escolas possuem cotas para negros, estrangeiros, asiáticos, mulheres, latinos e assim por diante. Todas as grandes universidades possuem cotas, pois estas ajudam a escola a obter financiamento do governo, entidades particulares e doações de grupos étnicos, entre outros.

Você, como Brasileiro, não será avaliado em comparação com o grupo todo de estudantes que estão tentando entrar na mesma universidade, mas sim com os demais que ocupam a mesma cota, geralmente a cota para latinos, mas podendo também englobar uma cota generalista para estrangeiros em geral e ainda se você for mulher ou negro, podendo somar com mais cotas.

É importante manter em mente que as faculdades Norte Americanas exercem muito preconceito contra idade, mesmo que isso seja negado pelas próprias instituições. A preferência para aceitação, principalmente nas melhores escolas como Harvard, Yale, Princeton, Columbia ou Stanford, é para alunos bem novos (17 a 19 anos). Os Americanos tem muito de não querer “misturar” as “crianças” de 17, 18 anos com “adultos” de mais 24, 25 anos. Se você já passou da “idade” e não fez nenhuma faculdade ainda, o ideal é fazer esse “primeiro” curso no Brasil mesmo e depois vir para os EUA estudar em um curso universitário propriamente dito. Como explicamos em diversos artigos aqui neste site, cursos como medicina, direito, arquitetura, odontologia, entre outros, não são cursos que estão disponíveis para alunos que nunca fizeram uma faculdade, como os jovens de 17, 18 anos recém saídos do colegial.

O SAT se aplica somente para a entrada no que os Americanos chamam de “College”, um curso de 4 anos bem genérico, em que o aluno pode começar mesmo sem saber “o que quer ser quando crescer”. Nos últimos 2 anos do College o aluno começa a escolher matérias mais específicas para moldar seu “major”, ou foco. Nem todas as especialidades que temos nas faculdades Brasileiras estão disponíveis como foco no College. Contudo, essa formação, pelo menos nos EUA, não confere ao aluno nenhuma profissão de fato, com exceção de engenharia, cujos cursos são mais específicos. É possível, entretanto, voltar para o Brasil com um diploma de College e de fato ter uma “profissão” devido à forma como esse tipo de diploma é encarado no país. Por exemplo, é possível fazer College e terminar com um major em psicologia. Nos EUA, esse formando não é um psicólogo, mas no Brasil pode ser, já que tudo o que é preciso para ser psicólogo no Brasil é obter um diploma de uma faculdade de psicologia, que geralmente leva 5 anos no Brasil. Nos EUA, para ser de fato psicólogo e “estar autorizado” para clinicar, por exemplo, é preciso além dos 4 anos de College, obter um doutorado em psicologia.

Para ser médico, por exemplo, é preciso fazer um College de 4 anos (ou fazer um curso que os Americanos chamam de “premedical”) e só depois é que o aluno, já com 21, 22 anos pode se candidatar à faculdade de medicina. Não é possível fazer um College com “foco” em medicina. Para Brasileiros que querem estudar medicina nos EUA, é necessário já ter um curso superior, em qualquer área, mas de preferência em algo que seja, mesmo que remotamente, ligado à saúde ou medicina, como biologia, psicologia, química, bioquímica, farmácia, etc. Se você já tem um curso superior, mas em uma área completamente não relacionada à medicina, você precisará argumentar com a banca de admissão porque quer mudar de profissão.

Voltando ao SAT, o teste básico (primeira fase) tem duração de 3:45, então você realmente precisa estar preparado – é pouco tempo para dar conta de escrever sua própria redação e ainda fazer o teste de matemática e interpretação de texto em uma língua que não é a sua.

Para saber se você precisa também prestar os testes específicos, verifique com as escolas em que você pretende se candidatar. Geralmente as escolas de maior nome como Harvard e MIT exigem 2 ou mais matérias nesse teste específico, mas é preciso verificar no site de cada escola, pois elas mudam os requerimentos o tempo todo!

Você pode obter mais informações sobre esse teste neste site: http://sat.collegeboard.org

Inscrições podem ser feitas também neste site.

Para se preparar para o SAT, há milhares de livros já publicados, inclusive em formato digital (mais fácil para quem está no Brasil adquirir). Você pode comprar esses livros na Amazon.com, em formato impresso ou digital (Kindle). Em cidades grandes Brasileiras, também é possível encontrar alguns livros nas próprias livrarias e em lojas mais especializadas em livros estrangeiros. Há sites na internet também que se dedicam a dar dicas para quem vai prestar o SAT e testes simulados que podem ser feitos no computador. Não vamos indicar nenhum site específico aqui, pois tudo o que é necessário para encontrá-los é uma busca no Google ou Bing. Esses sites aparecem e desaparecem com a natural mudança de interesse dos seus criadores que passam da fase do SAT e deixam de atualizar ou manter o site, então é sempre bom gerar uma lista “fresca” de sites procurando diretamente no mecanismo de busca de sua preferência.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


144 comentários em “O que é o SAT e como fazer o SAT no Brasil?”

  1. Tenho 19 anos. Mas quero tentar fazer o processo ano que vem. E no caso terei 20 anos. Existe alguma possibilidade para mim em entrar em Harvard??

    Responder
    • Victor,

      A idade é apenas um dos fatores que eles consideram (não declaradamente) no Harvard College, mas é o menor deles… Você não menciona se tem outros prérequisitos para ser considerado como currículo perfeito de todo o ensino médio e segundo grau, liderança em grupos escolares, clubes, etc., trabalho voluntário, prática de esportes e artes durante a vida, inglês perfeito, entre outros.

      Se você tem esses prerequisitos, a idade é o de menos até no máx. uns 23 anos, depois disso, fica mais difícil.

      Abraços,

      Diego Meille

      Responder
    • Existe. Há pessoas que se formaram em Harvard e que hoje trabalham lá como professores que iniciaram seus estudos com 40 anos. Se você tiver Instagram segue o @matheustomoto, ele trabalhou lá e pode te dar umas dicas.

      Responder
      • Olá João,

        Essa pessoa provavelmente fez graduate school em Harvard, não college. O college jamais aceitaria uma pessoa com 40 anos. É importante entender que Harvard é composta por inúmeras escolas (em qual escola que seu conhecido estudou?). Não é porque uma pessoa diz que estudou em Harvard que ela fez faculdade no Harvard College (que é o que o Victor estava perguntando). A Harvard Extension School, por exemplo, oferece faculdade também, mas não é a mesma coisa que ter ido para o Harvard College. As Graduate schools, por outro lado, oferecem mestrado e doutorado e frequentemente aceitam alunos bem mais velhos.

        Abraços,

        Diego

        Responder
    • Olá Amanda,

      Ela pode ser feita em um computador, mas em uma instituição específica autorizada a aplicar a prova. Você não pode simplesmente fazer a prova pela internet, você precisa estar em um local autorizado. Procure na região onde você mora (pelo site do SAT) para ver se existem aplicadores ou se você precisará viajar.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Joyce,

      Não é possível fazer a prova em Português. Pense bem! Por que isso seria possível? O SAT é um teste INTERNO para alunos de colegial como e ENEM é no Brasil. Imagina se o governo brasileiro fosse traduzir o ENEM em todas as línguas para que estrangeiros pudessem fazer o ENEM em seus próprios idiomas? Seria ridículo, não? Pois é, a entidade dos EUA que administra o SAT não tem qualquer motivo para traduzir o teste para outras línguas, afinal de contas, o teste é para os Americanos em primeiro lugar, não para estrangeiros. Estrangeiros que pretendem aplicar para universidades nos EUA é que se virem para fazer o teste. Além disso, se a pessoa quer fazer uma faculdade nos EUA, o mínimo que se espera dela é que ela seja capaz de fazer um teste como o SAT em inglês, não é mesmo? Nem sequer faria sentido se o teste pudesse ser feito em outras línguas, porque o cara que quer estudar nos EUA, tem que em primeiro lugar provar que seu inglês é absolutamente fluente.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  2. Olá, meu nome é Kallyane, tenho muito interesse em graduar direito e se possível em San Francisco, Califórnia. Eu adorei esse site tirei várias dúvidas , estão de parabéns , entretanto, ñ entendi bem qnd disse q o SAT é aplicado 6X , minha dúvida é q a pessoa q for fazer o teste tem q fazer em 6 dias diferentes ou em um dia conclui , mas com várias etapas ?
    Muito obrigada.

    Responder
    • Olá Kallyane,

      A primeira coisa que é importante que você entenda é que direito é pós graduação nos EUA, você não entra direto do ensino médio como ocorre no Brasil. Isso significa que você precisa fazer outra faculdade antes de estar habilitada para aplicar para entrada em direito nos EUA. O SAT é um teste usado apenas para entrada no college, ou seja, a faculdade inicial de 4 anos. Direito não usa SAT, pois o aluno já deve ter prestado SAT e já deve ter feito uma faculdade antes. O teste usado em direito é o LSAT (veja o artigo neste site sobre entrar em direito nos EUA).

      Sobre o SAT, ele é APLICADO 6 VEZES ao ano no exterior, 7 vezes nos EUA, ou seja, o aluno tem 6 ou 7 CHANCES de fazer o teste, mas quando ele fizer é UMA ÚNICA VEZ.

      Contudo, você precisa entender melhor sobre o sistema educacional nos EUA se pretende já ir fazer faculdade logo que sair do ensino médio. Se você quer futuramente entrar em direito, você precisa conhecer o sistema para saber quais cursos lhe oferecem melhor chances de depois poder entrar na law school.

      Abraço,

      Diego

      Responder
      • Olá, gostaria de saber quais faculdades eu posso cursar nos EUA, após a aprovação do SAT para entrar na faculdade de direito, ou se não há, uma limitação referente a isto?

        Responder
        • Olá Sara,

          Veja o post sobre direito aqui neste site. Direito nos EUA não é faculdade, a chamada “college” nos EUA. Direito é um curso de 3 anos que só pode ser feito por quem já possui um diploma de curso superior. É a chamada “graduate school”. A maioria dos cursos que no Brasil são “universitários”, nos EUA são pós-graduação. O SAT neste caso não importa, pois serve apenas para entrar no college. Fora engenharia, o college não e específico, você simplesmente “entra no college”. Lá dentro você vai fazendo matérias que no final das contas lhe conferem uma concentração (major). Depois desse college, que é equivalente à faculdade no Brasil é que você pode fazer direito. Se você fizer uma faculdade no Brasil, isso equivale a ter feito um college.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  3. Olá, tenho 20 anos e estou cursando o 4 período de Arquitetura e Urbanismo. Sou americana, e falo inglês fluente pois morei até os 13 anos nos Estados Unidos. Minha mãe possui um imóvel e paga “taxes” do governo, porem eu fiz o ensino médio no Brasil, confesso que não foi as melhores notas pois a transição de um país ao outro dificultou muito, mas são acima de 60%. Gostaria de sair do meu curso atual, no qual a grade é mais voltada para engenharia e fazer Arquitetura de Interiores nos Estados Unidos aonde é mais voltada para artes. Será que no meu caso consigo uma bolsa ou ajuda parcial do governo? Sei que quando moramos fora do país por mais de um ano temos que fazer o exame do ESL (English as a Second Language) no caso o TOEFL. Mas nesse caso tento bolsa como estrangeira?Gostaria de uma ajuda pois não encontrei ninguém que esteja na mesma situação que eu, e estou perdida. Desde já agradeço.

    Responder
    • Olá Jessica,

      O fato de você ter morado no Brasil não importa. Se você é Americana, você tem absolutamente todos os direitos de receber ajuda financeira como se nunca tivesse saído do país. A única diferença é que por não ser residente de algum estado específico, você perde a parte dos financiamentos destinada a esse público. Contudo, estabelecendo residência em algum estado, você precisa apenas de 6 meses a 1 ano (dependendo do estado) para ser considerada residente, então você só não teria essa ajuda extra no começo.

      Você precisa verificar contudo se o curso de arquiterura que você quer fazer é UNDERGRADUATE ou GRADUATE. Muitos cursos equivalentes aos nossos cursos superiores no Brasil são cursos de “pós graduação” nos EUA como direito e medicina, por exemplo. Se arquitetura também for “graduate” você precisa primeiro de um diploma de curso superior para poder se matricular.

      Se for undergraduate e você puder terminar o curso em uma instituição nos EUA, as suas notas do ensino médio na verdade não vão importar muito (talvez nem sejam solicitadas) porque você vai estar aplicando como “transfer student” e as notas que vão contar são as do seu curso atual.

      Quanto ao TOELF (ou similar) o problema não é que você morou fora do país por mais de 1 ano, mas sim que você não tem nem high school nem college de 4 anos em língua inglesa. Se você tivesse feito ensino médio nos EUA e depois morado no Brasil por 20 anos, ainda assim você poderia se matricular em qualquer curso sem fazer TOEFL.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  4. Olá, tenho uma dúvida, posso transferir minha faculdade de medicina no brasil para uma college americano?
    Na sua opinião,. melhor forma em medicina no brasil e tentar fazer residencial nos EUA ou transferir a faculdade para EUA fazendo college lá e após o final tentar a graduação em medicina ?
    Tenho 24 anos, e espero que conte mais meu intelecto quer minha idade.
    Parabéns pelo seu Blog.

    Responder
    • Olá Mayra,

      Não, nenhuma faculdade de medicina aceita transferência e além disso, “college” é um curso que os alunos fazem antes de entrar em medicina, não existe “college de medicina”. É muito difícil conseguir fazer residência nos EUA tendo feito faculdade de medicina fora do país, mas é o único caminho possível de onde você está agora. Veja que para isso você precisa prestar os STEPs do USMLE durante o período da faculdade, senão no final não tem como aplicar para residência.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  5. Olá, gostaria de fazer Engenharia da Computação em Harvard ou Stanford, vou me formar esse ano no Ensino Médio.
    Se eu fizer o SaT e o TOEFL posso me inscrever?
    Tenho que fazer outra prova?
    Se sim aonde vejo?
    Depois que fizer o SaT como devo fazer?

    Responder
    • Olá Gabriel,

      Esses detalhes de procedimentos você deve verificar no próprio site de cada instituição. Por exemplo, cada uma delas exige que seu histórico escolar seja traduzido por uma empresa específica, ou seja, não adianta mandar para um tradutor juramentado no Brasil. Tanto Harvard quanto Stanford exigem além de SAT e TOELF que o aluno tenha um currículo bem extenso e “admirável” de atividades extra-curriculares que mostrem sua liderança e engajamento social, além de excelência em esportes e/ou artes. Fora isso, é histórico, TOEFL e SAT mesmo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  6. olá tenho 17 anos e estou no terceiro ano, presto vestibular esse ano mas quero fazer faculdade no exterior. O meu curso é design então nesse caso eu poderia fazer o college fora? E eu quero tentar bolsa como eu faço?

    Responder
  7. Olá, sou nascida no EUA, porém vim morar no Brasil bem pequena, então não sou totalmente fluente em inglês, mas entendo muito bem. Queria fazer faculdade em Harvard. Para entrar na universidade é necessário fazer o College obrigatóriamente? E por ter nascido lá, os requesitos para a minha inscrição são os de estrangeiros, ou para cidadãos americanos?

    Responder
    • Olá Raffaela,

      Você tem que aplicar como Americana, e pode se beneficiar de financiamento estudantil. Contudo, todo o resto você será tradada como estrangeira: os históricos e diplomas escolares precisarão ser traduzidos por uma empresa autorizada por Harvard (só existe 1, então não traduza com profissional juramentado no Brasil, pois será desperdício de dinheiro) e você precisará prestar TOEFL ou teste similar para provar proficiência na língua inglesa pois não fez High School nos EUA.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  8. Olá,

    -Faço 20 anos em breve e agora que estou começando o processo. Então terei que fazer o TOEFL e SAT assim como a Application nessa idade;
    -Minhas notas no ensino mèdio não foram as melhores em todas as matèrias. Eu era um aluno na mèdia.
    -Trabalhei o colegial inteiro para ajudar minha família e, por esse motivo, as notas nao foram as melhores e não tive envolvido em atividades extra-curriculares (trabalhava de dia e estudava a noite).

    Tenho chances significativas, vale a pena aplicar ? Ou realmente já estou muito longe do perfil?
    Agradeço a resposta pois sei que será sincera.

    Responder
    • Olá Victor,

      Você precisa definir primeiro o tipo de instituição que você pretende aplicar. Os colleges não são todos iguais. Tem college que aceita qualquer aluno internacional pois a anuidade é mais do que o dobro do que para os alunos locais no melhor estilo “pagando bem que mal tem”. Colleges mais conceituados como Harvard ou Stanford, você não teria nem sombra de chance. Na sua idade e com seu histórico (não só escolar, mas falta de um motivo mais sólido para não ter ido para o college/faculdade logo depois do ensino médio) eles não teriam qualquer motivo para te aceitar. Colleges medianos também podem ser difíceis, mas é preciso primeiro definir a área e o grupo de instituições em que você está interessado para ter uma ideia melhor quanto às possibilidades. Contudo, é preciso antes de tudo definir como você pretende pagar por esse estudo, pois nos EUA não existe mensalidade, o aluno precisa pagar o ano todo à vista (ou pelo menos o semestre) e alunos internacionais precisam comprovar uma quantia de dinheiro líquida em conta bancária suficiente para cobrir todos os custos de vida (descontando o custo da escola) pelo período em que o visto será concedido. Em geral, o aluno precisa ter uns 30 mil dólares em conta corrente para ser aprovado para o visto de estudante e pagar o primeiro ano/semestre de estudo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  9. Olá, eu quero fazer Relações Internacionais na FIU, em Florida. É preciso fazer o college primeiro? Já tentei pesquisar mas não achei nada. Se não, queria saber como funciona para fazer o curso, já que o SAT é só para o college, a faculdade não exige uma prova para cursos que não precisam do college?

    Responder
    • Olá Letícia,

      Acho que você está confundindo o conceito de college! College é a faculdade normal como a conhecemos no Brasil! É a mesma coisa, só que nos EUA o nome é ‘college’ ou ‘undergraduate degree’. Talvez seja por isso que você não achou nada. Relações internacionais é simplesmente uma concetração de college, ou seja, dá no mesmo do que você fazer a mesma faculdade no Brasil. Você precisa prestar SAT para entrar nesse curso que você quer fazer.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  10. Olá Diego, tenho 19 anos, sou cidadã americana, mas não fiz meu ensino médio nos EUA, pois infelizmente vim ao Brasil há 5 anos, portanto não estou qualificada para apply for college como qualquer cidadão americano, pois não tenho os required “credits”, como você deve saber e também não fiz o SATS, mas enfim, queria saber se posso apply para algum college como um International Student, para ver se consigo admission em alguma, tipo Texas A&M ou UCSB, ou qualquer uma que fosse aprovada, ou não posso ser considerada uma international student? Mesmo não sendo perminent resident dos EUA no momento? Ficaria muito grata se você esclarece essa duvida!

    Responder
    • Olá Kathleen,

      Se você é cidadã Americana, você não pode ser considerada uma estudante internacional. Isso inclusive é ótimo, pois alunos de fora do país pagam mais do que o dobro em anuidade. Você não ganharia nada se pudesse ser considerada uma. Sendo Americana, apenas morando fora do país você é simplesmente uma “out-of-state student”. Se você fez ensino médio no Brasil, você tem as mesmas qualificações que um aluno que fez high school, só fica faltando o SAT que você pode prestar mesmo estando no Brasil. Sua idade, contudo, é um problema, pois as universidades gostam de admitir alunos recém saídos do segundo grau, o que ocorre quando os alunos tem 17 ou 18 anos no máximo. Você terá que explicar bem porque não entrou na faculdade ainda e o que fez nesse “gap year”, como eles chamam. Contudo, as instituições de menor destaque não levam muito isso em consideração. Se você não é permanent resident, entretanto, seu maior problema talvez venha a ser o financiamento estudantil, não a aceitação em uma faculdade.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Sim, entendo não poder ser considerada uma international student, estava em dúvida mesmo se poderia, mas estava com esperança de poder ser, pois já ouvi falar em casos de scholarships para international students e minha preocupação maior realmente é o financiamento estudantil, além da idade também como você disse, sei que já estou velha, mas queria arrumar alguma forma de voltar para os EUA definitivamente e poder estudar lá como qualquer outro americano. Por isso estou levando em consideração as community colleges, onde poderei estudar e trabalhar ao mesmo tempo para pagar, além de tentar ajudar com as despesas de casa, pois estamos planejando mudar a família toda, e dai tentar um transfer para um 4-year university. Quero apply para vários scholarships se eu conseguir o transfer, para não precisar contar com student loans para pagar o restante dos anos de bacharelado. Por enquanto são esses os meus planos, mas to insegura, porque pode dar tudo errado também, não sei bem o que fazer, você tem alguma dica?? Ah e você? Mora e estuda nos EUA Diego? E obrigada por esclarecer minha dúvida!

        Responder
      • Sim, entendo não poder ser considerada uma international student, estava em dúvida mesmo se poderia, mas estava com esperança de poder ser, pois já ouvi falar em casos de scholarships para international students e minha preocupação maior realmente é o financiamento estudantil, além da idade também como você disse, sei que já estou velha, mas queria arrumar alguma forma de voltar para os EUA definitivamente e poder estudar lá como qualquer outro americano. Por isso estou levando em consideração as community colleges, onde poderei estudar e trabalhar ao mesmo tempo para pagar, além de tentar ajudar com as despesas de casa, pois estamos planejando mudar a família toda, e dai tentar um transfer para um 4-year university. Quero apply para vários scholarships se eu conseguir o transfer, para não precisar contar com student loans para pagar o restante dos anos de bacharelado. Por enquanto são esses os meus planos, mas to insegura, porque pode dar tudo errado também, não sei bem o que fazer, você tem alguma dica?? Ah e você? Mora e estuda nos EUA Diego? E obrigada por esclarecer minha dúvida!

        Responder
        • Olá Kathleen,

          Na verdade você não deveria ficar desanimada porque não pode ser considerada uma international student! Como Americana você tem inúmeros direitos e possibilidades, enquanto international students não tem nada de benefícios e ainda pagam uma anuidade muito maior.

          Scholarships para international students são muito raras e geralmente só são dadas para alunos de enorme destaque, principalmente no esporte. Alunos Americanos, contudo, recebem múltiplos scholarships. Entretanto, não conte que você vai conseguir pagar todo o custo educacional com scholarships, pois isso provavelmente não vai acontecer.

          Scholarships são “prêmios” em valor bem baixo que são presenteados aos alunos. Você tem que coletar uma quantidade muito grande de scholarships só para pagar uma porcetagem pequena do custo total da escola e despesas pessoais.

          As bolsas integrais propriamente ditas são raras e novamente, dadas apenas para quem joga esportes pela escola ou tem algum tipo de destaque em outra área ou deficiência.

          Os Americanos reclamam muito dos student loans, mas acho isso besteira. O juros nos EUA é uma piada, ele segue só um pouquinho acima da inflação. Isso significa que na realidade, pegar student loans é uma EXCELENTE opção. O raciocínio é que ao se formar, você poderá pegar um emprego bom o suficiente para ir pagando o empréstimo sem que isso doa no seu bolso. E você só começa a repagar os student loans quando não está mais estudando. Se você passar 20 anos estudando, você só vai começar a pagar depois desses 20 anos.

          Só para você ter uma ideia, uma amiga minha fez community college, depois trasferiu para 4-year school, logo em seguida entrou no mestrado e depois foi fazer MBA, totalizando 9 anos de student loans. Tudo direto sem parar e tudo com 100% de student loans, que cobriam não só a escola, mas todo o custo de vida dela. Ela se envolveu com jogo (casino), perdeu muito dinheiro e parou de pagar os student loans. Ou seja, o valor que ela devia aumentou muito e ainda com multas e mais juros. Agora, o governo “confisca” um valor direto do holerite dela todo mês. Ela paga a “fortuna” de $500 dólares por mês por ter avacalhado com os student loans. O meu ponto é que esse é um caso extremo. 9 anos de empréstimos, não pagou, o valor aumentou com multas e juros e tudo o que é paga são míseros $500 dólares. Com toda a educação que ela conseguiu, hoje (não sendo mais viciada em jogo!), ela tem um ótimo emprego e os $500 dólares são gorjeta e nem fazem falta no final das contas.

          Acho que é mais provável que as coisas dêem “tudo errado” num país desestruturado como o Brasil. Aqui nos EUA você tem uma série de oportunidades, por mais que o país não esteja com a economia perfeita, ainda é anos luz melhor que o Brasil. Então não acho que você deveria ter receios de vir mesmo. Até porque, se depois de tudo você resolver voltar para o Brasil, um diploma de uma univerdade Americana com certeza abre muitas portas para você no Brasil.

          Quanto a mim, eu já não estudo mais! Tenho 38 anos! Fiz faculdade no Brasil e pós e mestrado aqui nos EUA.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  11. Muito obrigada Diego por toda a informação que você se dispôs a compartilhar, fico muito feliz em saber de todos esses benefícios! E fiquei curiosa em saber essa estória da sua amiga, ela é brasileira ou americana? E no que ela se formou? E também queria saber se ela se sustentava sozinha vivendo ai (seja com loans ou trabalhando por conta própria) ou se ela contava com algum apoio de fora, tipo da família? E se ela começou a pegar loans desde o início,quando começou a frequentar community college ou se ela trabalhava para pagar community college e começou a pegar loans assim que transferiu?
    Pergunto isso pois estou receosa, porque assim que chegássemos ai, eu teria que trabalhar para contribuir com as despesas de casa, além de afford community college para deixar para take out loans depois que eu fizesse o transfer, porque acredito que seja assim que muitos americanos fazem. E queria saber se você acredita que seja possível todo esse processo dar certo? Tipo, what are the odds disso não dar certo? Na sua opinião?
    Mais uma vez muito obrigada, suas informações estão sendo muito úteis! E me desculpe se minhas perguntas estiverem muito confusas,sei que já estou abusando de sua generosidade, responda o que você souber!
    Abraços,
    Kathleen

    Responder
    • Olá Kathleen,

      Minha amiga é Americana. Ela morou com a mãe durante todo o tempo em que estudou e a mãe tinha um “empregão”, mas era viciada em jogo também, então o dinheiro dos student loans dela às vezes ajudavam com as despesas, mas ela não tinha as maiores despesas de uma pessoa que são moradia e carro, pois já estavam pagos. Ela pegou student loans desde o início, como praticamente todos os alunos que precisam fazer community college fazem. A área dela é antropologia (undergraduate e mestrado), mas ela trabalha em empresa agora. Os Americanos dão muito pouco valor para o “undergraduate degree” ou seja, a faculdade que a pessoa faz. O que importa é o “graduate degree”, ou seja, MBA, ou escolas profissionalizantes como medicina, direito, administração, arquitetura, odonto, etc.

      Seria difícil você trabalhar e fazer community college ao mesmo tempo. Para qualificar para receber student loans, você precisa ser uma full time student e as aulas são durante o dia. Se você optar pelas (poucas) escolas que oferecem aulas à noite para que possa trabalhar, você não pode pegar student loans. Uma vez que você transfira para um 4-year college, aí sim não dá pra trabalhar mesmo, pois é período integral. Isso é algo que você tem que pesar. A quantia de student loans também que é dada para alunos de undergraduate (community college e 4-year school) são bem baixas, em torno de $10.500 por ano! Então dá pra ajudar se você tem uma condição como a da minha amiga em que ela morava com a mãe e tinha um carro já pago. As despesas dela eram com livros, alimentação na escola e transporte (que é justamente o objetivo dos student loans).

      Para que você possa estudar, seus pais provavelmente terão que trabalhar ou você terá que ir sozinha e morar em uma casa/apartamento compartilhado com outros estudantes (como fazem praticamente todos os estudantes). Se você já morou aqui com a família, seus pais devem ter Green Card ou são naturalizados, certo? Nesse caso, eles é que assumiriam as despesas da casa enquanto você estuda.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Ah sim, sua amiga portanto não tinha maiores preocupações além do financiamento estudantil…O que não seria meu/ nosso caso, porque sim, meus pais são naturalizados americanos, no entanto, íamos quatro pessoas, que no caso seriam apenas eu, 19, minha irmã gêmea, 19, meu irmão pequeno, 11, e minha mãe, 40, portanto seriamos nos três (eu, irmã e mãe) para darmos conta das despesas de casa, pois meus pais agora são divorciados e meu pai ficaria aqui no Brasil. Entretanto, a minha mãe não daria conta de assumir todas as despesas sozinha, principalmente porque minha mãe já não tem condições de fazer house cleaning como ela fazia antigamente, devido à idade, logo ela teria que dar uma diminuída na jornada de trabalho, que já não recebe tanto e por isso contaria com a minha contribuição e da minha irmã em casa…e no começo teríamos que pagar aluguel até conseguirmos vender um imóvel aqui no Brazil para financiar uma casa ai nos EUA. Por isso perguntei se daria para trabalhar e estudar, e na verdade, quis dizer estudar de manhã e trabalhar after class, porque muitas amigas minhas americanas trabalham enquanto estudam, mas elas não se preocupam com as despesas de casa, pois moram com os pais…
        E na hipótese de eu ir sozinha para dividir com alguém, eu teria que contar com a ajuda financeira dos meus pais ou os loans/grants dariam para cobrir tudo?
        E Diego, também queria perguntar se o processo de se formar em odontologia é mais complicado que de outras graduações? Ou qualquer pessoa que se dedicar consegue? Porque já sei que mais caro é…Queria saber se teria alguma complicação que impedisse alguém de se graduar em odonto e tipo, quais são os passos para se formar e poder exercer a profissão? Sei que é uma graduação que leva tempo…E novamente eu agradeço pela atenção!
        Abraços,
        Kathleen

        Responder
        • Olá Kathleen,

          Não seria fácil, mas com vocês três tendo cidadania, não acho nem um pouco impossível. Não entendi porque housecleaning é a única coisa que sua mãe poderia fazer (e que agora não pode porque ela tem “apenas” 40 anos!). Como Americana, ela pode pegar qualquer emprego, não precisa fazer limpeza como se fosse uma imigrante ilegal, não?! Sua irmã também poderia trabalhar e sim, você poderia trabalhar part-time, então acho que as três juntas poderiam tranquilamente sustentar um apartamento de 2 ou 3 quartos. Os student loans não podem nunca ultrapassar o cost of attendance definido pela escola, então o ideal seria escolher uma escola com um COA bem generoso (isso varia bastante), mas mesmo assim, a ajuda financeira para alunos de undergratuate não é muita (entre 10 mil e 15 mil dólares por ano, mas tem que pagar a escola com esse dinheiro, antes de tudo). Mas com essa ajuda, mais um emprego part-time e sua irmã e mãe trabalhando, não vejo nenhuma dificuldade para vocês se estabelecerem, principalmente em alguma região onde o custo de vida é menor.

          Abraços,

          Diego

          Responder
        • Caí aqui por acidente e achei interessante o texto e as respostas super detalhadas, mas me senti compelido a comentar aqui… Realmente, achei estranho você dizer que sua mãe que ainda é tão nova não pode fazer limpeza, mas tudo bem… com 40 anos, às vezes a gente não tem mesmo a mesma energia, mas você fala como se vocês não pudessem ir para os estados unidos sem que você pudesse trabalhar porque como sua mãe já tem 40 anos, ela não pode mais fazer limpeza doméstica… Tá, e outros empregos? Como o camarada acima disse, por que limpeza é a única coisa que ela pode fazer se ela tem naturalização? E sua irmã? Não trabalha, não?!

          Uma ideia também para complementar a renda é criar um website, como esse aqui. Veja que o dono do site tem anúncios do Google. Isso paga as contas! Também pode vender ebooks, estando nos EUA, pode comprar coisas nos outlets e vender no Ebay… tem muita ideia para fazer dinheiro e sobreviver…

          Eu nào acho que vocês devem desistir. O Brasil tá uma bosta, e não vai melhorar tão cedo. Saiam enquanto podem!

          Responder
          • Muito obrigada pelas respostas rapazes, e sim eu entendo o ponto de vista de vocês, a minha mãe ainda é muito jovem, mas eu esqueci de comentar que apesar de ela ser ainda bastante jovem, já tem problemas na coluna, como artrite e ainda existe uma possível hérnia de disco se formando, o que nos faz ter certo receio quanto a jornada de trabalho de housecleaning. E durante todo o tempo em que vivemos aí percebemos, assim como outras amigas da minha mãe que vivem nos EUA, que housecleaning tem mais outcome que qualquer outro dos muitos empregos que ela poderia ter ai como cidadã americana, então ela dá certa preferência ao housecleaning; mas é verdade, assim que chegássemos ai, poderíamos olhar outros tipos de emprego para ela, vai que tem algum que pode pagar tão bem quanto, certo?
            E sim Henrique, como eu disse, eu e minha irmã trabalharíamos para ajudar na renda, mas ela também quer estudar como eu, então nenhuma de nós duas poderíamos ter full-time jobs enquanto estudássemos, mas como o Diego disse achar possível nós cobrirmos as despesas com part-time jobs, me sinto um pouco aliviada!
            Também acho bacana como o Diego responde às perguntas com respostas super detalhadas! E obrigada pelas dicas de como completar a renda Henrique, realmente não ta valendo a pena ficar Brasil!

          • Olá Kathleen,

            Um possível emprego melhor do que housecleaning para a sua mãe dependeria do tipo de formação que ela tem. Se ela não tem curso superior, ela provavelmente não conseguiria nada melhor mesmo, mas com vocês 3 trabalhando, mesmo que meio período você e sua irmã, e a ajuda financeira do college para vocês duas, não acho impossível não. Muita gente se vira com empregos que pagam muito mal. A vida aqui é muito mais barata do que no Brasil, comida, transporte público, mesmo aluguel na maioria das cidades. Conheço um cara, caixa do supermercado onde eu costumo fazer compras, ele e a mulher trabalham no supermercado e acabaram de comprar uma casa. Ele dirige um Toyota Corolla, a mulher um Honda Fit. Você nunca veria um caso desses no Brasil. É possível viver bem aqui com pouco dinheiro.

            Abraços,

            Diego

          • Olá Diego!
            Muito obrigada, suas respostas são super bem exemplificadas e muito detalhadas, me ajudaram bastante, parabéns pelo seu blog Diego! Qualquer duvida que eu tiver, sei onde procurar…
            Abraços,

            Kathleen

  12. Olá, eu gostaria de cursar medicina nos Estados Unidos. No entanto, como eu pude averiguar, após terminar o college terei que fazer outro processo seletivo para conseguir fazer medicina. Estou com medo de terminar o college e não conseguir passar (isto pode acontecer, certo?). Tenho o sonho, ainda, de cursar neurologia, o que segundo uma estudante de determinada universidade americana me falou, levaria cerca de 12 anos ( contanto com o college e a residência médica). Além disso, caso a medicina não desse certo, eu queria poder cursar pelo menos neurociência. Eu posso fazer o college e sair já como neurocientista, para só assim tentar medicina?

    Responder
    • Olá Ana Laura,

      Neurociência e neurologia são duas áreas COMPLETAMENTE diferentes! Neurociência, hoje em dia, é um termo guarda-chuva usado para tornar “mais interessante” tudo o que diz respeito à mente e o cérebro. College de neurociência nada mais é do que um curso superior que juntou biologia e psicologia. Você não sai “cientista” de nenhum curso no nível de college (equivalente à faculdade no Brasil). Neurocientista é o profissional que fez doutorado em alguma área de pesquisa do cérebro, não necessariamente neurociência. Doutorados em neurociência se focam quase que exclusivamente na pesquisa de algum aspecto muito específico do cérebro e os alunos passam praticamente todo o tempo em laboratórios fazendo pesquisa em microscópios e animais (como ratos).

      Neurologia, especialidade da medicina, se foca nas patologias neurológicas, como mal de Alzheimers, esclerose múltipla, derrames cerebrais, AVCs, entre outros acidentes vasculares. Neurologia não tem absoltamente nada a ver com o “estudo da mente”.

      É importante que você compreenda mais esses pontos para não cair em alguma ideia ilusória de que uma certa profissão vai lhe permitir fazer algo que você imagina ser legal ou interessante.

      Apesar de neurociência ser “essa coisa legal” que as pessoas querem fazer, pois estuda o cérebro e tal, a realidade de um profissional que trabalha na área é totalmente “desinteressante” e nem um pouco filosófica! A maioria dos neurocientistas de verdade trabalha em empresas de biotecnologia, laboratórios ou são professores universitários. A maioria dos neurocientistas NÃO SÃO médicos!

      Eu recomendo que antes de você começar a pesquisar sobre coisas específicas como, “fazer medicina nos EUA”, você procure definir bem quais realmente são as suas expectativas. Ou seja, você “acha” que você quer fazer X porque na sua cabeça, se você fizer X você vai alcançar Y. Você tem que dar um nome para esse Y e deixar tudo muito claro. A partir disso, você deve pesquisar se o caminho que você tem em mente realmente vai te levar a alcançar Y!

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Bem explicada a diferença entre neurociência e neurologia! Essa confusão é muito comum e a garotada que pensa em entrar em medicina para fazer neurologia não faz ideia de que o neurologista passa o dia tratando (em sua maioria) de idosos que sofrem de doenças neurodegenerativas, derrames, avc, etc. Ao passo que neurociência é mais um termo que a mídia usa e abusa do que uma profissão propriamente dita. Um college em neurociência, como a menina cogita fazer, não vale nada. Nos EUA, é apenas mais um “4 year degree” em artes ou ciências (dependendo de como a instituição organiza o curso). O fato dela ter perguntado se ela se forma neurocientista fazendo um college em neurociência já mostra o quão pouco ela sabe sobre o assunto! Se você voltar aqui neste site e ler minha resposta Ana Laura, indico estudar um pouco sobre o que é necessário para exercer determinadas profissões e o que cada profissional dessas profissões faz no dia-a-dia. “Cientista” é só quem faz doutorado e trabalha em pesquisa científica dentro de um laboratório ou universidade. É isso o que você quer fazer? É assim que você pensa em trabalhar? Se sim, esqueça medicina.

        Abraço e boa sorte!

        Douglas

        Responder
    • Não existe realmente formação em neurociência. Neurocientistas geralmente são pesquisadores dentro de universidades com doutorado em psicologia cognitiva, que estudam processos de memória e funcionamento do cérebro. Neurologia, especialidade médica, não leva à neurociência, como muitos já responderam. Formações universitárias em neurociência geralmente são jogada de marketing, como é “biomedicina”, que não tem nada a ver com medicina é mais um cursinho de estética. College em neurociência é a mesma coisa que fazer psicologia sem poder atuar como psicólogo. Você precisa definir melhor o que realmente você quer, pois você parece bem confusa e desinformada.

      Responder
        • Isso é normal, jovens em cidades grandes também têm as mesmas dúvidas. Muita gente não sabe como é o dia-a-dia ou a atividade específica de profissionais em certas áreas e há muito mito por aí. Desculpa se te ofendi, tá? Não foi a minha intenção… É que sua pergunta realmente revela que você precisa investigar melhor o que faz cada profissional para que você possa tomar uma decisão embasada na realidade, não no sonho de fazer alguma coisa que você acha que vai gostar e depois vê que “não era bem aquilo”. Nos seus diversos comentários você diz que gostaria de ser pesquisadora de assuntos de comportamento, neurociências, tem interesse pela medicina e ainda pela astronomia. Cada uma dessas profissões é completamente diferente uma da outra e não quero dizer no sentido de que os assuntos em si são diferentes, mas que cada um desses profissionais tem atividades completamente diferentes.

          Minha dica pra você é ver que tipo de trabalho você gosta mais de fazer: gosta de ensinar? gosta de sentar na frente do computador e não falar muito com colegas? Gosta de trabalhar em equipe? É muito competitiva? Odeia competitividade? Respostas para esse tipo de pergunta podem te levar muito mais perto da decisão certa do que escolher algo baseado em mero interesse. Cada pessoa tem uma personalidade, tem tipos de trabalho que simplesmente podem não se adaptar ao seu estilo pessoal, mesmo que você adore o tema. Eu, por exemplo, jamais seria “pesquisadora” ou “cientista”, pois a realidade dessa profissão (em qualquer área, de astronomia à psicologia) é cruel: politicagem acadêmica, ambientes ultra-competitivos, puxa-saquismo, salários péssimos e poquíssimas oportunidades de realmente participar de algo que vá mudar o mundo ou fazer qualquer diferença na vida de alguém. Não estou dizendo pra você não seguir esse caminho, só estou ilustrando para que você veja que quando você olha para a profissão em si e não para o assunto, você consegue enxergar melhor como é a vida de um profissional e pode se imaginar fazendo aquilo (ou não).

          Abraços,

          Simone

          Responder
  13. Olá

    Estou interessada em cursar algo relacionado a linguagens, vendo que sou muito boa em português, inglês e espanhol, e minhas notas são relativamente boas nessas matérias. E estou a um semestre de terminar meu curso de inglês e fazer um dos Cambridge Exams. Porém, em outras matérias, como biologia, filosofia, física etc, minhas notas não são boas. É possível que as notas nessas outras áreas influenciem muito o meu “application”?

    Obrigada!

    Responder
    • Olá Letícia,

      Isso depende de quais escolas você aplicar. Em termos de college, existe uma amplitude enorme. Você pode até mesmo estudar em community colleges, onde não há processo seletivo, você só faz a matrícula e entra. Para escolas de destaque, contudo, como Harvard e Yale, não só notas altas são imprescindíveis, como todo um currículo de atividades extracurriculares que deve ser montado durante todo o ensino médio. A nota no SAT também pode determinar muita coisa.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Quer uma dica?

      Vou te dar uma dica baseada na minha própria experiência e de pessoas do meu convívio que cometeram um mesmo erro, ok?

      Eu resolvi fazer uma faculdade com base nesse critério “o que eu sou bom”, “as matérias que eu gosto mais”. Acabei fazendo letras (inglês). Grande erro! O que eu faço com isso agora? Nada! Hipoteticamente, você pode fazer um monte de coisas, não pode? Tradução, interpretação, etc. Mas quer saber? O mercado está completamente abarrotado de gente, o que joga os preços lá pra baixo. Cada mês é uma luta enorme para eu conseguir tirar um mínimo para ter uma vida decente.

      Um colega que fez letras (fraancês) já desistiu da profissão há muito tempo e resolveu fazer engenharia, o que acabou sendo a melhor decisão da vida dele.

      Eu estou nessa agora de pensar em um novo vestibular e uma nova carreira, uma carreira que vá pagar minhas contas.

      É uma ilusão ficar pensando no que você “gosta”. Você pode gostar ou não gostar de qualquer carreira, independente das matérias que você tem que estudar.

      Uma amiga que fez ensino médio comigo era aluna medíocre em matemática e física, mas resolveu seguir o aconselhamento dos pais e fez arquitetura. Tá rica hoje e curte muito a profissão.

      A profissão que você vai seguir, o trabalho em si que você vai realizar, com exceção de licenciatura para ser professor, tem muito pouca relação com o que você vai fazer na prática, uma vez que esteja formada.

      Um médico não mexe diretamente com biologia e química na profissão dele, ele diagnostica, prescreve medicamentos, e se for cirurgião, opera em pacientes. As matérias que ele era bom no ensino médio provavelmente não interferem hoje com sua profissão.

      Minha amiga arquiteta é decoradora, ela não usa matemática, nem física.

      Outro colega engenheiro químico não usa química, trabalha em um laboratório farmacêutico e ganha uma fortuna.

      Então, minha dica pra você é esquecer essa coisa de escolher algo de acordo com as suas tendências nas matérias da escola. Isso se dilui completamente depois que você se forma e essa área de línguas é uma b… Algumas poucas pessoas fazem dinheiro com isso, o resto se mata de trabalhar por muito pouco. Escolha algo que vá pagar suas contas e você será muito mais feliz!

      Abraços e boa sorte!

      Hermano

      Responder
    • Oi.. Não sei quando você fez essa pergunta porque não tem data nos comentários… mas tendo feito o processo seletivo de vários colleges e sido aceita em alguns, posso te dizer que suas notas serão muito importantes para os colleges de maior destaque, mas nem um pouco importante para as escolas medianas, que também são boas. Não é porque não é Harvard que não é boa, entende?

      Agora, uma coisa que você parece não saber é que college é college, não é que nem faculdade no Brasil. Você não entra no college de letras ou de biologia ou direito (que nem tem em college). Você simplesmente “entra no college.” O college é genérico, não é faculdade “de alguma coisa”. Você vai afunilando sua concentração em “alguma coisa” à medida que vai fazendo as matérias, por exemplo, se você tem mais interesse em línguas, você vai fazendo matérias relacionadas a esse assunto, ao invés de matérias biológicas ou exatas, por exemplo. Quem decide que matérias quer fazer é o próprio aluno, você não entra no college e tem um grupo de matérias específicas que você tem que fazer a cada ano, como ocorre nas faculdades no Brasil. Você simplesmente se matricula no college e pronto, faz o que quiser. Alunos que querem se formar em biologia têm aula junto com os que querem se formar em letras, matemática, etc. É tudo misturado, tudo junto. No final das contas, você se forma com uma concentração na área em que você fez mais matérias. O único college separado é o de engenharia.

      Responder
  14. Ola, gostaria de fazer Odontologia nos Estados Unidos, e vi que a Kathleen Basilio perguntou como faz pra se formar em odontologia ali em cima e não encontrei sua resposta e também queria saber como é… se é mais complicado, quais são as etapas para se formar, como ela também perguntou, e também se só quem tem grana pode fazer ou se da pra pegar student loans (se tiver cidadania) e pagar depois.

    No entanto, como eu pude averiguar, apos dar uma pesquisada no processo de se formar em odonto, percebi que após terminar o college terei que fazer outro processo seletivo para conseguir entrar em dental school. E se depois de ter pegado aulas de pre-denstistry eu não conseguir passar, como faz? Como funciona isso tudo afinal?

    Responder
  15. Bem… tentei pesquisar e não encontrei nada de muito específico. Sendo assim, resolvi perguntar aqui.
    O que pretendo fazer é: pesquisa voltada para o estudo dos comportamentos humanos ( tanto do ponto de vista biológico quanto do ponto de vista psicológico), bem como tentar descobrir por meio dessas pesquisas a origem de coisas como a assexualidade e as várias outras orientações ( só um exemplo, não necessariamente precisa ser sobre esse assunto). Enfim, coisas desse gênero, relacionadas à atitudes humanas. Qual o curso certo para mim?

    Responder
    • Olá Ana Laura,

      Pesquisa sobre comportamento é psicologia mesmo. Muita gente não se dá conta de que pesquisa em psicologia se foca no funcionamento do cérebro, o que inclui o lado psicológico, mas não se restringe a isso. Psicologia estuda muito a neurobiologia do cérebro. Psicologia cognitiva também estuda neurociência, memória, atenção, criatividade e uma série de assuntos não “psicológicos”. Se o que você quer é fazer pesquisa mesmo, você poderá, na realidade, fazer qualquer curso superior, seja biologia, química, psicologia ou mesmo medicina. O curso superior não é o que a levará para a pesquisa, mas sim um programa de doutorado em alguma área comportamental como psicologia cognitiva.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  16. Gosto muito de astronomia também. Acredito que seria bom estudar sobre os desdobramentos do Universo, a matéria e a energia escuras… No entanto, algo que me preocupa é a remuneração baixa de algumas profissões, apesar de gostar de várias.

    Responder
    • Olá Ana Laura,

      Todos esses assuntos que você cita em seus comentários são extremamente interessantes. Eu mesmo sou ávido leitor tanto de medicina, psicologia e comportamento, quanto de astronomia e ciência em geral. Mas se posso te dar um conselho, eu recomendo que você afaste um pouco essa ideia de fazer algo estritamente relacionado a interesses e pense no tipo de profissão que gostaria de exercer no dia-a-dia depois de formada. Pensar na remuneração também é importante, como você parece já estar fazendo. Recomendo que você leia esse artigo, escrito por uma colega minha de faculdade que oscilou muito entre opções e acabou indo atrás de interesse por assunto e se arrependeu muito: http://www.guiadavida.com.br/educacao/como-escolher-uma-profissao.htm

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Olá,
        Li o artigo e cheguei à conclusão de que é melhor mesmo eu fazer Medicina e depois me especializar em psiquiatria ou neurologia. Como eu já imaginava, as outras coisas faria mais por hobbie. No entanto, fazer Medicina nos E.U.A seria um risco: mesmo que eu pagasse 1500 reais para poder fazer todas as provas e entrasse no college, poderia não conseguir um financiamento, caso entrasse para uma Escola de Medicina após estes quatro anos. Estou pensando se não seria uma boa tentar uma graduação sanduíche ou fazer apenas o mestrado no exterior (pois acredito que a experiência internacional vale bastante). O que vocês acham?

        Responder
        • Olá Ana Laura,

          O ideal é fazer medicina no Brasil mesmo. Você pode entrar na faculdade direto saindo do ensino médio, não precisa fazer outra faculdade primeiro. As chances de um estrageiro entrar em medicina nos EUA são praticamente zero. É melhor não perder seu tempo apostando que isso vai acontecer – fazer college, depois premed, são 4 a 6 anos no mínimo só para saber se você vai entrar ou não, quando no Brasil, nesse tempo você já pode estar formada em medicina. Se você quer um dia poder trabalhar nos EUA, você deve ir fazendo as provas do USMLE ao longo do curso de medicina para poder se candidatar a uma vaga de residência nos EUA quando terminar o curso. Mestrado não a levará à pesquisa. Nos EUA, mestrado é para quem trabalha em empresas e precisa de “um pouco mais de educação” para subir na carreira. Se você quer fazer pesquisa, você precisa de doutorado (nos EUA, não é necessário fazer mestrado primeiro, os alunos entram no doutorado logo após saírem do college).

          Tudo depende, contudo, do que realmente você quer fazer no longo prazo. Se você está buscando apenas “experiência internacional” para “inglês ver” e quer morar e trabalhar no Brasil, qualquer cursinho de pós-graduação ou mestrado nos EUA vale.

          Agora, se você quer viver e trabalhar nos EUA, aí é diferente.

          Além disso, se você se formar em medicina, esses cursos “extras”, mesmo mestrado e doutorado, não importam muito, a não ser que você não queira praticar medicina e deseje fazer só pesquisa em universidade (ser professor universitário). Outro ponto, médico é médico, no Brasil esse profissional é extremamente valorizado. Ter ou não “experiência internacional” não atrai mais pacientes para um médico.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  17. Só para constar, antes de me chamar de desinformada perceba que em momento nenhum citei que neurologia e neurociência são a mesma coisa. Sei o que faz um neurologista e que este não é voltado para a área de pesquisa. O que eu disse se deve ao fato de gostar de ambas as profissões.

    Responder
    • Olá Ana Laura,

      Eu até fiquei surpreso com a quantidade de respostas que o seu comentário recebeu. O blog é livre para que as pessoas postem o que quiserem e, às vezes, tem gente que acaba ofendo mesmo sem querer.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  18. Diego, estou passando só para elogiar mesmo. Seu blog é INCRÍVEL!!! Me tirou MUITAS dúvidas e me ajudou bastante. Preciso de um inglês mais erudito, de fato, como você falou (em outro artigo) do LSAT; mas o fluente “normal” (linguagem comum) eu já tenho o domínio. Então consegui entender a maioria dos sites das universidades, mas tive algumas dúvidas PRINCIPALMENTE por causa do sistema de ensino que é completamente diferente…! Quase fiquei maluca rsrsrs!
    Parabéns pelo site! Há muito tempo que não vejo um blog GRATUITO e tão rico de informações boas e precisas.
    Abraços e SUCESSO!!!

    Responder
  19. Oi, tenho 16 anos e faço curso de TI na área de Programador de computador e lógica de programação pelo senai. Então terminarei meu ensino médio em 2017 e também meu curso em 2017. Eu quero fazer medicina em alguma universidade americana então com o diploma de operador de computador e lógica de programação serve como bacharel? Eu poderei entrar em uma universidade para fazer medicina?

    Responder
    • Não, curso técnico não é bacharelado, nem no Brasil. Não é possível entrar em medicina no EUA direto do ensino médio como ocorre no Brasil. A idade mínima em que os alunos costumam entrar em medicina nos EUA é 22, 23 anos, justamente porque a pessoa já precisa ter um diploma universitário. Curso técnico não vale nada para medicina em faculdades Americanas. Além de um curso superior propriamente dito, o curso de medicina ainda exige uma série de outros pré-requisitos que você precisaria ter para se candidatar a uma vaga. Veja o artigo específico sobre medicina neste site e futuras perguntas, por favor, poste lá para manter o blog organizado.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  20. Olá, eu queria saber se há chances de eu entrar em uma faculdade de nível alto como Harvard, Stanford, MIT, sendo que eu tenho um ótimo histórico escolar no ensino médio e considerando que já participei de olimpíadas de matemática, astronomia e ciências ganhando premiações em todas.. Faço esgrima e francês desde os meus 13 anos e sei que atividades extracurriculares aumentam as chances. Mas mesmo assim soube que é muito difícil entrar… gostaria de saber se as minhas chances são boas?

    Responder
    • Olá Esther,

      É impossível responder sua pergunta. Se você pesquisar em foruns como College Confidencial você verá que a maioria dos especialistas que respondem até se recusam a responder esse tipo de pergunta. Essas escolas top escolhem seus alunos a dedo pelos motivos mais obscuros e impossíveis de prever. Se você acha que tem chance, não custa nada enviar sua aplicação, mas não dá pra avaliar isso de forma objetiva. Já vi gente completamente sem graça e sem qualquer destaque sendo aceita em Harvard e já vi gente com inúmeras qualificações, boas notas, SAT perfeito serem recusadas. O que costuma fazer diferença nessas escolas, além do básico (nota altíssima no SAT, notas perfeitas durante todo o ensino médio, etc.), é o essay, a redação que o aluno escreve sobre si mesmo. Mês passado estava rolando pela internet uma história de uma menina que foi aceita por 5 escolas top só pelo essay dela, que foi super criativo, bem escrito, honesto, e único. Procure no Google por girl essay costco para ler se quiser. É um exemplo de como uma coisa que poderia parecer até mesmo besta pode fazer toda a diferença, mas ao mesmo tempo, você como canditada não tem como prever competitivamente se outras pessoas serão selecionadas ao invés de você por motivos como esse.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  21. Olá, sou do segundo ano do ensino médio e tenho grande interesse em fazer college no exterior, mas possuo algumas perguntas sobre o processo:
    -É necessário fazer os SATs 1 e 2? Ou só o ‘?
    -A prova é aplicada seis vezes ao ano online ou ao vivo? Onde posso me increver?
    -É recomendado fazer a prova no segundo ou terceiro ano?
    Desde já agradeço. ( Se alguém tiver uma indicação de faculdades/bolsas na Califórnia, agradeceria também).

    Responder
    • Olá Lara,

      Não sou a pessoa mais indicada para te responder essas perguntas. Tudo o que eu sei sobre o SAT eu coloquei neste artigo. O que posso te dizer é que acredito que seja melhor fazer o SAT só no terceiro ano já que além de ter mais tempo para estudar, você pode sofrer perda de pontos por encarar conteúdo que você ainda não estudou. O teste é presencial, em um computador, mas em um local físico. Não é possível prestá-lo pela internet. Mais sobre isso, você deve se informar (procure no Google) no site da organização que aplica o SAT no Brasil. Veja que o foco no SAT para alunos estrangeiros não é tão forte. Se você quer estudar em um college nos EUA, seu destaque fora da sala de aula (esportes, artes, medalhas, liderança) são muito mais bem valorizados do que notas.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  22. Preciso de ajuda, preciso fazer o SAT pra ser aceito na Lincoln Memorial University, mas nao consigo fazer minha inscricao, tem uma parte em que esta escrito, “your high school“ e la eu nao sei o que preencher, pode me ajudar?

    Responder
  23. Olá, meu nome é Juliana, gostaria primeiramente de parabenizar a você pelo artigo que me ajudou a esclarecer muitas dúvidas.
    Pretendo fazer o SAT ainda esse ano e tentar Ciências da Computação no Baruch em NYC, li o que você comentou sobre a idade e estou realmente preocupada agora, pois tenho 26 anos e não achei que a idade pudesse ser um problema. Entrei em contato com o colégio recentemente e fui informada sobre as politicas de admissão e alguns outros detalhes, porém ainda não está claro pra mim a questão do SAT poder ser feito a qualquer momento durante as 6 vezes disponíveis internacionalmente e só poder fazê-lo uma vez. Se eu tentar em Junho e quiser tentar novamente em Outubro, não seria possível? O quanto você acha que minha idade pode me prejudicar em ser aprovada? Estou tentando pesar o quanto esse investimento valerá a pena, pois não tenho tido ajuda alguma em pesquisar sobre o assunto ou informações adicionais sobre como conseguir bolsas e diminuir as taxas.

    Obrigada desde já,
    Abraços

    Responder
    • Olá Juliana,

      A questão da idade é muito delicada. Há muita discriminação com quem já passou da “idade de college”, mas é tudo informal. Legalmente, nenhuma faculdade pode discriminar por idade, então se você perguntar, ninguém vai te falar a verdade. Dito isso, 26 não é assim tão velha! rsrs

      Quanto maior o nível da instituição, maior discriminação. Por exemplo, seria impossível entrar em Harvard aos 26 anos, mas na NYU ainda dá. Outros colleges como Columbia oferecem um programa especial separado para quem passou mais de 1 ano entre terminar o ensino médio e começar a faculdade (ou já fez outra faculdade).

      Na sua idade, o peso do SAT é muito pequeno. Como você já passou muitos anos desde que terminou o ensino médio, a pergunta mais importante que os comitês te farão é o que você fez com esses 8 anos e por que quer fazer aquela faculdade específica, naquele local, só agora.

      O resultado do SAT é automaticamente enviado para as instituições que você cadastra quando faz inscrição. Por esse motivo, se você faz uma vez, algumas escolas não aceitam novo envio, ou aceitam e desconsideram. O ideal é só fazer quando você tiver certeza absoluta de que está muito bem preparada. Contudo, como eu te disse, na sua situação, o peso deste teste pode não fazer muita diferença. So fará se você for muito bem.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Diego, muito obrigada pela rapidez em responder, mas acabei ficando com outra pergunta: se a minha nota no SAT não teria um peso tão grande considerando o tempo que estou sem “estudar”, como eles avaliariam minha possibilidade de ingressar no colégio? No caso, seria tudo baseado em experiências prévias no Ensino Médio e na entrevista? (sim estou começando a ficar realmente preocupada hahahaha até por estar tentando diminuir os custos)

        Obrigada

        Responder
        • Olá Juliana,

          Quanto mais tempo passa entre o ensino médio e a entrada na faculdade, menos peso tem o próprio colegial (e tudo o que ocorre nele e antes dele) e a nota do SAT, e mais peso tem o que você fez nesse período. Como no seu caso esse período é significativamente grande, você terá que ter uma boa explicação para justificar esse gap de 8 anos. Geralmente alunos Americanos que “pulam” 1 ou 2 anos entre o final do ensino médio e a faculdade (college) o fazem por um motivo específico (alguns vão até mesmo acompanhar campanhas humanitárias na Africa, outros abrem empresas, servem nas forças armadas, fazem coisas que realmente justificam adiar a entrada na universidade). Não é comum para os Americanos verem um caso de um gap tão longo e injustificado entre o “high school” e o college. Se você não fez nada que justifique o gap, você terá um rol menor de instituições que te aceitariam (sempre lembrando que a entrada nas univerdades americanas é feita por escolha subjetiva, os testes e números importam muito pouco). Como você vem de um país em desenvolvimento, você poderia “jogar” com isso, e argumentar que não teve change de fazer uma faculdade antes (se foi o caso) e até mesmo fazer um pouco de community college (cuja entrada é livre) para comprovar seu gabarito antes de aplicar para uma universidade propriamente dita.

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • Obirgada mais uma vez pelo esclarecimento, Diego!
            O que ouvi sobre os Community Colleges foi que eles eram perda de tempo, eu não entendo bem como eles funcionam, mas pelo que haviam me dito, fazendo um Community eu conseguiria apenas um associated degree, que me pareceu algo como um diploma de técnico no Brasil. Você poderia me esclarecer isso para mim? Quero de verdade estudar fora e estou encontrando muitas dificuldades e conseguir informações úteis (você é a primeira pessoa que está tirando minhas dúvidas de forma efetiva, estou muito grata)

            Abraços

          • Olá Juliana,

            Os Community Colleges podem ter vários propósitos dependendo da meta do aluno. Você nem sequer precisa terminar o curso ou mesmo estar seguindo uma linha específica (como a para pegar um associate degree). Você pode simplesmente fazer aulas soltas. O objetivo é “montar currículo” e mostrar para as universidades que você aplicar posteriormente que você tem gabarito suficiente para seguir um currículo em inglês com notas boas. Serve para você também ver como funciona o sistema Americano. Eu entrei em Harvard logo de cara e para mim foi um baque tremendo, pois eu não sabia qual era o “esquema” de avaliações, provas, redações (essays), e outros tipos de avaliações constantes. O ritmo era brutal e completamente diferente das escolas brasileiras. Um Community College pode te dar esse tipo de experiência sem a pressão de estar já matriculada em uma universidade onde seu desempenho fará muita diferença.

            Além disso, as matérias que você fizer no Community College podem ser eliminadas do currículo na univerdade que você entrar depois.

            Abraços,

            Diego

          • Obrigada, Diego, pelos esclarecimentos e pela gentileza em responder. Vou entrar em contato com alguns Community Colleges e procurar um em que eu possa me enquadrar.
            Abraços

  24. Olá
    Eu queria saber se eu tenho uma chance de entrar mesmo não fazendo nenhuma atividade extra-curricular.Eu estou no 2 ano do ensino médio e tudo que faço é estudar,e eu quero muito estudar em Harvard mas n sei se n tendo esse quesito terei a capacidade de entrar.Alem disso,o que é necessário pra estudar para o SAT,e o que me indicaria pra começar a estudar?

    Responder
    • Olá Paulina,

      Eu diria que não. Todos os outros candidatos também têm notas perfeitas. Coloque-se no lugar de um membro do comitê de admissão olhando para sua aplicação: essa garota não tem nada de especial. Ela tem as mesmas notas que todos os outros candidatos. Por que eu escolheria ela ao invés desse outro aqui que foi campeão olímpico? Ou essa outra que ganhou medalhas de xadrez? Ou esse outro que abriu uma empresa aos 15 anos e a vendeu por 10 milhões de dólares com 17? Sinceramente, as suas chances são praticamente zero, pois é contra esse tipo de estudante que você estará competindo. Coloque os pés no chão e, se quiser estudar nos EUA, foque-se em um college de menor destaque e durante o curso envolva-se com posições de liderança e pesquisa científica para que possa posteriormente fazer um curso de mestrado ou doutorado em Harvard. De qualquer forma, você pode sentir o gostinho de Harvard na Harvard Extension School, fazendo pós e mestrado sem todos esses pré-requisitos. Você pode até mesmo conseguir fazer o college na Harvard Extension, se tiver condições de bancar sua própria estadia em Cambridge por períodos de 6 meses de cada vez e fazendo as outras matérias online. Quanto ao SAT, procure no Google. Tem muita informação. Prefira procurar em Inglês para obter sites com informações mais atualizadas (o SAT mudou esse ano) e de maior qualidade.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  25. Olá, tudo bom? Eu tenho 21 anos, não tem sonho em entrar em Harvard, ou outro “College” de grande nome e destaque. Apenas uma boa, já é o bastante para mim. Será que eu sofreria muito preconceito por causa da minha idade? No Brasil temos o costume de entrar na faculdade mais tarde, devido vários fatores. Nos EUA eu sei que assim que sai do colegial, já se entra na “College”. Então, eu queria cursar algo que envolvesse programação de computadores, sabe? Por exemplo, aqui no Brasil eu gostaria de cursar Ciência da computação, e nos EUA, algo similar.

    Responder
    • Olá João Victor,

      21 anos não é “velho” para entrar no college, contudo, você precisa argumentar muito bem o que fez nesse tempo em que deveria estar fazendo college (do ponto de vista dos Americanos). Se você não fez nada de mais, é provável que o preconceito venha daí, não da idade em si. Americanos que entram nas escolas top um pouco mais velhos geralmente passam esses anos de intervalo fazendo campanhas humanitárias no exterior como África e Ásia, abrem uma startup e depois vendem por milhões de dólares, são atores, cantores, escritores, ou atletas e se dedicaram à carreira nesse período, serviram nas forças armadas, etc. Coisas realmente “significativas”. Se você não tem uma boa desculpa isso será interpretado como falta de foco, disciplina, e comprometimento para com a própria educação. Características indesejáveis em um aluno dessas escolas. O ideal seria se focar em universidades estaduais ou de segunda e terceira linha.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Rayssa,

      Não é você quem vai provar. Você simplesmente irá citá-las em sua aplicação. Em todo departamento de admissão, há um grupo responsável por verificar diretamente essas atividades, ligando ou enviando email para os responsáveis, se for suspeito que o aluno mentiu. Em algumas escolas, essa verificação é feita por amostragem estatística, ou seja, pega-se alguns casos aleatórios e ligam para os lugares onde o aluno diz que participou de atividades e falam com o responsável. Isso também é feito quando o aluno é estrangeiro e fala outro idioma. No caso de dúvida, se não conseguirem comprovar diretamente que você participou de atividades, a mesma é desconsiderada da aplicação.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  26. ola, eu queria saber se tem como eu fazer o sat sem ser pela internet.. também queria saber: no caso, eu teria que me formar no ensino médio + usp medicina (por exemplo) pra depois ir para harvard ou eu posso fazer college la e ir logo pra harvard medical school?

    Responder
    • Olá Myrele,

      O SAT não é pela internet! Ele é prestado “em um computador”, mas não o seu! Assim como os testes de proficiência de língua inglesa como TOEFL e IELTS, o SAT é prestado em um local pré-definido onde você senta em um computador e faz a prova, não é pela internet. Não entendi bem sua outra pergunta, você quer fazer medicina na USP para depois entrar em medicina em Harvard? Isso não faz sentido… Além disso, como estrangeira, você não pode fazer medicina nos EUA, nem em Harvard, nem em outra faculdade. Você precisaria ser Americana, ter Green Card, ou pelo menos ter um parente Americano (ou residente) que pudesse ser seu fiador, mas mesmo assim, as chances de um estrangeiro ser aceito em medicina é ínfima, ainda mais em Harvard. Você ganha muito mais esquecendo essa história e fazendo medicina no Brasil. Depois se quiser trabalhar nos EUA, faça residência.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Myrele,

      Sim, isso é comum nos EUA, mas o aluno, é claro, precisa ser aceito por um college demonstrando capacidade acadêmica excepcional.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  27. Quando eu vou me registrar para a prova existe uma parte de “FIND HIGH SCHOLL”..ALGO ASSIM…e tem um codigo de conselheiro…me ajudem pfv

    Responder
  28. Quando você diz o que o ideal é fazer “esse ‘primeiro’ curso no Brasil” para pessoas que já estão com 24 anos ou mais. Você quer dizer fazer uma faculdade no Brasil? E se eu pretendo fazer um curso na área artística nos EUA, também preciso começar no Brasil? Pelo que eu entendi, depende da área do curso, estou certa?

    Obrigada!

    Responder
    • Olá Fabiola,

      Não cabe a mim te dar essas informações. Esses preços estão constantemente sendo atualizados, eu não tenho como me manter informado sobre isso. Não é esse o propósito deste site ou artigo. Você deve se informar no site oficial de cada instituição que aplica esses testes no Brasil (procure no Google).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  29. Boa noite.

    Sem um currículo de Ensino Médio perfeito, é possível ganhar bolsa em uma boa universidade dos Estados Unidos? O que eu faço para recuperar tudo o que eu perdi (atividades complementares, esportes, trabalho comunitário)? Existe algo, além do SAT, que eu possa fazer para que eu aprimore minhas habilidades e aumente as minhas chances de conseguir completar uma graduação nos EUA?

    Obrigada!!!

    Responder
    • Olá Letícia,

      Há uma variedade muito grande de escolas nos EUA, assim como no Brasil. Há escolas de quinta categoria que aceitam qualquer um que pague e do outro lado, há as escolas top como Harvard e Stanford. Suas chances de entrar nessas escolas top é zero. Não importa o que você faça a partir desse ponto (não há “recuperação de tempo perdido” para essas escolas, ou você faz tudo certinho de primeira, ou não faz). Sendo assim, você pode procurar outras escolas “no meio dessa lista” que aceitem alunos que não tem histórico nem notas boas. Há muitas escolas nessa categoria. Uma alternativa é começar com Community Colleges, cuja entrada é livre (não há processo seletivo). Fazendo Community College (espalhados por todas as cidades Americanas) você depois de 2 anos transfere para uma univerdade “de 4 anos” e termina os 2 últimos anos. Esse caminho é bom para pessoas como você que não tem cacife para entrar em uma univerdade boa. Esses 2 anos de Community College te dão a oportunidade de tirar notas boas e fazer algumas atividades. Nesse caso também, seu histórico do ensino médio já não importa mais (se você estiver aplicando para um college após os 2 anos de Community College).

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • “Esse caminho é bom para pessoas como você que não tem cacife para entrar em uma univerdade boa”

        “Suas chances de entrar nessas escolas top é zero”

        HAHAHAHAHAHAH…o loco! A mina foi destruída depois disso.

        Excelente!

        by DJ

        Responder
        • a verdade as vezes é dura… é melhor o blogger responder as perguntas com honestidade para que as pessoas perguntando tenham mais nocao do que podem e do que nao podem fazer do que ele dar uma de motivador e responder pra todo mundo que pergunta que a pessoa pode entrar em qualquer univerdade americana, mesmo sem ter notas boas, etc. O Diego é bem sem papas na língua mesmo, já sigo esse blog há muitos meses e acho muito útil ver as respostas sendo bem realistas. Essa resposta especificamente foi bem correta. A menina queria saber se existe uma forma de recuperar oportunidades que ela perdeu, e esse caminho se chama community colleges. a explicacao do autor foi bem correta. nao é possível entrar em uma univerdade americana decente sem notas excelentes, SAT e currículo vasto de experiencias extra curriculares. Ela nao tem isso, então é melhor que alguém tenha coragem de dizer a verdade pra ela, do que ser politicamente correto e dizer coisas como, vai e tente, ou se é seu sonho você consegue, ou qualquer uma dessas baboseiras de psicologia.

          Responder
  30. Olá, desde já obrigada pelo site, tirou muitas de minhas dúvidas e de muitos internautas! Gostarias de saber em ralação a quem fez supletivo(cesec) se iria atrapalhar de alguma maneira. Como conseguir bolsa? Você acha que é melhor fazer pelo sistema SAT ou pela maneira convencional(pela qual eu não sei como, eu apenas sei que tenho que fazer algumas provas de aptidão, para testar o meu inglês e as outras matérias, mas eu não sei COMO).
    Desde já agradeço imensamente!

    Responder
  31. Olá, desde já obrigada pelo site, tirou muitas de minhas dúvidas e de muitos internautas! Gostaria de saber em ralação a quem fez supletivo(cesec), se iria me atrapalhar de alguma maneira.
    Tem tenho a dúvida de como conseguir scholarship?
    Você acha que é melhor tentar estudar pelo sistema SAT ou pela maneira convencional(pela qual eu não entendo como entrar em contato com a universidade, eu apenas sei que tenho que fazer algumas provas de aptidão, para testarem o meu inglês e as outras matérias, mas eu não sei COMO).
    Desde já agradeço imensamente!

    Responder
    • Olá Natalye,

      O supletivo não a impede de entrar em uma universidade Americana, mas pode dificultar muito a obtenção de um scholarship. Bolsas são reservadas para alunos com comprovado bom desempenho e essa performance não é provada através de testes como o SAT, mas das boas notas e atividades do aluno ao longo do ensino médio. Ainda, como estrangeira, você tem menos condições de aplicar para a maioria dos scholarships que estão disponíveis apenas para os alunos Americanos (ou detentores de Green Card).

      Você não precisa entrar em contato com as universidades diretamente. O SAT e o teste de proficiência na língua inglesa são testes independentes de qualquer escola, são aplicados no Brasil mesmo e não tem qualquer relação com as universidades nos EUA. Quando você estiver pronta para aplicar, você deve entrar no site de cada univerdade e ver a página de “application” e seguir os passos indicados.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • Diego,

        Fico muito grata pela sua consideração de me responder tão prontamente!
        Você consegue me explicar como funciona a obtenção da scolarship? Sou completamente leiga no assunto! Haha Eu sei que depende da faculdade, mas elas são de grande parte reservadas para os americanos, ou nos estrangeiros, podemos obter uma bolsa?
        Mesmo eu tendo adquirido altas notas através do supletivo, você consegue me explicar como funcionaria o sistema de uma scolarship?
        Muito obrigada pela paciência.

        OX

        Natalye.

        Responder
        • Olá Natalye,

          Eu não sei muito sobre scholarships. Recomendo que você procure no Google (em inglês) pois há milhares de sites que tratam deste assunto, inclusive foruns de discussão com muitas perguntas respondidas. Contudo, sei que a grande maioria das scholarships são dadas apenas para alunos que se destacam no ensino médio (não só em notas, mas em esportes, artes, e ciências) e que são Americanos.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  32. Ola, Diego Meille, gostei muito do seu site e do conteúdo. Uma dúvida, você fez faculdade os EUA? Conhece o processo? Eu gostaria de entrar em contato com você, mas não encontrei seu email. O meu está no comentário, por favor (posso parecer um pouco ousada ao pedir isso mas quem não arrisca não petisca) você poderia me mandar um email? Obrigada desde já e parabéns pelo site super informativo!

    Responder
  33. ola, tenho interesse em cursar engenharia nos EUA, se eu fizer o College de 4 anos ainda terei que “complementar” o curso com mais alguns anos de estudo ou ao fim dos 4 anos já serei engenheira?

    Responder
    • Olá Carol,

      Engenharia é college, não é como direito ou medicina (graduate school). Para ser engenheira você só precisa fazer 4 anos de college em engenharia.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  34. Para realizar o SAT há uma idade máxima? Tenho 21 anos e estou com essa dúvida.
    Além disso, é certeza que a frequência dos exames do SAT é feita mais de duas vezes ao ano?
    Caso o candidato faça o exame neste ano e chegue a ter bons resultados, é no ano seguinte, no primeiro semestre, que ele começará os estudos na instituição?

    Responder
    • Olá Fábio,

      Não, não há idade máxima para prestar o SAT, mas após uma certa idade ele se torna irrelevante no processo de seleção. Ao aplicar para uma universidade aos 30 anos de idade, por exemplo, a escola não está interessada nas notas do ensino médio ou do SAT, mas sim na experiência profissional e de vida do aluno.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  35. Com quantos anos pode prestar o SAT ? Gostaria de saber o site ou endereço que posso estar entrando (pesquisando) para saber as cidades que proporcionam o teste ,a data de aplicação e o local que será aplicado? E também estou querendo saber sobre a faculdade de medicina ,por que quero fazer ,mas no caso antes de ir pra uma universidade fora teria que fazer um curso superior ou seja uma universidade antes ,que tenha algo a ver a medicina , e então tentar uma bolsa, e se conseguisse já poderia no caso fazer ´´verdadeiramente´´a faculdade de medicina ,pois esse curso superior entraria no lugar do college que e um curso superior ,isso?

    Responder
    • Olá Ana Clara,

      Não tenho essa informação. Você deve consultar o site oficial do SAT (procure no Google). Eu não tenho esses endereços, mas uma simples busca no Google (em inglês!) pode te dar muito mais informações. Consulte também forums de discussão como College Confidential.

      Com relação à medicina, somente Americanos ou quem possui Green Card pode fazer o curso nos EUA. Não sei como funciona em outros países. Mais uma vez, pesquisa pode responder essas suas dúvidas, mas faça pesquisa em inglês, não em português.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  36. oi, eu estou no segundo ano do ensino médio tenho um boletim com notas de 8 á 9,5 nada menor que isso, tenho trabalhos voluntários, participo de olimpíadas de conhecimento variadas e estou liderando um projeto no minha escola referente á escrita de textos redacionais, não tenho histórico relativo aos esportes e quero fazer medicina em harvard, mas no caso eu precisaria fazer uma faculdade de medicina aqui (todos os 5 anos) e depois ir fazer o college?

    Responder
    • Olá Marcela,

      Depende do curso. Alguns cursos nos EUA (não só em Harvard, mas em todas as universidades) exigem um curso superior prévio como medicina, odonto, direito, farmácia, e veterinária. O chamado “Harvard College” é única escola de Harvard que aceita alunos de ensino médio (com exeção da Harvard Extension School, que é outro esquema, e a SEAS que é engenharia). Todas as outras escolas de Harvard são pós graduação apenas (Medical School, Law School, School of Government, Dental School, etc.).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  37. Olá , Gostaria muito de fazer o SAT , Porem tenho 20 anos e terminei os estudos atraves do EJA ,isso empata em alguma coisa na minha inscrição? queria saber se tem restrição de idade para fazer a prova , ou restrição de idade para entrar na universidade atraves do Sat. Sera que minha idade atrapalhará na minha entrada na universidade nos eua ?

    Responder
    • Olá Davi,

      Qualquer pessoa, de qualquer idade, pode fazer o SAT. Não existe nenhuma restrição. A questão da idade é uma discriminação que ocorre SOMENTE nas faculdades “top” como Harvard, Yale, ou Stanford. Mesmo assim, 20 anos ainda é MUITO jovem! Contudo, em uma aplicação em uma universidade top, você precisaria de uma boa e convincente explicação para não ter entrado na faculdade ao sair do ensino médio. O SAT, contudo, é um teste que está caindo em desuso e sendo usado somente em uma avaliação junto com as notas do ensino médio. Depois de um tempo fora da escola, não é recomendado fazer mais SAT. Outros fatores da vida do candidato são avaliados durante um processo de seleção.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  38. Olá, me chamo Rafael e tenho 16 anos e estou no segundo ano do ensino médio. Minhas notas estão em 60 a 70% durante o primeiro e segundo ano, tenho essas notas por ser considerado “super dotado” em minha escola e por isso o desanimo dentro da escola, mas fora é totalmente diferente, particularmente eu discordo.em ser “super dotado”. Mas minha carta de recomendação acredito que citariam isso para justificar as notas medianas. Tendo um terceiro ano exemplar entre os 5% melhores da escola e fazendo trabalhos voluntários e uma boa nota no SAT no ACT e no TOEFL quais seriam minhas chances de entrar em Harvard ou MIT?
    Quem já terminou o ensino médio pode fazer a prova? Pretendo fazer no começo de 2019 quando acabar o ensino médio. isso me prejudicaria? ( estarei com 17 anos quando acabar o ensino médio )

    Desde já agradeço.

    Responder
    • Olá Rafael,

      Com sinceridade eu vou te dizer que é muito difícil você conseguir entrar em qualquer uma das duas. Desmotivação, por qualquer motivo, não é desculpa para notas medianas (e 60 – 70% são MUITO baixas para Harvard e MIT). A tendência desses alunos com esse tipo de comportamento, superdotados ou não, é continuar do mesmo jeito na faculdade. Se você não consegue se motivar e se dedicar agora, o que vai mudar na faculdade? Essa é a pergunta que um adcom olhando para sua aplicação faria. Contudo, sua aplicação não seria avaliada por um adcom, ninguém chegaria a ler suas cartas de recomendação. Há uma fase preliminar em que todas as aplicações são processadas por um sistema. Somente as aplicações que atendem os critérios de notas da instituição passam pra frente – e ainda tem muito chão até que chegue no ponto em que uma pessoa de verdade vai olhar e ponderar em cima de uma aplicação e o potencial do aluno. Isso acaba excluindo do processo todos os alunos não possuem notas perfeitas. Certo ou errado é assim que funciona. Isso é polêmico, tanto que recentemente Harvard foi acusada de comportamento discriminatório nas seleções pois mais de 60% dos alunos que entram são asiáticos (Chineses e Indianos) justamente porque esses alunos costumam ter as melhores notas. Houve um caso famoso há alguns anos em que um aluno de ensino médio em Miami esfaqueou o professor porque ele lhe deu nota 8.0 e com um único 8.0 ele nunca entraria em Harvard.

      Te contei essas histórias pra ilustrar a realidade desse processo. Talvez as coisas mudem no futuro devido à pressão que essas escolas tem sofrido, e principalmente pelo fato de que se continuarem a dar tanto valor para notas, em breve 100% dos novos alunos serão asiáticos!

      Quanto ao SAT ele pode ser feito após o ensino médio, entretanto após 1 ano depois do aluno sair da escola, as universidades não aceitam mais SAT. Harvard e MIT também não costumam aceitar alunos que tenham passado qualquer tempo fora da escola (após terminar o ensino médio) a não ser que tenham uma boa razão para o gap.

      Abraços,

      Diego Meille

      Responder
        • Refazer o primeiro ano é uma péssima ideia. Repetir ano não existe nos EUA e pode passar uma impressão de que você tem algum problema sério (como com drogas) e por isso teve que recomeçar. Lembre-se de que você não terá oportunidade de se explicar até que consiga passar pela primeira peneira. Há uma coisa chamada GPA nos EUA, que é a média de notas. No caso, o que será calculado será sua média inteira do ensino médio e essas notas fracas puxarão a média para baixo invariavelmente. Lembre do aluno que eu te contei que esfaqueou o professor… ele não entraria em Harvard por causa de um único 8.0 (B). Se você tem múltiplas notas na casa dos 6.0 e 7.0 você não tem chance mesmo (essas notas não serão “esquecidas” se você refizer o primeiro ano). O GPA médio dos alunos aceitos em Harvard é 4.04 (a escala vai até 4.00), ou seja, alunos que só tiraram 10 na vida e ainda carregam “extras” que elevam suas notas acima do máximo (com honors, AP classes, etc, coisas que não existem no Brasil, o que torna difícil competir com alunos que tem esses extras). GPA no MIT é ainda mais alto, já que o foco é em absorver os alunos mais capazes. Veja que é possível para você melhorar seu desempenho e aplicar para outras escolas. Por que você quer Harvard ou MIT? Por que não sonhar com essas escolas no nível de graduate school (que é onde a qualidade do ensino realmente se torna visível)?

          Abraços,

          Diego

          Responder
          • As notas da faculdade. Uma vez que você passe da faculdade, sua vida antes dela não importa mais, tanto em termos de notas quanto outras “conquistas”. Contudo, para entrar na graduate school (mestrado E doutorado, que é o PhD) o mais importante não são as notas, mas nota no standarized test (GRE, MCAT, LSAT, GMAT, etc, dependendo da área) e pesquisa científica. Então se você tem intenção de prosseguir para a graduate school (em qualquer universidade, até mesmo no Brasil) procure se envolver com pesquisa científica já desde o primeiro ano da faculdade. Se coloque à disposição de professores para ajudar em seus laboratórios, ajudar os alunos de mestrado e doutorado com suas pesquisas, participar como assistente de professor (que em muitos casos, pode ser um aluno de doutorado) e faça de tudo para que seu nome apareça em publicações científicas (que são resultado dos trabalhos desses alunos de mestrado e doutorado). Quanto mais publicações você tiver (mesmo participando como quinto, sexto, sétimo autor), maiores são as chances de entrar em uma boa universidade. Dependendo da sua área, se for uma área técnica como engenharia ou outra área científica, participar de feiras de ciências, painéis, e eventos desse tipo também conta pontos. Mestrado e doutorado (graduate school) são basicamente treinamento em pesquisa científica. Por esse motivo as escolas querem saber se você tem o que é preciso para se tornar um cientista (mesmo que voccê pegue esses diplomas e vá trabalhar na indústria depois). As notas na faculdade são secundárias, mas não deixam de ser importantes. Um 7 ou 8 não impedem com que você possa entrar na graduate school, como ocorre em undergraduate nas melhores escolas, mas quanto melhores forem suas notas, maiores suas chances de chamar a atenção das melhores escolas.

            Abraços,

            Diego

          • Olha, me desculpa, mas fiquei um pouco de cara com a sua falta de noção… talvez seja porque você é muito novinho e não tem muito conhecimento sobre praticamente nada. Você parece estar mais preocupado com o status da instituição do que com o aprendizado em si. Se você é aluno mediano (60-70%) isso mostra que você não tem interesse no aprendizado, você prefere fazer outras coisas com o seu tempo (jogar videogame, sair com os amigos, o que quer que seja que não é se aplicar em cima dos seus livros). Como um aluno assim pode se interessar por graduate school? Não pode! A não ser é claro que você nem sequer saiba o que é graduate school, o que me parece ser o caso aqui. Graduate school é programa de doutorado, onde os alunos entram para se tornarem cientistas (com exceção das escolas profissionalizantes como direito e medicina). Você não me passa como futuro cientista. Desculpa ser dura, mas suas perguntas revelam que seu interesse é só ter um diploma que diz Harvard ou MIT.

            Como o blogueiro já respondeu, você não pode apagar seu passado para essas escolas. Você não pode refazer o primeiro ano, e essas notas vão te perseguir até o final do ensino médio. Talvez nessas alturas você já até tenha feito o segundo ano. Como foi? Se tornou um aluno nota 10 como você achava que conseguia? Eu duvido que isso tenha acontecido…

            Muitos brasileiros vem em blogs tentando descobrir se conseguem entrar em Harvard ou no MIT com notas medíocres… e ficam tentando encontrar uma forma de “driblar o esquema”. Mas isso não existe, pelo simples peso da competição. Se não houvessem tantos alunos interessados nessas instituições, cada caso seria avaliado individualmente e quem sabe, alunos medíocres que se redimissem pudessem ter uma chance. Mas não é esse o caso… Há milhares de alunos competindo por uma única vaga. A competição nessas faculdades põe a USP e o ITA no chinelo.

            Uma coisa que alunos brasileiros precisam entender é que o sistema de ensino nos EUA torna fácil para o aluno se dar bem. É um sistema bem estruturado, bem organizado, é o exato contrário do que ocorre no Brasil. Eu não era boa aluna no Brasil quando estava na escola. E não era porque eu era relapsa e desmotivada, era mais porque o sistema era tão bagunçado e desorganizado que eu nunca sabia o que estava acontecendo, nunca sabia o que ía cair na prova, eu me perdia…

            Quando me mudei para os estados unidos fiquei surpresa com o nível de organização do ensino. Antes das aulas começarem, os alunos já recebem um tal de syllabus, um documento que explica tudo o que vai acontecer naquela aula até o final do semestre. Esse documento lista todos os dias de aula e o que será abordado, explica o que aquele professor específico espera do aluno, quais são suas responsabilidades, o que vai cair em cada prova, como o desempenho do aluno é availiado, etc. Ou seja, são dadas as “regras do jogo”. No Brasil, as aulas não tem regras, ou os professores não falam quais elas são.

            O que acontece é que é fácil para um aluno que se empenha só tirar A (que é uma nota geralmente entre 92 e 100, dependendo da escola pode ser 94 a 100 ou um pouco diferente). Suas notas, apesar de comuns para alunos brasileiros, são incomuns para alunos “sérios” nos EUA. Ninguém que se empenha só um pouquinho tira notas entre 60 e 70%. Isso é muito, muito baixo para o padrão Americano. Isso mostra total falta de interesse (veja que não é falta de inteligência, você pode ser muito inteligente, mas se não demonstrar capacidade de afunilar esse potencial para se dar bem em seus assuntos acadêmicos, as melhores faculdades te rejeitarão).

            Também compreenda que Harvard e MIT não são as únicas faculdades boas nos EUA. Se você tem condições financeiras de estudar no exterior, trace um plano para enviar sua aplicação para instituições com “menos nome” como universidades estaduais, que são muito boas e também muito mais baratas do que Harvard e MIT.

            Resumindo: ajuste as suas expectativas! Não lute contra a realidade! A realidade é que as chances de você entrar em Harvard ou MIT são zero, mas você ainda pode entrar em instituições muito boas, considerando que você corrija seu rumo, aprenda a estudar direito (com disciplina e organização), se conscientize que suas notas agora te perseguirão por muito tempo no futuro e que você ter essa responsabilidade ao invés de priorizar coisas que possam ser “mais legais” no momento.

            Desculpa se fui dura com você, minhas intenções são boas!

  39. Ola, eu fui nascida e criada no Brasil ate minha pre-adolescência. Quando tinha 13 anos, me mudei aqui para os EUA com minha familia. Fiz o middle school (8th grade) e o high school todo aqui, no momento estou começando o meu Senior Year (o ultimo ano), porem eu estou aqui no pais em situação irregular. Queria saber se ainda consigo fazer o SATs e me candidatar para uma faculdade? E se caso fosse aceita, eles sabendo do meu status imigratório, eu teria alguma chance de ganhar uma bolsa de estudos que fosse capaz de mudar meu status imigratório?
    Agradeço qualquer ajuda

    Responder
    • Olá Maria,

      Para ganhar bolsa ou fazer financiamento estudantil é preciso ter preenchido o FAFSA, que é um questionário do governo que é preenchido por todos os alunos (que esperam receber ajuda financeira) no começo do ano. Contudo, sem ter documentação Americana, não é possível preencher o FAFSA e, sendo assim, você não qualifica para nenhum tipo de ajuda financeira, a não ser empréstimos pessoais feitos em bancos pelos seus pais. Contudo, se eles não tem SSN, eu acredito que essa opção também não esteja disponível para eles.

      Da página da FAFSA:

      If you are completing a FAFSA online at fafsa.gov, a Social Security number is also required to apply for a username and password called the FSA ID, which can be used to electronically sign the FAFSA. Most undocumented students are not eligible for a Social Security number; thus, they cannot complete the FAFSA.

      A matrícula na universidade também é um problema, pois é exigido que você apresente sua documentação imigratória. Você pode até ser aceita, mas não conseguiria se matricular.

      Fique de olho no que está acontecendo com o DACA (o programa dos dreamers, que se enquadra no seu caso). Se o governo Trump resolver acabar com o DACA, você corre risco de deportação se expuser-se como undocumented de forma que alguém possa te denunciar. Se o programa for renovado, contudo, você pode tentar entrar nele, aí sim, pode conseguir fazer uma faculdade.

      Abraços,

      Diego

      Responder
      • E se eu ganhasse uma bolsa da faculdade? Eu ainda conseguiria ir e ganhar o visto de estudante?
        Outra pergunta, eu ainda consigo fazer o SATs mesmo sendo ilegal?
        (eu não consigo aplicar pro DACA porque eu cheguei depois de 2012).

        Responder
        • Olá Maria,

          A faculdade não pode te dar bolsa se você não preencher o FAFSA e você não pode preencher o FAFSA sem SSN, entende? Eu acredito que o melhor caminho para você seria aplicar pelo Brasil (como se você nunca tivesse saído do Brasil) e ao conseguir uma vaga (e talvez uma bolsa como estrangeira) você pegaria visto de estudante. O que quero dizer é que você precisa ignorar o fato de que já está nos EUA e precisa fazer o processo como se estivesse no Brasil. Qualquer um pode fazer SAT, até mesmo se faz no Brasil.

          Abraços,

          Diego

          Responder
  40. Olá, tenho 18 anos.Jogo basquete e estou cursando o 3 período de Educação Física. Queria saber se consigo bolsa pra continuar o curso lá ou teria que optar por outro curso. No meu caso, seria bolsa esportiva.

    Responder
    • Olá Daniel,

      Você precisa pesquisar sobre isso, entrar em contato com instituições específicas em que você tem interesse. Isso não é algo que eu possa te dizer se você consegue ou não, você precisa se candidatar a uma vaga e ver o que acontece.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Camila,

      Isso não seria possível… nem necessário. Por que você faria medicina de novo? Qual o propósito? Uma vez que você tenha seu diploma, você precisa seguir em frente, ou fazendo residência (em qualquer país) ou indo para um doutorado para se dedicar à pesquisa.

      Abraços,

      Diego

      Responder
    • Olá Stephany,

      Suas opções ficam bem reduzidas, já que a maioria das universidades boas requerem um ensino médio de altíssima qualidade e com notas boas. O Eja é equivalente ao GED nos EUA e com esse diploma, apenas faculdades de média à baixa qualidade estão disponíveis. Agora, é preciso investigar como é possível comprovar sua conclusão do ensino médio com o diploma do eja. Eu não tenho essa informação. É possível que o eja não seja aceito como equivalente ao GED e dessa forma, você não teria como entrar em uma faculdade nos EUA (a não ser que prestasse o GED, que é apenas um teste, não um curso como o eja). O ideal nessa situação é se esforçar para entrar em uma universidade feferal no Brasil, o que lhe daria gabarito para fazer “graduate school” nos EUA. Muitos dos cursos que no Brasil são faculdade, nos EUA são graduate school (pós graduação), como medicina, direito, veterinária, odonto, farmácia, e muitos outros. Então, você ainda precisaria de um diploma universitário para poder entrar em uma universidade nos EUA. Só para esclarecer, se você não tem essa informação, ao sair do ensino médio, os alunos nos EUA entram no college, que é considerado uma “sub-graduação” (undergraduate school). É faculdade, mas não serve pra muita coisa. Para se profissionalizar efetivamente, o aluno precisa fazer esses 4 ou 5 anos de college e depois entrar em um curso profissionalizante como medicina, psicologia, direito, etc. (chamados de graduate school).

      Abraços,

      Diego

      Responder
  41. Eu tenho 17 e farei ENEM esse ano, pretendo fazer o SAT para fazer Medicina (nesse pre-medical, que é o requerimento), a faculdade que eu vou aplicar é NYU ( dentre outras lógico), ela tem como requerimento fazer o SAT Reasoning Test and Subject Tests; ou ACT. Até quando eu posso aplicar? Nesse caso é melhor o ACT?

    Responder
    • Olá Bárbara,

      Não quero jogar um balde de água fria nos seus planos, mas eu tenho algumas considerações a fazer. Pré-medical em termos de undergrad course não oferece muito benefício para entra em medicina nos EUA e é um curso, em sua maior parte, inútil. Se você acabar não entrando em medicina, você fica com um diploma que não vale nada na mão e tempo perdido. Vale muito mais a pena fazer biologia, química, bioquímica, biofísica, ou qualquer outro curso que lhe dê uma profissão de verdade caso você não consiga entrar em medicina. Não sei qual a duração deste curso que você está pensando em fazer, mas se for um premed clássico de 2 anos, saiba que só com isso você também não pode aplicar para medicina. Premed serve para pessoas que já tem curso superior, mas não fizeram as matérias pré-médicas durante a faculdade e agora precisam de um curso rápido para completar o que falta; não é para um estudante que não ainda não fez nenhuma parte de um curso superior. Muitas faculdades omitem isso ou levam o aluno a acreditar que só com premed é possível entrar em medicina, quando isso não é verdade. NO passado, com menos competição, muitos alunos entravam em medicina só com premed, hoje em dia, isso não ocorre mais. Além disso, você precisa avaliar se tem condições de fazer medicina nos EUA (como Green Card ou cidadania Americana). Talvez seja necessário mais pesquisa para ver o que você pode fazer e o que não pode e planejar de acordo.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  42. Oi! Gostaria de fazer ciência da computação nos EUA, estou terminando o ensino médio e fiz 18 anos a quase 1 mês, poderia me ajudar? Eu faço college específico? Existe university pra ciência da computação? Eu tinha em mente riverside na Califórnia, mas minhas notas no ensino médio não foram lá muito gentis (cursei Colégio Militar mas saí e fiz cesec no último ano por mudar de cidade) existe possibilidade de cursar isso?

    Responder
    • Olá Thiago,

      Ciência da computação é um simples college. É claro que como é típico nos EUA, muitos profissionais formados em ciência da computação seguem em frente com sua educação e vão para a graduate school, o que nesse ramo é meramente mestrado e doutorado. Ou seja, esse curso é como no Brasil, não há necessidade de ter uma formação anterior para poder entrar (como medicina e direito, por exemplo). Há uma gama enorme de faculdades que oferecem esse curso, desde muito boas como Stanford até cursos inteiramente online, então você precisa pesquisar um pouco para ver o que você tem condições de fazer em termos de competitividade (notas, etc.) e condições financeiras.

      Abraços,

      Diego

      Responder
  43. Olá Diego.
    Tenho algumas dúvidas. Faz 4 anos que eu terminei o Ensino Médio. Comecei a faculdade aqui mas não gostei e quero tentar aplicar pra fora. Quero fazer o SAT esse ano mas não sei se eu posso prestar porque em todo lugar que eu pesquisei diz que somente alunos podem prestar. Não estou estudando agora então não sou aluna. Você tem alguma informação sobre isso ? E você tem recomendação de um tempo necessário para preparação pro teste ?

    Responder
    • Olá Beatriz,

      Eu não sei porque isso não é possível no Brasil, pois aqui nos EUA qualquer pessoa pode prestar SAT em qualquer momento da vida. Contudo, o SAT pode não ser necessário para você. Veja com as instituições específicas que você deseja aplicar (muitas estão deixando de pedir SAT) e em outras, eles só pedem SAT de alunos entrando direto do ensino médio (high school) e se você já passou um tempo sem estudar, você já entra em outra categoria de estudante “não tradicional”. Com relação à última pergunta, não entendi bem o que você quer dizer com “tempo necessário”. Seria duração do exame? Ou tempo necessário para se preparar? Ou alguma outra coisa?

      Abraços,

      Diego

      Responder
  44. Olá! Me chamo Sophia, tenho 19 anos e me interesso em estudar English Literature nos Estados Unidos. Eu estava lendo um pouco sobre o SAT e minha pergunta é se eu posso realizar a prova do SAT mesmo já tendo completado o ensino médio em 2019. Eu entrei na UFPE para estudar engenharia logo depois do ensino médio. Por motivos de pandemia, tive atraso de praticamente 1 ano até o início das aulas na universidade. Comecei a cursar, mas não me identifiquei com o curso e agora quero estudar nos EUA. Posso aplicar o SAT mesmo não estando mais no ensino médio?

    Responder
    • Olá Sophia,

      Não, se você já cursou um pouco de universidade (mesmo que tenha sido só 1 semestre) você não é mais considerada “freshman” e sim “transfer student” e não precisa mais prestar SAT. Também devido à pandemia, a maioria das universidades não está exigindo SAT no momento e no futuro próximo.

      Abraços,

      Diego

      Responder

Deixe um comentário