Perguntas & Respostas sobre Propósito de Vida – Parte 1

Franciane Ulaf

Propósito de Vida

Iniciamos esta semana uma série que atende às questões que freqüentemente recebemos sobre os temas desenvolvidos neste site. Como nossa equipe não tem condições de responder individualmente a cada e-mail que recebemos com questões específicas sobre conteúdo que desenvolvemos, aproveitamos este espaço para esclarecer as dúvidas mais comuns. Começamos esta semana com o tema central do site: propósito de vida.

Por que as pessoas têm tanta dificuldade em descobrir seu propósito de vida?

Há mais de um motivo. O primeiro é a questão do ego. Somos egoístas por natureza, desejamos conforto e evitamos tudo o que cause desconforto, tanto físico como emocional. Tendemos a fantasiar sobre nosso propósito, desejando ter uma missão interessante, legal, cinematográfica.

Quando a própria vida começa a nos apresentar traços de um propósito cheio de desafios indesejáveis, capaz de causar imenso incômodo, tirando-nos de nossa zona de conforto – principalmente do ponto de vista emocional –, nós fingimos que não o vemos, bloqueamos os sinais da vida e continuamos a buscar o propósito fantasioso que “gostaríamos” de ter.

Enquanto não o identificamos, continuamos com nossas rotinas ordinárias, não gostamos do que fazemos, mas nos enganamos com a desculpa de que “estamos procurando nosso propósito”. Fazemos isso constantemente, nunca encontramos ou aceitamos o que vemos, mas nos contentamos com a desculpa esfarrapada que contamos a nós mesmos.

Outro motivo é a noção errônea que se tem socialmente de que problemas e obstáculos são sinais de que algo está errado e de que estes precisam ser evitados ou superados o mais rápido possível para que se retome a condição de conforto anterior.

Uma grande armadilha em nossa sociedade atual é o conceito de que se estamos “nos sentindo bem”, então está tudo certo, estamos felizes e não há nada a ser feito. Precisamos buscar ajuda ou tentar mudar algo somente quando não estamos nos sentindo bem. Conforto é associado com ausência de problemas e felicidade. Se sua vida é confortável e você tem tudo o que precisa e deseja, por que você não seria feliz? Reclamar nessas condições é como reclamar de barriga cheia, não?

Esse conceito parte do pressuposto de que o objetivo na vida é se dar bem pessoal, profissional e financeiramente. Quando tudo está bem, se tem saúde e não se tem problemas, é incompreensível a noção de que o indivíduo tenha algo a reclamar. A realidade, entretanto, é que mesmo indivíduos com uma “vida perfeita” sentem o vazio e a incompletude de viver uma vida sem propósito.

Mas se eu não estou me sentindo bem, isso não seria um sinal de que há algo de errado com a minha vida?
Nem sempre. As pessoas não se sentem satisfeitas por diversos motivos. Em alguns casos, a insatisfação é um sinal de que não se está no caminho certo, em outros casos, é o contrário! Muitas pessoas são tão dominadas pelo próprio ego que elas não se sentem bem justamente quando estão começando a se mover na direção certa.

Esse “não se sentir bem” está geralmente relacionado às dificuldades que ela se nega a enfrentar e que são cruciais para a execução de seu propósito. Essa sensação é derivada tanto da autoproteção do ego (que não quer saber de qualquer tipo de desafio ou dor física ou emocional) e também da idéia equivocada de que precisamos estar nos sentindo bem o tempo todo, do contrário, deve haver algo de errado conosco.

Um exemplo bem claro é a dificuldade inicial que a maioria das pessoas que fala em público experimenta. É raro alguém já nascer bem articulado e eloqüente. A habilidade de se comunicar bem em público é algo que se desenvolve aos poucos e exige muito esforço, despojamento e coragem para enfrentar o período inicial que causa tremenda dor emocional ligada ao medo e à insegurança.

Falar em público é considerado o medo número um da maioria das pessoas e geralmente ocupa um lugar acima do próprio medo da morte. Muitas pessoas têm um pavor tão grande de se expor dessa forma que jamais sequer tentam ou se colocam numa posição em que falar em público seria um desafio a ser enfrentado.

O problema todo está em evitar a dor emocional causada pelo desafio, mesmo que a pessoa tenha noção de que a dor é apenas temporária, um “mal necessário” para se atingir o fim desejado. Mesmo almejando certo objetivo, se o caminho até ele envolver qualquer tipo de desconforto, a maioria das pessoas simplesmente opta por não seguir em frente.

Agora, digamos que o propósito de vida da pessoa envolva um desafio que cause um tipo de dor similar ao medo de falar em público. A pessoa associa os sentimentos negativos a algo que deve estar errado e começa, então, um intrincado mecanismo para criar desculpas para si mesma, justificando que o desafio deve ser mesmo evitado e que ele não faz parte do propósito.

O fato é que crescer é difícil e exige de nós coragem e disponibilidade para sairmos de nossa zona de conforto e fazermos coisas que são dolorosas, desconfortáveis e difíceis, enfrentando muitas vezes o desconhecido. Se nos mantemos no paradigma da felicidade, acreditando que precisamos “nos sentir bem”, nós deixamos passar as oportunidades que nos dariam chance de viver com verdadeiro significado e ficamos escondidos dentro de nossas realidades confortáveis e conhecidas.

Nas próximas semanas responderemos mais perguntas sobre o tema propósito ou missão de vida.

Siga para a próxima parte deste artigo aqui: https://guiadavida.com.br/psicologia/proposito-de-vida-parte2/

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


20 comentários em “Perguntas & Respostas sobre Propósito de Vida – Parte 1”

  1. Mesmo reconhecendo os sinais, o que já nao é fácil, o pior de tudo é não saber se estamos indo no sentido certo para o “propósito de nossas vidas”.
    Como saber se estamos realmente seguindo pelo caminho certo com ou sem desconforto?
    Mais objetivamente: como saber qual a nossa missão nesta vida?
    Porque sempre tenho a impressão que estou no lugar errado, com a nítida impressão de que segui os caminhos errados, embora todos ao meu redor achem o contrário?
    Porque sempre estou em conflito comigo mesma, quanto a missão da minha vida?
    Como conseguir coragem para fazer a coisa certa? sem saber qual é a coisa certa?
    Chegamos em um momento na vida que não temos mais tempo para erros, ou acertamos de uma vez ou caimos no limbo da conformação, que é frustrante.

    Um excelente dia para voces,
    Abraços
    Elaine Alves (48 anos)
    Recife-PE

    Responder
  2. Tenho vivido quase toda a minha Vida, desde os meus 17 anos, com períodos de depressão, a maior parte deles, sem justificação plausível.
    Passo fases muito boas, em que me sinto feliz, “a cores”…mas depois…lá vem outra vez “a cobrança”!

    Tenho quase 60 anos e não percebo o que se passa comigo.

    Tenho bastantes conhecimentos de Psicologia, de Saúde, e nas ultimas 3 décadas fui seguida por um competente Psiquiatra que já não sabe o que me há-de fazer, alem de dar medicação.
    Neste momento, pela 1ª vez, acho que não é com medicação que me devo tratar.

    Há algo que me ultrapassa, que eu desconheço, mas que me “prende” a uma dôr absolutamente injustificada e paralisante.

    Sinto-me tristíssima, tenho tudo para ser feliz e vou perder a minha Vida neste emaranhado de emoções doentes que não consigo ultrapassar de vez nem tão pouco entender.

    Ultimamente, comecei a sentir-me revoltada. Já fiz tudo o que sabia e podia para me libertar deste meu “dark side”!

    Sou uma Pessoa bastante espiritual, com uma Espiritualidade “não assumida”, pois “isso” era algo absolutamente ridículo e obscurantista no seio da Família em que cresci, como Adulta. Quase todos eram ateus ou algo do estilo…!
    Sempre me consideraram meia “apanhada” de todas as vezes que abri a boca para falar de algo, alem do visível ou reconhecido pela Ciência Clássica.

    Será que é este meu lado emocional e espiritual que está a transcender a minha mente e, como não o sei gerir, fico assim, cheia de dor?

    Obrigada pela sua atenção, nem sequer sei como aqui vim parar a este Site, mas o Artigo que acabei de ler aplica-se a mim e levou-me a este desabafo!

    Um abraço com Luz…

    Responder
  3. Gostei muito deste texto e admito que falta muito para mim atingir um estagio de compreensão do que realmente quero.Mas digo tambem que todas as minhas empleitadas são dificeis e com muitos obstaculos.Então pergunto:Porque para algumas pessoas as coisas são tão faceis?

    Responder
  4. Acredito que o texto acima explique exatamente o que sentimos, pois faço exatamente isto, achando que a Zona confortável me levará a minhas expectativas de realizações, o que não acontece. Quantas vezes passamos por fases ruins, independente de nosso controle e depois nos sentimos mais fortes e claro agariamos experiência no assunto. É verdade, não nos damos conta de quanto tempo perdemos esperando não sei o que, que nunca chega e nos sentimos vazios… Precisamos de algum acontecimento inesperado para nos sacudir que nos faça agir mesmo sem querer.
    Parabéns!
    Valéria

    Responder
  5. Bom dia a todos!
    Tenho lido seus comentarios e refletido sobre eles, o que me fez pensar e muito sobre a minha vida e meus problemas. Ontem, por volta das 15h fui assaltado perto de minha casa, levaram meu aparelho celular e mais 400 reais destinados ao pgto de um cursinho. Fiquei temeroso, com medo de levar um tiro, pois o assaltante estava bastante nervoso. Cheguei em casa e passei a fazer reflexões sobre o ocorrido, tentando entender por que Deus permitiu isso comigo, bem, conclui que nao sou diferente dos demais… nao sou nenhum privilegiado, protegido especial divino… Amigos, tenho sindrome de panico desde 98, atravesso serios problemas conjugais, financeiros, etc., mas, ontem percebi que Deus nunca nos abandona, e cada experiencia de vida nos fortalece para o momento seguinte, se isso tivesse ocorrido ha dois ou tres anos, certamente eu teria tido um infarto, mas, segurei a barra, percebi que sou mais forte e nem sabia o quanto, tenho problemas urgentes pra resolver na minha vida pessoal, mas ontem, durante o assalto descobri que sou especial pra Deus, mesmo se tivesse morrido, ainda assim, só tenho motivos pra agradecer a oportunidade da existencia, dos problemas que passo, pois fortaleço-me, superando um ou outro dilema sou capaz, ao menos um pouquinho, de ajudar aos outros a tambem superar o insuperavel, tenho sim momentos de depressão, momentos de tristeza profunda, mas, ate durante as crises de panico em que acho que vou morrer… nao morro, sou mais forte, muito mais forte que tudo isso, E SE CHEGUEI ATE AQUI É PORQUE DEUS ME TEM COMO FILHO. SE A ISABEL TAMBEM CHEGOU É PORQUE ELA É MAIS FORTE DO QUE PARECE (APENAS NAO SABE), FALTEI AO TRABALHO HOJE, ESTOU ABALADO EMOCIONALMENTE, MAS DENTRO DE MIM UMA VOZ ME DIZ QUE ESTOU MAIS FORTE, DEVO SER ASSIM, FIRME, CAINDO E LEVANTANDO, AGRADECENDO A DEUS E ORANDO PELOS MEUS ASSALTANTES POIS ELES AINDA CAMINHAM NA ESCURIDÃO DA VIDA, ENQUANTO NÓS, AMIGOS, DAMOS OS NOSSOS PRIMEIROS PASSOS EM DIREÇÃO À LUZ, EM DIREÇÃO A COMPREENSÃO DE NÓS PROPRIOS NESSA JORNADA TERRENA. ABRAÇOS A TODOS!

    P.S. GOSTARIA MUITO DE CONHECER PESSOALMENTE A ISABEL, TERIA MUITA COISA BOA A APRENDER COM ELA!!!

    Responder
  6. Talvez a gente pensasse que problemas, depressão, dificuldades financeiras, fossem coisas de novela.
    Quando uma grande amiga morreu, me disseram para não sofrer e trabalhar o desapego das pessoas e das coisas. Pensei: Como deixar de gostar de uma pessoa?
    Mas a resposta era: Não deixe de gostar, mas sim pare de sofrer.
    Em algum momento, paramos de buscar as respostas, a pensar e acho que estamos pagando alto por este motivo. As coisas aconteciam em uma velocidade que praticamente ficava impossível pensar.
    Mas também quando as coisas estavam ótimas, eu nem pensava muito a respeito, apenas curtia. Acho que fazia o certo, mediante as pedreiras da vida.
    Acho que a gente deve parar de se cobrar infinitamente. Muitas vezes no fundo do poço, achei que tinha chegado ao limite, mas tinha mais por vir. Deus dá o frio conforme o cobertor, assim dizem, né.
    A gente foi se afastando de Deus ou da luz, como queiram, mas ele não vai nos abandonar nunca, nunca!
    Vamos pensar na solução e não no problema. Aqui mesmo, agora, estamos lendo os comentários de nossos colegas, estamos interessados no bem comum, no próximo e temos muito a ser feito.
    Não desista de acreditar no bem e no possível e também no impossível.
    A sua força interior vai te ajudar, hoje e sempre.
    Descanse, respire fundo e continue a sua caminhada no seu ritmo. Parar para refletir, não é vergonha.
    Continue acreditando sempre!

    Responder
  7. Uma coisa lhes digo, amigos: a vida é um presente maravilhoso de Deus. E é muito fácil ser feliz. Devemos, claro, ter sempre nosso propósitos bem definidos: estudar, formar-se, conseguir uma boa colocação para ter um bom nível de vida, namorar, formar uma família, um lar, viajar, aposentar-se e continuar sendo feliz… Graças a Deus já alcancei alguns desses propósitos: já me formei, passei em concurso público, comprei meu terreno na praia estou economizando para erguer a casa. Ainda me falta encontrar minha cara metade, mas é só uma questão de tempo. No entanto, outra coisa importante a dizer, é que aconteça o que acontecer, não podemos deixar de lado os principios éticos, morais, espirituais e também cósmicos que só fazem melhorar a qualidade de nossa vida interior. Oro muito a Deus, peço e agradeço também e sempre mentalizo sucesso em meus empreendimentos. Praticar o bem, ou ao menos não praticar o mal, nunca sai de moda e faz bem à nossa auto-estima, além de proporcionar noites mais traquilas, de consciência em paz. Não poluir a natureza, evitar desperdícios, ser tolerante, relevar as criancices dos outros também são fatores que aumentam nosso bem-estar. Eu sou muito feliz, sou, fui e sempre serei. E espero, verdadeiramente, que todos aqueles que lerem esta mensagem, sintam-se também muito em interação com a mente cósmica, com o Deus interior e com a vida em geral. Sorte e sucesso!!!

    Responder
  8. Penso que nosso maior propósito nesse planeta é evoluir e somos instado a isso, quer queira quer não, pois a felidade está relacionada à consecução desse objetivo. Assim, cumpre-nos evoluir:

    1 – espiritualmente, quer dizer, pautar nosso comportamento fundamentado em valores universais tais como: honestidade, solidariedade, honradez, etc., as religiões podem ajudar, mas não são o único caminho;

    2 – produzir prosperidade material para si e para os outros, através do exercício de uma profissão alinhada com os seus talentos naturais. E quais são os meus talentos? O que gosto de fazer, o que as pessoas dizem que faço bem. Só isso.

    3 – Ser um exemplo de comportamento amoroso e centrado, buscando, permanentemente, a excelência pessoal e profissional.

    Resumindo:

    “Viver em paz e gerar prosperidade espiritual e material para si e para os outros, ser um exemplo de comportamento amoroso e centrado e buscar, permanentemente, a excelência profissional e pessoal”.

    Esse é um exemplo de missão para a qual todas as nossas ações estariam focadas.

    Para conseguir isso, estabeleça metas de melhoria, planeje-se e ponha-se à execução. E faça isso para todas as suas áreas de vida: saúde, trabalho, famíla, financeira, patrimônio, relacionamentos, etc.

    Abraços cordiais e parabéns a autora pelo livro. Estou aguardando novos lançamentos.

    Responder
  9. Penso que nosso maior propósito no universo é evoluirmos e somos instados a isso, quer queiramos ou não, pois a paz e a felicidade depende disso. Assim, cumpre-nos evoluirmos:

    1 – espiritualmente, quer dizer, pautar nosso comportamento fundamentado em valores universais tais como: honestidade, solidariedade, honradez, etc.;

    2 – produzirmos prosperidade material para nós e para os outros, através do exercício de uma profissão alinhada com os nossos talentos naturais. E quais são os nossos talentos? Aqueles que gostamos de fazer, os que as pessoas dizem que fazemos bem.

    3 – Sermos exemplo de comportamento amoroso e centrado, buscando, permanentemente, a excelência pessoal e profissional.

    Resumindo, a meu ver, um exemplo de missão ou propósito de vida:

    “Vivermos em paz e gerarmos prosperidade espiritual e material para nós e para os outros, sermos exemplo de comportamento amoroso e centrado e buscarmos, permanentemente, a excelência profissional e pessoal”.

    Esse é um exemplo de missão para a qual todas as nossas ações estariam focadas.

    Para conseguirmos isso, devemos estabelecer metas de melhoria, planejarmos e nos pormos à execução.

    E fazermos isso para todas as nossas áreas de vida: saúde, trabalho, famíla, financeira, patrimônio, relacionamentos, etc.

    O nosso propósito é, pois, a meu ver, o andar em direção à evolução. A paz consegue-se vivendo-se esse propósito e a felicidade o prêmio por cada conquista. A paz, satisfaz. A felicidade, motiva.

    Abraços cordiais e parabéns a autora pelo livro. Estou aguardando novos lançamentos.

    P.S.: Reenvio em face às correções necessárias.

    Responder
  10. O que venho percebendo é que o caminho do auto-conhecimento é muito longo e sinuoso. Porém, sempre encontramos alguns osásis para nos refrescarmos e continuarmos a árdua, mas muito satisfatória, caminhada.

    Abraços de luz!

    Responder
  11. Normalmente levamos a vida na zona de conforto, arriscando muito pouco. Deveríamos fazer algo novo mas não o fazemos. Apenas e tão somente quando um evento externo nos atinge em cheio é que reagimos, por não ser possível calar ou nada fazer. Assim é a natureza humana. Por isso evoluímos a passos de tartaruga. Se nosso comportamento fosse proativo seria diferente. Abraços a todos.

    Responder
  12. Recado para Isabel.
    Minha cara amiga, também sofro de uma certa depressão (ocasional), mas não tão intensa como a sua, e se me fosse possível, gostaria de poder ajudá-la de alguma forma. Sinto inicialmente que falta (desculpe-me se estiver errado) que falta amor em sua vida. Se não tiveres um aminal de estimação, consiga um de doação, pode ser vira-latas mesmo, o mais importante é o amor recíproco que deve haver entre ambos. gostaria de poder tc mais com vc. se quiseres me escreva:
    odv2008@gmail.com

    Responder
  13. Fran cristiy Já faz muito tempo que eu evito me relacionar com novos amigos e pessoas que podem fazer parte de um novo ciclo de amizade,penso que isso me atrapalha muito em buscar meu objetivo de vida ,que é viver da arte, pois sempre crio expectativas e me frusto muito mesmo colocando um minimo que eu acho que uma pessoa amiga teria que agir em relação a convivencia da amizade.
    Sei respeitar as diferenças e entender as pessoas naturalmente,mas pelo que me parece sempre do um passo para traz quando me aproximo de alguem.
    gostaria de saber como o “carpe diem” poderia me ajudar em relação a esse assunto.
    Quero deixar bem claro que tenho receio de estar me isolando do mundo ,mas adoro ficar sozinho fazendo meus trabalhos somente com meus pensamentos,pra mim isso é felicidade,ou não!
    Abraços!

    Responder
  14. Fran, saúde e paz!

    Concordo plenamente com sua tese do “EGO” E PROBLEMAS E OBSTÁCULOS.

    Em ambos os casos me coloquei na situação citada e realmente lidar com os mesmos não é fácil.

    Com certeza somos as vezes incapazes de lutar por uma situação mais confortável, pois, o ego nos causa bloqueio mental e diminui nossa capacidade de raciocínio. Certa expectativa de desconforto físico e emocional realmente nos leva diariamente a sensação de impotência total. Claro tudo isso é nada mais nada menos que uma auto defesa, já que ninguém em sã consciência deseja carregar isso dentro de si. É uma coisa totalmente imperceptível e não desejada aos nossos anseios.
    Na realidade queremos realizar nossos sonhos em qualquer campo de nossa vida.
    E o que precisamos é seguir em frente e superar nosso ego e os obstáculos presentes e futuros, em primeiro lugar vencendo a nós mesmos.
    Creio ser da natureza do homem a busca incessante pela felicidade constante e eterna.
    Então que nos preparemos para esse propósito, aprendendo, sendo ensináveis, e assim daremos um grande passo para vitória.
    Aprendi muito lendo sobre esse tema. E com certeza colocarei em prática para alcançar meus objetivos.
    Vença seu maior obstáculo: “Você mesmo”.
    Abraço a todos.
    Edmilson – Barra Mansa-RJ

    Responder
  15. Apesar de ter plena consciencia do meu estado emocional,as vezes me pergunto o que teria acontecido na minha vida se tivesse tomado uma outra decisão,do tipo, onde estudar? Com quem me casar? ter filhos? enfim esses “se”,por vezes nos atormenta,e nos tira a paz,uma coisa é certa;Cada escolha requer uma renuncia e não dá pra chorar pelo leite derramado!A dor se faz presente em nossas vidas e temos que aprender a viver com ela, mas as vezes a dor é tão intensa que ultrapassa o nosso entendimento daí surge a nossa frente uma casacata de perguntas do tipo o que eu fiz pra que isso acontecesse comigo,temos que fazer como o poeta.
    Levantar sacudir a poeira e dar a volta por cima!!

    Responder
  16. Penso que a pessoa para se dar bem na vida o essencial é gostar, amar o que está fazendo e principalmente ter aptidão. Porque não adianta a gente ter um objetivo a ser alcançado e não termos aptidão para alcançarmos essas metas.

    Responder
  17. Seu comentário no Carpe Diem – Vivendo e Aproveitando a
    Vida a Cada Momento: (Quando o desejo é realizado, após a breve excitação, o sentimento anterior toma conta de suas vidas novamente. Um sentimento de falta, de incompletude, uma ansiedade quieta que jamais é plenamente satisfeita. Ao conquistarem o que querem, o desejo já não está mais lá e uma nova corrida em busca de um novo objetivo se inicia. )

    Quando correr em busca de novos objetivos não é o que da combustível para a vida?

    Se mais agradeço!!

    Responder

Deixe um comentário