Como lidar com o inesperado

Franciane Ulaf

Um dos primeiros passos em direção a uma vida de sucessos é aprender a lidar com o inesperado.

A diferença básica nas respostas para lidar com o inesperado é a maturidade emocional e esse é um dos principais diferenciais da pessoa bem sucedida.

As emoções estragam tudo! A pessoa bem sucedida não se altera emocionalmente, não se desespera, não sente frustração, ansiedade ou irritação. A pessoa com perfil de fracassado deixa que suas emoções boicotem sua performance. Ansiedade, frustração, irritação, agressividade e raiva nunca resolveram problema algum.

A inteligência emocional é a capacidade de administrar as próprias emoções de forma assertiva e pragmática, resultando em respostas mais adequadas aos estímulos do ambiente. O inesperado é um estímulo e o que determina as consequências e o desenrolar da situação são as respostas que você escolhe dar. O inesperado pode desencadear o desespero, por exemplo, revelando dificuldade para organizar as próprias emoções num nível extremo.

A ansiedade e a frustração também revelam imaturidade emocional pois as informações e fatos não são processadas de maneira adequada, resultando em respostas indesejáveis às situações.

Vejo que existe uma certa dificuldade para as pessoas compreenderem esse ponto de vista, pois vivemos em uma sociedade em que a emoção é supervalorizada, então quando falamos em ser “frio”, em “pisar” nas emoções, as pessoas arregalam os olhos surpresas e não entendem bem o que é que eu quero dizer com tudo isso.

Primeiramente, é importante separar bem sentimentos de emoções. O que deve ser valorizado são os sentimentos, como amor, fraternidade e empatia, por exemplo. Emoções, por outro lado, são exacerbações, ou seja, exageros desnecessários, e geralmente descambam para lado negativo, pois dão demasiada vazão ao ego.

O ego, por sua vez, é aquela parte “negra” de nossa personalidade que é mimada, orgulhosa, vaidosa e deseja que o mundo se ajoelhe aos nossos pés. O ego frequentemente dá vazão para emoções negativas, pois como ele “exige” que o mundo seja perfeito e que tudo ocorra como ele quer, quando as coisas “ousam” ter vida própria (situações, pessoas, etc.), o ego dá “piti” e aí é que sentimos a frustração, a ansiedade, o medo, a raiva.

Quanto mais intensa for a sensação de que a vida deve se desenrolar como nós queremos e ponto final, mais intensas serão as sensações de rejeição quando as coisas começarem a se desviar de nossa vontade e expectativas. Frustração, tristeza e raiva são sensações de rejeição – não queremos ou não gostamos do que está acontecendo ou da forma como as situações estão se desenrolando e reagimos emocionalmente.

Por outro lado, quanto menos expectativas temos sobre como as coisas devem ser e acontecer, menos pressão colocamos na vida e nas pessoas ao nosso redor e menos emoções desencadeamos quando a vida simplesmente acontece da forma como ela quer acontecer.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


10 comentários em “Como lidar com o inesperado”

  1. boa tarde Fran,lendo o artigo sobre preguiça mental me enquadrei perfeitamente vou conta um pouco sobre: Comecei a cursar faculdade este ano de psicologia q.sempre foi meu sonho,depois de 18 anos sem estar em uma escola.Acontece q.estou sendo um fracasso nas provas por +q.estudo na hora da prova me dou mal.será q.estou com preguiça mental ou será algo q. está vindo com a idade tenho 51 anos e tbm mtos problemas em casa.Acho q. não sei agir sobre pressão,no caso provas.Por favor me d~e uma luz,será q. preciso da ajuda de um profissional p. melhor compreender o q. se passa comigo?obrigada por sua atenção.

    Responder
    • Olá Fátima,

      Em primeiro lugar, é importante compreender que preguiça mental todo mundo tem. Quem não tem preguiça mental é gênio!

      Seu problema com as provas da faculdade tem a ver parcialmente com a sua idade – infelizmente, quer a gente queira, quer não, com a idade, a capacidade intelctual vai diminuindo mesmo. Mas a maior parte do seu problema é provavelmente relacionada à simples falta de método de estudo – esse alías é o motivo pelo qual alunos jovens vão mal na escola também.

      Eu me mudei para os EUA logo antes de entrar para a faculdade há 15 anos e fiquei boquiaberta de ver como os alunos aqui estudam metodicamente. Isso ajuda muito. Ter técnicas para aprender e estruturação organizada para os estudos faz toda a diferença. Infelizmente no Brasil, as escolas não ensinam esse tipo de coisa porque o povo brasileiro é muito desorganizado, mas existem livros em português que ensinam como estudar e como “aprender”. Tem um livrinho muito bom, amarelo, que eu lembro ter lido em português, não me recordo o nome do autor, que se chama “Aprender a aprender”. Acredito que você possa encontrar esse livro em livrarias no Brasil.

      No mais, é tudo uma questão de você ser criativa e organizada para estruturar seus estudos de forma a tornar o aprendizado mais metódico. isso facilita muito na hora das provas e na realidade, pode ser a diferença entre alunos nota 10 e alunos medianos.

      Grande abraço,

      Elisângela

      Responder
      • Bom dia Fran, Gostei muito do artigo, como lidar com o inesperado. Sou muito emotiva, as vezes me pego sem chão, quando tenho que me expressar em público, sem transparecer emoção. quando li o artigo já despertou em min algo novo para superar essa dificuldade. Obrigada.
        Angela B.

        Responder
  2. Como sou ” metade judeu” [meu pai é sefardita] conheço um pouco sobre o judaísmo, e na medida que estudo sobre cultura judaica mais compreendo porque o povo judeu é tão bem sucedido nos negócios e nos estudos. O livro de provérbio, mesmo, é um grande manual de como ser bem sucedido na vida profissional, pessoal e acadêmica. Vejam alguns conselhos: Se fores convidado para uma festa não ”pague mico ” comendo demasiadamente na frente dos convidados [Prov. 23:1-3], não devemos estudar de forma apressada e sem método [ Prov.19:2], devemos ter cuidado de falar na hora certa, e , quando falar , da forma mais educada possível [ Prov.15:1,23,28] devemos andar não com pessoas tolas, mais com pessoas sábias, que possa acrescentar algo em nossas vidas [Prov.13:20] Existe também os conselhos do Talmude: Não devemos gastar além de nossas posses, e devemos economizar para comprarmos aquilo que nos trará estabilidade [ Um tostão economizado é um tostão ganho- Shavuot 55:2b] não devemos bobagens, mais apenas aquilo que tenha proveito [ Uma palavra vale uma moeda de ouro, o silencio , duas-Baba Kama 7:9] não devemos entrar em uma reunião e em uma conversa no dia em que estamos amargurados, porque, assim, não vamos discutir e conversar de forma racional, lúcida, mais sim de forma desorganizada [ Quando o coração esta amargo é difícil adoçar a boca- Sanhedrim 8:2b] Leiam sobre cultura, sabedoria, literatura e filosofia judaica que vocês serão bem recompensados!

    Responder
  3. Olá a todos, ainda só recebei um post vosso e gostei muito, entendi e fiquei bem exclarecida. A minha questão é a seguinte, sou uma mulher de 46 anos considero-me uma pessoa interessante e fisicamente embora não seja uma grande beleza, também não sou de deitar fora, arranjo-me bem sou uma optima companhia e no entanto sou sozinha, ou seja, não consigo arranjar um namorado, pior ainda, não consigo que ninguém se interesse por mim nesse sentido, é muito estranho e eu não entendo. Tem mulheres que falam que só atraem homem que não interessa, mas eu nem esses, não atraio nenhum tipo de pretendente, parece coisa espiritual. Tenho uma boa opinião de mim mesma, sei o meu valor, que se estará a passar aqui comigo?

    Responder
  4. Obrigada pelas suas palavras sabias tenho apreendido muito consigo!

    Mas vou aproveitar o espaço para publicar meu email k é(angelicaanastancia@gmail.com) preciso d coselhos. Kem poder ajudar.

    Responder
  5. Bom dia.

    Sou nova neste grupo, quero agradecer pelas palavras sabias e dezer que tenho apredido muito contigo.

    Peço que escreva sobre relacionamento entre casais, quero consquistar a minha felecidade mas sinto que falta me muita coisa para apreder e o meu parceiro também. Falta nos o respeito e confiança na nossa relaçao.

    Atenciosamente

    Neuza Mangujo

    Responder
  6. Acabei de ler um otimo artigo!

    Acho muito interessante esse ultimo paragrafo que fala que é melhor não criarmos muita expectativas sobre as coisas, dessa forma não fazemos pressão sobre nossa vida!

    Muito tempo atraz me recomendaram assistir o filme: “Clube da luta”. Nesse filme mostra muito sobre não criar expectativas!

    Responder

Deixe um comentário