Como a felicidade muda com a idade

Heidi Grant

Como a felicidade muda com a idade

Eu estou chegando perto dos 50 anos de idade. Passo a maior parte das noites de sábado em casa com calças de ioga, relendo romances favoritos ou assistindo a filmes antigos, ou jogando Monopólio Junior com meu filho. (Se você acha que o Monopólio é chato, então você não experimentou o Monopólio Junior!)

Essa maneira de passar minhas noites de sábado me deixa feliz. Se você voltasse e contasse ao meu eu “super legal” de 20 anos sobre a noite típica que a espera pelo futuro, ela ficaria bastante devastada por sua vida se tornar tão… chata. Que uma noite de sábado lendo um livro – nem mesmo um livro novo – se qualifica como um grande momento.

“O que diabos acontece comigo no futuro?” ela iria se perguntar. Muitas pessoas se sentem assim até certo ponto quando olhamos para trás e percebemos o quanto mudamos. A resposta, claro, é que todos nós crescemos — e para muitos de nós, o que significa ser “feliz” evolui lentamente para algo completamente diferente.

Felicidade construída: Como encontrar prazer e propósito no dia a dia
O que devemos fazer para tentar encontrar nossa dose certa de prazer e propósito e organizar nossas vidas promovendo felicidade e realização

A felicidade torna-se menos a experiência de alta energia e totalmente empolgada de um adolescente festejando enquanto seus pais estão viajando, e mais a experiência pacífica e relaxante de uma mãe sobrecarregada de trabalho que está sonhando com aquele banho quente o dia todo. O último não é menos “feliz” do que o primeiro – é uma maneira diferente de entender o que é a felicidade.

Psicólogos sociais descrevem essa mudança como consequência de uma mudança gradual da motivação de promoção – vendo nossos objetivos em termos do que podemos ganhar, ou como podemos ficar em melhor situação, para a motivação de prevenção – vendo nossos objetivos em termos de evitar perdas e manter as coisas funcionando sem problemas. Todo mundo, é claro, tem ambas as motivações. Mas as quantidades relativas de cada um diferem de pessoa para pessoa e podem mudar com a experiência à medida que envelhecemos.

Uma pesquisa da Northwestern University sugere que a mentalidade de promoção é mais prevalente entre os jovens, porque a juventude é um momento para se concentrar em suas esperanças para o futuro, o que você quer fazer com a vida – você não tem muito em termos de responsabilidades, e você ainda acredita que pode fazer qualquer coisa que se proponha. E você pensa que é imortal. Esta é mais ou menos uma receita para uma forte motivação de promoção.

À medida que envelhecemos, as ilusões de imortalidade desaparecem. Há uma hipoteca que precisa ser paga, uma casa que precisa ser mantida e crianças a serem cuidadas. Falando em crianças, as novas mães são um grupo especialmente voltado para a prevenção. Elas têm a difícil tarefa de, de alguma forma, proteger um novo ser humano completamente vulnerável, sem noção, mas empenhado em explorar um mundo cheio de germes, escadas, objetos pontiagudos, e tomadas elétricas. A maternidade é principalmente sobre vigilância incessante.

Quanto mais velhos ficamos, mais queremos nos apegar ao que já temos — as coisas pelas quais trabalhamos tanto para conseguir. Também temos mais experiência com a dor e a perda, tendo sido atropelados um pouco pela vida e tendo aprendido algumas lições da maneira mais difícil.
Em um conjunto recente de estudos, os psicólogos Cassie Mogliner, Sepandar Kamvar e Jennifer Aaker procuraram evidências de como nosso senso de felicidade muda com a idade, analisando doze milhões de blogs pessoais. Especificamente, eles estavam interessados em ver que tipo de emoções os blogueiros mencionavam quando falavam sobre se sentir “feliz”.

Eles descobriram que os blogueiros mais jovens descreveram as experiências de felicidade como sendo momentos em que se sentiram empolgados, extasiados ou eufóricos – como você se sente quando está antecipando as alegrias que o futuro trará – como encontrar o amor, progredir no trabalho ou mudar para uma nova cidade.

O Que Nos Faz Felizes. O Futuro Nem Sempre E O Que Imaginamos
O futuro nem sempre é o que imaginamos. Um excelente livro para compreender a nossa complicada relação com a felicidade

Blogueiros mais velhos estavam mais inclinados a descrever experiências felizes como momentos de paz, relaxamento, calma ou alívio – a maneira como você se sente quando está se dando bem com seu cônjuge, mantendo-se saudável e capaz de pagar suas contas. Esse tipo de felicidade é menos sobre o que está por vir e mais sobre estar contente em suas circunstâncias atuais. A depressão da meia-idade em muitos casos é decorrente da insatisfação com essas circunstâncias.

Você pode ver essas diferenças relacionadas à idade na motivação muito refletidas no local de trabalho, onde os trabalhadores mais velhos têm mais preocupações motivadas pela prevenção – como segurança no emprego e horários de trabalho flexíveis, enquanto as pessoas com menos de trinta anos têm mais preocupações com promoção – como oportunidades para desenvolver habilidades.

Se você é como eu, e acha que sua vida se tornou mais voltada para a busca da paz e do relaxamento do que da excitação vertiginosa, tenha certeza de que não está perdendo a felicidade. Sua felicidade evoluiu, assim como você. Mesmo que nossa versão pareça menos divertida para os padrões de nossos eus mais jovens, isso não significa que seja pior.

LIVROS RECOMENDADOS:

Felicidade construída: Como encontrar prazer e propósito no dia a diaFelicidade construída: Como encontrar prazer e propósito no dia a dia ==> Clique aqui para ver o livro na Amazon

Em "Felicidade construída", o professor da London School of Economics Paul Dolan, ph.D., combina as mais recentes pesquisas da ciência comportamental com suas experiências pessoais e desenvolve um novo conceito sobre felicidade. Ao contrário das teorias que sugerem uma mudança em nossa maneira de pensar, "Felicidade construída" se baseia na experiência do autor como economista e foca em como agimos no dia a dia. Vivemos numa época em que, a cada minuto, incontáveis estímulos disputam por nossa atenção. No entanto, é preciso saber focar no que de fato nos faz felizes.


Felicidade por acaso: Como equilibrar as expectativas do futuro para alcançar uma vida feliz no presenteFelicidade por acaso: Como equilibrar as expectativas do futuro para alcançar uma vida feliz no presente ==> Clique aqui para ver o livro na Amazon

Com base em inúmeras pesquisas em psicologia, neurociência cognitiva, filosofia e economia comportamental, Felicidade por acaso apresenta o que os cientistas descobriram sobre a capacidade exclusivamente humana de imaginar o futuro, e o que podemos fazer para tentar aproveitá-lo quando chegarmos lá.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


1 comentário em “Como a felicidade muda com a idade”

  1. Muito legal esse artigo! É uma perspectiva diferente do que a gente vê por aí, coisas batidas, psicologia positiva, etc. É uma reflexão sábia sobre como mudamos após a juventude, como as nossas esperanças de uma vida louca, aventureira, e cheia de surpresas morre uma morte lenta e dá espaço para a maturidade. Tenho 40 anos e sou muito diferente da garota de 20 que achava que ia ser cantora famosa. Não é uma questão de sonhos frustrados, mas de lentamente colocar os pés no chão e perceber que a vida real não é Hollywood. Gosto muito deste site por isso, é sempre uma visão diferente do que a gente lê nos outros sites por aí. Continuem com o ótimo trabalho!

    Responder

Deixe um comentário