Como se sentir motivado fazendo o que você mais gosta?

Franciane Ulaf

Como se motivar fazendo o que gosta

Dando continuidade ao artigo anterior (Motivação, trabalho e lazer), vamos nos aprofundar agora na noção de lazer e em sua ligação com motivação e trabalho.

A noção de lazer em nossa sociedade é altamente deturpada e estimulada por figuras de destaque que pouco se importam com sentido e significado em suas vidas. É muito comum o caso da pessoa que trabalha até o esgotamento e nas horas de folga foge para alguma atividade passatempo que lhe permita descansar e se recuperar física e emocionalmente.

Ninguém vê problema com isso socialmente porque poucos se importam em fazer a vida valer a pena. Num mundo em que “viver intensamente” e fazer a vida valer a pena é pular de pára-quedas, fazer festa todo dia, beber até cair e desperdiçar dinheiro em artigos luxuosos, não podemos esperar muito dos conceitos que a nossa própria sociedade tem para nós!

Precisamos, em primeiro lugar, ter discernimento para refletir sobre todos os conceitos que “todo mundo” aceita com tanta facilidade e tem como “verdade”. Falamos um pouco sobre isso no artigo anterior. Evitar clichês e raciocinar com clareza é essencial para abrirmos as cortinas da vida e encontrarmos aquelas coisas que realmente nos motivam.

A pessoa motivada intrinsecamente, ou seja, aquela que se motiva com o que faz, cuja motivação vem de dentro, não precisa de atividades de lazer externas e secundárias para “descansar”. O conceito de descanso, de passatempo, está diretamente ligado ao perfil de sacrifício que o trabalho convencional implica. A pessoa que só trabalha para sobreviver e, mesmo gostando um pouco do que faz, ainda sente que a motivação verdadeira passa longe, precisa mesmo tirar um tempo regularmente para repor as energias. A pessoa, contudo, que faz o que realmente gosta tem energia de sobra para não precisar desperdiçar tempo com atividades de lazer inúteis. Seu lazer é o próprio trabalho. Para essa pessoa, motivação, trabalho e lazer são coisas que andam juntas e reforçam umas as outras, intensificando a produtividade pessoal.

O próprio conceito de passatempo, intrínseco à interpretação de lazer em nossa sociedade, carrega uma conotação de desperdício consigo. Por que alguém desejaria “passar o tempo”? Essa pergunta para quem vive com significado e sentido é tola. Passar o tempo é coisa de quem não tem sentido em sua vida. Tempo é vida e, se pensarmos bem, temos muito pouco tempo útil em vida. Se esse pouco tempo útil for desperdiçado fazendo algo que não se quer fazer e passando o resto das horas descansando, o que é que sobra?

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


22 comentários em “Como se sentir motivado fazendo o que você mais gosta?”

  1. hoje mais do que nunca o que precisamos é separar as coisas, trabalho e lazer….trabalho requer foco lazer descontração,distressar,descanso mesmo, o trabalho por si só suga energia lazer se bem dosado repõe…e não precisa dizer que o que você faz se você gosta você não cansa, nõa se desgasta, não é verdade, não somos máquinas, embora sejamos tratados com hoje em dia com tal…o que precisamos é aprender a usar tempo, trabalho e lazer com inteligência, tudo tem que ser valorizado.

    Responder
  2. É isso Christy, em outras palavras e como dizia meu avô: escolha uma profissão que você goste e não vai trabalhar nem um dia em sua vida!!!
    Tenho refletido muito no que venho fazendo por questões de que tenho que pagar minhas contas mas, acho que tenho que mudar e fazer só o que eu gosto, assim, não precisarei buscar uma atividade anti-stress.

    Responder
  3. Parabéns Sra, Cristy.
    O artigo acima vem confirmar minha idéia de que, quando trabalhamos com prazer, quando gostamos do que fazemos, não faz falta( pelos menos não muita) o própio lazer, pois já o sentimos realizando o nosso trabalho.

    Responder
  4. Olá,
    Gostei muito do artigo. Infelizmente esta é uma realidade que vemos muito comumente em nosso sistema. Mas considero que está em nossas mãos mudar isso, de dentro para fora.
    Certa vez li em uma tirinha de jornal que passamos boa parte de nossas vidas, enquanto temos vitalidade, procurando “matar o tempo”, e na idade mais avançada procuramos desesperadamente não deixar que o tempo nos mate à custa de remédios e carregando uma amargura que nos atormenta até o fim.
    Está em nossas mãos mudar isso. Essa é a minha grande busca.
    Abraços a todos.

    Responder
  5. Adoro ler estes textos, concordo com tudo o que dizem, sem dúvida que é o que quero para a minha vida. No entanto, não consigo deixar de sentir um profundo pessimismo ao compreender o quanto estou longe de poder viver esse tipo de vida onde motivação, trabalho e lazer se misturem. É simplesmente bom demais para ser verdade.

    Forte abraço.

    Responder
  6. Olá!
    Amo ler esses textos, e tem me ajudado muito. Gosto do que faço e tenho minha atividade também como lazer, mias não estou conseguindo o retorno financeiro. Sinto-me como criança, apesar dos 50 anos, e não descansei quando na juventude!!!!!

    Responder
  7. muito interessante
    é pra se pensar mesmo
    o que faço e pra que faço?
    pra quem faço? e quando devo fazer?
    onde eu fico nesta hitória?
    vivemos a vida sem refletir sobre mim mesmo e sobre as coisas que faço
    vivemos na maioria das vezes arrastado pelo que a midia me diz e diata a mim
    e ai?
    quem sou eu, qual a minha importancia?
    penso que os artigos postados aqui são de grande importância pra que eu reflita qual é realmente minha missão de vida?
    ,muito bom Cris
    abraços!!!!

    Responder
  8. Interessante realmente, e tudo como interessante nos faz refletir. Penso que nosso trabalho mesmo com total prazer em executa-lo, nos faz buscar não só forma de descansar, mas diria formas de inpiração. Um bom livro de um tema prazeroso, nos faz ler de forma rápida e constante, no entanto precisamos de leituras de outros temas também.

    Abraços

    Responder
  9. Fazendo o que gosto de fazer, aproveitando cada momento sem despediçar meu tempo, que é precioso! Esse artigo me leva mais uma vez á reflexão!

    Obrigada

    Responder
  10. Fran Christy,
    Adoro os artigos que recebo. Gosto de vivenciá-los no meu dia a dia. Mesmo quando as coisas não estão indo bem, procuro ver o que posso tirar de bom da situação e viver com alegria. Aprendi ser grata pelo privilégio de ter mais um dia de folego de vida e ser livre para lutar e conquistar cada objetico e planos que nasce no coração diariamente.

    Abraços,

    Responder
  11. O facto de fazermos o que amamos não implica que façamos algumas coisas que gostamos menos enquanto fazemos o que amamos. Sou profissional da música e por vezes, preciso escrever um tema em pentagrama ou ensaiar canções em momentos inextremis e isso não é agradável para mim… da mesma forma, julgo q o facto de fazermos o q gostamos, pode levar-nos a esquecermos os afectos e dedicarmo-nos demais a nós mesmos- ao nosso Ego. O equilibrio na nossa existência é p mim o maior bem e a maneira como encaro todas as coisas menos boas do dia-a-dia, com a perspectiva necessária para continuar de bem e alegre p q tudo corra pelo melhor é o meu “carpediem”…

    Responder
  12. Oiiii, este texto reflete muito a minha realidade, eu pensava como o Jaime (no comentario anterior), quando mudei de profissão e comecei a trabalhar no que realmente gosto aperfeiçoei meus conhecimentos, aflorou minha criatividade e hoje realizo trabalhos incríveis e sou bastante respeitada. Vale a pena fazer o que gostamos, assim é mais fácil sair de situações críticas e resolver tudo com maior eficácia, inclusive financeira. Vale a pena mesmo. tente.

    Responder
  13. Otimo artigo e sabias palavras. Alem de fazer o que se gosta,que é essencial para alegria de viver,Meditação e Yoga aumentam em muito a satisfação de estar bem consigo mesmo. Faço meditação/yoga e me sinto alegre,descansado e motivado mesmo quando aa dificuldades aparecem. Recomendo!

    Responder
  14. Passo a semana inteira querendo que chegue logo a 6ª feira, para que possa ter o sábado e o domingo livres para fazer o que gosto.
    Quando chega 6ª feira digo: ufa, é o último dia, graças a Deus!
    Olha, me sinto tão estressada com o meu trabalho que quando estava em licença maternidade não sentia a secura por viajar que tenho hj… Eu tinha tempo, mas não via isso como uma necessidade tão premente.
    Hj, quando passo mais de um mês sem ir à praia, sem ter horas de lazer, me sinto totalmente arrazada. Isso é devido ao estresse ocasionado pelo trabalho.

    Responder

Deixe um comentário