Como sempre encontrar uma solução para tudo?

Franciane Ulaf

Encontrar solução para tudo

Ao longo dos anos em que venho trabalhando nessa área de desenvolvimento pessoal, tanto na esfera pessoal, quando na empresarial, observo que uma qualidade, aliada à perspicácia (tema para outro artigo!), é que é a verdadeira razão que justifica o sucesso de alguns, enquanto a falta dela é a razão do fracasso de outros.

Falamos muito em autoajuda que tudo tem uma solução, pra tudo se dá um jeito. O problema é que esse “jeito” é a própria pessoa que tem que encontrar. Muitas pessoas esperam guias completos, passo-a-passo de como fazer para ter sucesso na vida, o que obviamente não existe. Cada situação requer uma atitude e um grupo de ações diferentes. Aprender como fazer algo é só parte do quebra cabeças, principalmente porque as coisas nem sempre dão certo ou ocorrem exatamente como previsto no “passo-a-passo”. Montar um negócio é um bom exemplo. Todos os livros, faculdades e cursos de administração e negócios não conseguem ensinar uma pessoa que não é “engenhosa” a criar um negócio bem sucedido. Ela pode até aprender “o que fazer” em termos de direcionamento – faça isso, depois faça aquilo, depois…”, mas em frente ao primeiro obstáculo a pessoa irá travar e ali ela permanecerá, incapaz de encontrar uma solução, pois ninguém disse pra ela como resolver aquele problema específico.

Em um dos meus livros ensino como montar um negócio na internet, pois acredito que esse modelo de negócios seja a soluça perfeita para providenciar liberdade e renda suficiente para viver de acordo com as filosofias que defendo em meus sites (resumindo: viajar pelo mundo, trabalhar quando quiser, como quiser, de onde quiser, ser absolutamente livre e dono da própria vida). Ter um negócio na internet na realidade é simples e direto e algo que qualquer um pode tentar já que não é necessário praticamente nenhum investimento além do próprio tempo. Uma pessoa que não tem engenhosidade, porém, jamais conseguirá vingar com um negócio online, independente de quão “fácil” seja o processo. Por quê? Problemas e ocorrências inesperadas ocorrem com tecnologia com muito mais frequência do que qualquer outra coisa “no mundo real”. Ou seja, em um negócio na internet, as coisas dão errado o tempo todo por todos os motivos possíveis, de falhas técnicas a erros humanos. É preciso uma pessoa altamente perspicaz e engenhosa para ser capaz de rapidamente diagnosticar os problemas, descobrir uma solução e implantá-la em tempo hábil.

Perdi as contas de quantas vezes, na época em que ainda administrava meus sites pessoalmente, me vi diante de problemas absurdos e inesperados como: meus sites de repente saíam do ar. Não sabia qual era o problema ou como consertar, ninguém também sabia e ninguém podia me ajudar. Passei noites em claro tentando diagnosticar problemas e encontrar soluções sem ter conhecimento técnico sobre como as coisas na internet “realmente” funcionam nos bastidores. Encontrava soluções inusitadas, criativas ou finalmente aprendia algo importante na marra. Em 99.9% das situações eu fazia tudo sozinha sem ajuda, afinal de contas, eu estava sozinha em meu negócio, não havia ninguém pra me ajudar! Isso era algo que eu não pensava na época, mas hoje eu me dou conta de que meu nível de engenhosidade teve um papel fundamental no meu sucesso. Sem essa capacidade eu teria desistido, pegado um emprego qualquer com meu recém adquirido diploma de administração de empresas e provavelmente você não estaria lendo esse artigo hoje e esse site não existiria.

Estou contando essa história para ilustrar como a engenhosidade faz diferença nos resultados que obtemos na vida, independente de qualquer outro fator, como sorte, ajuda de terceiros, autoconfiança, autoestima, conhecimento, educação, coragem, etc.

Um dos componentes centrais da engenhosidade é o simples e pouco valorizado bom senso. Muita gente deixa de solucionar problemas simples ou seguir em frente com seus planos pois se deixa empatar por obstáculos que seriam resolvidos se a pessoa parasse para pensar e abrisse espaço para a lógica e a criatividade.

Centrais de suporte técnico são famosas por acumularem histórias engraçadas de pessoas que ligam com as mais diversas dúvidas e problemas cuja solução seria óbvia… se ao menos a pessoa tivesse parado para pensar! Um dos casos mais comuns em centrais de atendimento técnico é o caso do consumidor que não liga seu aparelho na corrente elétrica (não põe na tomada!), como um computador ou uma impressora, e liga para o suporte dizendo que o aparelho não funciona!

A primeira característica altamente notável em uma pessoa engenhosa é a capacidade dela raciocinar com clareza, lógica e bom senso, sendo capaz de resolver problemas simples, mas que os outros não conseguem, talvez por pura preguiça de pensar. No mundo em que vivemos as pessoas não se preocupam em melhorar nesse aspecto, pois é tão admissível usar a desculpa de que se tem dificuldade com tal coisa, tecnologia sendo a mais comum. Um problema como um computador não estar ligado na tomada, contudo, não é uma questão de ter familiaridade com tecnologia ou não, mas de simples bom senso – quem é que não sabe que um computador precisa de energia para funcionar? Não é preciso “saber de computadores” para colocar um fio na tomada! Muitos problemas que atormentam as pessoas podem ser resolvidos com simples bom senso.

A pessoa engenhosa não se desespera e não sai correndo para pedir ajuda para os outros, se sentindo incapaz de resolver o problema sozinha. Não, ela simplesmente pensa. Nessa ela faz uma lista mentalmente de todas as possíveis causas do problema e passa a testar uma por uma, até conseguir encontrar a solução. Se ela não sabe nada sobre o problema, ela vai procurar – hoje em dia a internet é uma benção para nos ajudar a encontrar possíveis causas para problemas comuns e sugestões de soluções.

Num problema corriqueiro e simples como uma impressora que não imprime, a pessoa não engenhosa fica irritada, brava, sai pedindo para alguém resolver o problema. A pessoa engenhosa, por outro lado, pensa: quais são todas as possiblidades que poderiam fazer com que uma impressora (que antes funcionava) simplesmente parasse de imprimir sem causa aparente? Ela então, começa a listar mentalmente essas possibilidades:

1. Energia: a impressora está ligada na tomada?
2. Conexão com o computador: o cabo da impressora está ligado no computador?
3. O computador reconhece a impressora? Por vias das dúvidas, reinicia o computador e a impressora.
4. A impressora está “offline”?
5. Se a impressora for conectada a outro computador, ela imprime?
6. A impressora tem tinta e não apresenta aviso de troca de tinta?

Agora, é importante reconhecer que mesmo um problema como o descrito acima não exige que a pessoa tenha conhecimentos de informática. Qualquer um hoje em dia usa computadores e periféricos diariamente. Não é preciso nenhum nível, mesmo básico, de conhecimento para ser capaz de elaborar as hipóteses acima para uma impressora que não imprime. É preciso apenas bom senso, pois a lista acima foi populada com pura lógica, não conhecimentos técnicos. Nós, que usamos tecnologia todo dia, sabemos naturalmente que uma impressora precisa estar ligada na tomada e no computador para funcionar, e além disso, a impressora sem tinta não imprime e problemas no computador podem indicar que reiniciar os aparelhos seja necessário para resolver o problema.

Esse, na verdade, é um simples teste de engenhosidade. A pessoa que já começa a me atacar e dizer “ah, mas nem todo mundo tem facilidade com informática” e coisas assim para justificar a incapacidade de consertar uma “impressora que não imprime” tende a ser mais reativa do que proativa e nesse movimento, ela perde a chance de ser engenhosa e passa para o grupo dos que pedem ajuda para os outros ou desistem.

Nem tudo na vida, os obstáculos a que nos deparamos, as dificuldades que enfrentamos, são coisas que temos qualquer tipo de familiaridade. Na maioria das vezes, não há ninguém para nos ajudar pelo simples fato de que estamos tentando fazer algo por nós mesmos, uma meta pessoal ou uma vantagem competitiva profissional. Ao caminharmos para frente, é natural começarmos a pisar em terreno desconhecido e sermos obrigados a lidar com coisas as quais não temos a menor familiaridade e pior, podemos até ter dificuldades, como a própria tecnologia ou exposição pública, como a pessoa que se vê na necessidade de dar palestras ou conduzir reuniões, morrendo de medo de falar em público.

O maior segredo para aprender a ser engenhoso é mudar de perspectiva e parar de acreditar que ter dificuldade com alguma coisa é desculpa para não tentar resolver o problema ou ultrapassar o obstáculo, mesmo que seja a coisa mais banal do mundo como uma impressora que não imprime. Independente de qualquer conhecimento específico sobre a natureza do problema que se está tentando solucionar, como nesse caso, informática, a maioria das coisas pode ser resolvida com puro bom senso. Basta PARAR E RACIOCINAR! Use sua massa cinzenta e você verá que consegue encontrar soluções com base em pura lógica, mesmo sem saber absoltamente nada sobre o assunto que você está lidando.

Quando o assunto é o progresso com metas pessoais (incluindo metas profissionais), a pessoa engenhosa é criativa e ousada, tendo ideias para ultrapassar obstáculos ou dar novos passos. Ela levanta recursos e os administra eficazmente a fim de atingir seus objetivos.

Um ponto muito importante a ser compreendido é que a engenhosidade é uma postura mental, é uma forma de raciocinar, de pensar. A pessoa engenhosa encontra soluções simplesmente porque ela parte do pressuposto de que ela é capaz de encontrar essas soluções sozinha. Veja a sutileza: a pessoa que não é engenhosa não faz esse movimento mental! Ela parte do pressuposto de alguém precisa ajudá-la e nesse momento ela para de tentar encontrar soluções por si mesma e cruza os braços, passando a pedir ajuda para os outros ou desiste. Vê a sutil diferença que já começa nas presunções que a pessoa faz já no começo do processo?

Mas uma impressora que não imprime, é claro, é um probleminha elementar, corriqueiro (se não formos entrar na postura mental de não conseguir resolver um problema simples…). Para solucionar problemas mais complexos, contudo, a engenhosidade tem um papel fundamental. Qualquer que seja o “tipo” de sucesso que você está tentando alcançar, resolver problemas e superar obstáculos é algo que faz parte. Se você é “limitado” em sua habilidade de levantar e usar recursos, sejam habilidades pessoais, conhecimentos, apetrechos, dinheiro, contatos, etc., você naturalmente será deixado para trás, você escolherá ficar parado por medo de seguir em frente. Se quanto mais adiante você segue, mais a vida exige de você e você não é capaz de mostrar resultados, você se encolhe em posições que oferecem conforto levando em conta suas limitações. E tudo isso começa na forma como você pensa. Quanto mais lógica e linear for sua forma de pensar, mais fácil será descobrir soluções criativas e inusitadas para os mais diversos problemas e é assim que você dá passos em direção ao sucesso.

De uma forma resumida, você progride na vida encontrando soluções para obstáculos e formas de conseguir o que você quer. Você só consegue fazer isso, contudo, se mentalmente você se permite admitir que tem condições de encontrar respostas e soluções de forma independente – sem precisar de ajuda. Não que ajuda não seja bem vinda ou você não possa lançar mão do auxílio de outras pessoas, pode. Contudo, a pessoa que não pensa de forma independente se torna dependente dos outros. Há uma diferença entre ser independente e aceitar ajuda dos outros quando convém e ser dependente da ajuda dos outros, nunca sendo capaz de solucionar nada sozinho ou ter ideias criativas de como conseguir o que se quer. Isso se aplica para tudo na vida, das coisas mais banais como resolver problemas com a tecnologia que nos rodeia até superar uma dificuldade íntima pessoal como falar em público ou montar um negócio e ser um empresário bem sucedido.

De um funcionário pequeno em uma grande empresa até um corretor de imóveis, passando por um pequeno empresário e um profissional liberal, todos os caminhos podem levar a um sucesso estrondoso, assim como podem acabar em becos sem saída, confortáveis e seguros, mas… limitados. Mais do que autoconfiança, autoestima e tudo o mais que abordamos nessa área de desenvolvimento pessoal, a engenhosidade é ainda mais essencial para superar os obstáculos que separam as multidões do sucesso, digamos assim. Há pessoas muito bem sucedidas que sofrem de baixa autoestima, não confiam em si mesmas, mas é muito difícil ver alguém que venceu na vida sozinho que não tenha engenhosidade. Talvez essa habilidade perca apenas para a perspicácia, que é outra habilidade que podemos discutir em outro artigo. Porém, tenho a impressão de que na maioria dos casos, ambas andam juntas. A perspicácia “provoca” engenhosidade e ninguém consegue ser totalmente engenhoso sem ser primeiro perspicaz!

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


24 comentários em “Como sempre encontrar uma solução para tudo?”

  1. Muito bacana o texto Fran, perspicácia + engenhosidade = sucesso, com tempo intolerância?
    Acho que a maior dos problemas em busca da excelência que é na minha opinião a base de todos os seus textos, é o fato de saber lidar com a incapacidade alheia sem cair na armadilha do que o próprio texto propõe, afinal por mais que alguém se importe, sempre irá haver muitos que não se importam.

    Responder
    • Nao ficou bem claro o que realmente você quis dizer Will, mas se entendi corretamente, você está dizendo que as pessoas bem sucedidas com o tempo ficam intolerantes… Bom, na minha opinião faz sentido e eu, pessoalmente, não sinto um pingo de culpa ao demonstrar intolância com relação à “massa impensante” que não é bem sucedida porque, como a autora disse, não param para pensar!

      Tinha um quadro, acho que no programa Zorra Total, em que um personagem saía dando patada em quem fazia perguntas idiotas, aí então ele dava umas respostas sarcásticas e dizia algo como “perguntas idiotas, respostas cretinas” ou algo assim…

      Eu sempre fui da opinião da autora e às vezes quero muito alertar pessoas que eu venjo tendo problemas constantes com solução de problemas por simples falta de bom senso. Se eu tivesse um blog, talvez escreveria algo assim mesmo nessas linhas, alertando aqueles que “não pensam” que esse é o maior obstáculo em seu caminho para o sucesso.

      Não ficou claro o que você quis dizer com tem gente que se importa, mas muitos não se importam. Do que você está falando? Poderia deixar mais claro?

      Responder
      • O que eu quis dizer é que a intolerância gerada contra a “massa impensante” não seria tb um problema a achar uma solução conforme o tema propõe. Seria legal uma reflexão ao fato de acharmos uma solução para o problema da intolerância (que ao meu ver tb é um problema) com que não se importa em pensar.

        Responder
        • Você está partindo do pressuposto de que a autora (e os demais comentaristas) exercem essa “intolerância” que você fala contra pessoas que “não pensam”, mas a realidade é que provavelmente o máximo de “intolerância” que eles praticam é o que você está vendo aqui, uma exposição teórica da percepção que eles têm de que a “falta de noção” das pessoas e o hábito de não raciocinar é que é a causa do fracasso na vida delas. Agora, que solução que você vê para isso? Você acha que pessoas “engenhosas” e inteligentes podem virar heróis e salvar o resto do mundo da eterna preguiça mental? Desculpa, mas a solução é exatamente o que esse artigo se propõe a fazer: alertar as pessoas para o problema e quem se identifica com ele, que comece a trabalhar em uma solução para si mesmo. Ninguém pode ajudar outra pessoa a pensar por si mesma e encontrar soluções para seus próprios problemas, só a própria pessoa pode fazer isso por si mesma. E o objetivo desse artigo é justamente tocar nesse ponto. O que é que você sugere? O que foi que te cutucou tanto nesse artigo?

          Responder
        • Esse é o problema do mundo… gente politicamente correta que acha que é intolerância quando pessoas visionárias chegam e falam verdades sobre porque as pessoas não obtém resultados na vida. Ahhh, não pode! Não pode chamar o gordo de gordo, não pode chamar o burro de burro, é intolerância! Tem que finger que não se vê os problemas dos outros e dar um risinho falso, escrever artigos sobre motivação, repetindo frases batidas como “você pode”, “você consegue” e não escrever artigos verdadeiros como esse, pois sempre vem a galera politicamente correta atacar e dizer que é intolerância…

          Responder
  2. Dando continuidade ao que os outros comentaristas disseram, eu concordo com a autora sim e acho também que a intolerância acaba sendo consequência, pois vivemos num mundo de idiotas, como disse a Michelle…

    Ninguém é obrigado a aguentar gente burra fazendo tapadas… Dito isso, não estou dizendo que sou grosso ou estúpido com pessoas que fazem as coisas erradas ou que pedem ajuda… mas no fundo da minha mente eu estou lá fazendo a observação de que aquela pessoa não vai pra frente na vida justamente pelo motivo que estou presenciando, a dificuldade de usar o simples bom senso para descobrir a solução de um problema simples.

    Sendo assim, se eu fosse um autor, como disse a Michelle, por que não escrever um artigo alertando todos os “burrinhos” de plantão? Desculpe usar o termo “burro”, mas no final das contas, quem não usa a própria inteligência apropriadamente e não tem bom senso é… burro.

    Responder
  3. Não sei onde o camarada aí acima viu intolerancia nesse artigo… o que a autora fala é pura verdade e ela está simplesmente evidenciando a razão pela qual muita gente chove no molhado na vida. Isso pra mim não é intolerância, é simplesmente o trabalho dela… identificar porque as pessoas nào tem sucesso na vida e então apontar o problema para que as pessoas possam consertar o que está errado em suas vidas e personalidades e possam então caminhar em direção ao sucesso. Tampar o sol com a peneira e ser, como o outro disse aqui, ser politicamente correto é besteira. A solução é exatamente escancarar os problemas e lidar com eles de frente.

    Responder
  4. Achei esse artigo muito oportuno e, ao contrário do primeiro que comentou, eu compreendo a autora e não acho que ela está sendo intolerante. Em primeiro ligar, esse artigo foi escrito para que cada um refletisse sobre seu universe particular, não é uma tentative de “consertar o mundo” e em segundo lugar, por mais triste que seja, a autora está certa. A maioria das pessoas fracassa na vida porque falta bom senso e capacidade intelectual para analisar problemas, levanter hipóteses e testá-las, uma por uma. Não, as pessoas não fazem isso, por mais simples e elementar que seja. Trablho numa empresa em que vejo diariamente as pessoas se batendo com coisas simples, tipo a secretária pede ajuda para o cara da informática porque o computador travou e o cara vai lá e tudo o que ele faz é reiniciar o computador. Por que a menina não tentou fazer isso sozinha? Uma pessoa “esperta” pelo menos tentaria fazer tudo o que ela sabe primeiro antes de sair impotentemente pedindo ajuda. E eu compreendo a autora quando ela fala que o problema em si não é pedir ajuda, mas se negar a pensar e se negar a aprender com a experiência. Não seria da secretária, depois de uma única experiência com o computador travado vendo o cara da informática reiniciar para consertar, ser capaz de aprender que é isso o que se faz quando um computador trava? Pois é, mas não… toda vez que isso acontece ela faz a mesma coisa, chama o carinha de novo… Nunca aprende… Como o Leandro disse, eu também vejo essas coisas e registro na minha cabeça: essa aí nunca vai ser nada na vida, parou como secretariazinha…

    Responder
    • Pois bem Eliseu, no tocante sou obrigado a concordar com você e salientar que quando temos a necessidade de encontrarmos a chave para o sucesso em nossa carreira, temos que nos inspirar em palavras de auto ajuda como as que encontramos no texto da autora. Engraçado é que pessoas lêem o artigo e discutem coisas que não faz nexo com o contexto e objetivo do assunto focado. Penso que para aqueles que distoam totalmente a crítica em relação ao exposto em meu ver somente está deixa do registrado a mais completa capacidade de sua “ignorância”.
      Parabéns à Autora pelas palavras proferidas e digo desde já que “sempre serás um exemplo a ser seguida por seus pares.”

      Responder
  5. Eu como engenheiro sei bem o que você está falando… Ser engenhoso é difícil porque as pessoas têm preguiça de pensar e até mesmo se negam a aprender com a experiência, como o Eliseu falou da secretária que nunca aprende que para consertar um computador travado é só reiniciar. Na minha area vejo isso todo dia, não só com tecnologia, mas com todo o tipo de problema. As pessoas acham que só quem “tem autoridade” é que pode resolver problemas, como a tal secretária deve achar que qualquer coisa com o computador, ela não deve nem mexer, deve chamar o responsável pela informática imediatamente, para não arriscar fazer algo errado e quem sabe perder o emprego. Mas nessa da pessoa achar que não tem autoridade, nem capacidade de resolver problemas, ela se encolhe e adota essa postura como padrão para as outras coisas na vida também e nisso, ela acaba nunca crescendo.

    Responder
  6. O Tony Robbins fala muito disso, dessa capacidade que as pessoas precisam ter de levanter recursos e resolver problemas, tudo de uma forma independente, pois apesar de podermos contar vez ou outra com a ajuda alheia, no geral, nós estamos sozinhos, pois não é como se alguém fosse pegar na nossa mão e nos conduzir ao sucesso, passo por passo, sem que nós precisemos nos “espertar” e solucionar problemas de forma independente. Eu gostei da comparação que a Fran faz com a tecnologia, pois é uma das coisas mais próximas de nós no dia a dia e que a maioria das pessoas simplesmente se nega a lidar. Se dá algum problema, elas correm pedir ajuda, nem sequer tentam pensar numa solução sozinhas. Se elas fazem isso com problemas corriqueiros com coisas que nos cercam o tempo todo como telefones, computadores, impressoras, como é que elas vão lidar com problemas complexos, muito mais complicados e desconhecidos que podem ser necessários supercar para atingir o sucesso na vida? Resposta: elas não vão lidar! Não vão resolver nada e como outro disse antes, vão parar por ali mesmo, quem sabe sendo secretárias, recepcionistas ou qualquer cargo que não exija muito da pessoa. Crescer mesmo, ser GRANDE exige uma capacidade anormal de resolver problemas. Quem se acha incapaz de fazer isso sozinho não vai a lugar algum.

    Responder
  7. Muito bom o artigo, eu estava precisando de algo assim! Essa semana me senti tão pra baixo, incapaz de fazer qualquer coisa útil e esse artigo me fez refletir e os outros comentários também me ajudaram bastante. Acho que estou nessa fase de “me negar a pensar” para resolver problemas. Isso é muito ruim, pois a gente se acostuma e não pensar e só pedir pros outros darem um jeito nas coisas… mas é aí que mora o problema, pois se a gente não resolver coisas simples, como é que vamos resolver as coisas “mais complicadas” e finalmnte conquistar o sucesso?

    Abraço a todos, adoro esse site e toda a comunidade do Excellence Studio!

    Melissa

    Responder
  8. Eu acho que um problema maior, até mesmo evidenciado pelo primeiro comentário, é que no mundo de hoje, não se estimula as pessoas a pensarem e resolverem problemas, pelo contrário, não é politicamente correto pegar no pé dos outros por sua incapacidade de pensar e solucionar problemas e as pessoas se sentem confortáveis o suficiente para simplesmente lavar as mãos e jogar o problema em cima dos outros.

    Mas acho também que essa questão vai muito além de simplesmente resolver problemas. É preciso muita “engenhosidade” para de fato fazer alguma coisa, no sentido de procurer o que é preciso fazer para conquistar as metas que se deseja. Por exemplo, escrever um livro. Muita gente parte do princípio de que a pessoa precisa “ter talento”, dentre outros mitos, quando na real, se elas fossem procurer informações, elas veriam que escrever é uma questão de técnica. Cantar, a mesma coisa… é mais técnica do que ter sido supostamente “abençoado” com uma voz bonita ou a capacidade de cantar. mas as pessoas não buscam informações, elas simplesmente assumem verdades falsas e param por aí…

    Responder
    • sim, verdade Carla… as pessoas não buscam informações e como consequência ficam sem saber o que fazer para conquistar suas metas, pois elas partem do princípio que elas já sabem o que é preciso fazer, mas elas se acham incapazes. O exemplo do livro é clássico! Quanta gente “gostaria” de escrever um livro, mas nunca tenta porque acham que é preciso ter talento para escrever ou que é preciso ter ou ser coisas que elas não tem e não são. Pura bobagem, mas elas saberiam disse se se dessem o trabalho de correr atrás de informação…

      Abraços, Mauricio Chaves

      Responder
  9. Fram às vezes eu acho que seu pensamento está muito adiante do nível da população em geral. Você é fenomenal, mas infelizmente a maioria das pessoas, até mesmo as que leem seus textos, não tem capacidade alguma de assimilar o que você está falando. É como dar uma aula de física nuclear para semianalfabetos… as pessoas não entendem nada. O que mais vejo nesse mundo é gente tapada, idiota mesmo, fazendo cagadas e não adianta tentar ensinar ou alertar, elas ficam bravos com você se você fala qualquer coisa! Até mesmo os leitores que eventualmente acabarem lendo esse artigo, é capaz de não acharem legal, pois como já disseram antes de mim, temos que ser politicamente corretos e não apontar o dedo na ferida alheia… É uma merda isso!

    Responder
    • exatamente o que eu penso… e pior, as pessoas se escondem atrás do mantra da dificuldade “ah, mas é que eu tenho dificuldade com informática!” Vá pastar! Por que não aprende, seu burro?! Se uma coisa rara, tudo bem, mas como a autora disse, ter problemas com informática é imperdoável, pois é uma coisa que nos cerca diariamente. A pessoa que alega “dificuldade”, pode ter certeza, é uma perdedora que não consegue ser bem sucedida em nada. vencedores não alegam ter dificuldade com nada, se uma coisa aparenta ser um desafio, eles vão lá e aprendem, e da próxima vez fazem certo.

      Responder
    • Eu concordo, mas acho que o buraco é mais embaixo. Não estou tentando ser “politicamente correta”, mas a origem desse problema que vemos nas pessoas ~que não conseguem resolver problrmas está no sistema educacional. As pessoas não são educadas desde cedo para levantarem hipóteses e testarem hipóteses até chegar numa solução, não, elas são ensinadas como fazer um procedimento a fim de chegar no resultado certo. Elas nem entendem o que estão fazendo, simplesmente aprender que é assim que tem que fazer para passer de ano. Agora, entendo também que a autora não vai consertar o sistema educacional do mundo… nem nenhum de nós, mas que esse é o problema central, é.

      Responder
      • Sim, o problrema está no sistema educacional, sem dúvida… e consertar isso está fora das nossas mãos, ou da autora… mas que é, é.

        Mas acho que a intenção da autora é estimular cada um de nós a acordar por si só. Não podemos mudar o mundo inteiro, mas não é esse o objetivo dos artigos da Fran, mas sim, estimular as pessoas a mudarem seu universo pessoal e para isso é preciso se espertar para o fato de que o segredo do sucesso é se tornar profissional em resolver problemas e se faz isso através de uma postura mental e levanter mentalmente as hipóteses que podem causar aquele problema e testar uma por uma até resolver. É engraçado que essa coisa de “hipóteses” e teste de hipóteses é uma coisa que o cara só vai aprender em cursos de mestrado e doutorado, quem não chega lá, nunca houve falar nesse método de solução de problemas…

        Responder
  10. Seria legal se a Fran nos ensinasse como fazer isso… Eu confesso que tipo, sei o que é uma hipótese, mas não sei bem como fazer esse método. Eu queria muito aprender…

    Responder
  11. Realmente, como o Português disse, teste de hipótese é uma coisa que a gente só aprende no mestrado, em faculdades muito boas ou cursos de exatas como matemática e engenharia. A maioria das pessoas nunca ouviu falar no assunto. E isso vai além de simplesmente saber o que é hipótese, mas entender que problemas são solucionados através de métodos de teste de hipótese. É uma coisa que a gente aprende como raciocinar da forma correta. É por isso que engenheiros são tão bons em solucionar problemas, o curso inteiro é baseado em teste de hipóteses.

    Responder
  12. A autora tem razão quanto à dificuldade das pessoas de resolver problemas por conta própria. Existe um texto interessante (e antigo) sobre isso, cuja leitura recomendo: mensagem à Garcia, um dos textos mais lidos no mundo, que trata da visão de um empresário estadunidense acerca de funcionários preguiçosos, sem iniciativa para resolver algo com iniciativa. Mais do que isso, muitos não cumprem de forma eficaz as ordens diretas que foram “pensadas” pelos gestores. Ele cita o exemplo do Rowan, um jovem enviado pelo presidente dos Estados Unidos com uma carta ao General Garcia, líder dos rebeldes cubanos que lutavam contra os colonizadores espanhóis. O garoto simplesmente pegou a carta e não perguntou nada: como se alimentaria? Como chegar até Cuba? Como encontrar Garcia? Nada disso. Ele não perguntou nada, simplesmente pegou a carta e foi até um porto, pegou um barco e chegou até Cuba. então embrenhou-se na floresta durante três semanas, atravessou as linhas inimigas e entregou a carta ao destinatário. Carta que havia guardado em um invólucro impermeável e costurado à sua roupa. Iniciativa, pro-atividade, coragem. é disso que se precisa.
    Se as pessoas não conseguem simplesmente cumprir ordens, como irão ser patrões, resolver os problemas da empresa?

    Responder
  13. Olá sou o pedro, de Angola quero elogiar a todos pela conversa intelectual de todos e parabenizar a ceo deste site. Tenho um instagram motivacional com nome de ( eutenhomotivacao) ver deixar os a vossas opnioes e dar Qtaas curtidas que quizerem!!

    Responder
  14. Muito Construtivo o artigo… Bom Senso é algo que quem não tem as vezes desconhece até mesmo o significado disso… No Brasil, é melhor acreditar que isto é coisa de “nerd ou CDF” do que tentar se desenvolver mentalmente… É como ser inteligente fosse um defeito.

    Grato pelo aprendizado !

    Responder

Deixe um comentário