Muita gente tenta “isolar” o segredo do sucesso, tentando adivinhar o que é que as pessoas bem sucedidas fazem que as torna quase que naturais na conquista do sucesso. Por que é tão fácil para elas? O que elas fazem que é diferente do que você faz? Muitos livros de autoajuda tentam “explicar” esses segredos do sucesso isolando características. Alguns dizem que planos é que fazem toda a diferença e alegam: “Se você definir metas e planejar sua concretização, você será bem sucedido.” Outros dizem que a persistência é a chave e alegam que se você jamais desistir, uma hora você chega lá. Há, ainda, aqueles que afirmam que o “segredo” é o esforço pessoal, a disciplina ou mesmo o foco concentrado em um só objetivo.

Mas qual o segredo “de verdade”?

O segredo é que não existe nenhum segredo! Pelo menos não da forma como as pessoas esperam descobrir. Muitas pessoas bem sucedidas jamais leram qualquer livro de autoajuda nem seguiram qualquer tipo de conselho “profissional” – elas têm até mesmo dificuldade para entender o que os outros não entendem sobre o sucesso.

Algumas dizem: “É só fazer o que tem que ser feito, o que é que você não sabe sobre isso? Por que tanta embromação em torno dessa questão do sucesso?”. Muitas pessoas naturalmente bem sucedidas não têm total consciência de todo o processo interno que as torna vencedores em potencial. Se você as questionar, elas tentarão racionalizar o processo, procurando dar uma resposta satisfatória e aí elas cometerão um erro (o mesmo erro que a autoajuda comete): elas tentarão isolar características que elas particularmente acreditam terem sido responsáveis por seu sucesso. Elas estarão certas e erradas ao mesmo tempo. Elas estarão certas no sentido de que muitas das características que elas podem levantar realmente as ajudaram a alcançar sucesso e elas estão erradas por isolarem essas características e afirmarem que se você fizer igual, você também será bem sucedido.

Nos meus estudos mais recentes, descobri que pessoas altamente bem sucedidas possuem uma personalidade específica, uma personalidade que preza a excelência. Essa personalidade é um “pacote completo” com tudo que a pessoa precisa para se dar bem na vida. O problema é que essa personalidade geralmente é nata e muitas pessoas bem sucedidas não têm consciência de como chegaram onde chegaram na vida, elas apenas fazem suposições, mas não conseguem definir ao certo o que é que elas têm demais.

Sucesso é como faezr um bolo

É possível, sim, construir essa personalidade, desenvolvendo as habilidades necessárias para completar esse “pacote” que conduz ao sucesso, no entanto, é preciso parar de isolar características soltas e compreender que atingir o sucesso é como fazer um bolo:

– você precisa de direcionamento, sim (o que chamamos de meta – qual tipo de bolo você quer fazer?);

– você precisa de um plano, sim (qual a receita desse bolo que você quer fazer?);

– e você precisa juntar todos os ingredientes (suas características pessoais, os recursos necessários, etc.) e processá-los na ordem certa, no momento certo e aguardar o tempo necessário até que o bolo fique pronto (não existe sucesso instantâneo!).

O problema é que dois ou três ingredientes sozinhos não fazem um bolo cuja receita pede dez ingredientes! Se você misturar farinha e ovos, colocar numa forma e esperar 50 minutos, você tirará um bolo do forno? Não! No entanto, farinha e ovos são ingredientes necessários para fazer um bolo, só não são os únicos!

Pensar em termos de características isoladas é como tentar misturar ingredientes aleatórios e esperar obter um bolo como resultado. Não dá certo. Mas não dá certo não porque os ingredientes não são adequados, mas porque estão faltando ingredientes. Esse é um grande problema que as pessoas encontram quando tentam aplicar algo que elas aprenderam (seja em livros ou que elas apenas “ouviram falar”) e não obtêm resultados positivos.

A reação, então, é colocar a culpa no ingrediente: “Metas não dão certo, eu já defini metas e não tive resultados, por isso sei que não dá certo”, “Disciplina não é o caminho, eu já tentei seguir planos com disciplina e não obtive sucesso, portanto, eu sei que esse não é o segredo”…

Veja que as pessoas têm a tendência de tirar conclusões com base em suas próprias experiências: “Eu já tentei tal coisa e não deu certo, então, tal coisa não funciona”. Esse raciocínio é extremamente nocivo, pois a superficialidade de raciocínio leva a pessoa a, aos poucos, eliminar de sua vida possibilidades que funcionam muito bem, ela é que tentou erroneamente!

Com dietas de emagrecimento isso é muito comum! A pessoa tenta diversas dietas, todas de forma incorreta, e, no final das contas, ela diz que “já tentou de tudo” e nada funciona para ela.
Essa superficialidade faz com que a pessoa reduza cada vez mais seu rol de cartas na manga, digamos assim, e aos poucos se afunde mais ainda em sua vidinha pacata e medíocre, resistindo a qualquer impulso de tentar de novo, pois “de acordo com sua própria experiência”, ela já tentou e não deu certo.

Vamos aprofundar mais esse ponto no próximo artigo e abrir uma outra vertente da problemática que envolve a dificuldade para identificar os ingredientes do bolo do sucesso e tomar as atitudes necessárias para colocar tudo em prática. Até lá!