Qual o objetivo do planejamento?

Steve Pavlina

Qual o objetivo do planejamento

O objetivo do planejamento é, em última análise, ajudá-lo a criar um resultado, portanto, o planejamento é um meio para um fim. E alguns outros propósitos do planejamento são reduzir riscos e aumentar a eficiência. Você cria planos para atingir seu objetivo com menos esforço e menos risco.

Agora, um bom plano requer fazer previsões. Se você executar essas ações específicas nessa ordem específica, obterá esse resultado específico. Na verdade, um plano é na realidade uma coleção de previsões. Outra palavra para previsão é expectativa, então podemos dizer também que seu plano depende de suas expectativas e principalmente da precisão de suas expectativas.

Agora, a utilidade de um plano depende em grande parte de sua previsibilidade. Se você seguir o plano, alcançará os resultados desejados?

Quanto mais previsíveis forem as ações e os resultados, mais útil será um plano detalhado. Mas se suas previsões forem imprecisas, seu plano poderá não ser muito útil e pode acabar sendo contraproducente.

Vamos considerar algumas situações em que um plano detalhado pode não ser muito útil. Essas são situações em que suas previsões provavelmente serão imprecisas.

Primeiro, há suas previsões ou expectativas sobre o mundo. Em seguida, temos suas previsões ou expectativas sobre você mesmo. E, finalmente, há suas previsões ou expectativas sobre seu relacionamento com o mundo. Para fazer um bom plano, você precisa de precisão decente em todas essas três áreas.

Planejamento e o mundo

Primeiro o mais importante - First Things First
Um dos melhores livros para aprender a priorizar, administrar o tempo e parar de dispersar

Dentro da fatia da realidade relevante para o seu plano, o mundo – a situação externa – é estável o suficiente para você fazer boas previsões sobre os resultados de suas ações pretendidas? Isso não significa que o mundo inteiro deva permanecer parado. E você não precisa ter certeza total sobre todas as possibilidades. Sempre haverá algum risco e alguma chance de ser surpreendido por eventos inesperados. Mas para que bons planos sejam possíveis, você precisa de algum grau de estabilidade, de modo que a relação de causa e efeito de suas ações e resultados permaneça razoavelmente estável.

Durante os primeiros cinco anos em que dirigi meu negócio de jogos de computador, trabalhei com editoras. O trabalho da minha empresa era desenvolver os jogos e o trabalho dos editores era publicá-los. Tive muitos problemas com essa abordagem porque não conseguia controlar nem prever com precisão suficiente o que estava acontecendo dentro dessas empresas. A instabilidade delas fez com que os projetos da minha equipe fossem cancelados várias vezes. Eventualmente, acabei indo à falência com essa abordagem. Criei o que inicialmente pareciam grandes planos para o que queria fazer, mas minhas previsões e expectativas em relação às outras empresas com as quais trabalhei eram ridiculamente imprecisas e paguei o preço. Meus planos durante esse tempo foram em grande parte inúteis. Não consegui executá-los porque se baseavam em expectativas errôneas. Na medida em que eu seguia meus planos, meu risco na verdade aumentava, porque isso me levava a investir mais recursos em uma situação instável. É como aumentar seu investimento em uma ação em queda porque seu plano diz que a ação deve subir.

Depois disso, porém, mudei meu modelo de negócios. Parei de trabalhar com editoras externas e passei a vender jogos diretamente pela Internet. Agora eu podia fazer planos razoáveis e executá-los porque esse modelo era baseado em previsões mais confiáveis. Não precisei me preocupar em entender o funcionamento interno de nenhuma editora. Depois que mudei para esse modelo, o negócio finalmente se tornou lucrativo e a geração de fluxo de caixa estável e crescente ficou muito mais fácil. Meus planos funcionaram porque não foram construídos sobre suposições imprecisas de honestidade ou estabilidade em alguma outra empresa. Tampouco foram resultado de sorte, de simplesmente “dar certo”. Eles foram construídos com base em expectativas mais estáveis e confiáveis, como a demanda contínua dos jogadores por certos tipos de jogos, a disposição das pessoas de comprar jogos on-line para download e mais recém-chegados se inscrevendo no serviço de Internet.

Planejamento e você

A arte de fazer acontecer: Guia prático
Best-seller para aprender a se organizar com metas, planos, e produtividade.

Em seguida, há as previsões e expectativas que você tem sobre si mesmo. Essa pode parecer a área mais fácil de prever, porque tudo o que você precisa fazer é se controlar. Mas muitas vezes não é tão fácil quanto parece.

Você já fez planos que exigiam que você executasse ações que deveriam ter resultados bastante previsíveis, mas você não os seguiu? Você já deixou de fazer o que pretendia fazer, mesmo tendo certeza de que teria funcionado bem se tivesse apenas agido?

Todos nós sucumbimos a essa armadilha às vezes. Às vezes, procrastinamos. Às vezes ficamos preguiçosos. Às vezes, sentimos resistência inesperada a uma tarefa e cedemos a esses sentimentos. Acontece. Então, se vamos planejar de forma eficaz, também precisamos melhorar a previsão de quando realmente seguiremos em frente e quando não.

Aprendi que, se eu definir certos tipos de metas e transformá-las em planos, provavelmente não vou cumprir. Se tento fazer algo apenas pelo dinheiro e não estou sentindo nenhuma outra motivação para fazê-lo, o mais provável é que não o farei – mesmo quando prevejo logicamente que ganharia um bom dinheiro se apenas fizesse as ações necessárias. Encontro maneiras de procrastinar. E mesmo que eu consiga fazê-las, não darei o meu melhor e não me sentirei bem com isso depois. Consequentemente, tenho que atualizar minhas previsões comportamentais pessoais ao longo do tempo para contabilizar esses fatores de disposição e personalidade. Não recomendo planejar algo que exija que você execute ações que pedem um comportamento diferente do que o que você normalmente exibe. Por exemplo, se você costuma ser reservado e tímido, não planeje ter que se expor publicamente. Você irá certamente procrastinar e evitar as atividades. É possível planejar uma mudança comportamental e, nesse caso, trabalhar no traço da timidez, mas isso já é outro assunto!

Também aprendi que, se minha motivação está enraizada na brincadeira, na diversão, na conexão ou apenas em ter algumas novas experiências interessantes de crescimento, é muito mais previsível que eu continue com a ação. Se uma ação parece um desafio divertido ou interessante para mim, provavelmente a farei e, é claro, obterei os resultados dessa ação também.

Então esse pouco de autoconhecimento passa a fazer parte do meu cálculo para fazer planos e agir. E eu encorajo você a fazer isso parte do seu processo de pensamento também. Se você observar repetidamente que falha repetidamente na execução de certos tipos de planos, pare de fazer planos semelhantes. Eles provavelmente vão acabar mal porque você os está construindo com base em expectativas não confiáveis.

Planejamento e sua relação com o mundo

A terceira área a considerar é o seu relacionamento com o mundo. Quão estável é essa relação? Quanto mais estável for, melhores serão seus planos.

O que queremos dizer com relação entre você e o mundo? Às vezes penso nesse relacionamento como minha vibração geral. Algumas pessoas preferem pensar nisso como sua atitude. E outros veem isso como suas crenças sobre o mundo. Use qualquer rótulo que você preferir. Se você gosta de pensar em termos de sua vibe, sua vibração, sua assinatura energética – se você se sente confortável com esses rótulos, ótimo; usa-os. Se você prefere pensar em termos de sua atitude, crenças e sentimentos em relação ao mundo – ótimo.

Quão estável é essa relação? Você tem uma vibração ou atitude bastante consistente agora? Ou você está vacilando muito? Você é positivo e feliz um dia e terrivelmente deprimido outro dia? Se sua atitude continuar oscilando, será difícil fazer planos confiáveis. Para que o planejamento seja eficaz, você precisa de um relacionamento razoavelmente previsível com a vida, com o mundo e com o universo como um todo. Você precisa de uma vibração ou atitude razoavelmente estável para fazer um bom progresso com um plano. Caso contrário, se sua vibração ou atitude continuar instável, você provavelmente questionará seu plano, as ações que deve realizar e até mesmo o objetivo que o plano deve alcançar. Uma vibração flutuante é uma receita para inconsistência.

 

Planejamento e Estabilidade

Lidando com a Incerteza
Fields desenvolveu uma nova abordagem para transformar a incerteza, o risco de perda e exposição ao julgamento em catalisadores para a inovação, a criação e a realização.

Isso não quer dizer que planejar seja ruim. É que um bom planejamento requer um pouco de estabilidade – estabilidade em si mesmo, estabilidade nas partes relevantes do mundo e estabilidade em seu relacionamento com o mundo (com sua vibração ou atitude). Se alguma dessas áreas carece de estabilidade e previsibilidade, é provável que seus planos tenham problemas e você provavelmente não obterá resultados muito bons ao tentar executá-los. Agora, isso não significa que você ainda não possa ter clareza, mas sugere que o planejamento antecipado pode não ser sua melhor ferramenta para fazer isso.

O que pode piorar as coisas é quando você deixa de executar um plano mal concebido – um plano que provavelmente estava fadado ao fracasso antes mesmo de você começar – e então essa falha na execução cria ainda mais imprevisibilidade. Por exemplo, se você começa com uma atitude muito positiva, mas seus planos não estão funcionando (e não estão funcionando porque eles foram mal feitos), e então você começa a sucumbir a uma atitude negativa por causa disso. Agora você está indo para uma espiral descendente onde seu plano está ainda mais condenado e você se torna cético ao planejamento como um todo. O seu plano não deu certo, logo planejamento não funciona!

Há momentos em que o planejamento funciona bem, ou seja, quando você tem alta previsibilidade, de modo que suas expectativas provavelmente serão atendidas. Suponha que você siga uma receita para fazer o jantar. Isso provavelmente vai dar certo se você tiver acesso a uma cozinha estável, se puder seguir a receita (se tiver habilidades culinárias suficientes para fazê-lo!) e se tiver uma atitude decente em relação à culinária. Essa é uma situação bastante simples, mas que obedece aos requisitos de estabilidade para que um plano funcione.

O planejamento é uma ferramenta entre muitas. Ele tende a funcionar bem em situações altamente previsíveis, mas pode se tornar inútil ou contraproducente em situações imprevisíveis.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


Deixe um comentário