Como ser perspicaz?

Franciane Ulaf

Nos artigos anteriores (O que é perspicácia? e Você é esperto?), conversamos sobre como é importante o desenvolvimento da perspicácia para o sucesso pessoal e profissional e como a postura contrária, por mais ingênua que seja, como a simples falta de atenção, pode acumular erros que terminam por comprometer as possibilidades de sucesso na vida.

Mas como desenvolver a perspicácia?

Como desenvolver aquele ar de James Bond, aquela capacidade tenaz de entender com meias palavras, pensar rápido e fazer o que precisa ser feito no momento certo?

A primeira coisa é admitir o problema. Você se encaixou nas situações que eu descrevi até aqui nos artigos anteriores? Você achou que eu estava falando de você? Se você se enquadra nessa descrição do desatento, reativo, frustrado e dependente de ajuda alheia, admita que você não está usando seu potencial e sua inteligência da melhor forma possível. Você pode ter o impulso de continuar se escondendo por trás de suas dificuldades, simplesmente dizendo “Ah, eu não sou bom nisso mesmo”, ou “Eu sempre tive dificuldade em prestar atenção”, mas é importante que você se dê conta de que essas coisinhas pequenas, aparentemente sem importância, é que podem estar comprometendo seu sucesso na vida. Sentir-se mal consigo mesmo é uma das maiores motivações para efetuar mudanças interiores.

Hábitos

Um dos maiores problemas das pessoas pouco perspicazes são seus hábitos displicentes, como não ler instruções, não observar detalhes e não raciocinar com discernimento e lógica.

Hábitos requerem um exercício constante de força de vontade para serem alterados e essa mudança não ocorre do dia para a noite.

Esse exercício de força de vontade ajudará muito também na questão da atenção. Se você é uma pessoa desligada, você se beneficiará desse esforço de atenção contínuo.

Essa é uma tarefa difícil para pessoas que sofrem desse problema, pois a preguiça mental vem à tona toda vez que a pessoa se força a fazer algo de forma disciplinada, mesmo que seja simplesmente prestar atenção no aqui e agora de forma constante.

Ler instruções e prestar atenção em detalhes é um hábito. Habitue-se a ler os manuais de instruções de objetos e eletrônicos de seu uso frequente. Ao fazer algo que requer um procedimento específico, leia com atenção e certifique-se de que você entendeu tudo antes de prosseguir. Habitue-se a ler sempre as instruções de tudo o que usar, tudo o que comprar ou o que quer que seja que envolva regras e procedimentos. Não assuma nada como verdade antes de obter uma comprovação do fato! Não “ache” que as coisas funcionam de uma determinada forma sem provas!

Proatividade

Uma das principais atitudes que um reativo deve tomar para se tornar proativo é baixar a cabeça e assumir que a maior parte das coisas que dão errado em sua vida é culpa sua mesmo. O reativo é aquele que compra um produto, comete erros idiotas e estúpidos e daí entra em contato com a empresa dizendo que vai processá-la. Pessoas reativas geralmente são muito arrogantes, pois como elas não percebem seus próprios erros, elas automaticamente acham que seus problemas foram causados pelos outros e se acham no direito de botar a boca no trombone e reclamar até não poder mais.

Acostume-se, então, a sempre se questionar quando se deparar com um problema: “O que foi que eu deixei passar? O que eu não percebi? O que eu não notei? O que eu fiz de errado?”.

Faça isso evitando ao máximo uma postura de vitimização e frustração, não se deixe alterar emocionalmente ao tentar solucionar problemas. Esse turbilhão de emoções só atrapalha e ofusca o raciocínio.

Procure manter a frieza e adote a postura de tentar soluções, uma a uma, até você encontrar a certa. Evite o impulso de pedir ajuda. Não há nada de errado em pedir ajuda, mas na fase de “recuperação” de um reativo – quando você está tentando aprender a ser proativo -, evite lançar mão de facilidades que tiram sua responsabilidade de cena e tornam as coisas mais fáceis para você. Uma dessas facilidades é obter ajuda alheia. Tente resolver tudo sozinho e só peça ajuda quando realmente for coerente e a solução estiver fora do seu alcance. Se o pedido de ajuda estiver vindo de uma condição emocional de frustração e desespero, pare! Controle-se primeiro e tente resolver o problema sozinho.

Procure compreender situações e problemas de uma forma profunda. Pessoas pouco perspicazes têm a tendência a ver o mundo de forma muito superficial, elas não conseguem enxergar nada com profundidade. O que isso significa? Ver as coisas de forma superficial é, por exemplo, assumir uma verdade qualquer e, sem pensar muito, achar que é assim e pronto. A preguiça mental não deixa a pessoa raciocinar. Essa pessoa tem dificuldade de argumentar ideias, por exemplo. Ela não consegue explicar com lógica e clareza por que ela pensa do jeito que pensa, ela só diz que é assim e pronto. É por que é! Porque foi assim que ela aprendeu, porque “não sei quem” disse, porque está escrito na Bíblia, porque sempre foi assim, enfim, a pessoa é incapaz de elaborar argumentos complexos, ela se apega a ideias já formadas pelos outros e as usa como se fossem dela.

Se você se pegar fazendo isso, comece o caminho inverso. Por que eu penso assim? De onde eu tirei essa ideia? Se sua resposta for muito simplista, do tipo “Porque eu sempre fiz assim”, ou “Porque fulano disse”, ou “Porque está na Bíblia”, comece a raciocinar em cima dessa ideia de forma mais lógica, comece a olhá-la com mais clareza. Se você não conseguir, busque mais dados e informações que embasem ou refutem a ideia que você tem sobre o assunto. Se você não consegue elaborar um argumento forte e convincente, você está sendo superficial, você está se apegando a uma ideia pronta por conveniência, insegurança ou simples robotização (todo mundo pensa assim, todo mundo faz assim, meus pais me ensinaram assim, etc.)

O hábito de raciocinar com lógica e clareza ajuda, e muito, na solução rápida de problemas e na manutenção de um estado emocional frio e inabalável que substitui a frustração e a ansiedade e evita o estresse gerado pelo amontoado de problemas sem solução do dia a dia.

Evite a dispersão

Um dos piores hábitos das pessoas desatentas é a dispersividade. A pessoa está fazendo uma coisa agora. Dali a pouco, outra coisa chama a atenção dela e ela para o que está fazendo. Pouco depois, é outra, e outra, e mais outra, e a pessoa passa o dia inteiro assim, saltitando, geralmente na frente do computador, fazendo de tudo, mas fazendo nada especificamente. O tempo passa e a pessoa não produziu nada de concreto, produtividade zero.

Não fez o que deveria fazer, mas fez um monte de  coisas inúteis, não relacionadas entre si. Lá se foi um tempo precioso que jamais voltará! No final das contas, a pessoa nem sequer lembra onde foi parar seu tempo, ela fez tantas coisas insignificantes que não consegue se lembrar de tudo o que fez, só lembra que o dia passou e ela nem viu.

Nem sempre as atividades são insignificantes, mas por serem feitas de forma desordenada, não sistematizada, há uma perda enorme de produtividade. O ideal é criar sistemas, rotinas e procedimentos. Isso também ajuda a evitar erros por falta de atenção e displicência, pois você se habitua a seguir seus sistemas predefinidos, fazendo as coisas mais organizadamente.

Com uma personalidade perspicaz, os caminhos se abrem consideravelmente para que uma vida de sucessos seja construída. No próximo e-mail, começaremos a conversar sobre o desenvolvimento de um comportamento que preza a excelência pessoal e é a semente de uma vida produtiva e bem sucedida.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


2 comentários em “Como ser perspicaz?”

  1. O que foi que eu deixei passar? O que eu não percebi? O que eu não notei? O que eu fiz de errado? fundamental fazer este questionamento. vou tentar faze-lo diariamente. Muito obrigado pela Dica

    Responder

Deixe um comentário