Os cinco pilares da autodisciplina: Parte III – Força de vontade

Steve Pavlina

A diferença entre uma pessoa bem sucedida e as outras não é a falta de força, nem a falta de conhecimento, mas a falta de vontade – Vince Lombardi

Esse artigo continua a série sobre autodisciplina. Caso não tenha lido os artigos anteriores, veja os links abaixo:

1ª Parte: Os cinco pilares da autodisciplina: Parte I – Introdução

2º Parte: Os cinco pilares da autodisciplina: Parte II – Aceitação

Força de vontade – uma expressão tão banal nos dias de hoje. Quantos comerciais você já viu que tentam vender seus produtos como substitutos da força de vontade? Eles começam dizendo a você que a força de vontade não funciona e depois tentam vender a você algo “rápido e fácil”, como pílulas para emagrecer ou algum equipamento desportivo maluco. Eles frequentemente garantirão resultados impossíveis em um curto período de tempo – isso é sempre um tiro certeiro, pois as pessoas que não têm força de vontade provavelmente não perderão seu tempo devolvendo esses produtos.

Mas adivinhe… A força de vontade realmente funciona. Mas para aproveitá-la ao máximo, você precisa saber o que ela pode e o que não pode fazer. As pessoas que dizem que a força de vontade não funciona estão tentando utilizá-la de uma maneira que está além de suas capacidades.

O que é força de vontade?

Força de vontade é a habilidade de definir um plano de ação e dizer a si mesmo: “Empenhe-se!”.

A força de vontade providencia um estímulo poderoso, porém temporário. Pense nela como um único empurrão. Ela acaba rapidamente, mas se direcionada de maneira inteligente, pode providenciar o empurrão de que você precisa para superar a inércia e agir.

A força de vontade é a frente de combate da autodisciplina. Para usar uma analogia da 2ª Guerra Mundial, a força de vontade seria o dia D, a invasão da Normandia. Foi a batalha gigantesca que mudou a maré da guerra e fez as coisas andarem em uma outra direção, mesmo que tenha levado mais de um ano para a vitória ser conquistada. Fazer esse tipo de esforço todos os dias durante a guerra teria sido impossível.

Força de vontade é uma concentração de forças. Você vai unir todas as suas energias e vai dar um enorme passo adiante. Você vai atacar seus problemas estrategicamente em seus pontos fracos até que eles se rendam, dando espaço suficiente para que você entre cada vez mais em seus territórios e os extermine.

A aplicação da força de vontade inclui os seguintes passos:

1. Escolha seu objetivo
2. Crie um plano de ataque
3. Execute o plano

Com força de vontade, você pode levar o tempo necessário para implementar os passos 1 e 2, mas quando você chegar ao passo 3, você precisa executá-lo com tudo.

Não tente encarar seus problemas e desafios de maneira que um alto nível de força de vontade seja necessário todo dia. A força de vontade é insustentável. Se você tentar usá-la por muito tempo, você vai se desgastar. Ela requer um nível de energia que você só consegue manter por um curto período de tempo… Na maioria dos casos, o gás acaba em poucos dias.

Use a força de vontade para criar um estímulo autossustentável

Então se a força de vontade só pode ser usada em impulsos rápidos e poderosos, qual a melhor maneira de aplicá-la? Como evitar cair nos mesmos erros antigos quando a força de vontade temporária se esvair?

A melhor maneira de usar a força de vontade é criando uma frente de batalha, de modo que qualquer progresso futuro exija bem menos esforço do que o exigido no começo da jornada. Lembre-se do dia D – depois que os Aliados estabeleceram uma frente de batalha, o caminho adiante foi muito mais fácil. Foi certamente desafiador, especialmente quando os batalhões lutaram completamente cercados na França antes de ter a ajuda dos tanques, mas foi muito mais fácil que tentar manter o foco, a energia e a coordenação na frente de batalha todos os dias por mais um ano.

Então, o uso apropriado da força de vontade é estabelecer essa frente de batalha – pra mudar permanentemente o território de modo que seja mais fácil continuar seguindo em frente. Use a força de vontade para evitar a necessidade de manter um nível tão elevado de força.

Um exemplo

Vamos pôr tudo que está descrito acima em um exemplo concreto.

Suponha que seu objetivo é perder 10 kg. Você tenta fazer um regime. Isso requer força de vontade e você se sai bem na primeira semana. Mas depois de algumas semanas, você retoma os hábitos antigos e recupera todo o peso perdido. Você tenta dietas diferentes, mas o resultado é sempre o mesmo. Você não consegue sustentar o impulso pelo tempo necessário para atingir seu objetivo.

Isso já era de se esperar, contudo, pois a força de vontade é temporária. É para os 100 metros rasos, não para maratonas. Força de vontade requer foco consciente, e o foco consciente é muito inconsistente – não pode ser mantido por muito tempo. Algo vai, eventualmente, distrair você.

Vou explicar como atingir o mesmo objetivo com a utilização da força de vontade. Você aceita que só pode contar com um impulso rápido da força de vontade… No máximo alguns dias. Depois disso, ela se vai. Então é melhor você usar essa força de vontade para alterar o território ao seu redor de tal maneira que o impulso momentâneo não seja tão difícil quanto é tê-lo inicialmente. Você precisa usar sua força de vontade para estabelecer uma frente de batalha nas margens do seu objetivo.

Aí você e senta e traça um plano. Isso não requer muita energia e você pode dividir o trabalho em vários dias.

Você vai identificar todos os alvos que você precisa atingir se quiser ter uma chance de sucesso. Primeiro, todas as “besteiras” têm que deixar a sua cozinha, incluindo tudo o que você tiver a tendência a comer demais, e você precisa substituí-las por coisas que o ajudarão a perder peso, como frutas e verduras. Segundo, você vai se sentir tentado a comer fast food se chegar em casa com fome e não tiver nada em casa para comer, então aproveite o fim de semana para pré-cozinhar algo para a semana inteira. Assim, você sempre terá algo na geladeira. Separe algumas horas do seu fim de semana para fazer compras e cozinhar suas refeições da semana. Além disso, compre um livro de receitas com receitas saudáveis. Conheça os Vigilantes do Peso e descubra qual o mais próximo de você e se cadastre. Faça uma tabela de perda de peso e cole no espelho do seu banheiro. Compre uma balança boa que calcule tanto o seu peso quanto o seu percentual de gordura. Faça um cardápio semanal (5 cafés da manhã, 5 almoços e 5 jantas) e cole em seu refrigerador. E por aí vai… Nesse ponto, todo plano tem que ser posto no papel.

Então, você começa a trabalhar – dura e rapidamente. Você provavelmente conseguirá bolar todo um plano em apenas um dia. Vá à sua primeira reunião dos Vigilantes do Peso e providencie todos os materiais. Elimine as “besteiras” da sua cozinha. Compre os novos alimentos, o novo livro de receitas e a nova balança. Faça a tabela de perda de peso e o cardápio semanal. Selecione as receitas e cozinhe-as para a semana toda. Ufa!

Ao final do dia, você não terá usado sua força de vontade diretamente para fazer regime, mas para estabelecer as condições que tornarão sua dieta mais fácil. Quando você acordar no dia seguinte, você verá que seu contexto mudou dramaticamente de acordo com o seu plano. Sua geladeira estará repleta de comida saudável pré-cozida. Você não ficará tentado a comer “besteiras” em casa. Você será membro dos Vigilantes do Peso e terá reuniões semanais para ir. Você terá horários definidos para fazer compras e cozinhar. Ainda será necessária alguma disciplina para seguir sua dieta, mas você já fez tantas mudanças que a dificuldade não será nem perto do que seria sem essas mudanças.

Não use sua força de vontade para atacar seu problema diretamente. Use a força de vontade para atacar o contexto e os obstáculos sociais que perpetuam o problema. Estabeleça uma frente de batalha primeiro e depois fortifique sua posição (transformando-a em um hábito). O hábito põe a ação em piloto automático, de modo que pouca força de vontade é necessária no processo decorrente, permitindo que você siga com facilidade até seu objetivo.

Este artigo continua:

– Parte 4 – Esforço

– Parte 5 – Diligência

– Parte 6 – Persistência

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


10 comentários em “Os cinco pilares da autodisciplina: Parte III – Força de vontade”

  1. Achei interessante porque eu usava toda a minha forca de vontade para atacar o problema e não para criar todas condições e como esta forca não e duradoura algum tempo depois falhava e o problema persistia.

    Responder
  2. Chrys, parabens mais uma vez….so tenho a agradecer pelos textos que tem escrito…como tem mudado a minha vida; profissional, interpessoal e sentimental…a minha maior batalha é comigo mesma…aos poucos tenho conseguido mudar paradigmas, disciplinas, projetos…Estou tentando reorganizar minha empresa, traçar objetivos…
    Vc é uma benção!

    Responder
  3. Bom Dia

    Cada vez mais, as matérias elaboradas demonstram a importância de restabelecer contato com o mundo real.
    Fica evidente a sociedade não foi preparada para esta realidade; Considero-me um previlegiado por estar na lista dos e.mail(s) que recebem estas matérias. É importante e fundamental estar preparado, para utilizar todos os dias a infra-estrutura emocional, e obter crescimento individual e da sociedade.

    Temos que aprender a aprender a praticar todos os dias.

    Agradeço pelo alto nivel

    Responder
  4. Muito bacana,tenho exercitado no meu plano sempre, e quando preciso dos resultados, realmente tem que ser grandiosa a minha disposição e, as vêzes fico exausta…ai peciso de um tempo para recuperar as energias…gostei muito. Abraços

    Responder
  5. Muito obrigada por estes ensinamentos.
    Comigo acontece que eu sei a teoria mas na prática depois fica difícil de aplicar.
    Mas uma coisa fundamental eu levo deste artigo que li hoje – o foco.
    O problema é onde e como nos focamos nas coisas que queremos fazer. De facto será mais fácil focar nas condições a criar para facilitar a resolução do problema do que na resolução do problema em si.
    Às vezes é preciso fazer um zoom para sairmos do problema em si e olharmos em redor, com outro ponto de vista… o que nem sempre é fácil mas é possível.
    Muito obrigada.
    Bem-Hajam
    Abraço de Luz.

    Responder
  6. Fran,

    Excelente artigo que pode ser aplicado em tudo na nossa vida.Trabalho,vida sentimental,negócios e…Emagrecer!
    Uma sugestão,alem das excelentes que voce colocou no seu artigo é fazer musculação.
    Comecei um programa numa academia e depois de 2 meses de exercicios ja estou (orgulhosamente) vendo meus musculos definidos e aparecendo. Isto melhora a auto-estima e aumenta a vontade de continuar malhando.É necessario muita força de vontade,ir na academia,mas vale a pena, pois os resultados aparecem ràpidamente- Foco,né?
    Muito obrigado pelos seus artigos que tem me ajudado na minha caminhada
    Abraços
    Carlos

    Responder
  7. É como usar a força explosiva momentânea para impulsionar o foguete para o espaço, depois, sem a força da gravidade, existe a continuidade do primeiro empurrão. Gostei.

    Responder
  8. Eu sempre estou conectado nesse site lendo as matérias.

    Confesso que minha vida é uma bagunça só, mas vou colocar em prática esses cinco pilares, depois eu passo para todos qual foi o resultado.

    Um abraço a todos.

    01/05/2012

    Responder

Deixe um comentário