Processando a dor e lidando com o lixo emocional

Carolyn Rubenstein

Lidar com a dor e lixo emocional

Como limpar as emoções negativas

A vida é uma série de experiências. Algumas nos fazem sentir amados, apreciados, apoiados e capazes. Mas algumas experiências nos enchem de vergonha, medo, raiva, inveja ou pavor, nos deixando exaustos, derrotados, abandonados, sem amor, sozinhos, sem esperança e com baixa autoestima. Para enterrar a dor, muitas vezes nos distraímos. Mas a dor enterrada – a menos e até que lidemos com ela – tem uma maneira de ressurgir.

Quando a vida é boa, fazemos boas escolhas para nós mesmos e administramos nossos relacionamentos, tarefas da vida e responsabilidades com o mínimo de dificuldade. Mas quando as coisas ficam difíceis, a vida pode se transformar rapidamente em uma história totalmente diferente.

Quando nos encontramos em águas turbulentas, experimentando emoções desagradáveis, nos envolvemos em uma conversa interna negativa e buscamos consolo em comportamentos entorpecentes. Esses comportamentos são expressados de diversas formas, desde excesso de trabalho, excesso de comida ou sono excessivo, a ingestão excessiva de substâncias que alteram a mente, como álcool ou drogas, ou busca de distrações como pornografia, videogames ou assistir TV compulsivamente. Algumas pessoas recorrem a compras obsessivas, jogos de azar ou socialização para distrair e suprimir sentimentos desagradáveis quando eles surgem. Há também aqueles que se escondem dentro de suas mentes, criando vidas paralelas de sonhos e aventuras.

O poder das emoções

As emoções — positivas e negativas — vêm com força. Todos nós estamos familiarizados com a enxurrada de emoções e sensações positivas que sentimos quando recebemos uma boa notícia, como uma promoção, um aumento ou uma oportunidade nova e empolgante. As más notícias, por outro lado, costumam ser descritas como um “soco no estômago”. Ouvimos falar de pessoas que ficam “congeladas de medo” ou “queimando de raiva” quando ameaçadas ou ofendidas, ou quando algo não sai como planejado. Más notícias ou palavras rudes de um amigo ou familiar podem nos atingir “como uma tonelada de tijolos”.

Emoções positivas e negativas nos atingem emocional e fisicamente no momento em que aparecem. Esses sentimentos podem ser poderosos e avassaladores. E quando uma experiência e as emoções que a acompanham são negativas e dolorosas, muitas vezes tentamos minimizar ou ignorar as emoções negativas resultantes. Nós as ignoramos e nos envolvemos em todos os tipos de distração como um meio de evitá-las.

Experiências Negativas Entorpecentes

Podemos pensar que estamos cuidando de nós mesmos, mantendo os sentimentos ruins sob controle. Mas mesmo nossas distrações não podem nos impedir de repetir experiências negativas em nossas mentes e catastrofizar eventos a um ponto em que entramos em um estado de ansiedade e insegurança. Podemos nos encontrar em um estado de desespero e pavor, onde escolhemos entorpecer nossos sentimentos.

O entorpecimento pode proporcionar alívio temporário, mas o entorpecimento prolongado pode nos deixar falidos, viciados, desapegados e distantes das pessoas que se preocupam conosco. Ficamos perdidos e confusos sobre a vida e perdemos a conexão com nosso “eu” interior e a autoestima. Isso pode levar a nos contentarmos com menos na vida e limitar nosso potencial de realização e felicidade. Suprimir, em vez de processar as mágoas do passado, nos deixa com detritos emocionais.

Lidando com escombros emocionais

Quanto mais detritos emocionais carregamos, mais vulneráveis somos. Como psicóloga clínica, trabalho com muitos pacientes que lutam contra mágoas do passado e memórias negativas que ressurgem, especialmente quando estão lidando com um desafio no presente.

Rotulo essas memórias dolorosas como escombros emocionais e comparo memórias negativas generalizadas que surgem do passado a pedras no campo de um fazendeiro. Como os fazendeiros que precisam remover os pedregulhos a cada primavera antes de plantar uma nova safra, precisamos nos engajar no processo de limpar nossos detritos emocionais. Se não o fizermos, ele continuará aparecendo e impedindo o plantio das sementes para a vida que queremos.

Deixando ir

Detritos emocionais são dores não processadas. Enquanto nos apegamos aos nossos escombros emocionais, eles continuam a ressurgir, especialmente quando estamos mais vulneráveis.

Precisamos limpar e processar nossa dor para regular nossas emoções e abrir caminho para nosso crescimento e felicidade. Podemos começar decidindo limpar nossos detritos emocionais. Em seguida, precisamos nos sentar com nossas emoções negativas e nos permitir reconhecer e sentir nossos sentimentos plenamente. Precisamos examinar quem culpamos e o papel que nós mesmos podemos ter desempenhado em uma situação dolorosa. Precisamos perdoar a nós mesmos e aos outros e reconhecer o que aprendemos até mesmo com nossas experiências mais dolorosas.

Depois de processarmos nossa dor, ainda teremos memórias, mas seu efeito não será mais intenso ou perturbador. Podemos escolher colocar nossas mágoas do passado onde elas pertencem e não podem mais nos machucar, e podemos começar a curar, limpar, processar, evoluir e criar a vida que queremos.

Limpando escombros emocionais

Ao limpar e eliminar os detritos emocionais das mágoas e emoções negativas do passado, você pode abrir caminho para um futuro mais feliz.

Comece com as seguintes ações:

  • Decidir deixar de lado as mágoas do passado
  • Refletir sobre as emoções negativas em torno de memórias dolorosas
  • Reconhecer sua parte situações negativas
  • Perdoar e liberar a si mesmo e aos outros das mágoas do passado
  • Empregar ajuda de outras pessoas quando necessário, como um psicólogo ou amigo
Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Cadastre-se gratuitamente no Guia da Vida e tenha acesso a nosso melhor material sobre desenvolvimento pessoal, produtividade, saúde mental e motivação:


1 comentário em “Processando a dor e lidando com o lixo emocional”

  1. Nossa, foi muito bom ler esse artigo nesse momento da minha vida! Tenho muito desses detritos emocionais e preciso aprender a lidar com eles ou jogar eles fora.

    Responder

Deixe um comentário