Superando o medo do fracasso

Carlin Flora

Supere o medo do fracasso: Sair da sua zona de conforto e encarar seus erros pode levar a inovações e relacionamentos melhores.

“Aquele que não comete erros, não faz nada”, diz um provérbio inglês. A não ser que aprendamos a superar o fracasso (seja ele por conta de um infortúnio inevitável, por um lapso moral ou por um risco mal calculado), nós permanecemos escondidos em nossa zona de conforto. A pressão para sermos perfeitos nos faz pisar em ovos com os membros da família ou pôr em piloto automático no trabalho, sentindo-nos seguros, mas estagnados – e não muito vivos.

De vacinas ao velcro, muitas invenções nasceram de acidentes, fracassos aparentes. Mas quando Fiona Lee, psicóloga e professora de Administração da Universidade de Michigan, explorou quais condições ajudam as pessoas a experimentar ideias novas, ela descobriu um fenômeno interessante: “Gerentes falam muito a respeito da inovação e de se estar afiado, mas, em um nível individual, muitas pessoas não estão dispostas a tentar coisas novas”.

O que nos está segurando? O medo do fracasso.

“O mundo dos negócios tem muito pouca tolerância para o fracasso”, diz Fiona. A compensação é geralmente baseada em tarefas bem feitas, não em erros espetaculares (e caros) que poderiam eventualmente resultar em um progresso tremendo.

Os chefes pregam a inovação e, ao mesmo tempo, ficam em cima dos funcionários, prontos para chamar-lhes a atenção. O estudo de Fiona concluiu que empregados que repetidamente tentavam coisas novas e falhavam eram mais inovadores e tinham mais sucesso no longo prazo. Mas as empresas com estilo mais confuso de gerenciamento têm empregados tão assustados e rígidos que acabam inovando menos do que inovariam se seus chefes nunca tivessem mencionado a palavra “inovação”.

Mesmo que as condições do ambientes permitam uma alta tolerância ao erro, algumas pessoas levarão esses revezes ao coração e não à cabeça. Esse tipo de pessoas deixa a decepção tomar conta de si como um veneno.

O psicólogo Jonathan Brown, da Universidade de Washington, descobriu que aqueles que têm baixa autoestima supervalorizam seus erros e concluem que são menos inteligentes e menos competentes que os outros. Paradoxalmente, a melhor maneira de melhorar a autoestima é agir logo depois de um tombo, construir uma reserva de eficácia pessoal.

Mancadas também são um componente necessário dos relacionamentos. O importante é a maneira como elas são gerenciadas. O estudioso de casamentos John Gottman é famoso por prever divórcios ao observar a interação dos casais. Ele descobriu que não é a quantia de discussões que prediz uma separação, mas como o casal consegue reparar os laços após os momentos de desacordo.
Todo mundo faz besteira. É a habilidade de pedir desculpas e de consertar os relacionamentos que conta.

Cair no mito do casamento perfeito pode encorajar os casais a evitar o conflito. Mas isso os deixa devastados quando os problemas inevitavelmente afloram. “Veja a loucura que gastamos em cerimônias de casamento para tentar fazer as coisas perfeitas e impecáveis para começar a relação”, diz o psiquiatra de Atlanta Frank Pittman.

Pittman diz que, ao invés de trabalhar para atingir a perfeição romântica, as pessoas precisam aprender a sobreviver à realidade juntas. “Um casal casado que nunca brigou perdeu a chance de se examinar, de reconhecer suas próprias besteiras, de expor suas falhas e perceber que podem se amar mesmo assim”.

Mesmo erros dramáticos como a infidelidade podem tornar uma união mais forte. Ao mesmo tempo em que Pittman não recomenda que a pessoas tenham amantes simplesmente para apimentar as coisas, ele insiste que uma vez que o adúltero se confessou e o romance acabou, uma grande oportunidade de cada parceiro conhecer a verdadeira pessoa por trás da máscara se apresenta.

As crianças também precisam de um pouco de corda que assegurem seus erros. O adolescente cuja mãe não deixa dormir demais e encarar as consequências de chegar atrasado na escola perde uma lição de comportamento responsável. E sua mãe nega a ela mesma as alegrias da confusão. “Eu ocasionalmente vejo pessoas cujos filhos nunca se meteram em confusão – e elas perdem a experiência de criar uma criança”, diz Pittman.

Talvez nós não devêssemos meramente aceitar os erros em qualquer área da vida, mas ativamente sair do caminho do fracasso. Então, se conseguirmos, podemos contar isso como um sucesso.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


12 comentários em “Superando o medo do fracasso”

  1. Bom Dia

    Tinha como conviccção que o erro ou fracasso permitem um crescimento pessoal, mas, não tinha a consciencia da importancia de se agregar valores pessoais para o crescimento interior. Com isto, não se terá credito para errar e sim preparar o campo social para a liberdade de agir/decidir e valorizar as atitudes.

    Otima mensagem para reflexão.

    Responder
  2. OLÁ!HOJE PARTICULARMENTE ESTOU PASSANDO POR ESSA SITUAÇÃO DE MEDO DE PROSSEGUIR E DE FRACASSAR POR NÃO SABER O QUE ME ESPERA LÁ NA FRENTE VENHO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO QUE FOI MUITO CONTURBADO E POR ISSO FRACASSOU PROSSEGUIR FOI DIFÍCIL MAS PASSOU AGORA ESTOU SENDO CONVOCADA A VIVER UM NOVO RELACIONAMENTO E ISTO ESTÁ ME ASSUSTANDO.OBRIGADA O ARTIGO ME FEZ VER POR OUTRA ÓTICA!

    Responder
    • Oi Mirian,
      estou passando pela mesma situação que você,meu casamento desgastou devido excesso de problemas e, surgiu um novo relacionamento que me fez acordar pra isso. A gente sempre fica com a sensação de fracasso, né! Mas superar isso tudo, já é um sucesso!
      se quiser, me escreva, Ok! Talvez seja bacana desabafar com alguém com problema similar.
      abraços

      Responder
    • Sim Mirian! Só que não!
      As perdas que um relacionamento conjugal mal construído deixam na vida de algumas pessoas, beira o colapso, não que seja seu caso! Mas seja extremamente cautelosa mesmo! Boa sorte, felicidades!

      Responder
  3. muito bom, hoje mesmo ouvi a éstória chamada de pote rachado, que fala exatamente dos nossos medos, falhas e defeitos que se forem trabalhados, se tornarão em virtudes. feliz aquele que tem medo e aprende e cresce nele e com ele. parabéns pelo artigo, se tiver mais assim pode enviar de carrada
    grande abraço
    Deusimar

    Responder
  4. Parabéns pelo artigo…devemos aprender e crescer com os erros…temos que ser como o carvalho; quanto mais vendaval e tempestades ele enfrenta, mais forte fica, suas raizes naturalmente se aprofundam mais na terra…um grande abraço..

    Responder
  5. Isso fáz todo o sentido, erramos quando esquecemos que somos seres humanos em evolução, por estarmos em evolução estamos sujeitos a erros e isso não é nada tão pecaminoso assim. Apenas estamos nos dando o direito e viver e aprender com nossas atitudes.

    Responder
  6. Estou de frente para a necessidade de me empenhar novamente para criar oportunidades de crescimento também profissional, e esse artigo caiu feito uma luva para que eu realmente saia da minha zona de conforto para uma ação determinada em busca do meu lugar… chega de comodismo! Se queremos seguir em frente, não podemos ficar paralisados pelas dificuldades que encontrarmos. Bola pra frente!

    Responder
  7. A ZONA DE CONFORTO AS VEZES SE TORNA A ZONA DA TORTURA.
    EXCELENTE ARTIGO, SABER RECONHECER OS ERROS SÃO VIRTUDES PRINCIPALMENTE SE CONSEGUIMOS PEDIR DESCULPAS. EU TENHO UM CONCEITO QUE SÓ SE PODE MUDAR OU REFAZER ALGO SE TEMOS CONSCIENCIA DO ERRO E ISSO NÃO É FÁCIL PARA MUITOS, EXISTE A CONTROVERSIA DO QUE É ERRO, MUITAS VEZES O QUE É ERRADO PARA MIM É CERTO PARA MUITOS E AGORA?

    Responder
  8. Mas a vereda do justo e como a luz da
    Aurora vai brilhamdo mais e mais ate
    Ser dia perfeito fique de pe erga a cabeca siga em frente olhando sempre
    Para o autor da esperança e fe
    JESUS.

    David

    Responder

Deixe um comentário