Planejamento trimestral

Steve Pavlina

Planejamento Trimestral

Hoje, eu terminei de elaborar meu detalhado planejamento trimestral, que tem aproximadamente 10 páginas. Eu reviso meus planos e objetivos mais ou menos a cada 90 dias e acho que, apesar de ser entediante (geralmente de 10 a 15 horas trabalho cansativo), é uma ferramenta essencial para mim, não apenas para gerenciar meu negócio, mas toda a minha vida. A vida pode ser bem complicada às vezes, e é fácil sair dos trilhos por conta das pressões externas se você não souber precisamente aonde está indo. Quando você trabalha por alguns dias em um projeto específico e algo novo, de uma área completamente diferente aparece, pode ser difícil tomar uma decisão clara se você não conseguir tirar mentalmente o foco daquele projeto e vir as outras árvores da floresta. Com um plano escrito que você pode revisar a qualquer momento, você pode facilmente revisar sua situação atual com olhos de pássaro, de modo a tomar decisões mais consistentes.

Algum tempo atrás, eu costumava simplesmente definir objetivos e planejá-los de uma maneira bem básica. Uma coisa que incluo hoje em meu planejamento é uma lista de presunções que eu fiz quando elaborei o documento. Essas geralmente são presunções com relação ao que eu espero que aconteça, como quanto tempo eu acho que vai levar para completar um determinado projeto. Invariavelmente, algumas semanas depois de eu ter posto o plano em prática, eu me deparo com algum obstáculo. Daí eu revejo minha lista de presunções e procuro qual pode ter dado errado. E então eu posso ajustar essas presunções e atualizar o plano. Mas se eu perceber que todas as presunções parecem estar corretas, então eu geralmente me sinto seguro de que o coração do planejamento ainda está OK – eu só preciso mudar a maneira como o estou implementando. Hoje mesmo eu tive que recusar dois acordos de licenciamento com potencial; por fora, eles pareciam potencialmente lucrativos, mas tendo em vista meus objetivos de longo prazo, ficou claro que eles estavam fora de mão para mim.

Quando você cria um planejamento de 90 dias, você, na verdade, está planejando mais que somente 90 dias. Eu geralmente planejo ao menos dois anos para descobrir o que eu deveria fazer nos próximos 90 dias. Há muitas decisões que parecem boas quando você as considera para um prazo de três a seis meses, mas quando você planeja dois anos ou mais, elas parecem mais problemáticas. É bem parecido com quando você joga xadrez contra o computador – o computador jogador vai pensar que um movimento é otimizado se planejá-lo com cinco rodadas de antecedência, mas se ele considerar 10 rodadas, ele vai escolher um movimento completamente diferente. É assim quando se faz planos de curto prazo. Você vai fazer planos melhores se considerar mais anos em seu planejamento e pensar em onde você vai chegar e daí usar essa perspectiva de longo prazo para decidir o que você precisa fazer agora. E para algumas decisões grandes – por exemplo, se você vai ou não ter outro filho –, talvez você precise planejar muito mais anos com antecedência. A visão longa aguça a visão curta.

Quando eu era solteiro e morava sozinho e ainda não tinha aberto meu próprio negócio, esse tipo de planejamento detalhado provavelmente teria me matado. Mas agora que minha vida é muito mais complicada, ele me ajuda a atravessar o pântano da confusão e a realmente me focar. Quanto mais complicada minha vida fica, eu vejo que é mais importante gastar um tempo clareando meus objetivos e planos.

A principal coisa que um planejamento escrito faz por mim é me dar um senso de paz, sabendo que eu pensei em tudo com consciência e que está tudo sob controle. Pode ser difícil tomar decisões como: “Será que eu deveria passar mais tempo com minha esposa e meus filhos?”, ou “Será que eu deveria me exercitar?”, ou “Treinar minha próxima palestra?”, ou “Escrever um artigo?”, ou “Trabalhar em meu livro?”, ou “Fazer algumas ações de marketing?”, ou “Jogar pôquer?”, ou “Ler um livro?”. Uma coisa que aprendi é que tenho tendência a não fazer um bom trabalho quando tenho que tomar esses tipos de decisões no calor do momento – eu geralmente não dou importância suficiente para algumas áreas e dou importância demais a outras, então coisas importantes escorregam pelos dedos. Eu simplesmente não tenho tempo para planejar com antecedência absolutamente todas as decisões. É somente criando um planejamento de alto nível que eu acredito ser capaz de conquistar o equilíbrio certo e fazer as coisas realmente importantes enquanto decido conscientemente que outras áreas merecem menos atenção. Eu posso confiar no planejamento porque sei que gastei um bom tempo pensando em cada coisa para criá-lo, então ele funciona como uma ferramenta que me ajuda a simplificar e agilizar as decisões diárias.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


3 comentários em “Planejamento trimestral”

    • Pessoal, esse é um artigo do Steve Pavlina! Se vocês não sabem, é um autor super famoso. O artigo foi traduzido e postado aqui. O autor não está lendo os comentários de vocês que soam (pra mim) como pedidos para que “quem escreveu” poste um exemplo desse planejamento… Eu sinceramente não preciso de um exemplo, basta as explicaçõesque ele deu. É só ter um pouco de criatividade e iniciativa. Abra uma planilha do Excel, comece a brincar com opções, faça alguma coisa que funcione para você.

      Responder

Deixe um comentário