O mito da motivação

Franciane Ulaf

O Mito da Motivação

Simon Franco diz que a motivação é a consequência de nossas escolhas, não a causa. Ele está certíssimo.

Existem dois aspectos sobre a motivação que precisamos compreender para não ficarmos confusos “esperando” uma motivação que custa a aparecer para começar a fazer as coisas na vida ou dar continuidade ao que começamos quando estávamos motivados.

A primeira é que motivação é uma energia passageira, um entusiasmo, uma chama que se acende e se apaga, muitas vezes, completamente fora do nosso controle. Se ficarmos esperando a bendita motivação para então agir em prol de nossas metas, acabamos sendo pouco produtivos. O segredo do sucesso definitivamente não é a motivação, mas sim a determinação e o foco, que na realidade são a mesma coisa.

A segunda ideia que precisamos compreender é justamente isso, que a motivação depende da determinação. Quem vive sem planos, sem metas, sem eira nem beira, só vivendo a vida, empurrando com a barriga, fazendo nada mais do que a obrigação em troca de um dinheirinho no final do mês não tem motivação mesmo. Não tem como! Motivação vem de motivo. Se a pessoa não tem motivo para fazer as coisas, por que ela vai fazer? Por que ela vai se sentir toda empolgada? O entusiasmo não existe no vazio, ele precisa de motivo. Quem não tem motivo próprio, às vezes o empresta dos outros como é o caso da liderança contagiante que vez ou outra ocorre no ambiente de trabalho. Quem não tem um motivo para se sentir empolgado também pode ocasionalmente sentir essa “energia” por motivos efêmeros, como é o caso da motivação que o dinheiro proporciona, por exemplo, ou competições no trabalho, outra situação comum que fornece um “cheirinho” de motivação.

Motivação de verdade mesmo, só com os próprios motivos, a própria determinação e isso vem das metas pessoais, individuais, dos sonhos de conquista, de chegar a algum lugar, de conseguir alguma coisa na vida.

Mesmo assim, mesmo com toda a determinação do mundo e o comportamento mais focado, devido a essa característica etérea da motivação, ninguém se sente motivado o tempo todo. Isso é normal.

Se você compreender a motivação dessa forma, você terá melhores condições de estruturar sua vida de forma mais equilibrada:

– Primeiro compreendendo que não é preciso se sentir motivado para agir. O que é preciso é ter metas, ou seja, um foco, saber para onde você está indo e ter disciplina para seguir em frente, MESMO QUANDO você não está motivado.

– Segundo, se aproveitando desse ritmo disciplinado para criar ambiente para a motivação em sua vida, deixando com que ela aflore, mesmo que de vez em quando, devido ao seu trabalho contínuo, que começa a mostrar frutos e resultados à medida que você se dedica aos seus projetos.

Em resumo: nunca espere se sentir motivado, faça o que você tem que fazer para conquistar suas metas mesmo quando você tem que se arrastar para fazer aquilo. A motivação pode aparecer e desaparecer ao longo desse processo, mas os resultados das suas ações serão visivelmente sentidos a medida que você segue em frente e esse sucesso já conquistado certamente fornece um pouco mais de motivação.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


13 comentários em “O mito da motivação”

  1. Primeiramente, PARABÉNS pelos seus artigos…são muito esclarecedores!!!

    Ao longo das minhas experiências eu pude aprender uma coisa: a motivação se segue a ação! Isso mesmo…

    Temos uma tendência de esperar que as coisas aconteçam para que possamos nos sentir melhores….ficamos paralisados a espera de que algo aconteça……

    Em muitos momentos da minha vida eu desejei TER antes de SER e principalmente antes de FAZER….Hora, o que nos tira da situação que vivemos é a ação…agir, fazer, tentar…

    Muito dessa paralisia que vivemos é fruto da teoria do pensamento positivo…não que eu seja contra ter bons pensamentos, mas pensar somente não basta!!!

    Nada me motiva mais do que levantar cedo e fazer algo em busca dos meus objetivos….mesmo que o resultado não seja o esperado!

    Bom…já escrevi muito…Sucesso a todos!!!!

    Responder
    • Agora descobri que não tenho problema. Antes me entristecia por me sentir desmotiva, quando na verdade vc precisa de uma boa dose de ação porque isso gera motivação.
      Mara Kobelus

      Responder
  2. Parabéns pela inteligência emocional com que escreve. As pessoas andam carentes dessas ideias. Me esforço muito para pregar o que colocou aos meus alunos, amigos e próximos. É a contar disso que ficamos mais inabaláveis.

    Grande abraço.

    Responder
  3. Parabéns pela maneira como você deixa claro os conceitos no desenvolvimento dos temas.
    Lendo os seus artigos fico entendendo melhor o assunto e em condições de absorver melhor os conhecimentos.

    Um grande abraço.

    Castello

    Responder
  4. Exatamente… eu demorei muito tempo na vida para entender esses pontos que a autora traz. Sofri para entender que mesmo as pessoas altamente produtivas e bem sucedidas não se sentem motivadas o tempo todo, mas mesmo quando não estão motivadas, elas estão fazendo o que precisam fazer para dar continuidade aos seus projetos, ao passo que as pessoas de pouco sucesso fazem justamente o contrário, se não estão motivadas, não fazem nada e ficam esperando a tal motivação voltar para entao continuar o que começaram. Não é por aí!

    Responder
  5. Muito bom, eu tinha uma dificuldade de entender justamente isso, ficava mesmo esperando me sentir motivada para depois fazer alguma coisa. É bom abrir os olhos!

    Responder
  6. É isso mesmo. Normalmente temos um desejo, um sonho, e isso nos move em direção a ação. No meio da coisa desistimos, esfriamos, nos sentimos desmotivados, antes de conseguirmos os resultados. Faltou um planejamento, dividir os objetivos finais em metas mais simples. A determinação de só parar quando conseguir o resultado final é muito importante. Depois disso vem o Foco (saber o que deve ser feito), Organização (prover-se dos meios necessários) e por fim a Disciplina (fazer o que tem que ser feito, com persistência). Foco, Organização e Disciplina (FOD). A sigla ficou engraçada e mnemônica. Quem tem determinação e FOD chega lá.
    Mas não podemos esquecer do Planejamento.
    Joaquim Morais

    Responder
  7. No comentário anterior esqueci de dizer que cada meta intermediária alcançada reaviva a motivação e nos dá força para seguir adiante. É um sistema que se auto-alimenta. Os boa doutrina diz que essas metas intermediárias devem ser comemoradas para se tornarem marcos fortes. Dessa forma, como diz a Fran, basta seguir o Planejamento que a motivação aparece de vez em quando.

    Responder
  8. Este conceito está fazendo toda a diferença na forma como desenvolvo o meu trabalho, é uma visão que está me tirando da inércia e do vitimismo emocional, está me elevando a um novo patamar profissional com resultados que eu nunca tinha visto. Não sou mais refém das minhas emoções. Muito obrigado por vc ter gasto o seu tempo para me ajudar a melhorar a minha vida. Abração

    Responder
  9. Nossa! Palavras vivas essas do seu artigo Fran Christy. Simples e lapidar: ligar o conceito de motivação a (um) motivo (metas, sonhos…) dá outra perspetiva e muda o paradigma de uma pessoa, que até quer fazer algo, mas não sabe como ou sente falta do tal empurão/motivação. Valeu pela partilha! Abraço! EBorja

    Responder

Deixe um comentário