Eu sou psicóloga, e é isso que eu faço antes de tomar uma decisão que pode mudar a minha vida

Carolyn Rubenstein

Tomar decisão que pode mudar a minha vida

Como todo mundo, tomei muitas decisões importantes que mudaram minha vida. Por exemplo, sou mãe de três filhos – incluindo gêmeos, que recebi recentemente – e mudei de emprego há vários meses, o que foi uma decisão que exigiu mudar toda a minha família para um novo estado. Não importa o quão decisivo você seja, fazer essas escolhas maiores pode ser difícil, dadas as implicações que elas podem ter em sua vida (e às vezes na vida de seus entes queridos também), mas descobri uma estratégia que funciona para mim para tornar o processo um pouco mais fácil.

Primeiro, descobri que é útil simplesmente perceber que você chegou a um ponto crítico em que precisa tomar uma decisão que muda sua vida. Para mim, há pequenos sinais que podem vir à tona que me indicam que esse seja o caso. Talvez eu esteja insatisfeita com alguma área da minha vida, ou há uma oportunidade na qual não consigo parar de pensar.

O que quer que esteja em sua mente, é importante observar os padrões que ocupam sua mente e levam você a uma possível decisão a ser tomada. O tópico em questão continua surgindo para você de tal maneira que é difícil de evitar? Em caso afirmativo, tome isso como um sinal de que pode exigir mais reflexão e uma decisão posterior a ser tomada.

Eu sou uma grande fã de olhar para os prós e contras de cada decisão e tentar ser menos crítica sobre o meu processo de pensamento. Às vezes, é fácil evitar tomar certas decisões como resultado de se envolver nas mudanças e nas consequências negativas que podem vir com isso. Mas considerar os aspectos positivos também é crucial. Se você se deixar sobrecarregar apenas pelos potenciais efeitos negativos de uma determinada grande decisão, isso pode impedir que você corra riscos – e os riscos podem ser recompensadores.

Além de fazer uma introspecção sobre como realmente me sinto e considerar os prós e os contras, quando uma determinada decisão envolve minha família, também converso com meu parceiro sobre isso para obter sua opinião, o que valorizo. Antes de ter essa conversa, porém, certifico-me de que entendi o que quero, para que eu possa comunicá-lo e termos a conversa mais eficaz possível.

Às vezes, podemos usar a conversa com um parceiro ou membro da família como uma muleta onde procuramos outras pessoas para nos dar as respostas (querer saber o que o outro pensa para saber o que pensar sobre o assunto). Embora sua postura e feedback sejam importantes, também é importante entender como você realmente se sente e o que realmente deseja, independentemente do que outros pensam, mesmo que essas pessoas sejam seus entes queridos. Você tem que confiar em seu instinto, opiniões, e preferências individuais. O preço a pagar por não dar valor às suas próprias vontades e predileções pode ser muito caro, mesmo anos depois da decisão tomada. A postura ideal em qualquer tomada de decisão é antes de tudo definir bem qual a sua posição – o que você quer, o que você pensa de tudo o que a decisão envolve – e só depois buscar opiniões alheias para que essas opiniões não o influenciem. Se acontecer de você concluir que o ponto de vista de outra pessoa é melhor, isso deve ocorrer após uma reflexão que contraste a sua visão com a outra. Se deixar convencer por outras pessoas pode ter consequências negativas para a sua autoestima no longo prazo, mas por outro lado, sempre insistir no seu ponto de vista quando outros são evidentemente melhores ou mais maduros pode resultar em decisões desastrosas e danos aos relacionamentos pessoais e profissionais.

Eu tenho o hábito de sempre manter anotações dos meus processos decisórios. Quando a decisão é muito importante ou grande, eu começo a escrever sobre o que estou pensando, quais são os prós e os contras, o que as pessoas perto de mim pensam sobre o assunto (e o que eu penso sobre o que elas pensam!). Considero esse processo crucial para o meu exercício de reflexão antes de uma decisão. Em muitas ocasiões, me peguei em raciocínios enganosos, caindo em armadilhas de lógica falaciosa, querendo me enganar por motivos imaturos, egoístas, ou simplesmente ignorantes sobre o contexto completo da situação. Às vezes o simples movimento de escrever me faz me dar conta na hora do meu raciocínio falho. Não mostro essas anotações pra ninguém para que eu me sinta totalmente à vontade para “pensar no papel” da forma como eu quiser. Costumo recomendar esse exercício para meus pacientes e ouço feedback muito positivo sobre ele.

É normal sentir uma mistura de animação e medo com a perspectiva de tomar uma decisão de mudança de vida, mas você quer, em última análise, garantir que se sinta pelo menos razoavelmente confiante de que está fazendo o movimento certo. Essa certeza ajudará se esses momentos de dúvida surgirem. Sempre me lembro quando se trata de tomar uma grande decisão que às vezes é apenas um salto de fé. Eu sei que eu poderia odiar os resultados e poderia ser horrível por um tempo, mas tudo bem. A maioria das grandes decisões são coisas que podemos mudar no futuro – e é importante continuar se lembrando disso ao longo do processo.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


Deixe um comentário