Como tomar decisões difíceis: “ir ou ficar”?

Steve Pavlina

Tomada de Decisão

E se você estiver tolerando uma situação que não deseja, mas não sabe para onde ir a seguir? E se o seu trabalho, relacionamento ou estilo de vida atual for incompatível para você, mas você hesitar em deixá-lo para trás?

Imagine estar preso em uma ilha, mas você não gosta de estar lá. É muito pequena. O tempo costuma ser ruim. E cheira a peixe podre. E suponha que quando você sobe ao ponto mais alto desta ilha e olha em volta, tudo o que consegue ver é a vastidão do mar em todas as direções.

O que você faz?

Bem, você tem duas opções. Você pode ficar ou pode ir embora.

https://guiadavida.com.br/wp-content/uploads/decisoes-inteligentes-150px.jpg
Um excelente manual para aprender a tomar melhores decisões

Se você ficar, sobreviverá, mas tolerará a contragosto uma situação indesejável pelo resto da vida. Você nunca será muito feliz lá. Você sempre se perguntará como teria sido partir e se poderia ter encontrado algo melhor. E você morrerá naquela ilha ainda imaginando o que poderia ter acontecido.

Se você construir uma jangada e tentar navegar para longe da ilha, poderá encontrar diferentes problemas. Como você sobreviverá à jornada? Como você vai navegar? E se você se perder no mar? E se você morrer de sede, fome ou exposição? E se você enfrentar uma tempestade ou for atacado por tubarões? Não há garantia de que você sobreviverá. Talvez fosse mais seguro ficar.

Esse enquadramento é semelhante à forma como muitas pessoas abordam decisões complicadas de ficar ou sair. Elas a enquadram como algo que requer um salto de fé no desconhecido – um desconhecido cheio de potenciais tempestades, tubarões, recursos escassos e muito mais. É um risco tremendo. Então, é claro, quando elas enquadram a tomada de decisão dessa forma, elas permanecem em sua ilha original. Esse enquadramento as mantém presas onde estão.

Mas esse enquadramento é apenas uma história, uma narrativa. Pode parecer uma analogia razoável porque corresponde a como as pessoas às vezes se sentem sobre as principais decisões da vida. Mas não corresponde aos riscos reais em jogo. Esse tipo de enquadramento agrupa um monte de crenças limitantes e as faz parecer perigos genuínos, mas na maioria das vezes esses perigos não existem.

Se você largar o emprego, é improvável que seja comido por tubarões (mesmo que figurativamente!). O mesmo vale para deixar um relacionamento insatisfatório. O mesmo vale para se mudar para uma nova cidade. Sim, existem riscos, mas são riscos gerenciáveis com os quais você pode lidar. E na maioria dessas transições, o pior cenário realista não é tão ruim.

Ao passar por algumas transições que pareciam muito importantes para mim no passado, como uma falência e um divórcio, fiquei impressionado com o quão comuns essas experiências eram para aqueles que tinham que processar a papelada, como advogados e contadores. Minha experiência de mudança de vida não foi mais especial do que uma xícara de café para outra pessoa. Mesmo quando fui preso várias vezes quando adolescente, para os policiais e oficiais de justiça que tiveram que estar envolvidos, minha situação não era nem perto de memorável. Eu era apenas alguns minutos do tempo deles em um dia rotineiro.

Vamos considerar uma analogia diferente aqui. Vamos deixar de lado o extraordinário enquadramento estilo Náufrago de nosso cenário de ilha. E vamos substituí-lo por algo um pouco mais gerenciável.

Lidando com a Incerteza
Fields desenvolveu uma nova abordagem para transformar a incerteza, o risco de perda e exposição ao julgamento em catalisadores para a inovação, a criação e a realização.

Você está na mesma ilha inicial e sua vida é péssima lá. Mas agora, quando você vai ao ponto mais alto e olha ao redor, pode ver algumas outras ilhas lá fora. Se você construísse uma jangada, certamente conseguiria chegar a algumas delas. Mas você só pode carregar um pouco de coisas na jangada, então terá que deixar a maioria de seus pertences familiares para trás. Você terá que abandonar sua preciosa cabana que tanto trabalhou para construir e consertar depois de tantas tempestades. Se você for para uma nova ilha, basicamente estará começando de novo.

Mas e daí? A gente recomeça o tempo todo. Não é grande coisa. Você pode fazer um grande alarde sobre isso, mas é realmente apenas uma parte normal da vida. Todos nós experimentamos isso de vez em quando. E vamos continuar experimentando esse tipo de coisa ao longo de nossas vidas. As reinicializações acontecem.

Você ainda pode levar as habilidades que aprendeu da sua antiga ilha para a nova. Você construiu uma cabana uma vez, então pode fazer de novo. Por causa de suas experiências adquiridas na primeira ilha, será mais rápido criar uma nova vida em outro lugar. E para qualquer coisa nova que encontrar, você se adaptará.

Você pode não gostar da jornada. Vai ser cansativo. Você provavelmente vai se queimar de sol. Mas é razoável esperar que pelo menos uma das novas ilhas seja melhor do que esta ilha fedorenta. Você sabe que não gosta da sua situação atual. Você também pode explorar e procurar algo melhor.

Um aspecto que o mantém preso em sua ilha atual é resistir ao desconforto da jornada. Você pode não gostar que a jornada seja difícil, mas pode se render ao cansaço, se render ao excesso de sol e se render ao desafio de reconstruir sua vida em outro lugar. Aceite que este é o preço que você deve pagar.

Se você está enfrentando uma transição desafiadora, qual é o preço a ser pago? Você precisará fazer as malas e se mudar? Você precisará rebaixar seu estilo de vida por um tempo? Você precisará lidar com muita papelada extra? Você poderia navegar na transição se aceitasse o preço que deve pagar?

Às vezes nos afastamos da clareza porque não gostamos do preço da transição diante de nós. Não gostamos do rebaixamento do estilo de vida. Não gostamos da crítica ou do constrangimento. Não gostamos da papelada. Não queremos passar por outra reinicialização. Mas quando uma transição tem um preço, a clareza de que precisamos já está lá. Pague o preço e faça a transição. Ou não pague o preço e fique onde está.

Não faça o preço maior do que é, criando uma narrativa aterrorizadora, porém falsa. Se o preço inclui dormir em seu carro, não o transforme em uma tempestade mortal. Se o preço inclui pedir desculpas, não o transforme em um tubarão. Se o preço incluir muita papelada… bem, essa é realmente uma droga. Mas ainda assim… você sobreviverá.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


Deixe um comentário