10 coisas que aprendi em 10 anos de administração do meu próprio negócio

Alex Giovanni

Negócio Próprio Empreendedor

Tornar-me proprietário de um negócio revolucionou minha compreensão sobre empreendedorismo, e agora acredito que não se pode dizer a alguém como administrar seu negócio se você nunca o fez.

Em 2013, tomei uma decisão que mudou minha vida. Decidi “dar um tempo” no meu emprego dos sonhos, que, apesar de incrível, era acelerado e exigente. Ganhei experiência valiosa, oportunidades, conexões e mais como sócio de um escritório de advocacia, mas minha vida pessoal sofreu. Tive a sorte de ter tido sucesso financeiro que permitiu uma pausa, e essa decisão difícil me lançou como empreendedor em tempo integral. Embora sinta falta de algumas coisas em ser parte de um escritório de advocacia, adoro definir o ritmo da minha própria vida e ainda ajudar os outros diariamente, mas de uma maneira diferente.

Tornar-me proprietário de um negócio revolucionou minha compreensão das realidades de administrar uma empresa. Agora acredito que não se pode dizer a alguém como administrar seu negócio se você nunca o fez com sucesso. Em celebração aos 10 anos como um empresário totalmente independente e com as contas em dia, aqui estão dez coisas que aprendi.

1. É possível iniciar e ter sucesso no seu próprio negócio

Eu nunca pretendi me tornar empreendedor. No entanto, após decidir fazer uma pausa, fui convidado a consultar amigos advogados que antes eram concorrentes. Ao contrário do trabalho, parecia divertido, e eu poderia fazer isso enquanto “dava um tempo” da vida no escritório de advocacia. Dez anos depois, gerencio uma equipe de profissionais de marketing e trabalho com escritórios de advocacia em todo o país, ajudando minha equipe e meus clientes a terem sucesso.

2. Não importa o quão bom você seja, algumas pessoas ainda o tratarão como se você não fosse

Você poderia esperar que, após mais de duas décadas como advogado e conquistar reconhecimentos no ramo jurídica, aqueles com quem converso e trabalho sempre me tratariam com respeito. Você estaria errado. Não importa quantos anos de estudo, diplomas, anos de experiência e prêmios você tenha, algumas pessoas sempre tentarão fazer você se sentir pequeno, tratá-lo como se você não importasse e menosprezar suas habilidades. Não trabalhe com essas pessoas. Não as empregue. Não permita que essas pessoas impactem sua energia e sucesso.

3. Você não pode controlar seus clientes, apenas como responde a eles

A maioria das agências de marketing não reembolsa o dinheiro do cliente após o pagamento. Eu costumava pensar da mesma forma – eu fiz o trabalho, você me pagou, e eu merecia ser pago. O medo de ter feito um trabalho ruim, o medo de não poder reembolsar esse dinheiro e o medo desse cliente mantêm os proprietários míopes. O sucesso me deu o privilégio de evoluir. Tive um cliente negativo e abrasivo que se recusava a colaborar. Mesmo entregando tudo pelo que pagaram, o escritório ainda estava insatisfeito. Então, eu os dispenssei e reembolsei cada centavo deles. Embora isso tenha feito minha empresa perder dinheiro, o preço financeiro valeu a pena.

4. Você não precisa de um escritório físico para ser uma empresa de sete dígitos

Passei minha carreira jurídica trabalhando de terno em um ambiente profissional em prédios de escritórios. O belo escritório no canto do último andar de um prédio no meu bairro, que eu havia procurado com cuidado e decorado, tornou-se uma fonte de estresse.

Hoje, minha equipe trabalha remotamente, não exatamente por escolha — começamos durante a pendemia, mas resolvemos permanecer assim e estamos muito satisfeitos com os resultados.

Agora eu não pago aluguel e realoco esses fundos. Sinto falta de trabalhar colaborativamente pessoalmente, mas minha equipe está prosperando. Conseguimos assumir mais clientes do que nunca, tudo sem um escritório físico.

5. Se um novo contratado está dando trabalho logo no início, provavelmente não dará certo

Um empresário bem-sucedido me disse que eu saberia dentro de dois dias de trabalho com um novo contratado se ele daria certo. Eu zombei do que parecia ser falta de consideração e falta de disposição para tentar mais no processo de integração. Depois de dez anos, dois dias ainda parecem bastante rápidos, mas não demora muito para saber se um novo contratado não é o certo. Quanto mais você espera para lidar com isso, piores as coisas ficam para o novo contratado e para a equipe existente. Corte suas perdas cedo, permitindo que essa pessoa siga em frente e você comece a procurar o ajuste certo.

6. Reduzir os serviços oferecidos significa aumento de expertise

Como advogado, o marketing jurídico é o foco da minha consultoria. Por haver muitos advogados e a maioria dos escritórios de advocacia se envolver em esforços de marketing, tenho um mercado nacional de tamanho razoável para obter clientes. Um dos meus maiores pontos de venda é que tenho uma empresa de nicho focada em uma indústria e sou uma especialista licenciada. Muitas pessoas me perguntam porque não ofereço meus serviços para contadores, dentistas, e outros profissionais.
Expandir para outras indústrias sobre as quais sei menos e não tenho presença diluiria meu maior ponto de diferenciação. Faça o que você sabe! Mantenha o foco e cresça dentro de sua especialidade.

7. Dizer “não” deixa espaço para dizer “sim” a oportunidades que você ainda não conhece

É assustador dizer não a oportunidades pagas no início da vida do seu negócio, mas lembre-se, cada engajamento é uma parceria, e você só deve se associar quando ela puder ser mutuamente bem-sucedida.

Evite colaborações condenadas desde o início. Avalie a compatibilidade prestando atenção em como eles falam e enviam e-mails para você, a “história” de como chegaram à posição atual e mais. Cada cliente que você escolhe trabalhar pode vir com o custo de não poder aproveitar outra oportunidade melhor que você ainda não conhece.

8. Ser seu próprio chefe é viciante

Com o tempo, ser meu próprio chefe se tornou uma mercadoria de valor significativo para mim. Gosto muito de não ter que pedir permissão para passar um dia inteiro ininterrupto com meus filhos. A parte assustadora de ser a chefe é ser responsável por si mesmo, por sua equipe, por seus clientes e por muitos outros, mas os benefícios de determinar como lidar com essas responsabilidades valem a pena.

9. Estabeleça limites cedo e não comprometa

Limites são importantes em nossas vidas pessoais e profissionais. A indústria jurídica cultiva uma cultura de disponibilidade constante e resposta imediata, o que é estressante. Agora, administrando meu próprio negócio, faço escolhas conscientes para moldar a cultura de nossa empresa de maneira diferente. Ninguém da minha equipe é obrigado a trabalhar fora do horário comercial normal. Ninguém na minha equipe tem seu e-mail de trabalho em seu dispositivo móvel. Eu não forneço mais aos clientes meu número de celular pessoal (e único). Estabelecer limites como esses torna o trabalho mais saudável e produtivo.

10. Se você não pode se pagar como proprietário, está fazendo algo errado

Surpreendentemente, muitos proprietários de empresas que considero bem-sucedidos não conseguem e não se pagam de jeito nenhum, ficam com o que sobra no final do mês, se sobra alguma coisa. Suas empresas não geram receita suficiente para permitir que o proprietário tenha uma renda. Se você não consegue se pagar (após um tempo de inicialização razoável, é claro), não está tendo sucesso. Você deve reavaliar sua posição financeira, plano de negócios geral e se ser proprietário de uma empresa é a escolha certa para você.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


Deixe um comentário